Uma das últimas praias prístinas do Japão será concretada

0
16017
views

Uma das últimas praias prístinas do Japão será concretada

Em julho de 2021, a praia de Katoku, uma das últimas praias prístinas do Japão, tornou-se parte de um novo Patrimônio Mundial da UNESCO, uma reserva de picos verdejantes e florestas de mangue no extremo sudoeste do país, que abriga quase uma dúzia de espécies ameaçadas de extinção. Dois meses depois, o ar plácido foi dividido por um novo som: o estrondo de caminhões e escavadeiras se preparando para arrancar uma grande parte da duna de Katoku e enterrar dentro dela uma parede de concreto de dois andares destinada a conter a erosão. Esta castração de uma praia é tão inusitada que até o mais prestigiado jornal do mundo se manifestou. O New York Times diz que ‘O projeto do paredão demonstra como nem mesmo os tesouros ecológicos mais preciosos podem sobreviver à obsessão de construção do Japão, que há muito tem sido sua resposta à ameaça de desastre natural – e uma fonte vital de estímulo econômico e capital político, especialmente nas áreas rurais’.

Katoku, Uma das últimas praias prístinas do Japão
Katoku, uma das últimas praias prístinas do Japão. Imagem, globalonlinemony.com.

Katoku, Japão

Pois é, não é só no Brasil… Pena mesmo é constatar que apesar desta moda estar ‘pegando’  no País, nenhum jornal se manifesta mesmo que  restem apenas 15%  das áreas costeiras conservadas no mundo. É o que revela uma pesquisa que pede medidas urgentes de conservação para proteger o que resta e restaurar locais degradados.

O litoral é onde começa a cadeia de vida marinha de 90% das espécies. O estudo, liderado por pesquisadores da Universidade de Queensland, usou dados de satélite para examinar até que ponto as atividades humanas invadiram os litorais do mundo.

O NYT informa que ‘Os apoiadores do projeto – a maioria de seus 20 moradores – dizem que a sobrevivência da vila está em jogo, pois foi atingida por tempestades mais violentas nos últimos anos. Os opositores – um grupo de surfistas, agricultores orgânicos, músicos e ambientalistas, muitos de fora da ilha – argumentam que um paredão destruiria a praia e seu delicado ecossistema’.

Assim como aqui, a população também protesta contra a muralha de concreto. Imagem, Noriko Hayashi.

Confronto em áreas rurais em todo o Japão

Segundo o jornal, ‘A luta incorpora um confronto que ocorre em áreas rurais em todo o Japão. Os veteranos veem seus meios de subsistência tradicionais em indústrias como extração de madeira e construção ameaçados por recém-chegados que sonham com uma existência pastoril’.

PUBLICIDADE

Mapa de Amami Oshima

‘As aldeias podem precisar de novos moradores para reforçar suas minguadas populações e economias, mas às vezes se irritam com sua presença’.

Quando o Sr. Takaki visitou Katoku pela primeira vez, em 2010, parecia o paraíso que ele estava procurando. “Eu nunca tinha visto um lugar como aquele”, disse ele.

Isso tudo mudou. “Se eles terminarem de construir essa coisa, não sei o que vamos fazer aqui.”

O desastre de Fukushima e uma das últimas praias prístinas do Japão

De acordo com o New York Times, ‘O país represou a maioria de seus rios e os revestiu com concreto. Gigantes armações de concreto construídas para resistir à erosão – estão empilhadas ao longo de cada centímetro habitável da costa. Após o terremoto e tsunami de 2011 que devastou o nordeste do país e desencadeou o derretimento nuclear de Fukushima, os planejadores cercaram a região com paredões’.

NYT: ‘Os projetos costumam ser lógicos para um país atormentado por terremotos, vulcões, tsunamis, deslizamentos de terra e tufões, disse Jeremy Bricker, professor associado da Universidade de Michigan, especializado em engenharia costeira. A questão, ele disse, é “até que ponto isso acontece realmente por causa das áreas que precisam ser protegidas e até que ponto isso faz parte da cultura japonesa?”

Promover o trabalho para empreiteiros

Parece, de fato, o litoral do Brasil…“O Japão está tão focado em promover o trabalho para empreiteiros tradicionais – isso significa lançar concreto – que não há tanta ênfase em soluções leves”.

paredões de concreto em praia do Japão
Um retrato do século 21: O horror dos paredões em praias. Imagem, Noriko Hayashi.

A dependência do concreto é ainda maior em Amami Oshima (a sétima maior ilha no arquipélago japonês)  do que em qualquer outro lugar do país, disse Hiroaki Sono, um ativista de 83 anos que se opôs com sucesso a grandes projetos na ilha.

‘Obras públicas são fortemente subsidiadas e políticos ansiosos por votos’

As obras públicas são fortemente subsidiadas por uma lei da década de 1950 destinada a melhorar a infraestrutura local.

PUBLICIDADE

Foto aérea de Amami Oshima
Foto aérea de Amami Oshima.

Políticos ansiosos pelos votos da região renovam a lei a cada cinco anos, e a economia de Amami Oshima depende muito disso, segundo Sono, acrescentando que a maioria dos moradores de Katoku tem vínculos com a indústria.

“É construção pela construção”, disse ele.

Obs. do Mar Sem Fim: alguma semelhança com o que acontece em Ilhabela, SP; ou Itajaí, SC, por exemplo, não são meras coincidências. Lá, acontece a construção pela construção; aqui é a construção pela grana que espertalhões vão embolsar.

Praias: ambientes dinâmicos: paredões podem ter efeitos imprevisíveis e desestabilizadores

Os engenheiros ambientais descrevem as praias como ambientes dinâmicos – crescendo, diminuindo e mudando junto com as estações e marés. Novos elementos como um paredão podem ter efeitos imprevisíveis e desestabilizadores.

NYT: Durante décadas, os moradores de Katoku recusaram ofertas do governo para blindar a costa com concreto. Mas em 2014, dois fortes tufões arrastaram a praia e arrancaram as árvores de pandanus que protegiam a vila. O cemitério, construído no alto de uma duna alta que separa a vila do mar, ficou então precariamente empoleirado sobre a costa esfarrapada.

cemitério na praia
Imagem, Noriko Hayashi.

As tempestades abalaram a confiança dos aldeões na capacidade da baía de protegê-los. “As ondas chegaram até o cemitério”, disse Sayoko Hajime, 73, que se mudou para Katoku com o marido – um nativo – há 40 anos. “Depois, todos ficaram apavorados; entraram em pânico.”

Após os tufões, a aldeia pediu ajuda ao governo da província. Os planejadores recomendaram um muro de concreto de 1.700 pés de comprimento para impedir que o oceano devorasse a praia.

PUBLICIDADE

manguezal em Amami Oshima
Manguezal em Amami Oshima. Imagem, unesco.org.

Para complicar ainda mais, diz o Times,  um rio – lar de peixes de água doce ameaçados de extinção – abre um canal para o oceano, subindo e descendo a praia em ritmo sazonal.

Explorar outras opções

Vale a pena explorar outras opções, disse Tomohiko Wada, um dos vários advogados que entraram com processo para interromper a construção: “Os aldeões queriam fazer alguma coisa, e a prefeitura disse ‘concreto’, porque é isso que o Japão faz”, disse ele.

resort em Amami Oshima
Resort em Amami Oshima. Note que foi construído quase em cima da praia, ‘ambientes dinâmicos – crescendo, diminuindo e mudando junto com as estações’.

As autoridades locais se recusaram a comentar o processo. Mas a lei japonesa não prevê ordens de parada de trabalho em tais casos, e a prefeitura parece ter a intenção de terminar o trabalho antes da decisão dos tribunais.

Patrimônio Mundial da UNESCO

A nova designação da UNESCO pode atrair turistas e impulsionar a economia de Katoku. Mas os aldeões são cautelosos com os forasteiros. A praia é o bem mais valioso de Katoku, argumentou Takaki, o que a diferencia de dezenas de outras aldeias moribundas ao longo da costa de Amami Oshima. Em seus esforços para salvar o assentamento, disse ele, os aldeões podem matá-lo.

Imagem de abertura: globalonlinemony.com.

Fonte: https://www.nytimes.com/2021/10/13/world/asia/japan-katoku-seawall.html.

Catamarã anfíbio e movido a energia solar, conheça

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here