Fitoplâncton, um dos produtores primários do oceano

1
191
views

Fitoplâncton, um dos produtores primários do oceano – vamos conhecê-lo?

As florestas tropicais foram apelidadas de pulmão da Terra, mas como nós, nosso planeta tem dois pulmões. O segundo é o oceano. Florestas tropicais e oceanos atraem dióxido de carbono da atmosfera, reduzindo o acúmulo do gás que está aquecendo o clima. Ambos usam plantas fotossintéticas para capturar o dióxido de carbono da atmosfera e convertê-lo em carbono orgânico que as plantas usam para crescer. Mas enquanto um desses pulmões depende de grandes árvores que crescem lentamente ao longo de décadas, o outro envolve organismos microscópicos capazes de sobreviver não mais do que algumas semanas a cada ano, este é o fitoplâncton. Dois caminhos muito diferentes, produzindo essencialmente o mesmo resultado: regular a quantidade de dióxido de carbono na atmosfera da Terra. Matéria do Woods Hole Oceanographic Institution.

imagem e fitoplâncton
Fitoplâncton. Imagem: Woods Hole

Fitoplâncton e as gigantescas sumaúmas da Amazônia: o que têm em comum?

Os minúsculos organismos no oceano são chamados de fitoplâncton. Não deixe sua expectativa de vida curta e tamanho pequeno enganá-lo. Embora não sejam maiores que um fio de cabelo humano, o fitoplâncton serve ao mesmo propósito que as gigantescas sumaúmas encontradas na Amazônia. E há bilhões e bilhões deles numa pequena amostra de água do mar.

Pode o fitoplâncton amenizar o aquecimento global?

O plâncton no oceano pode ajudar a reduzir a quantidade de dióxido de carbono acumulando calor em nossa atmosfera. Como as plantas, eles usam dióxido de carbono para crescer e são comidos por organismos maiores. Grandes partículas pesadas afundam nas profundezas, carregando carbono para que ele não possa retornar à atmosfera. Os cientistas estão investigando se grandes quantidades de partículas menores e mais leves podem ser arrastadas para as profundezas por turbulência.

Obs: uma das consequências do excesso de dióxido de carbono que produzimos é a acidificação dos oceanos, e consequente ameaça a várias espécies marinhas. Mas o que é bem pior, o aquecimento tem diminuído a produtividade do fitoplâncton, essa é mais uma ameaça da grande charada do clima.

Classificação: plâncton, fitoplâncton e zooplâncton

O plâncton é a comunidade de organismos que habita as águas, com muito pouca, ou nenhuma capacidade de locomoção. Os cientistas geralmente dividem o plâncton em três grupos. Os organismos semelhantes a plantas são fitoplâncton (de fito, grego para planta); plâncton animal pequeno é zooplâncton (de zoios, grego para animal); e bactérias e archaea, células minúsculas que decompõem o material e reciclam substâncias químicas no oceano, compõem o bacterioplâncton. Mas essas categorias estão longe de serem perfeitas.

Importância do fitoplâncton pode-se medir a cada respirada, e na dimensão da vida marinha

O fitoplâncton é um dos organismos mais críticos da Terra e, por isso, é vital estudá-los e compreendê-los. Eles geram cerca de metade do oxigênio da atmosfera, tanto por ano quanto todas as plantas terrestres. O fitoplâncton também forma a base de praticamente todas as redes alimentares oceânicas. Em resumo, eles possibilitam a maior parte da vida oceânica.

Fitoplâncton, ator importante no sistema climático

Através da fotossíntese, esses organismos transformam o carbono inorgânico na atmosfera e na água do mar em compostos orgânicos, tornando-os uma parte essencial do ciclo de carbono da Terra. Como absorvem dióxido de carbono da atmosfera, quando morrem afundam, transportam esse carbono atmosférico para o mar profundo, tornando o fitoplâncton um ator importante no sistema climático. O crescimento do fitoplâncton é frequentemente limitado pela escassez de ferro no oceano. Como resultado, muitas pessoas estão discutindo planos para fertilizar grandes áreas do oceano com ferro para promover a proliferação de fitoplâncton que transferiria mais carbono da atmosfera para o mar profundo.

25% do dióxido de carbono é bombeado para o oceano pelo fitoplâncton

Quase 25% do dióxido de carbono em nossa atmosfera é “bombeado” para o oceano, onde é convertido em carbono orgânico pelo fitoplâncton na superfície do oceano em todo o mundo. Mas muito permanece desconhecido sobre o destino deste carbono, uma vez que tenha penetrado no oceano. Algumas moléculas sobem pela cadeia alimentar, outras se dissolvem, algumas são liberadas de volta à atmosfera e há  as que afundam em partes mais profundas do oceano. Este último caminho é especialmente interessante. Se o carbono afundar o suficiente, ele poderia permanecer no oceano por milhares de anos. Este bilhete de ida é uma maneira promissora de “enterrar” o carbono de forma eficiente e evitar que ele retorne à atmosfera.

Fontes: http://www.whoi.edu/page.do?pid=99596&tid=3622&cid=131369; http://www.whoi.edu/main/topic/phytoplankton.

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

1 COMENTÁRIO

  1. E quando todos os tóxicos dos homens forem lançados ao mar afinal de contas não há sinais ou indícios de que estamos evoluindo como espécies vivas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here