Plástico, saiba quanto você usa diariamente

5
417
views

Plástico, saiba quanto você usa diariamente

Vivemos uma pandemia do material. Há plástico em todos os lugares. Nos oceanos, inclusive nos locais mais ermos e afastados; no continente, em toda parte, nos rios, e até na atmosfera. Você sabia que está ‘chovendo’ plástico? Isso mesmo, partículas caem do céu! Plástico, saiba quanto você usa.

imagem de partículas de plástico
O vilão dos oceanos. Imagem, www.kickstarter.com/.

Como combater o plástico

A maneira mais eficaz de lidar com o problema dos plásticos nos oceanos, dizem muitos especialistas, é evitar que os resíduos entrem nos oceanos em primeiro lugar. Isso significa ação em nível governamental para gerenciar o desperdício e pressionar os fabricantes para recuperar resíduos e produzir materiais que se degradam sem causar danos. Mas os indivíduos também podem desempenhar um papel, reduzindo seu próprio uso de plásticos descartáveis. A matéria é do New York Times.

Plástico nos oceanos

Um estudo publicado na revista PLOS One estimou que 5,25 trilhões de peças de plástico, grandes e pequenas, pesando 269.000 toneladas, podem ser encontradas em todos os oceanos do mundo, mesmo nos lugares mais remotos.

Uma estudante da longínqua Cracóvia e plástico, saiba quanto você usa

É aí que entra Hanna Pamula. Uma Ph.D. estudante em Cracóvia, Polônia, ela projetou uma calculadora de pegada de plástico para Omni Calculator, uma startup polonesa. É gratuito e prático para descobrir como o seu próprio consumo de plástico se compara às pessoas à sua volta. Pamula disse que  projetou essa calculadora “para aumentar a conscientização sobre a poluição do plástico e nosso impacto individual”. Ela disse estar feliz em ver campanhas bem-sucedidas para usar menos sacolas plásticas e canudos, mas que outras ações eram necessárias. “É ótimo que estejamos cada vez mais conscientes, mas ainda não é suficiente e mais esforços devem ser feitos para mudar nossos hábitos e estilo de vida”, disse ela. O Mar Sem Fim lembra que diversos países têm banido, total, ou parcialmente o plástico. O Brasil está atrasado. São Paulo, que sempre esteve à frente, só recentemente proibiu os famigerados canudinhos.

A ferramenta

É uma ferramenta básica. O questionário simples pede algumas das maneiras que usamos plásticos em nossas vidas diárias. Ainda assim, é de abrir os olhos.

Faça o teste você mesmo

É simples. Clique aqui e saiba qual a sua contribuição.

E publique aqui os resultados

Que tal fazermos um ‘campeonato’ para sabermos quem é quem no uso do material? Você faz o teste, e publica nos ‘comentários’ qual resultado obteve. Quem sabe isso induz as pessoas a se conhecerem mais, para usarem menos  plástico. Se conseguirmos, será um grande avanço!

Fizemos o teste, procurando ser fiel aos nossos hábitos. Não gostamos do resultado. Os dados mostram que usamos 26.8 kg de plástico por ano, o que daria 2,008 kg durante a vida. O teste encerra com um comentário:  Could be better… 😐. E tem razão, poderia mesmo.

Fonte – https://static.nytimes.com/email-content/CLIM_sample.html?module=newsletterconfirmationemail&version=regi&contentId=CLIM&eventName=readlatestnewsletter&region=copy&emc=confirmregi_CLIM_20190515&nl=CLIM.

Imagem de abertura – //www.kickstarter.com/.

Clarion Clipperton, Pacífico, e mineração no fundo do mar

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

5 COMENTÁRIOS

  1. Eu fiz o calculo e aqui em casa geramos uma media de 12kgs de plastico por ano.
    Fico muito triste em ver pessoas totalmente despreocupadas com o mundo, so poluindo, poluindo e poluindo.. e colocando a culpa nas outras pessoas.
    Tento fazer a minha parte.
    Ah.. a industria alimenticia eh super culpada… mais e mais embalagens, porcoes menores.. ~e dificil assim.

  2. O que falta é conscientização da população, no nosso caso vejo sempre pelas ruas garrafas pet, mini- garrafinhas de plástico entre outros, por diversas vezes já retirei garrafas prestes a entrar na boca de lôbo, vejo que as pessoas não estão nem aí, por esse comportamento se faz necessário uma urgente campanha de conscientização e educação verde por parte das empresas responsáveis pela produção desses materiais tão nocivo ao nosso meio ambiente.

  3. Tem coisas que não consigo entender. O problema real não são os plásticos. O problema real é o saneamento e ocupação irregular das costas e áreas urbanas. Ilhas de lixo do Atlântico saem do Haiti para o Caribe com montanhas de lixo devido ao lixo gerado em favelas. Se houvesse coleta e tratamento dos resíduos sólidos muito desse problema não existiria. Ao andar pelo centro de São Paulo, mais especificamente Pari, Brás e 25 de Março se observam as pilhas de lixo deixadas pelos catadores, pelos ambulantes e pelos compradores. Muito desse lixo vai para o sistema de coleta pluvial e vai para o mar, quando não entope piscinões e bueiros provocando enchentes.
    Uma outra consideração é a de que se material de origem vegetal for substituir o plástico, haverá uma maior necessidade de áreas cultiváveis. Se parar de comer carne e de usar plástico, toda a demanda de materiais terá que ser suprida pela agricultura ou pela mineração. Essa parte os floquinhos pulam.
    Enquanto isso, a responsabilidade dos caras como Boulos e dos construtores de favelas é ignorada.
    Deveriam verificar se o problema é o plástico ou a falta de reciclagem, saneamento e a permissão de (ou omissão) para desmatamento e construções irregulares.

  4. As culpas por usarmos tanto os plásticos estão na educação! Não acredita??? Vá a uma peixaria ou açougue e se o “venderiro” embrulhar os produtos em “papel de pão” (aquele papel de cor cinza) e em seguida em três ou quatro folhas de jornais e você irá correndo para a vigilância sanitária não é não???? Mas antes dos ano 1960 sequer haviam películas de plásticos e não conheci ninguém que morreu por contaminações (que hoje inventaram também as ditas contaminações cruzadas etc) pelo menos, não na minha família.
    As mídias irresponsáveis e pretensos “doutores sabem tudo” diariamente aterrorizam as pessoas com terrorismos baratos, mas jamais com ensinamentos didáticos e os homens seguem as leis do menor esforço sejam ou não inteligentes.
    Quanto ao futuro do mundo??? Os brasileiros dizem que UMA ANDORINHA nãofaz verão, então que se lasquerm ou aprendam pelas dores já que sabedoria parecem mais distantes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here