Afinal, o que aconteceu ao submersível Titan?

6
4765
views

Afinal, o que aconteceu ao submersível Titan?

O mundo parou em junho para acompanhar o destino de cinco tripulantes do submersível Titan que explorava turisticamente o naufrágio do Titanic. O oceanógrafo Robert Ballard foi responsável pela expedição que encontrou destroços em 1985, a 3.800 metros abaixo da superfície. Ballard é ex-oficial da Marinha dos Estados Unidos, e professor de oceanografia  na Universidade de Rhode Island, notabilizado por seu trabalho em arqueologia marinha. Mais que depressa, a indústria do turismo aproveitou a oportunidade. Assim, quando a OceanGate Expeditions iniciou suas operações em 2018, ela se gabava de ter os únicos veículos privados do mundo capazes de chegar ao Titanic. Contudo, em 18 de junho houve a ‘implosão catastrófica’ e a morte trágica de seus tripulantes. Passado pouco mais de um mês, o que se descobriu afinal?

Submersível Titan.
Imagem, YouTube.

Especulações em torno da explosão do Titan

O que se sabe até agora? Segundo os especialistas, sabe-se que o submersível Titan sofreu uma implosão catastrófica que provavelmente matou o piloto e quatro passageiros instantaneamente, em meio à intensa pressão da água no profundo Atlântico Norte.

Aquela foi a terceira e última vez que o submersível navegou. As investigações, a cargo do Almirante John Mauger, do Primeiro Distrito da Guarda Costeira dos EUA, estão em andamento desde então. Porém, até o momento, não há uma versão oficial. Fizemos uma curadoria na rede para saber as descobertas até o momento.

Um dos maiores especialistas no tema é o diretor de cinema James Cameron. Segundo o jornal Guardian, ‘Cameron – que fez 33 mergulhos nos destroços do Titanic e afirma ter passado “mais tempo no navio do que o capitão naquela época” – disse que sabia que o submersível estava perdido desde o início da busca de quatro dias. Ele também disse que suas fontes relataram informações semelhantes sobre o destino do Titan.’

Atualmente Cameron também é coproprietário da Triton Submarines, sediada na Flórida, que fabrica submersíveis para pesquisa e turismo. De acordo com o Guardian, o cineasta explorador não acreditava no sucesso do material escolhido para a fabricação.

O casco foi feito com fibra de carbono e titânio. Para Cameron, “Foi uma ideia horrível. Eu gostaria de ter falado, mas presumi que alguém era mais inteligente do que eu, sabe, porque nunca experimentei essa tecnologia, mas parecia ruim de cara”.

PUBLICIDADE

Casco de fibra de carbono e titânio

Apesar da causa ainda ser indeterminada, Cameron disse presumir que os críticos estavam corretos ao alertar que um casco de fibra de carbono e titânio permitiria delaminação e entrada microscópica de água, levando a uma falha progressiva ao longo do tempo.

Ao mesmo tempo, desde o início das buscas especialistas do setor criticaram a OceanGate por optar por não buscar a certificação e operar como uma embarcação experimental. A primeira vez que escrevemos sobre o Titan foi em 2021. Na época, reproduzimos uma declaração de Stockton Rush, fundador da OceanGate Expeditions, e criador do submarino. 

Ele falava do material escolhido: “Essencialmente, a diferença é a fibra de carbono e a  pressão que o material suporta. A fibra de carbono é usada com sucesso em iates e na aviação, mas não foi usada em submersíveis tripulados.”

Contudo, agora Stockton Rush está morto, junto com os quatro tripulantes. Ele estava convencido da segurança de sua nave, mesmo com todos os alertas que recebeu. Por exemplo, em junho o New York Times publicou uma carta escrita em 2018 por líderes da indústria, alertando Rush sobre possíveis problemas “catastróficos” com o desenvolvimento do Titan.’

Paralelos tristes: avisos ignorados

O Guardian diz que depois do acidente ‘Cameron traçou paralelos entre a perda do Titanic e do Titan, alegando que ambas as tragédias aconteceram por avisos ignorados. No caso do Titanic, o capitão atravessou o Atlântico em uma noite sem lua, apesar de ter sido informado sobre os icebergs.

“Aqui estamos nós de novo”, disse Cameron. “E no mesmo lugar. Agora há um naufrágio ao lado do outro pelo mesmo maldito motivo”.

Para alguns especialistas houve outro sério problema com o Titan…

O desenho do casco pode ser um dos motivos da implosão

De acordo com matéria do New York Times, 14 de julho, 2023, ‘Ao contrário da maioria dos outros submersíveis, o casco do Titan tinha o formato de uma pílula, que acomodava mais passageiros. Uma esfera é o padrão da indústria por sua melhor adequação para pressões do fundo do mar.’

PUBLICIDADE

submersível Titan e os materiais diferentes.
Além do formato, os materiais diferentes implicam em juntas, outro ponto crítico do projeto segundo o New York Times.

O jornal lembrou ainda que ‘Até o desastre do Titan, em 18 de junho, ninguém havia morrido enquanto pilotava ou navegava em um submersível na escuridão sem fim das profundezas. Este notável recorde de segurança durou quase um século, apesar dos exploradores terem feito muitos milhares de mergulhos.’

O jornal informa que a investigação oficial pode demorar 18 meses, entretanto, ‘engenheiros entrevistados pelo New York Times apontam possíveis pontos fracos no design do submarino.’

Um seria a forma, o outro, o material do cilindro: ‘o cilindro central do casco usava fibra de carbono, não o titânio mais caro usado em outros submersíveis que traziam os passageiros do abismo com segurança.’

Além disso, ‘o cilindro de fibra de carbono do Titan foi preso a hemisférios de titânio. Isso obrigou ao uso de várias juntas de materiais diferentes que são difíceis de unir adequadamente.’

O jornal destaca ainda que, tanto os materiais, como o formato do casco, visavam economia. ‘A embarcação leve era relativamente fácil de transportar. Não exigia uma nave-mãe dedicada, mas, em vez disso, podia ser rebocada em um dispositivo de flutuação atrás de um navio alugado.’

A pressão no fundo do mar e o formato do Titan

‘Os submersíveis devem resistir às pressões esmagadoras do oceano profundo, que se espremem com igual força de todos os lados. Na profundidade do Titanic  cada centímetro quadrado de um submersível experimenta três toneladas de força.’

‘Um casco esférico distribui o estresse uniformemente, tornando-o a melhor forma para resistir às forças compressivas do abismo. Qualquer outra forma, dizem os especialistas, tenderá a se deformar de forma desigual.’

PUBLICIDADE

New York Times ouviu o metalúrgico forense Tim Foecke. “A mudança na geometria do casco, de uma esfera apertada para um tubo longo, pode ter contribuído para a falha catastrófica. Um casco maior precisa ser mais forte e mais grosso para suportar a mesma pressão de um menor. Em dois cascos da mesma espessura, disse ele, o maior colapsaria ou se curvaria primeiro.’

Contudo, o especialista também condena o uso do material: “Fiquei muito surpreso” com a construção de fibra do Titan, disse Foecke, ‘porque a compressão foi a principal força que o submersível encontrou durante sua longa descida.’

A vedação das partes diferentes do casco

Este é outro dos problemas mencionados pelos peritos que o New York Times ouviu: ‘Os engenheiros entrevistados também expressaram preocupações de design sobre áreas do Titan onde materiais diferentes foram unidos. Como diferentes materiais mudam de forma em taxas diferentes quando estão sob pressão, pode ser um desafio conseguir e manter uma vedação nessas áreas.’

A pressão e as juntas do submersível Titan.
A pressão e as juntas do submersível Titan, outro ponto crítico segundo o NYT.

Sob pressões do fundo do mar, diz o jornal, a fibra de carbono comprimiria em diâmetro mais rapidamente do que o titânio, colocando tensão na junta de cola. (A animação é uma ilustração de como a deformação pode funcionar.)

A umidade ou o sal marinho podem ter degradado a fibra de carbono do casco e a cola que o une ao titânio, criando outro potencial ponto fraco, disse Kedar Kirane, engenheiro mecânico especializado em danos, fraturas e fadiga em compósitos reforçados com fibras. O Sr. Foecke também disse que o acrílico da vigia pode ter falhado onde encontrou o titânio ou que o aperto desigual dos parafusos da escotilha pode ter causado tensões desiguais ao longo da vigia, causando uma fratura. Por último, a fadiga de vários materiais também teria que ser considerada e continuamente monitorada.

A matéria do New York Times é a mais completa que encontramos. Ela abordou todos os detalhes que justificam a explosão catastrófica. Agora, resta aguardar a versão oficial.

Enquanto isso, assista e saiba mais

Doomed submersible's design raised safety concerns

Ibama, corais e o interesse público: algo está errado

Comentários

6 COMENTÁRIOS

  1. Não sou milhonaria João mas me impressiona como pessoas que atingiram tal (raro e difícil) patamar de folga e acúmulo financeiro buscam “sensações” ou “emoções” ao arriscarem-se em situações que ao nível de um pesquisador, compreendo eu são riscos necessários e sempre dentro do bom cálculo . Ricos que vai ao espaço por ir, ou ao fundo do mar, apena porque possuem cacau para um bilhete contribuíram muito mais se doassem está grana toda a boa pesquisa e preserve. Porque não ajudam ao invés de comprarem ingressos por exemplo ao legendário Calypso a reviver ? Em nosso caso , aqui em Bananalandia, porque não um fundo milhonaria não poderia ter transformando nossos velhos aerodromos em Museus ao invés de os desossarem na Índia ou sei la aonde? Há algo de errado , e muito, nas mentes desta gente super endinheirada! Abraços terrestres .

  2. A palavra submergível é mais usada como sinônimo de submarino ou na designação de embarcações que se conseguem manter debaixo d’água. Submersível, embora possa ser usada também com este sentido, é comumente utilizada para se referir a plantas que sem mantêm abaixo d’água

  3. Outra coisa: desenho é a forma gráfica de representar as conclusões e definições estabelecidas por um projeto, que, por sua vez, abrange todas as etapas, desde a coleta de dados, para definição de uma solução estrutural adequada e segura. Em inglês, design (projeto) e drawing (desenho) são conceitos assim definidos. E aqui no BR, até há pouco tempo atrás, também. Recentemente, design virou desenho!!

  4. Excelente síntese sobre esse terrível naufrágio. Arrogância e desrespeito às forças da natureza foram as causas subjetivas. Usar fibra de carbono num formato cilíndrico sob pressão de 3800 de água acima de sua cabeça é suicídio.

  5. Prezado João. Obrigada pela pesquisa que realizou em diversas publicações sobre a “implosão catastrófica” do submersível. Pesquisa que resultou no texto mais informativo e completo que existe em Português. Parabéns. Aprendi bastante. Só faria um pequeno reparo: por quê usar o termo “curadoria” para sua pesquisa? “Curadoria” costuma ser utilizado para designar o trabalho criativo do crítico de arte ao selecionar obras de arte segundo um conceito geral que ele estabelece para reunir essas obras em uma exposição e um texto autoral e inédito, que analisa e/ou propõe novos ângulos de percepção estética e poética ao conjunto. Grande abraço!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here