Novas espécies de tubarão descobertas, uma boa notícia!

0
3083
views

Novas espécies de tubarão descobertas: e são duas, uma boa notícia sobre a vida marinha

O Mar Sem Fim já mostrou por que os tubarões são tão importantes para o ecossistema marinho. Estes animais do topo da cadeia de vida marinha, porém,  sofrem grande ameaça em razão de atitudes mesquinhas e egoístas de pessoas inconsequentes. O consumo da sopa de barbatana de tubarões  é considerado uma iguaria na Ásia. Ao mesmo tempo, constantemente repercutimos alertas de cientistas de que muitas espécies podem desaparecer sem sequer serem conhecidas. Por estes motivos, temos o que  comemorar. Duas novas espécies de tubarão acabam de ser descobertas!

Novas espécies de tubarão descobertas

O site courthousenews.com saudou a novidade: “Os tubarões recém-descobertos usam os nomes científicos Pliotrema kajae e Pliotrema annae. Mas são mais carinhosamente conhecidos como Kaja’s and Anna’s six-gill sawsharks, ou tubarão-serra. Eles foram descobertos durante um projeto de pesquisa destinado a investigar a pesca em pequena escala que opera nas costas de Madagascar e Zanzibar.”

O Dr. Simon Weigmann com um holótipo do serrote de seis guelras da Kaja recém-descrito. Imagem, https://www.forbes.com/.

“O principal autor da descoberta, Dr. Simon Weigmann, baseado no Laboratório de Pesquisa Elasmobranch em Hamburgo, declarou: Os tubarões-serra de seis guelras são realmente extraordinários, já que a maioria das serras têm cinco fendas por lado. Foi realmente emocionante encontrar uma nova espécie  de seis guelras e duas novas espécies – bem, isso foi simplesmente surpreendente!”

Índico Ocidental, hotspot para tubarões

“O Oceano Índico Ocidental, ao largo da costa da África Oriental, é conhecido como hotspot de biodiversidade para tubarões e raias, com quase 230 espécies identificadas só aqui. Várias delas nessas águas são encontradas apenas nesta região. Enquanto o Oceano Índico Ocidental é uma região importante para a conservação de tubarões e raias, as populações próximas dependem da pesca para obter sustento e renda. Os barcos de pesca em pequena escala nessa área usam redes de arrasto de camarão, redes de emalhar profundas, palangreiros e redes de cerco com retenida que atacam ou capturam involuntariamente essas espécies importantes.”

imagem do tubarão-serra juvenil de Kaja
Vista lateral do tubarão-serra juvenil de Kaja, com 56 cm de comprimento. A barra de escala (marcador preto na imagem) tem 5 cm de comprimento. Imagem, https://www.forbes.com/.

Mas, como alertamos no início, mal foram descobertos e já sofrem ameaças: “Considerando suas conhecidas distribuições de profundidade, ambas as novas espécies provavelmente são afetadas pelas operações de pesca. Essa suposição, combinada com o alcance limitado e a aparente raridade das espécies, suscita preocupações de que elas são vulneráveis ​​à sobrepesca e podem estar em declínio contínuo ”, afirmou Weigmann.

Alertas de cientistas de que muitas espécies podem desaparecer sem sequer serem conhecidas

E por que estes alertas sobre o desaparecimento de espécies é tão preocupante? Entre muitos outros motivos, porque talvez alguma delas possa ter muito a nos ensinar, e grande contribuição a dar à ciência. Vejam-se apenas os casos de dois tipos de tubarões. Os  tubarões-elefantes, segundo a revista Nature, podem abrir novas vias de estudo voltados para doenças ósseas como a osteoporose.

Já o genoma dos grandes tubarões-brancos foi decodificado e os segredos  podem conter as respostas sobre como curar o câncer e outras doenças relacionadas à idade. As descobertas foram reveladas em um novo estudo no Proceedings of National Academy of Sciences.

Se você não conhece o potencial dos fármacos marinhos, agora pode conhecê-los.

Forbes também anuncia a descoberta

A revista Forbes, também abriu espaço: “Os pesquisadores compararam os novos espécimes com os do Museu de História Natural de Londres, além de vários outros museus. Ao comparar medidas detalhadas do corpo e tirar fotografias de alta resolução usando um microscópio eletrônico de varredura, a equipe pôde confirmar que realmente havia descoberto espécies desconhecidas! Mas elas ainda são um mistério no mundo da ciência dos tubarões.”

imagem de tubarão-serra
O tubarão-serra Pliotrema annae. Imagem, Ellen Barrowclift.

Phys.org comemora as novas espécies de tubarão

“Encontrar uma espécie inteiramente nova para a ciência é sempre empolgante. Por isso, ficamos encantados por fazer parte da descoberta de dois novos com seis guelras o Pliotrema kajae e Pliotrema annae na costa da África Oriental. Até agora, apenas uma espécie de seis (Pliotrema warreni) era reconhecida. Mas sabemos que são carnívoros, vivendo com uma dieta de peixes, crustáceos e lulas.”

Os focinhos serrilhados

“Eles usam seus focinhos serrilhados para matar suas presas e, com cortes rápidos de um lado para o outro, os dividem em pedaços pequenos. Os serrotes crescem até cerca de 1,5 metro de comprimento, em comparação aos 7 metros de um peixe-serra e também possuem barbilhos (bigodes de peixe). Os serrotes têm brânquias no lado de suas cabeças, enquanto os peixes-serra os têm na parte de baixo de seus corpos.”

imagem de focinhos de novas espécies de tubarão
Da esquerda para a direita: Pliotrema kajae, Pliotrema warreni (fêmea juvenil) e Pliotrema annae (presumivelmente fêmea adulta). Crédito: Simon Weigmann.

“Embora a descoberta desses tubarões extraordinários e interessantes seja uma maravilha, ela também destaca o quanto ainda é desconhecido sobre a biodiversidade nas águas costeiras de todo o mundo. E o quão vulnerável pode ser para a pesca mal monitorada e gerenciada.”

Importância de monitorar e gerenciar as pescarias

Para finalizar, repetimos o alerta da phys.org sobre a pesca: “Os esforços para monitorar e gerenciar a pesca nessa região e globalmente devem ser ampliados para evitar a perda de biodiversidade e desenvolver pescarias sustentáveis. Existem métodos simples disponíveis que podem funcionar em pequenas embarcações onde o monitoramento está ausente no momento, incluindo o uso de câmeras para documentar o que foi capturado.”
“A descoberta de dois novos serrotes six-gill também demonstra o valor dos cientistas que trabalham com as comunidades locais. Sem a participação de pescadores, talvez nunca tivéssemos encontrado esses animais. Desde avaliações simples até o desenvolvimento de métodos para alterar as capturas e gerenciar as pescarias, nosso objetivo é tornar as pescarias sustentáveis ​​e preservar o futuro a longo prazo de espécies como essas serras, os ecossistemas em que vivem e as comunidades que delas dependem as futuras gerações.”

Imagem de abertura: https://www.forbes.com/

Fontes: https://www.forbes.com/sites/melissacristinamarquez/2020/03/18/two-new-deep-sea-shark-species-discovered/#e4675e033793; https://phys.org/news/2020-03-weve-shark-species.html; https://www.courthousenews.com/marine-scientists-discover-two-new-species-of-shark/?fbclid=IwAR2JxHR-09VulGBzYLb2dFWFLTIwCv_R1CrnhP0P-omCbDXaawSAOicjOJY.

Universidades na frente do combate ao coronavírus

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here