Rações para peixes: uma das causas da sobrepesca

0
3560
views

Rações para peixes: uma das causas da sobrepesca

O apetite por salmão dos consumidores do hemisfério norte está fazendo com que milhões de toneladas de cavalas, sardinhas e anchovas nutritivas sejam desperdiçadas como ração para peixes, de acordo com uma nova pesquisa. Seus autores dizem que a criação de salmão no Reino Unido é uma maneira ineficiente de produzir frutos do mar, e alertam que mais de um terço de todos os peixes selvagens capturados em todo o mundo tornam-se alimento para peixes criados em fazendas, como as de  salmão. Por causa da quantidade de fazendas, a produção de ração tornou-se um dos principais impulsionadores da sobrepesca. A mortalidade de peixes mais do que quadruplicou, de 3% em 2002 para cerca de 13,5% em 2019, apenas nas fazendas de salmão escocesas. Rações para peixes: uma das causas da sobrepesca.

criação de salmão
A criação de salmão em cativeiro acelera as taxas de sobrepesca no mundo. Imagem, Tavish Campbell.

Criação de salmão em cativeiro e as rações para peixes

Já abordamos este assunto diversas vezes nestas páginas,  porque a maior parte do salmão que se encontra à venda nos mercados do Brasil vem do Chile, onde existem fazendas de criação, e são uma verdadeira bomba química conforme mostramos. Para não falar nos problemas da poluição química gerada pelas fazendas.

Salmão de cativeiro
O salmão de cativeiro. Imagem, greenqueen.com.hk.

O caso é tão grave que a Argentina proibiu fazendas de salmão na Terra do Fogo. Agora, um estudo publicado na PLOS Sustainability and Transformation sobre a criação de salmão no Reino Unido informa que ‘usando dados globais sobre a produção de aquicultura marinha, mostramos que a remoção de peixes selvagens capturados na natureza para a produção de salmonídeos pode deixar 3,7 Mt de peixes no mar, aumentando a produção global de frutos do mar em 6,1 Mt.

Salmão de viveiro escocês

O salmão de viveiro escocês é a maior exportação de peixe do Reino Unido em valor total. Mas as fazendas dependem de grandes volumes de peixes capturados na natureza para fornecer ao salmão – um peixe predador – os ácidos graxos ômega-3 necessários para prosperar.

Rações para peixes ou, a insustentabilidade das fazendas de criação

Apesar dos esforços para reduzir a proporção de peixes capturados na natureza usados ​​para alimentação, a indústria ainda usa cerca de 400.000 toneladas por ano para produzir 200.000 toneladas de salmão de viveiro, descobriram eles.

PUBLICIDADE

A imprensa britânica repercutiu o estudo. E destacou algumas informações, entre elas que ‘os minerais essenciais da dieta humana, e os ácidos graxos contidos nos peixes selvagens, são perdidos à medida que passam pelo salmão’.

Superlotação nos tanques de criação de salmão
A superlotação nos tanques de criação de salmão são a causa da alta mortalidade nas fazendas. Imagem, Daryl Hunt / Creative Commons.

O Dr. David Willer, pesquisador da University of Cambridge e autor do estudo declarou: ‘Alimentar o salmão escocês apenas com aparas de peixe e redirecionar os peixes capturados na natureza diretamente para os pratos das pessoas seria um uso muito mais sustentável e eficiente dos recursos’.

“Peixes e frutos do mar fornecem uma fonte vital e valiosa de alimentos ricos em micronutrientes para as pessoas em todo o mundo, e devemos ter certeza de que estamos usando esse recurso com eficiência”, disse ele.

“Comer mais peixes selvagens e usar alimentos alternativos em fazendas de salmão pode resolver isso.”

Carpas e mexilhões

De acordo com matéria do site inews.co.uk, ‘Tanto as carpas como os mexilhões podem ser cultivados de forma sustentável sem esgotar os estoques de peixes selvagens. De fato, estudos mostram que os mexilhões são a fonte de proteína mais sustentável disponível’.

‘Os mexilhões podem ser cultivados facilmente ao redor da costa do Reino Unido, onde também atuam como filtros naturais para a água. “Em um mundo ideal, você cultivaria basicamente apenas mexilhões”, disse o Dr. Willer à inews “Eles são incrivelmente sustentáveis ​​e muito bons.”

Globalmente, cultivar mais carpas e menos salmão e usar apenas ração de subprodutos de peixes pode deixar 3,7 milhões de toneladas de peixes selvagens no mar e produzir 39% a mais de frutos do mar em geral, disseram os pesquisadores.

Mais de 3,3 bilhões de pessoas dependem de peixes para a proteína animal

Há uma responsabilidade global de usar esse recurso de forma sustentável, pois mais de 3,3 bilhões de pessoas dependem dele como fonte de proteína animal.

Dr. Willer, autor da pesquisa, reforça: ‘ Ao comparar o salmão com outras opções, nossa pesquisa também destacou os benefícios para a saúde e o meio ambiente de se comer frutos do mar cultivados de forma mais sustentável, como mexilhões.

‘Os mexilhões pertencem à classe de moluscos bivalves que inclui mariscos como amêijoas e ostras (mas não camarões, lagostas ou caranguejos).Nossa pesquisa mostrou que os mexilhões são um dos alimentos mais sustentáveis ​​do planeta, mais do que qualquer outra carne, peixe e a maioria das culturas terrestres, como soja, trigo e arroz’.

PUBLICIDADE

A aquicultura do salmão

A aquicultura de salmão é dominada por um pequeno número de produtores multinacionais que operam em apenas quatro regiões – Chile, Noruega, Canadá e Escócia. Além de já ser o setor de produção de alimentos que mais cresce no mundo, espera-se um crescimento global contínuo da demanda. No entanto, também gera controvérsia considerável, que viu o crescimento da demanda desacelerar nos países desenvolvidos, principalmente devido às percepções negativas dos consumidores sobre o salmão de viveiro.

Externalidades negativas de quase US$ 50 bilhões entre 2013 e 2019

Para encerrar, uma nova análise da indústria global de criação de salmão realizada pela empresa de pesquisa Just Economics para a organização sem fins lucrativos Changing Markets Foundation, alertou que a agricultura insustentável está levando a enormes perdas, tanto financeiras quanto ambientais. O relatório, intitulado “Dead Loss”, revela que a aquicultura de salmão produziu “externalidades negativas” no valor de US$ 47 bilhões entre 2013 e 2019 . 

Imagem de abertura: Greenqueen.com.hk.

Fontes: https://uk.news.yahoo.com/swap-salmon-sardines-keep-four-190400108.html; https://www.nature.com/articles/s43016-020-0116-8; https://uk.news.yahoo.com/swap-salmon-sardines-keep-four-190400108.html; https://www.theguardian.com/environment/2022/mar/02/wild-fish-stocks-squandered-to-feed-farmed-salmon-study-finds.

Uma das últimas praias prístinas do Japão será concretada

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here