Dez livros náuticos: todo homem/mulher do mar deveria ler

29
962
views

Dez livros náuticos: todo homem/mulher do mar deveria ler

Não há nada mais gostoso que viajar. Por isso o Mar Sem Fim preparou uma lista dez livros náuticos: todo homem/mulher do mar deveria ler. Há de tudo, e para todos os gostos. Das viagens épicas, às idílicas; uma  corrida contra o tempo, ou uma bem devagar, à força de músculos.  Viagens de exploração, e antropológicas; algumas, solitárias, outras, com equipes. Parte delas escritas por expoentes da literatura, outra, por anônimos (até então…). E ainda assim, em ambos os casos, são relatos deliciosos. E há os feitos históricos que nos fazem viajar no tempo, ou descobrir a fibra de um navegador que sofre por meses seguidos o terror dos terrores dos marinheiros: à deriva, ao sabor de ventos e correntes. Todas são  viagens fascinantes e únicas

A seguir a lista dos dez livros náuticos escolhidos

1) Começando com o primeiro que se tem notícia: História, de Heródoto

Enormes trirremes, que levavam até 400 tripulantes, em manobras ousadas e impetuosas. Os persas, que já haviam perdido cerca de 400 navios em razão de violenta tempestade, ancoram o que restou da frota a defronte a Atenas. Era tudo que os gregos queriam. Num lance de estratégia, investiram sobre o inimigo numa brilhante vitória assistida pelo rei persa, Xerxes.

imagem de navio grego trirreme para a série Dez livros náuticos: todo homem/mulher do mar deveria ler
Os enormes trirremes gregos levavam até 400 tripulantes! História, de Heródoto, um dos dez livros náuticos: todo homem/mulher do mar deveria ler

O ‘choque fatal’ entre Grécia, e Ásia, narrado pelo Pai da História (484 a.C). Ele nasceu na Ásia Menor, e viveu na Atenas do período áureo, civilização helênica, “entre uma das maiores constelações de valores intelectuais que o mundo já produziu.” Andou e pesquisou por todos os cenários  antigos, subiu o Nilo, perambulou pela Líbia, Fenícia, chegou até a Babilônia.

imagem de mapa da batalha vala de salamina
Ilustração: seguindopassoshistoria.blogspot.com.br/2013/04/xerxes-o-rei-dos-reis.html

Anotou respostas de soldados que participaram das batalhas. No texto, um diário de suas viagens, ‘você volta para o século V a.C’, e testemunha incríveis batalhas navais da esquadra persa contra a do gregos.

2) No Brasil, um mito da vela mundial, Joshua Slocum e a Viagem do Liberdade

A história começa em 1884, quando o comandante compra a barca Aquidneck e parte para a América do Sul onde fazia navegação de cabotagem. Slocum perde o barco num baixio em Paranaguá. Paga, e dispensa a tripulação. Com um machado, um enxó, dois serrotes, alguns parafusos, uma lima e brocas, avança Mata Atlântica adentro; escolhe a madeira de cada árvore, e constrói um barco de 35 pés cheio de novidades tecnológicas. Metade era ao estilo sampang, japonês; mas o mastro de junco, chinês. Equipa os dois lados do casco com tubos de bambu ocos;  estabilizadores, que impedem o veleiro de capotar. Joga na água dia 13 de maio de 1888, por isso o nome Liberdade, em português mesmo, homenagem ao fim da escravidão.

mO mestre dos Mares, Joshua Slocum, autor de um dos dez livros náuticos que todo homem e mulher do mar deveriam lerTripulação formada pela mulher e dois filhos, navega com o Liberdade mais de cinco mil milhas até chegar em casa, em Washington. Uma aventura com “A” maiúsculo.

O Liberdade

Ele é um dos maiores ícones da vela moderna mundial,  o ‘Mestre dos Mares’. Autor do clássico da literatura náutica, Sozinho ao redor do Mundo, onde relata a primeira viagem em solitário (1895 – 1898), num veleiro ao redor do mundo. Mas não é este o  destaque. ‘A Viagem do Liberdade’, sim, “fundamental para nós, porque boa parte da aventura se passa no Brasil como, de certo modo, se passa por causa do Brasil.” Além do mais, Slocum adorava os barcos tradicionais brasileiros. Faz rasgados elogios aos barcos, e aos marinheiros brasileiros.

3) Jack London – A Travessia do Snark

“O gênio imortal do romance de aventura, desta vez num cruzeiro à vela nos Mares do Sul.” Ele saiu de São Francisco, acompanhado pela mulher e um amigo leigo,  num veleiro inacabado e fazendo água, sem obedecer ao leme, que pretendia consertar em Honolulu. Doidão? Sim, doidão e genial. Corria o ano de 1907. Havia pouca informação sobre os Mares do Sul. London visitou os lugares mais lindos do planeta, e os descreve com precisão. Conviveu com leprosos e canibais.

imagem de jack london em seu veleiro Snark
Jack London, o doidão genial, autor de mais um dos dez livros náuticos: todo homem/mulher do mar deveria ler

Em Waikiki descobriu uma novidade, um ‘esporte real’, como diz, que mexeu com sua cabeça. Esporte hoje conhecido como o surf, então  praticado por nativos.

imagem do casal jack Londo a bordo do snark
Foto: www.sonomanews.com/lifestyle/5763554-181/celebrating-jack-london-the-cruise

Embevecido, faz a primeira descrição: “…de repente, enquanto a onda enorme ergue-se para o céu e rola na direção da praia, surge a cabeça de um homem. Rápido, ela se ergue sobre o branco espumante…todo corpo se projeta para cima, como uma visão. Onde segundos antes havia apenas uma enorme parede de água, está um homem ereto, em toda sua altura; ele não se debate, não é sepultado ou esmagado pelo monstro poderoso, mas, sim, se mantém de pé e acima dele, calmo, soberbo…” Só por essa descrição entra na lista dos dez livros náuticos que todo homem do mar deveria ler.

imagem do veleiro snark
O Sanrk

4) Bernard Moitessier – O Longo Caminho

Ah, os franceses…não fossem eles e muito não se saberia da vela em cruzeiro, ou regatas. Moitessier (1925 -1994), francês, nascido no Vietnam então Indochina, partiu para a primeira regata em solitário através do mundo, a Golden Globe Challenge, em 1968.

imagem do veleiro joshua, do livro o longo caminho, Dez livros náuticos: todo homem/mulher do mar deveria ler
O longo caminho, imersão na mente de Moitessier, mais um dez livros náuticos: todo homem/mulher do mar deveria ler

Largada em Plymouth, Inglaterra. Nos dez meses seguintes, sem  escalas, passou pelo Cabos da Boa Esperança, na África do Sul; atravessou o Índico e cruzou o Cabo Leeuwin, na Austrália; de volta ao Pacífico, velejou até cruzar o Cabo Horn. Depois, começa a subir o Atlântico Sul mas, no meio do trajeto… desiste da regata. “Não sei como explicar minha necessidade de continuar rumo ao Pacífico…não se explica em palavras, seria inútil tentar.”

Dá um bordo e navega outra vez para o Cabo da Boa Esperança. Cruza o Índico, ultrapassa o Cabo Leeuwin pela segunda vez para, por fim, jogar âncora na sua adorada Tahiti. Entre os equipamentos de bordo um estilingue, para arremessar filmes e relatos aos navios com quem cruzasse, informando sua posição ao jornal Sunday Times, organizador da prova.

imagem de Bernard Moitessier em seu veleiro joshua
Moitessier treinando com o estilingue. Foto: expresso.sapo.pt/multimedia-

Companheiros na aventura, a introspecção de sua mente, albatrozes e petréis. E a yoga, que praticava regularmente. Vale cada parágrafo.

5) Robert Louis Stevenson – Nos Mares do Sul

O escocês é um dos grandes da literatura mundial. Autor do clássico, A Ilha do Tesouro, e dezenas de outros.

imagem de Roberto LouisStevenson
Roberto Louis Stevenson é autor de um dos dez livros náuticos: todo homem/mulher do mar deveria ler

A tuberculose o leva a procurar  um clima que amenizasse sua agonia. Em junho de 1888 partiu a bordo da escuna Casco, para o Pacífico Sul, com sua família e uma tripulação.

imagem do veleiro casco
O Casco : (jakesjackofhearts.blogspot.com.br/2008/10/o-captain-my-captain.html)

Passaria seis anos na Oceania. Quatro deles na ilha de Vailima, em Samoa. Nos Mares do Sul, obra-prima da literatura de viagem, conta suas peripécias de seis anos de contatos com polinésios e melanésios dos arquipélagos das Marquesas, das Tuamotu, das Gilbert, e dezenas de outras ilhas.  É um livro lírico,  mostra que estava à frente de seu tempo.

6) Alfred Lansig – A Incrível Viagem de Shackleton

Existem vários livros sobre a viagem de Shackleton, até um escrito por ele. Os melhores, para este site, são o sexto indicado, ou O Endurance, de Caroline Alexander. Ambos contam em detalhes de prender o fôlego, uma das maiores sagas náuticas que se tem notícia. Uma história que, não fosse o protagonista,  seria  tremendo fisco. O gênio de Shackleton a transforma em exemplo de perseverança e superação.

Era o período heróico da descoberta da Antártica. Shackleton saiu da Geórgia do Sul em dezembro de 1914, e navegou para a Antártica, que pretendia cruzar a pé. Em janeiro de 1915 seu navio é aprisionado pelo gelo. Em Outubro, com o Endurance sendo esmagado, decide abandoná-lo.

imagem do Endurance preso no gelo.
Endurance preso no gelo.

Começa uma marcha com sua tripulação puxando os escaleres sobre a banquisa de gelo. Em abril de 1916 atinge a ilha Elephant. Shackleton sabe que ninguém o resgatará. A ilha estava fora das rotas.

imagem de shackleton e tripulação na banquisa de gelo
Na banquisa…

Com um dos escaleres melhorado, atravessa o estreito de Drake até retornar para a Geórgia do Sul. Oitocentas milhas de puro inferno. Um feito épico! De lá, navega para resgatar seus homens, mas é impedido em razão do gelo. Toca para Punta Arenas, Chile. Ali consegue o empréstimo do rebocador Yelcho. Com ele segue até Elephant e salva todos os seus homens. Uma saga admirável!

7) Nathaniel Philbric – No Coração do Mar

A verdadeira história que inspirou Herman Melville a escrever Moby Dick. A saga do baleeiro Essex, de Nantucket, USA, então centro mundial da pesca à baleia, Em 1820, quando estavam a cerca de mil milhas, a Oeste das ilhas Galápagos, em pleno Pacífico, longe de tudo e de todos, o navio é abalroado e afundado por um cachalote de 26 metros, enfurecido.

Ilustração do livro No coração do mar um dos Dez livros náuticos: todo homem/mulher do mar deveria ler
Dez livros náuticos: todo homem/mulher do mar deveria ler

A tripulação apressada pega o que consegue, e embarca em três botes. Durante três meses enfrentam provações insuportáveis. Entre elas, tirar a sorte e escolher quem deveria ser comido pelos companheiros. Um desastre que abalou o mundo na época, reconstituída pelo historiador Nathaniel Philbrick. “Embora os instintos do capitão Pollard fossem corretos, faltou-lhe caráter forte para impor sua vontade aos dois jovens oficiais. Em vez de velejar para o Tahiti, rumo à salvação, partiram numa viagem impossível, vagando pelo deserto de água do Pacífico até que a maior parte deles tivesse morrido.”

“A fatalidade do Essex não é uma história de aventura. É uma tragédia que constitui também uma das maiores históricas verídicas já narradas.”

8) Thor Hayerdal – Kon Tiki

O explorador, arqueólogo, antropólogo e escritor, nasceu na Noruega, em 1914. Aos 25 muda-se para a Polinésia. Intriga-o, descobrir como colonizaram aquelas ilhas remotas.

imagem da balsa kon tiki
Kon Tiki, mais um dos dez livros náuticos: todo homem/mulher do mar deveria ler

Concebe nova teoria: seguindo as correntes oceânicas, os colonizadores teriam vindo do Ocidente. Contestado, constrói a réplica de uma balsa aborígene, a Kon Tiki e, em 1946, parte com cinco companheiros do Peru em direção à Polinésia para provar sua tese. Oito mil Km, e 101 dias depois, encalha no recife Raroia, no Taiti. Delícia de leitura.

9) Steven Callahan – À Deriva, setenta e seis dias perdido no mar

“Dedicado às pessoas de todos os lugares que conhecem, ou conheceram ou irão conhecer sofrimento, desespero ou solidão.” Publicado três anos depois do acidente, quando ondas de mais de sete metros de altura fizeram picadinho do pequeno Napoleon Solo, veleiro de 21 pés, construído por ele, que atravessava o Atlântico Norte em direção aos USA.

imagem de Steven Callahan
Steven Callahan, pela persistência, um dos dez livros náuticos: todo homem/mulher do mar deveria ler

Saindo de Lisboa, escalou na Madeira e Canárias. E seguiu para Guadalupe. Os humores dos mares disseram basta quando estava a 450 milhas ao Norte da ilhas do Cabo Verde. Seu destino, as ilhas do Caribe, ficavam a mais de 1 800 milhas. Mal teve tempo de pegar os equipamentos de sobrevivência. Já na balsa, onde passaria míseros 76 dias na mais prolongada agonia de um náufrago, construiu um sextante primitivo com um lápis. Pescava com arpão. Coletava água da chuva, e sua fibra jamais o deixou desistir.  Foi selecionado pela insistência em sobreviver.  No 71º dia, anotou: “…o último destilador solar desagregou-se completamente…” Durante o périplo, cruza com cinco navios mas, para seu desespero, não consegue avisá-los. Navegando como pode, 76 dias depois arriba em Guadalupe. Um ‘aula’ de sobrevivência.

10) Amyr Kink – Cem dias entre céu e mar

Por último, mas não menos importante, nossa sugestão é o primeiro livro do melhor navegador brasileiro. Aquele que alçou seu nome à constelação de supernavegadores mundiais. A história é por demais conhecida. Best-seller, ultrapassou dez edições. O ‘orgulhoso dono da canoa Rosa’ estuda cada detalhe da rota e suas necessidades. Estratégia em primeiro lugar. Constrói um barquinho com 5,94 metros, por 1,52 de boca (largura). Movido a remo, atravessa o Atlântico Sul, da Namíbia à Bahia, em 101 dias. De quebra cita Fernando Pessoa e explica, com desconcertante simplicidade, a história náutica brasileira ao tempo das descobertas:

imagem de amor klink no barco a remo IAT
Amyr no IAT. Mais m dos dez livros náuticos: todo homem/mulher do mar deveria ler

“Como puderam então alcançar (as caravelas) terras tão distantes, unir continentes e depois regressar se os ventos que sopravam favor na ida eram contrários na volta?”

“Simplesmente nunca retornando pelo mesmo caminho.”

E você, que sugestões daria?

A bola agora está com os leitores. Vamos fazer outra lista? Que sugestões você daria?

Como achar estes livros?

São tão conhecidos que basta googar o nome do autor e livro. Assim você pode escolher onde comprá-los.

Foto de abertura: misteriosdomundo.org/as-15-bibliotecas-mais-majestosas-do-planeta/

Assista o filme da lendária viagem de Shackleton

COMPARTILHAR

29 COMENTÁRIOS

  1. Infelizmente as livrarias de Campinas são extremamente paupérrimas em literatura náutica. A maioria desses livros terão que ser garimpados na Internet. Acrescento a esta lista um livro de ficção que é muito pra lá de espetacular e prazeroso para quem gosta das coisas do mar: “A CARTA ESFÉRICA” de Arturo Pérez-Reverte.

  2. A lista estará “manca” sem o “Do Rio à Polinésia” do Cabinho (Roberto de Mesquita Barros). Pensei que seria o segundo da lista, depois do primeiro que, na minha opinião seria o do Slockum.

    • Mais uma sugestão, Mauro, agora, com a matéria do site, mais as indicações de leitores, temos mais de 20 livros sugeridos. Obrigado pela participação. Abraços e volte sempre!

  3. Karluk – A Extraordinária Expedição ao Ártico em 1913 – Jennifer Niven. Editora Alegro
    Damien – Do Spitsberg ao Cabo Horn – Gerard Janichon – Editora Edições marítimas LTDA

  4. sou leitora voraz e não li nenhum dos constantes da lista. Certamente que entrarão em minha lista de desejos e que lerei algum dos títulos em breve. Parabéns pela iniciativa de divulgação. Oxalá outras pessoas se empolguem em divulgar listas de outros temas!
    Ler é sempre muito bom!

  5. Muito bacana esta lista! Já conhecia 4 dos indicados, mas os outros curti o resumo e acabam de entrar na minha lista. Depois vou encaminhar algumas indicações, mas – se me permite – gostaria de jásugerir uma pequena mudança no título da matéria:

    DE: Dez livros náuticos que todo homem do mar deveria ler

    PARA: Dez livros náuticos que todos os homem e mulheres do mar deveria ler.

    Além de ficar mais inclusivo – nos dias atuais é fato notório que as mulheres cada vez mais estão entrando com tudo nas Aventura Marítimas – como por exemplo a jovem de 14 anos Laura Dekker a pessoa mais jovem (até o momento) que deu a volta na Terra navegando.

    Abraços,
    Edson Cunha
    #OceanodeAventuras

  6. Faltou Conrad nessa lista. Nao pode ficar de fora. Que tal “The Mirror of the sea”?

    Um que eu adorei é “Six Frigates”, de Ian W Toll. Sobre a constituição a marinha americana. Uma beleza!!

  7. Excelente bibliografia João, mas faltaram alguns títulos obrigatórios na lista:

    a) “Alone at Sea” de Hannes Lindermann (relato de 2 travesias solo do Atlântico na vela: a primeira em uma canoa de um pau só, a segunda em um caiaque dobrável);

    b) “Tinkerbelle” de Robert Manry (relato de travessia solo do Atlântico em um veleiro de 13.5 pés adaptado p/ cruzeiro)

    c) “500 Days” de Serge Testa (relato de uma volta ao mundo sozinho em um veleiro de 12 pés fabricado por ele mesmo).

    d) “Half-Safe” de Ben Carling (relato de uma volta ao mundo em um jeep anfíbio ‘reciclado’ da Segunda Guerra Mundial e adaptado p/ cruzeiro).

    O último deles ainda não li, mas está na minha lista de desejos (infelizmente ainda não consegui encontrar um exemplar).

    Abraço, bons ventos e boa leitura!

  8. Olá, desses eu já li sete! Parabéns pela iniciativa!! São todos muito bons! Temos “Velejando a costa brasileira”, de 1976 escrito por Geraldo Link e “Na esteira do Irma”, também dele, Dois livros interessantes para quem sonha em navegar e conhecer o Brasil costeiro. Também tem os livros do Geraldo Miranda de Barros, vulgo Cabinho: Maitairoa e Viagem a Polinésia ( não lembro se é este o nome)

  9. Muito interessante essas indicações literárias, gostei demais.
    Gostaria de saber onde encontrar estas obras? os senhores poderiam indicar alguma? ou se encontro nas livrarias tradicionais. Muito obrigado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here