Ilha das Couves, superlotação move Fundação Florestal

33
22231
views

Ilha das Couves, sofre com superlotação turística há cinco anos. Fundação Florestal finalmente toma providências

A ilha das Couves é uma pequena beleza do litoral de Ubatuba, litoral norte de São Paulo. Mas desde 2017 pelo menos, a proximidade da costa, e a falência da vida marinha, tornaram-se seus principais algozes.

Ilha das Couves fica a poucos quilômetros da uma vila de pescadores artesanais (menos de 10 minutos de lancha), de nome Couves de Picinguaba. Este núcleo de pescadores artesanais, de tão explorado, poluído, e maltratado, acabou sem peixes em quantidade para que pescadores pudessem manter seu modo de vida.

imagem de couves de Picinguaba
A vila de Couves de Picinguaba.

BR 101

A proximidade com a BR 101, construída sem planos de ocupação para suas margens, foi outro problema. A estrada possibilitou a ocupação desordenada ao longo de sua extensão. O que poderia ser bom para os caiçaras, tirando-os do ostracismo a que estavam relegados, contribuiu para piorar a situação. Paulistas abastados compraram as posses por merreca, expulsaram os nativos para o interior, e encheram de mansões, condomínios, e praias privatizadas, quase todo o litoral norte de São Paulo. Foi apenas mais uma prova que o modelo de ocupação do litoral, de segunda residência e turismo desordenado, condena os nativos  à eterna pobreza.

Pedreiros e, no máximo, caseiros

No máximo, os mais sortudos tornaram-se caseiros, ou pedreiros, das construções que foram erguidas. Findo a trabalho, perderam seus empregos. E voltaram a condição de semi-indigência a que foram relegados. Eles não foram preparados para aproveitar a urbanização a que se seguiu a construção da estrada. Restou, para a maioria, vender suas posses a preço de banana para aqueles que sonhavam com uma casa ‘pé na areia’.

Ou, mais recentemente, o turismo desordenado. É o que acontece com a ilha das Couves desde, ao menos, 2017.

Quem é quem na ilha das Couves?

A ilha das Couves, em Picinguaba, Ubatuba, é um local extremamente sensível à presença humana. Desabitada, sem água, tem apenas 58 hectares cobertos por mata atlântica. É circundada por costões rochosos, tem duas pequenas e lindas praias; a  água do mar é quase sempre morna e, normalmente, transparente. O exemplo típico do que se convencionou chamar de… ‘paraíso’.

mapa do litoral de Ubatuba
O ponto em vermelho assinala a Ilha das Couves.

A quem pertence a Ilha das Couves

Como todas as ilhas brasileiras, Couves pertence à União, mas a gestão foi transferida para a Fundação Florestal de São Paulo. Se a posse é da União, a responsabilidade é do Estado de São Paulo que, em 2008 criou três Áreas de Proteção Ambiental – APAs – Marinhas que cobrem quase metade do litoral paulista. Couves fica dentro da APA Litoral Norte.

O turismo desordenado começa ainda em 2017

No final deste ano, enormes saveiros  juntaram-se com as voadeiras dos habitantes do núcleo de Couves de Picinguaba no transporte de turistas. No início eram algo como 15 a 18 saveiros (cada um com capacidade para pelo menos 20 até 30 pessoas, se não mais) descarregando milhares de turistas nas frágeis praias da ilha de Couves. Sem falar que a vila de pescadores se tornou um imenso estacionamento. Carros, motos, caminhões, até ônibus.

imagem da ilha das Couves superlotada de turistas
Cinco anos para por ordem na casa…

O Mar Sem Fim protestou

Na opinião deste site, aquilo não era turismo, mas vandalismo. E começamos um solitário protesto. Desde 2018, mantivemos contato com o secretário de meio ambiente de Ubatuba, Wilber Schimidt Cardozo. Ele pareceu sério e preocupado com a superlotação. Pouco depois enviou cartaz chamando o público e interessados a participarem de reuniões preparatórias dos planos para o turismo. E prometeu novidades para o verão de 2019. Havia três cenários a serem propostos. O primeiro seria para turismo de base comunitária; no segundo, a prefeitura teria a gestão da ilha das Couves; e no terceiro  uma parceria com a  iniciativa privada para a transferência da gestão. Segundo Wilber, “o estudo previa um máximo de 177 pessoas por vez em Couves”, a segunda leva só desembarcaria depois que a primeira tivesse saído, o que seria excelente, comentamos.

Primeira reunião com a comunidade, prefeitura, e MPF

Segundo o secretário, “na primeira reunião na praia da Fazenda (Outubro, 2018), Núcleo Picinguaba,  os três cenários foram apresentados.” E, daí, perguntei? Nada de muito brilhante…  O que aconteceu na apresentação? “Como não gostaram muito do que eu falei, decidi colocar meu foco em outros problemas ambientais de Ubatuba onde só nós podemos agir”.

Entrevista: secretário de turismo de Ubatuba

Outro dos envolvidos na polêmica, desde a primeira apresentação, foi o secretário de turismo Luis Bishof. Falamos com ele, que confirmou os fatos mas acrescentou: “Na reunião de outubro (2018), da prefeitura de Ubatuba só eu estava na reunião, além da promotora, a Dra. Walquíria (Onde estaria a Fundação Florestal?). Segundo Luis, a confusão entre os moradores de Picinguaba era grande: “Uns queriam modificações, outros não. Até uma associação de ‘voadeiras’ foi criada. Alguns queriam ganhar dinheiro, outros estavam preocupados. Resultado? ” Nada foi resolvido”.

Cumprindo nossa obrigação, fomos atrás da Fundação Florestal, já que é dela a responsabilidade por Couves. Através da assessoria de imprensa, enviamos cinco perguntas para o diretor executivo, Rodrigo Levkovicz.

Entrevista: Rodrigo Levkovicz, diretor da Fundação Florestal

1- Afinal qual a responsabilidade da Fundação Florestal?

A Ilha das Couves é um patrimônio da União e por ela é administrada. A Fundação Florestal é gestora da APA Marinha do Litoral Norte. A administração da visitação pública está, portanto, sob gestão da União.

2- Por que, sabendo do descalabro há mais de dois anos, ainda não se tomou qualquer medida prática?

Por favor, veja resposta da pergunta 1.

3- Como justificar milhares de pessoas, sem qq segurança, muito menos instrução, possam desembarcar numa ilha destruindo-a?

Por favor, veja resposta da pergunta 1.

4- Como justificar que até uma barraqueira, dona Célia, tenha se instalado nas areias das praias de Couves sem que alguma autoridade se manifeste?

Por favor, veja resposta da pergunta 1.

5- Qual foi a posição da Fundação nas reuniões mencionadas no post (de apresentação de um plano) ?

A posição da Fundação Florestal é de cumprimento das leis. Em relação à Ilha das Couves, foi instituído um grupo de trabalho do qual fazem parte a Prefeitura de Ubatuba, a Polícia Militar Ambiental, a Fundação Florestal, a Secretaria do Patrimônio da União (SPU), o IBAMA e a Marinha do Brasil, com o apoio do MPE e do MPF.

Foi, ou não, um escárnio?

Folha de S. Paulo publica matéria sobre Ilha das Couves

Depois de nosso protesto solitário, jornais começaram a dar espaço ao descalabro. A Folha foi um deles. Título: “Paraíso” do litoral norte vira pesadelo de turistas com sujeira e superlotação. (4/02/18)  ” Corpo do texto…”o que era um lugar bucólico no litoral norte se tornou um pesadelo para os turistas”… “A ilha vem recebendo até 5 mil pessoas por final de semana…” “…os turistas fazem do mar e das trilhas o seu banheiro…”A reportagem constatou lixo jogado na ilha, “fraldas descartáveis, caixas térmicas e muito lixo.” Em Picinguaba, diz o jornal, trilhas foram abertas para servirem de estacionamento de carros dos turistas.

imagem da ilha das Couves
Imagem, Folha de S. Paulo

Peixes, moluscos e outras formas de vida desapareceram do mar da Ilha das Couves

De acordo com matéria da Folha, a guia Moara Sanches, da Associação Coaquira de Guia de Turismo, Monitor e Condutor de Ubatuba declarou:

…antes era possível ver espécies marinhas como raia pintada, cavalo-marinho, estrelas do mar, corais, garoupas e moreias. Com a multidão no mar agora sumiu tudo…

E assim aconteceu nos verões 2016, 2017,-2018 e 2019. Até que finalmente a Fundação Florestal acordou.

Dezembro de 2019, Fundação Florestal finalmente age

“A Fundação Florestal (FF) publicou na sexta-feira (27/12/2019) a Portaria Normativa FF/DE nº 315/2019, que dispõe sobre a capacidade de carga na Ilha das Couves, localizada a 2,3 km do litoral do Núcleo Picinguaba do Parque Estadual Serra do Mar. O documento regulamenta a visitação para garantir a defesa de um patrimônio ambiental ecologicamente equilibrado.”

Antes tarde que nunca…E para provar que o diligente diretor executivo, Rodrigo Levkovicz, estava errado, voltamos com uma de suas minguadas respostas: “A administração da visitação pública está, portanto, sob gestão da União.” Tanto não estava, que a Fundação publicou o parágrafo acima, e o de baixo.

“Um grupo técnico multidisciplinar, majoritariamente composto por agentes da FF, elaborou um estudo de capacidade de suporte da Ilha das Couves em maio de 2018. Esse estudo estabeleceu que a ilha só poderia receber 177 pessoas simultaneamente, um número bem inferior aos estimados quase dois mil visitantes já contabilizados em um único momento no verão passado.”

O Mar Sem Fim continuará atento, e ‘no pé’ do diligente Rodrigo Levkovicz da Fundação Florestal. Não é possível que se demore cinco anos, conforme o próprio órgão confirma nas declarações entre aspas, para que se tome uma providência.

Assista ao vídeo e veja como é a Ilha das Couves

Imagem de abertura: Folha de S. Paulo

Fontes – https://www.tamoiosnews.com.br/geral/mpf-da-prazo-de-15-dias-para-comunidade-caicara-manifestar-se-sobre-gestao-sustentavel-da-ilha-das-couves/?fbclid=IwAR00_KUaoWy6xQ08Q1_BS9VZjjEVvKwVjhxJDAk7Xt0zEVLtQecECUokJ4E; https://www.infraestruturameioambiente.sp.gov.br/fundacaoflorestal/2020/01/fundacao-florestal-define-regras-para-turismo-na-ilha-das-couves/; https://www.infraestruturameioambiente.sp.gov.br/fundacaoflorestal/pagina-inicial/apas-marinhas/.

Ecoturismo Marinho conheça o imenso potencial

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

33 COMENTÁRIOS

  1. Estive Em Março do Ano passado na Ilha das Couves, apesar de estar diante de um paraíso, fiquei muito entristecido com o turismo desenfreado no local. Saí de lá muito preocupado com aquele lugar.

  2. Comecei a andar de barco em 1964 no mar pequeno depois da Ponte Pensil em São Vicente; de lá até o Casqueiro se via golfinhos, inúmeros cardumes de manjubas e pássaros nos manguezais; depois passamos a frequentar mais para cima, Guarujá e Bertioga ; por fim iniciamos a velejar em Ubatuba no Lázaro, Saco da Ribeira, Ubatumirim, Canal de São Sebastião etc. Já nos anos 70 a praia Toninhas tinha um condomínio vertical horroroso; as praias foram degradando com o turismo de massa e a falta de saneamento com os esgotos jogados nos pequenos rios ou direto no mar; Barra do Sahy imunda, Baraqueçaba estragada, enfim nosso Litoral não tem chance, só se aguentam as praias fechadas onde o poder público não tem responsabilidade e os donos se cotizam pela limpeza e conservação. Quem imaginaria uma Riviera de São Lourenço nos anos 70? Da Bertioga até Boiçucanga era lindo.
    Esse padrão de destruição se repete no Nordeste inteiro, em Santa Catarina, enfim na educação de quem usa e na corrupção de quem administra.
    Só com muito investimento em educação e conscientização poderemos daqui a décadas pensar na recuperação do litoral ocupado desordenadamente.

  3. É realmente horripilante o que acontece atualmente na ilha das couves. Eu fui pego de surpresa em 2018 quando resolvi navegar até picinguaba no feriado da proclamação da república depois de mais de dez anos morando fora do estado. Fui seco para matar as saudades desse lugar onde costumávamos praticar mergulho. E o que eu encontrei foi uma grande farofada do mais baixo nível. Centenas de humanóides carregados com seus coolers, bebendo cerveja e urinando na areia, munidos de suas caixas de som portáteis tocando simultaneamente as músicas mais grotescas, produzindo lixo e brigando uns com os outros para cada qual voltar pra casa com a sua foto paradisíaca postada no instagram. O ser humano é a espécie mais imunda do planeta.

  4. todo o litoral norte de ubatuba esta sendo invadido pela explosao de interesses imobiliarios com desreipeito as leis e a natureza…Vejam o exemplo da praia de puruba aonde o desmatamento, invasoes em terrenos privados e construção de campings destroi a mata nativa e cria esgotos a ceu aberto

  5. a politicagem de Ubatuba é o que há de pior, vi com meus olhos e incluo aí a turma do poder jurídico, juízes e MP todos cooptados, até a agencia Cetesb local entupidos de denuncias, além dos já velhos conhecidos prefeitura, seu secretários e legislativo, até mesmo os Bombeiros, normalmente uma força militar não se suja fácil, até eles!!! Recentemente soube que o PCC está aportando na região desde angra, litoral nore de SP até o Guarujá para organizar o trafico, o mais engraçado disso é que a violencia contra o turismo diminuiu, no BR a unica coisa organizada é o crime, surreal esse país onde o traficante se importa mais que o promotor. Não há o menor risco desse país dar certo, precisamos duma lavajato versão praia urgente.

  6. Bom dia João.
    Muito boa reportagem.
    Após ler a matéria vemos a imensa ignorância do nosso povo destruindo seu próprio patrimônio, como acontece em quase todos os espaços públicos, urbanos ou não. Jogar fralda na água do mar ou na praia , como você citou acima , mostra o grau de descaso pela natureza e pela higiene coletiva.
    Se o governo não tem condições de manter esse patrimônio natural designando gestores incompetentes e omissos, como os citados acima (pagos com o salario dos impostos de cada um de nós) , deveria privatizar a ilha para a exploração ou vende-la , com regras claras de uso e conservação para o comprador.
    A Ilha das Cabras em Ilha Bela é um bom exemplo disso: apesar de algumas criticas, ela estaria bem pior se não tivesse dono.

  7. Infelizmente quem visita Ubatuba sabe que não há fiscalização alguma. Não adiantam planos, promessas e programas de ano houver fiscalização. Na ilha do Prumirim ocorre a mesma coisa e cheguei a ver barcos praticamente atracando na areia para poder desembarcar cerca de 40 passageiros de uma vez só! Ubatuba se transformou num relaxo total.

  8. Infelizmente neste Brasil de autoridades e gestores públicos inesperientes, irresponsáveis, descompromissados , se deixam influenciar pelo poder econômico do turismo, não valorizam e desrespeitam a legislação. Repugnante.

  9. Triste demais.
    Situação similar está ocorrendo também na Piscina Natural do Cachadaço, Trindade, Paraty. Seria interessante que os Repórteres do Mar fizessem uma visita ao local nos finais de semana de verão e denunciassem a catástrofe que está ocorrendo por lá também. Assustador pensar que em menos de dez anos estes patrimônios naturais não existirão mais se não forem tomadas as devidas ações.

  10. Olá,

    A ilha das Couves é lindíssima é pena estar a ser destruída pelo turismo sem controle. Esperamos que seja encontrada uma solução para a ilha não acabar destruída…
    Brevemente começa novamente o Verão… esperemos que já exista novidades!

  11. Boa tarde, Vcs já viram o que estão fazendo com Ilhabela?? o turismo desordenado está acabando com um dos últimos redutos civilizados próximo a São Paulo. sugiro que o tema seja pauta do Mar Sem Fim.
    Abs

    • Olá, Marcos Vinicius, obrigado por participar. Sim, infelizmente sabemos o que acontece em Ilhabela, e já fizemos varias matérias a respeito. Outras virão, não tenha dúvidas. Mas só como exemplo, veja estas: “Ilhabela dos royalties do pré-sal, até Hans Staden e Thomas Cavendish”; “Ilhabela, prefeito quer detonar patrimônio”; “Prefeito de Ilhabela quer torna-la Ilhafeia”.
      Para lê-las, basta colocar estes títulos na lupa que aplace na barra de cima, à direita. abraços

  12. boa tarde sou moradora da praia de Picinguaba minha família é centenária aqui
    muito boa matéria parabéns mas queria q vcs tbm ouvisse nosso lado temos uma associação de barqueiros ABTP Da PRAIA DO LANÇO agora vamos melhora muito pro ano q vem temos projetos a ser realizado aqui e precisamos de apoio sabemos q saneamento básico não vai vir pra cá por isso temos q fazer projeto de fossas 98% de água limpa para cada casa para começar melhorar o nosso mar depois tem a reciclagem com aquele projeto moeda verdade achei muito legal já começamos os multirao com a limpeza dos rios e as prais principalmente da ilha das couves
    então vamos fazer nossa parte
    obrigado desde já

  13. Ao mesmo tempo que estão acabando com a nossa Ilha das Couves o mesmo acontece com a Praia da Santa Rita no Pereque Mirim em Ubatuba. O esgoto do morro do Pereque Mirim desse ate a Praia que por sinal esta com bandeira verde. Todo tipo de ambulantes invadirom a Praia da Santa Rita, que por sua vez fica num condomínio de alto padrão .
    Mega Midia esta divulgando todas estas lindas praiais na internet para livre asseso

    • Oi, Maria Rosa, se é isso mesmo, faça sua parte. Denuncie ao MPF, tire fotos, grave com o celular. Mostre este descalabro pra todos. É a única opção que temos: denunciar, ‘botar a boca no trombone.’ Temos que ser chatos. Exercer cidadania dá trabalho. Mas resultados também. E conte com esse site. Se fizer fotos e gravações passe no meu mail pessoal ([email protected]). Publico matéria, encho o saco das ‘otóridades’, chateio até tomarem uma decisão. Mas alguém tem que atirar primeira pedra, isso, é, vc tem que me dar mais elementos além do depoimento. To esperando. Abraços

  14. Caro João, em 1985 fomos implantar o Núcleo Picinguaba do Parque Estadual da Serra do Mar, em Ubatuba.
    Por volta de 1988, o juiz da comarca era o jovem e combativo Filipe Augusto Vieira de Andrade. Chegou a ele a denúncia de que estariam a executar obras na Ilha das Couves. Em companhia do Dr. Filipe estivemos na Ilha das Couves e constatamos que o possuidor, um italiano de nome Luis Pini Neto, estava de fato a efetuar desmatamento e movimentação de terra, pois pretendia construir um caminho ou estrada que contornaria a ilha.
    Elaboramos o laudo com base no qual o Ministério Público conseguiu a liminar e as obras foram paralisadas. Após 1989 não mais voltamos ao local, pelo que tínhamos por certo que a Ilha das Couves continuava preservada.
    Mas parece que está sendo degradada, agora não mais com máquinas, mas pelo uso descontrolado, como sói ocorrer em todo o litoral do país.
    Na mesma época, também com sucedâneo técnico em laudos nossos, o Dr. Filipe Augusto Vieira de Andrade obteve o embargo judicial da Pedreira Itamambuca, que devastada o Morro do Respingador, e de um grande loteamento na praia do Ubatumirim.
    Infelizmente, após a desativação da pedreira da Tonesa, que extraia o granito verde, a encosta do Morro do Respingador foi invadida e os imóveis ali construídos findaram por poluir o Rio Itamambuca.
    Espero que os ambientalistas de hoje consigam preservar a Ilha das Couves.
    Parabéns pelo trabalho conservacionista!

    • Olá, João Melo, obrigado pelas informações. Elas ajudam as pessoas a compreenderem todo o contexto da Ilha das Couves. Sobre o Luis Pini eu já ouvi falar. É aqui de São Paulo, pessoa rica, de posses, e grande grilador do litoral. Ele esteve em várias praias fazendo o mesmo que tentou em Couves. Ainda bem que vcs conseguiram expulsa-lo. Bom, mais uma vez, eu é que agradeço por suas informações. Vamos torcer, e pressionar a prefeitura da Ubatuba para que ela adote medidas antes que a horda ensandecida consiga dar fim a belíssima ilha. Grande abraço, e por favor, volte sempre com suas contribuições.

  15. Poucos dias antes da data dessa matéria estive em Ubatuba. A cada menos de 100 metros no calçadão da orla de Itaguá tem agências vendendo passeios de barco e lancha para Ilha das Couves (alem de Cedro, ilha Prumirim e Anchieta)… O que me preocupou muito, já que em quase 20 anos frequentando Ubatuba com a minha família, nunca vi Ubatuba tão superlotada como esse ano (embora de 2014 para cá eu venho sentindo muita diferença). A cidade não está comportando tanta gente… A gente percebe pelo trânsito, pela quantidade de lixo que se acumula em alguns pontos e etc… A situação da ilha das Couves acredito que algumas medidas é possível se reverter, como regulamentar e tornar mais “rígidas” as regras de visitação (como na ilha Anchieta, por exemplo)… Mas a situação de outros ecossitemas sensíveis de Ubatuba, realmente me preocupa e me entristece… Tenho uma ligação forte com esse lugar…

    PS: Eu amava a série Mar Sem Fim da TV Cultura. Não perdia um episódio. E sempre acompanho as postsgens daqui. =) Parabéns pelo trabalho, tão necessário num país que não dá a mínima para as questões ambientais.

    • Oi Thais, muito obrigado pela mensagem, e palavras amáveis sobre as séries que fiz. Bom, a coisa tá muito feia em todo o litoral. Ele não aguenta essa superlotação. Os ecossistemas são frágeis, não há infraestrutura nenhuma, seja para recolhimento de lixo, seja coleta e tratamento de esgoto. O déficit é geral. Se o prefeito de Ubatuba não tomar uma medida urgente vão detonar a ilha das Couves. Essa horda de turistas detona a ilha em um mês. É gente demais para um ecossistema extremamente frágil. É um absurdo demorar até outubro pra entregar o tal plano de ação como a matéria diz. O mesmo com relação à toda Ubatuba. Essa cidades não comportam essa quantidade absurda de gente. O problema é que normalmente os prefeitos das cidades costeiras são medíocres, em média, e a grande maioria envolvida com a especulação imobiliária. Não conheço o atual prefeito de Ubatuba, não o acuso, falo de forma genérica. Assim tem sido no litoral do Brasil de Norte a Sul. Uma judiação. Vão detonar o que sobra dele. Nossos filhos e netos terão um osso roído. É uma pena mas é a realidade. recomendo que vcs briguem, reclamem, façam protestos, mandem e mails ao prefeito, etc,etc. Abraços, boa sorte, e até breve.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here