Pororoca não existe mais, uma triste notícia

10
1177
views

Pororoca não existe mais, uma triste notícia

Enquanto Instituto Chico Mendes diz que criação de búfalos criou valas que drenaram o curso d’água e acabaram com a Pororoca, a Federação de Pecuária do Amapá alega que outros fatores devem ser considerados para o fim do fenômeno natural que já atraiu gente do mundo inteiro pro Norte do Brasil. O encontro de águas do rio Araguari com o Oceano Atlântico perdeu o encantamento que tinha no Amapá.

pororoca, imagem da pororoca no rio araguari
A pororoca no Araguari. Bons tempos…

Pororoca : fenômeno natural

A pororoca era um fenômeno natural produzido pelo encontro das correntes fluviais com a maré do Oceano Atlântico. Rio e mar se confrontavam, criando uma onda que percorria mais de dez quilômetros. Gente de todo o mundo desembarcava no Amapá em busca da onda perfeita.

ICMBio e a atividade pecuária

De acordo com o ICMBio a atividade pecuária, principalmente a criação de búfalos, criou valas e canais que drenaram o curso d’água. A Federação de Pecuária do Amapá alega que outros fatores devem ser considerados pra explicar o fim da pororoca.  Iraçu Colares, presidente da federação questiona:

Por causa da pecuária? E por que nós não incluímos também aí a questão, por exemplo, das hidrelétricas

O vaqueiro Edgar Souza diz que

O fim da pororoca dificultou o acesso para os ribeirinhos

Negócio de escola não tem condição. A escola foi fechada porque não deu mais pra estudar os moleques, aí tem que ir pra cidade. A água pra gente se alimentar ficou difícil. Ficou muito barrenta. Ficou fraco de peixe, muito fraco

 Profundidade do rio Araguari diminuiu muito

A partir de um determinado ponto, nenhum tipo de embarcação passa mais, por menor que seja. A profundidade do rio, que era de cinco, seis metros, diminuiu muito. A foz do rio, onde ele desagua e se encontra com o Oceano Atlântico, formando a pororoca, fica a 20 quilômetros de lá. Todo esse percurso era navegável. Agora, a vegetação está começando a cercar a área. O rio fechou de vez. O mato está tomando conta do lugar onde antes era só água.

A chefe da Reserva do Lago Piratuba, Patricia Pinha, afirma que

É um processo difícil de reverter. Teria que ser investido muita pesquisa e recurso financeiro pra poder fechar esses canais e o rio voltar a ter força de novo. Todos os danos ambientais apurados devem ser imputados a esses criadores e, eventualmente, até mesmo ao estado, que colaborou para o dano ambiental sendo omisso”, diz o procurador do MPF Thiago Cunha.

O governo do Amapá anunciou que um grupo vai estudar as causas do fim do fenômeno.

A ação do homem é dramática em todo o litoral. Veja o que aconteceu no litoral do Rio Grande do Sul.

COMPARTILHAR

10 COMENTÁRIOS

  1. Muito triste e lamentável ver diante dos nossos olhos a morte do Rio Araguari, posso dizer a “mãe do Amapá” e não poder fazer nada. Sentimento de impotência, fica nossa indguinação. Restando apenas um enorme prejuizo ao Mumicipio de Cutias e mais precisamente aos ribeirinhos, quer seja na alimentação, ja que 99% dos ribeirinhos bobrevivem da caça e da pesca e os peixes se tornaram escassos, em virtude da saída deles para outros rios e lagos, o acesso se tornou quase impossivel para a maioria, visto q o Rio está secando sem deixar alternativas de deslocamento. Segundo moradores antigos da região, o magestoso Rio Araguari perdeu sua força por conta dos pequenos canais que ali existiam e que por algum motivo esses canais se alargaram, formando braços gigantescos do rio, desaguando no Rio Gurijuba, desviando assim o curso normal do Rio Agaguari. Famílias, vilarejos e comunidades ribeirinhas inteiras tiveram que deixar pra trás uma historia de vida e migraram para a sede do Município ou para a Capital em busca de melhores condições de sobrevivência, esse processo de deslocamento nos trousse um outro grave problema social. A discursão no sentido de que se ache um culpado é louvável, porém pelas informações que temos, isso se arrasta desde 2009, o pior de tudo, mesmo com a situação agravada, ainda querem manter a discursão, ao invés de ação? E o povo dessa região como fica? E a fauna e a flora como ficam? E o fenômeno da pororoca que desapareceu, fica por isso mesmo? Como fica o Município de Cutias que sofreu essa perda inreparavel no turismo? Pergunta: TEM ALGUÉM QUE PODE NOS AJUDAR ? Que saibam as autoridades competentes, o povo quer saber como resolver esse visível crime ambiental que abalou a fauna, flora, as famílias e o municipio como um todo. COMO RESOLVER, QUEM RESOLVER E QUANDO RESOLVER ?????

    • Olá, Eliane, obrigado pela mensagem tão esclarecedora. É uma pena o que aconteceu ao Araguari. Infelizmente não sei quem poderia ajudar para reverter esta situação. Se houvesse alguém com esta capacidade formaria-se uma enorme fila de rios mortos, ou semi mortos. Este é o caso do rio São Francisco, do rio Doce, assassinado pela lama da Samarco; do Jequitinhonha, na Bahia, e vai por aí. Praticamente todos os rios brasileiros que deságuam no mar estão seriamente comprometidos. A única exceção é o rio Amazonas. Os outros perderam sua proteção natural, a mata ciliar, e aos poucos foram minguando. O São Francisco, por exemplo, tem seis barragens para gerar energia. Resultado? O rio assoreou,praticamente não tem mais água na foz. E infelizmente, a culpa é nossa. São pessoas que cortam a mata, ou os governos que criam as barragens, enfim, não há como culpar outros fatores. É uma pena, sinto muito por isso. É realmente muito triste ver rios tão bonitos, tão úteis, sendo mortos pelo uso errado do ser humano. Bom, Eliane, é isso. Obrigado pela mensagem, abraços

  2. As consequências ainda irão surgir…
    Essa alteração trará grandes reflexos negativos na economia da região como na pesca, turismo e etc…
    E o pior… não vejo nenhum Governo preocupado com isso.
    Parabéns ao MARAVILHOSO programa…
    E saudações da Esec Tupiniquins…

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here