Proantar está ‘gravemente ameaçado’

0
719
views

Proantar está ‘gravemente ameaçado’ dizem pesquisadores brasileiros

A pesquisa brasileira nunca foi levada a sério. Sempre lutou contra ameaças por falta de investimentos. Mas agora a situação piorou. Pesquisadores dizem que o programa brasileiro na Antártica, o Proantar, está gravemente ameaçado em razão da crise financeira nacional.

ilustração da base brasileira do proantar na antártica
Simulação da nova Base Comandante Ferraz em Rei George (Ilustração: Marinha do Brasil)

A matéria é de Herton Escobar, publicada pelo Estadão. Uma carta assinada por 17 lideranças científicas do programa, enviada na ocasião ao ministro da Ciência e Tecnologia, Gilberto Kassab, e ao comandante da Marinha do Brasil, Bacelar Ferreira, diz que

Infelizmente não há recursos financeiros para compra de equipamentos científicos da estação e, mais grave, para o financiamento de projetos científicos e bolsas de estudos

E isso pode acontecer justamente no ano em que o Brasil pretende inaugurar sua nova base na Antártica (2019), que custou US$ 100 milhões de dólares.

Incêndio na Base Ferraz em 2012

Esse foi um ano trágico para o Brasil na Antártica. Três graves acidentes aconteceram. O incêndio que destruiu a antiga base, o afundamento de uma balsa da MB que levava óleo dos navios polares até a praia, e o naufrágio do Mar Sem Fim. De lá para cá o Proantar sofreu as consequências de não ter uma base fixa.

imagem do navio ary rongel que apoia o proantar
O Ary Rongel

Nos verões, as poucas pesquisas eram feitas a bordo dos navios polares brasileiros, o Comandante Maximiliano, e o Ary Rongel. Enquanto isso, a nova base era construída. Agora, quando está prestes a ser inaugurada, a falta de verbas ameaça a presença brasileira no Continente Branco.

imagem do navio comandante maximiliano que apoia o proantar
O Comandante Maximiliano

Tratado Antártico

O país aderiu ao tratado em 1975. Em 1982 foi criado o PROANTAR, o Programa Antártico Brasileiro, já que o tratado exige que cada país membro do ICAR – Comitê Científico para Pesquisas Antárticas- realize “substancial atividade de pesquisa científica” para manter seu direito ao voto. Segundo o glaciologista Jefferson Cardia Simões, professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e vice-presidente do Comitê Científico para Pesquisas Antárticas,

Não basta a presença militar, tem de haver ciência

Último edital do PROANTAR

Herton Escobar explica que “o último edital federal dedicado à pesquisa antártica foi lançado em 2013, no valor de R$ 14 milhões, para financiar 19 projetos por três anos – dinheiro liberado com três anos de atraso e já esgotado, segundo os cientistas. Um dos Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCTs) dedicados à Antártida encerrou suas atividades neste mês e o outro, chamado INCT da Criosfera, foi renovado até 2022, mas só tem recursos para mais uma operação antártica”

Apelo dos cientistas

Rogamos a vossas excelências que sejam estudadas ações emergenciais para darmos continuidade às pesquisas científicas na Antártida e não tenhamos a situação insólita de uma casa antártica sem cientistas

Assim termina a carta, obtida com exclusividade pelo Estado.

‘A ciência na pode pagar a conta’

Herton escreveu: “Casa vazia não faz ciência”, resume Simões. O resultado, diz, pode ser uma estação científica com alma do Mané Garrincha, em Brasília: um estádio de futebol sem futebol, bonito por fora e vazio por dentro. Segundo ele, “a ciência não pode pagar a conta” de uma estação com finalidades mais geopolíticas do que científicas.

O desabafo do cientista

As palavras de Cardia,  “a ciência não pode pagar a conta de uma estação com finalidades mais geopolíticas do que científicas”, demonstram que a falta de verbas não é novidade. Mas, pará-las totalmente seria uma decisão mesquinha e mixa do governo brasileiro. Não podemos permitir que aconteça. Não só a presença brasileira é fundamental, como as pesquisas que, a despeito da eterna falta de verbas, sempre foram das mais respeitadas entre os países ditos ‘em desenvolvimento’.

O Mar Sem Fim espera que vença o bom senso. O Brasil não pode ficar fora da Antártica!

Saiba quando, e como nasceu a Oceanografia, a mais recente disciplina científica

COMPARTILHAR

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here