Os seis trabalhos de um náufrago, saiba quais

0
2927
views

Os seis trabalhos de um náufrago: homens que passaram meses à deriva ensinam como enfrentar a solidão, a falta de provisões e o desespero

Alain Bombard sempre foi aficionado pelas histórias de vítimas de desastres marítimos. Histórias em que o desfecho é muitas vezes o suicídio para evitar a agonia de esperar por socorro. Por isso decidiu testar os  seis trabalhos de um náufrago. No dia 22 de outubro de 1952 o médico francês partiu das ilhas Canárias para passar quantos dias fossem necessários no mar.

62 dias à deriva no mar

Depois de 62 dias à deriva, Bombard desembarcou nas ilhas Barbados, no Caribe. Durante a jornada, alimentou-se dos peixes  e do plâncton que coletava. Emagreceu 24 quilos. Teve problemas de visão e delírios. No fim, concluiu que resistir havia sido bem mais difícil do que imaginava:

Quando se está à deriva, a metade do tempo se passa temendo a morte. A outra metade, a desejando.

Os seis trabalhos de um náufrago,
Os seis trabalhos de um náufrago

Os sobreviventes de naufrágios costumam escrever testemunhos detalhados do que viveram. A Super reuniu os seis trabalhos de um náufrago, experiências mais impressionantes desses heróis da resistência.

1. Conseguir alimentos, os seis trabalhos de um náufrago

Matar a sede e a fome são tarefas árduas para náufragos. A água do mar não é adequada para o consumo humano. O sal altera a composição do sangue e leva a uma série de problemas físicos.

Alain Bombard conseguiu driblar a dificuldade. Usou um expediente comum aos pescadores polinésios: espremer água dos peixes. Embora pouco atrativa, a água retirada da carne dos peixes tem uma concentração de sal baixíssima. Semelhante à que está em nosso corpo.

2. Enfrentar um dos maiores tabus da humanidade: canibalismo

Situações extremas requerem medidas extremas. “Resistem os que estão dispostos a fazer qualquer coisa para sobreviver”, diz o jornalista americano Laurence Gonzales, autor de Deep Survival: Who Lives, Who Dies and Why (“Sobrevivência Profunda: Quem Vive, Quem Morre e Por Quê”, sem versão para o português).

Os sobreviventes do naufrágio do baleeiro Essex, episódio que inspirou Herman Melville a escrever Moby Dick, passaram pela mesmíssima situação em 1820. Sua história é uma das mais aterradoras. Tem surpreendentes componentes de ironia. Primeiro porque o navio, que caçava baleias, naufragou tombado justamente por uma delas.

Depois de quase 3 meses vagando em pequenos barcos pelo oceano Pacífico, prestes a morrer de inanição, os marinheiros perceberam que não havia outro jeito de escapar da morte: tinham que comer um dos companheiros. O premiado  foi Owen Coffin, de 18 anos. Acabou assassinado pelo melhor amigo, Charles Ramsdell, de 16.

Quando foram encontrados, 93 dias depois, os oito sobreviventes do Essex lambiam os ossos dos companheiros. Eles temiam que seus salvadores lhes roubassem a pouca reserva de carne humana de que ainda dispunham.

3. Acreditar na divina providência, um dos seis trabalhos de um náufrago

Pesquisador de uma área chamada psicologia da sobrevivência, o britânico John Leach afirma que situações extremas empurram os protagonistas a descobrir dentro de si forças que jamais imaginaram. Isso vale para a disposição de comer carne humana, mas também para a vontade de sobreviver mesmo diante de situações que parecem lhes dizer que não há saída.

4. Apreciar as pequenas coisas

Para combater a loucura provocada pela solidão, o pescador taitiano Tavae Raioaoa aproveitou seu naufrágio, em 2002, no Pacífico, como um momento de pausa na vida para fazer reflexões existenciais. Durante os 118 dias que passou à deriva,  Tavae fez um balanço de sua história pessoal. Ou seja, embarcou em uma espécie de retiro espiritual gratuito – prática pela qual muita gente anda pagando as maiores fortunas hoje em dia.

5. Tirar proveito das companhias

Tubarões são companheiros tão indesejáveis quanto constantes nas viagens sem rumo dos náufragos. E sua presença é quase sempre anúncio de tragédia. Em 1960, quando o navio americano Albatross foi a pique, no Caribe, o capitão e alguns membros da tripulação conseguiram se salvar em botes. Mas o sangue dos feridos atraiu dezenas de tubarões que, excitados pelo cheiro, cercaram as embarcações e tentaram virá-las com seus focinhos.

6. Estabelecer rotinas

Em pleno século 20, o americano Steve Callahan cruzava sozinho o Atlântico, quando uma onda gigante empurrou o barco em que estava para o fundo do oceano. Apesar de todo o preparo  para situações de emergência, Callahan não teve tempo sequer de mandar um SOS. Em 1982, ele se viu tão vulnerável quanto os homens que se perdiam nos mares na época dos descobrimentos. Passou 76 dias à deriva em um bote e, para manter-se firme, resolveu contar com a ajuda de um “capitão” imaginário. O “capitão” dava ordens como pescar, comer, arranjar o que beber, proteger-se do sol e do frio, cuidar da própria segurança e da manutenção do bote.  Com este truque da própria cabeça, Callahan controlou a si mesmo e evitou a pior das agonias dos homens à deriva: a vontade de interromper o sofrimento, afogando-se no mar.

Revista Superinteressante – Texto: Erica Montenegro

Conheça alguns dos maiores naufrágios na costa brasileira.

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here