Os últimos 10 anos foram a década mais quente dos oceanos

0
112
views

Os últimos 10 anos foram a década mais quente dos oceanos

De acordo com a NASA, noventa por cento do aquecimento global acontece nos oceanos, aumentando a temperatura interna da água desde 1955. Isso acontece porque os oceanos absorvem mais de 90% de energia térmica retida pelo CO2. Além disso, o calor no oceano faz sua água se expandir, o que contribui para o aumento do nível do mar. A maior parte dessa energia se acumula na superfície, até uma profundidade de 700 metros. Os últimos 10 anos foram a década mais quente do oceano desde 1800. Em 2023, os oceanos do mundo absorveram mais calor do que em qualquer outro ano desde o início dos registros. Um artigo divulgado em 11 de janeiro de 2024 confirma isso. O estudo anual, liderado pelo Instituto de Física Atmosférica da Academia Chinesa de Ciências em Pequim, traz essa nova atualização

Os autores da pesquisa

Uma pesquisa anual, publicada na revista Advances in Atmospheric Sciences, envolveu cientistas de 17 institutos de pesquisa de países como China, Estados Unidos, Nova Zelândia, Itália e França. Eles descobriram que o ano passado foi o mais quente já registrado para os oceanos, pelo quinto ano seguido.

Em 2023, os 2.000 metros superiores dos oceanos  absorveram mais calor do que em 2022, o ano mais quente anterior. Cheng Lijing, autor principal do estudo do Instituto de Física Atmosférica da Academia Chinesa de Ciências, comparou isso a 2,3 bilhões de piscinas olímpicas fervendo.

A pesquisa mostrou um aumento notável de 0,23 graus Celsius na temperatura média global da superfície do mar em 2023, em comparação com 2022. O estudo também analisou a salinidade do oceano. Encontrou um aumento de salinidade em áreas já salgadas e uma diminuição em áreas menos salgadas.

gráfico da NASA sobre retenção de calor pelos oceanos
A nova pesquisa confirma os dados da NASA sobre a capacidade dos oceanos na retenção do calor. A região azul sombreada indica a margem de incerteza de 95%.

Esse aquecimento é preocupante. Ele reduz o oxigênio na água do mar e sua capacidade de absorver dióxido de carbono. Isso pode levar a consequências graves para a vida marinha, tanto vegetal quanto animal, segundo o estudo. Outra conclusão é que o calor e a umidade extras que entram na atmosfera tornam as tempestades mais severas, com chuva mais pesada, ventos mais fortes e inundações mais significativas.

Fenômeno irreversível

Segundo os cientistas, o aquecimento dos oceanos é um fenômeno irreversível que persistirá ao longo deste século, mesmo que as emissões de gases de efeito estufa possam ser interrompidas.

PUBLICIDADE

Pedimos ao leitor que atente para o fato de que até agora, não emitimos nenhuma opinião, apenas mostramos em grandes linhas o que a pesquisa descobriu. Não poderia ser muito diferente. Não faz uma semana que publicamos outra descoberta sombria, desta vez pela agência climática europeia Copernicus, segundo a qual 2023 foi o ano mais quente desde tempos pré-industriais.

Os recifes de corais

Isso degrada os já combalidos recifes de corais, que abrigam um quarto da vida marinha do mundo e fornecem  alimentos para mais de 500 milhões de pessoas. Em outras palavras, a vida marinha está mais que ameaçada.

Consequências no Brasil

No Brasil, as consequências do aquecimento dos oceanos serão graves, especialmente no litoral. Mais pessoas ficarão desabrigadas e a erosão, que já afeta cerca de 60% da zona costeira, vai se intensificar. Mas os impactos vão além do litoral. Dados de janeiro de 2023 do Serviço Geológico do Brasil, ligado ao Ministério de Minas e Energia, indicam que 3.938.831 pessoas vivem em 13,5 mil áreas de risco no país.

São justamente essas áreas que enfrentarão tempestades mais severas, ventos mais fortes e inundações mais significativas, conforme previsto pelo novo estudo.

Imagem de abertura: Wyland Foundation

Assista e saiba mais

World's oceans break record for highest temperatures 5 years in a row: Study

A batalha de Trafalgar e a morte de Horatio Nelson

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here