Conheça Thor Heyerdahl, explorador e Mestre dos Mares

2
2051
views

Thor Heyerdahl, explorador e Mestre dos Mares

Segundo o pt.wikipedia, Thor Heyerdahl tem parte de sua família no Brasil. Eles vieram para cá há quatro gerações, antes de 1920. O pai de Thor, Bertrand, teve mais três filhos.  Um também se chamava Bertrand. Este rapaz veio para o Brasil, onde teve uma filha, Shirley, que seguiu com a família no País. Esta curiosidade eu desconhecia até escrever este post. Contudo, isto torna a história ainda mais interessante para nós.

Os primeiros anos

Thor nasceu em 6 de outubro de 1914, em Larvik, Noruega.  Muito cedo tornou-se entusiasta da natureza. Inspirado por sua mãe, diretora do museu local, estudou zoologia e ciências naturais. De maneira idêntica, cedo também ingressou na prestigiosa Universidade de Oslo. Ali especializou-se em zoologia e geografia. Porém, ao longo de seus 87 anos, mostrou-se, além de tudo, um grande explorador. Poucos marinheiros no mundo merecem o título de Mestre dos Mares. Thor não era sequer marinheiro mas, por suas navegações, e os barcos que construiu, merece o título mais que ninguém.

O fascínio dos oceanos desde o início da civilização

Ao morrer, em 2002, Thor Heyerdahl teve seu obituário publicado entre muitos dos maiores jornais do mundo. Foi uma homenagem ao grande Mestre dos Mares. New York Times: “Thor Heyerdahl, o antropólogo e aventureiro norueguês que ganhou elogios navegando nos oceanos Pacífico, Atlântico e Índico para avançar suas controversas teorias sobre antigas migrações marítimas, morreu ontem (17 de abril de 2002).”

Heyerdahl, que tinha 87 anos. Morreu de câncer na Itália, onde estava de férias. Ele viveu nos últimos anos em Guimar, Tenerife, Ilhas Canárias.”

Já, para  o Guardian, “O explorador norueguês Heyerdahl, que morreu aos 87 anos, entrou para a história em 1947 quando atravessou o Pacífico do Peru à Polinésia em uma jangada de madeira balsa.”

4.300 milhas em uma jangada

De fato, segundo o New York Times, A viagem à deriva de 101 dias e 4.300 milhas na jangada de 40 pés, uma réplica de embarcações pré-incas, o levou com segurança do Peru a Raroia, uma ilha de coral perto do Taiti. Isso demonstrou para a satisfação de Heyerdahl que sua teoria poderia ser um fato.

PUBLICIDADE

Kon Tiki, de Thor Heyerdahl
Imagem, www.britannica.com.

“A viagem épica, no entanto, cativou a imaginação do mundo. Heyerdahl foi um herói popular instantâneo. E sua habilidade de contar histórias transformou o livro “Kon-Tiki” em um best-seller internacional. Ao todo foi traduzido para 63 idiomas. Ao mesmo tempo, um documentário sobre as façanhas ganhou um Oscar.”

Contudo, sempre foi igualmente criticado. Segundo cdapress.com, para o notável antropólogo Robert Carl Suggs, Ph.D., de Boise, que morreu em abril de 2020,  “Como a maioria dessas teorias, é uma leitura leve e empolgante, mas como exemplo de método científico, se sai muito mal”.

O New York Times conta que depois da Kon-Tiki, Heyerdahl liderou uma expedição arqueológica às Ilhas Galápagos, a 700 milhas da costa do Equador. Ele encontrou evidências que o convenceram de que os predecessores dos Incas haviam visitado as ilhas e que tinham a sofisticação náutica para poder voltar para casa contra o vento.

Mapa da viagem da Kon Tiki.
Imagem, www.karavansara.live.

Contudo, o Guardian diz que ‘a demonstração épica de Heyerdahl de que os especialistas estavam errados – alegando que tal viagem era impossível – não provou nada. Ele lutou por décadas para fazer valer sua tese. Mas todas as evidências – arqueológicas, culturais, linguísticas, de grupos sanguíneos e genéticas – mostraram que os ilhéus do Pacífico haviam embarcado em sua longa e gradual colonização do Pacífico a partir do velho mundo.’

Provas em 2020?

Na época da morte de Thor, ainda não havia provas de  que muitas ilhas, e ilhéus do Pacífico, têm em seu DNA pequenas quantidades  herdadas de pessoas que moravam na Colômbia há cerca de 800 anos.  Isso ficou provado em pesquisa de 2020, publicada na revista Nature, depois de análises  em mais de 800 indivíduos de 17 ilhas polinésias e 15 grupos indígenas sul-americanos na costa do Pacífico

 cartaz do livro Kon Tiki
Imagem, www.karavansara.files.wordpress.com.

O que eles descobriram foi que pessoas de várias ilhas da Polinésia Oriental (ou seja, a parte leste), incluindo Rapa Nui – em outras palavras Ilha de Páscoa – têm traços genéticos em seu DNA vinculados a indígenas sul-americanos. As assinaturas genéticas mostraram uma forte conexão com o Zenu, um grupo indígena da Colômbia.

Mas há quem insista em contradizê-la. Segundo o Times, “muitos especialistas disseram que a melhor explicação seria que os polinésios vieram para a América do Sul e depois levaram os sul-americanos em seus barcos para viajar de volta ao mar.”

Caso de amor de Heyerdahl com a aventura

O Guardian diz que o caso de amor de Heyerdahl com a aventura começou em 1938. Ele fez uma viagem romântica às Marquesas, as ilhas celebradas por Herman Melville e posteriormente colonizadas pelos franceses. Após a Segunda Guerra Mundial, desenvolveu uma visão pouco ortodoxa do progresso do assentamento humano.

PUBLICIDADE

Desenho da Kon Tiki.
Imagem, www.lookandlearn.com.

Seu argumento era que pessoas do Egito poderiam ter colonizado as Américas e depois transportado uma cultura através do Pacífico. Mas ele fez algo que os excêntricos normalmente não fazem: demonstrou que tais feitos eram possíveis.

Marinheiros da Mesopotâmia de 5.000 anos atrás poderiam ter navegado no Oceano Índico?

O New York Times diz que Heyerdahl investiu a maior parte dos royalties de seu livro em novas expedições. A mais importante foi uma viagem de 1970 através do Atlântico em um barco de papiro para mostrar que os antigos egípcios poderiam ter introduzido tecnologias de construção de pirâmides para os americanos pré-colombianos.

Ra II de Thor Heyerdahl sendo construído com juncos de papiro em frente às Pirâmides de Gizé, Egito (1970).
Ra II de Thor Heyerdahl sendo construído com juncos de papiro em frente às Pirâmides de Gizé, Egito (1970). Imagem, www.cdapress.com.

Assim, em outro, em 1977, o explorador partiu em um barco de junco de design antigo para descobrir como os marinheiros da Mesopotâmia de 5.000 anos atrás poderiam ter navegado no Oceano Índico.”

Heyerdahl então voltou sua atenção para a possibilidade de uma migração do Egito para a América, já que ele sentia existirem paralelos culturais impressionantes: notadamente a construção de pirâmides. Não nos esqueçamos que os egípcios dominaram o mar ao seu tempo.

Navio Ra, em homenagem ao deus egípcio do sol

A maioria dos estudiosos, diz o New York Times,  duvidava que os egípcios tivessem navios capazes de uma viagem tão longa. Então, Heyerdahl decidiu fazer uma demonstração. Usando representações antigas de barcos de junco egípcios como seu guia, construiu um navio  e o chamou de Ra, em homenagem ao deus egípcio do sol.

pirâmides das Ilhas Canárias.
Ruínas de pirâmides das Ilhas Canárias. Imagem, www.cdapress.com.

‘A primeira tentativa, em 1969, falhou. O navio alagado teve que ser abandonado a 600 milhas de seu destino em Barbados. Destemido, Heyerdahl tentou novamente no ano seguinte. Foi nessa jornada bem-sucedida de 57 dias que notou pela primeira vez a poluição “alarmante” do oceano, um assunto sobre o qual continuou a falar com veemência.’

As pirâmides, segundo a Economist

Depois de sua experiência com o Kon-Tiki, ele fez a seguinte pergunta: se tais viagens ocorreram no Pacífico, poderiam ter ocorrido viagens semelhantes em outras partes do mundo antigo? Os oceanos eram menos uma barreira que isolava as pessoas e mais uma avenida que as conectava? Heyerdahl convenceu-se de que foi isso que aconteceu. “O oceano é um transportador e não um isolador”, disse ele. 

PUBLICIDADE

“Heyerdahl ficou intrigado com o número de pirâmides de degraus encontradas em diferentes partes do mundo. Estas tendem a ser menores e de origem mais antiga do que as verdadeiras pirâmides com seus lados lisos. O conhecimento de sua construção se espalhou do Egito para o México, Peru e Ilhas Canárias?

A construção de um navio de junco

Assim, para demonstrar que uma travessia do Atlântico era possível com a tecnologia que existia nos tempos antigos, em 1969 ele construiu um navio de junco, o Ra, baseado em um desenho egípcio e lançado do antigo porto fenício de Safi, Marrocos. O navio sobreviveu no Atlântico por 56 dias antes de ficar perigosamente vazando. Um segundo navio de junco chegou a Barbados com segurança.

navio de junco de Thor Heyerdahl
Imagem, www.britannica.com.

Por último, diz a Economist, A suposição de Heyerdahl de que as antigas civilizações estavam ligadas pelo mar, trocando ideias e materiais continua uma questão de debate, se não de ceticismo, para muitos antropólogos. As semelhanças entre culturas antigas são consideradas coincidências. No entanto, Thor ampliou o papel da antropologia. Ele era um estimulante maravilhoso: todos que o conheciam saíam com a cabeça fervilhando de ideias.

Ra em Barbados.
Ra II em Barbados. Foto assinada pelos tripulantes: Norman Baker (United States), Carlo Mauri (Italy), Yuri A. Senkevich (Russia), Santiago Genoves (Mexico), Kei Ohara (Japan), Madani Ait Ouhanni (Morocco), Thor Heyerdahl (Norway). Imagem, www.bajanthings.com.

Como se vê, era um ‘iluminado’ desde 1969 alertando sobre os problemas dos oceanos.

Intercomunicando através dos oceanos

Heyerdahl continuou sua pesquisa e, em 1952, liderou uma expedição arqueológica às Ilhas Galápagos, 605 milhas a oeste do Equador. Segundo o cdapress.com, Patrocinado pela Sociedade Arqueológica Norueguesa, sua missão era investigar sítios de habitação pré-colombiana nas ilhas. Para sua alegria, eles desenterraram 130 peças de cerâmica e uma flauta que eram mais antigas que os incas.

Algumas outras pessoas estiveram lá antes deles. Como eles chegaram lá? A próxima aventura de Heyerdahl foi a Ilha de Páscoa – seu nome polinésio é Rapa Nui.

‘Com essas expedições, Heyerdahl disse: “Provei que todas as antigas civilizações pré-europeias poderiam ter se intercomunicado através dos oceanos com as embarcações primitivas que tinham à disposição. Sinto que o ônus da prova agora recai sobre aqueles que reivindicam que os oceanos foram um fator de isolamento de civilizações.’

PUBLICIDADE

Mapa das viagens do Ra I e Ra II
Mapa das viagens do Ra I e Ra II. Imagem, www.bajanthings.com.

Nos últimos anos, Heyerdahl recebeu muitas homenagens, incluindo a seleção em uma pesquisa de opinião pública como “Norueguês do Século.

A aventura do Tigris

No final de 1977, Heyerdahl recrutou uma tripulação internacional de 11 homens para outra expedição em uma jangada de junco chamada Tigris. Dois eram americanos — Norman Baker e Norris Block.

Os estudiosos concordam que os sumérios na antiga Mesopotâmia tinham barcos com velas, mas acreditavam que sua navegação se limitava aos rios e cursos de água costeiros. Ao contrário, Heyerdahl acreditava que em tempos antigos, embarcações primitivas também haviam sido usadas para navegar em mar aberto, como ele já havia provado possível por suas expedições Kon-Tiki, Ra e Ra II.

Construçao do Tigris.
A construção do Tigris. Imagem, www.kon-tiki.no.

Eles construíram a jangada no Iraque, onde os rios Tigre e Eufrates se unem, ao norte do Kuwait. Como Kon-Tiki e Ra II, a missão era estabelecer a possibilidade dos antigos sumérios terem espalhado sua cultura pelo sudeste da Ásia e pela Península Arábica, viajando em barcos.

A jornada de Heyerdahl começou no Golfo Pérsico e continuou através do Mar da Arábia até o Paquistão, antes de voltar para o oeste em direção ao Mar Vermelho. Então eles tiveram problemas.

Guerra em ambos os lados do Mar Vermelho

A guerra ocorria em ambos os lados do Mar Vermelho – no Iêmen, na Somália e na Etiópia. Apenas o Djibuti permitiria a chegada do Tigris. Reconhecendo que era muito perigoso prosseguir, Heyerdahl interrompeu a expedição. Em vez de deixar o barco cair em mãos erradas – como Saddam Hussein, que o queria – ele o incendiou e fez dele um símbolo de protesto contra a guerra.

Tigris em chamas
Imagem, www.azer.com.

A mesma fonte diz ainda que, Por quatro anos, começando em 1988, Heyerdahl conduziu a maior escavação arqueológica do mundo em uma pirâmide e um complexo de templos perto de Túcume, no Peru.

PUBLICIDADE

Entre as descobertas, havia uma parede do templo com relevos de homens-pássaros míticos a bordo de duas grandes embarcações marítimas, segurando objetos esféricos. O pesquisador do Museu Kon-Tiki, Arne Skjølsvold, disse a Heyerdahl: “Thor, essas coisas são homens-pássaros agachados com ovos nas mãos – exatamente como os da Ilha de Páscoa!”

Em 1990, antes do término da escavação de Túcume, Heyerdahl ouviu falar das Pirâmides de Güímar em terraços de Tenerife, nas Ilhas Canárias, a oeste de Marrocos, semelhantes no Egito, próximas às Pirâmides de Gizé, e na América Central e do Sul.

Tigris
Tigris. Imagem, www.kon-tiki.no.

As Ilhas Canárias foram um ponto de parada nas viagens entre o antigo Egito e a Civilização Maia na América Central? ele se perguntou – então ele foi para Tenerife, eventualmente se estabelecendo lá com sua família pelo resto de sua vida.

Contudo,  durante esses anos, ele e os arqueólogos fizeram várias escavações para encontrar as respostas para as pirâmides, apenas para descobrir que elas foram construídas no século XIX. Desta vez ele reconheceu o erro.

O legado de Thor Heyerdahl

Para o site Kon Tiki, Cidadão do mundo, explorador, escritor e cientista, o legado de Thor Heyerdahl é um arquivo de riqueza inusitada que engloba fotografias, filmes, manuscritos e documentos de valor histórico, artístico e cultural. O arquivo faz parte da Memória do Mundo, e dos patrimônios culturais imateriais da UNESCO.

Seus arquivos fornecem uma visão única da vida e obra do mais famoso explorador, aventureiro e escritor de não-ficção do século XX. Suas expedições e livros foram uma fonte de inspiração para gerações de aventureiros, cientistas e pessoas em todo o mundo.

selos com imagens de Thor Heyerdahl.
Imagem, www.postcardsblogatdustin.blogspot.com.

Já para o explorersweb.com, Quando Thor Heyerdahl morreu há 20 anos, aos 87 anos, o famoso explorador e etnógrafo norueguês deixou um legado controverso. Ele passou anos tentando provar suas opiniões radicais sobre a herança polinésia. Suas alegações enfureceram os acadêmicos e foram aceitas como sem mérito. Mas no processo, ele conseguiu popularizar a ciência.

PUBLICIDADE

E finaliza: Quando Heyerdahl recebeu a notícia de sua saúde debilitada, ele não lutou contra a morte iminente. Ele optou por abster-se de medicamentos ou alimentos, permitindo que seu tumor cerebral o vencesse naturalmente em 2002. Ele estava cercado por seus familiares mais próximos.

Heyerdahl pode ter se mostrado errado em suas principais teorias, mas deixou uma pergunta sem resposta: os ilhéus do Pacífico e os nativos americanos já tiveram contato?

Assista e saiba mais

Thor Heyerdahl Inspiration. Kon-Tiki. The world.

Mais de 5 mil espécies marinhas descobertas em local de mineração

Comentários

2 COMENTÁRIOS

  1. Obrigada, João Lara. Excelente texto sobre a figura deste explorador que deixou um legado de questões interessantes e nos advertiu sobre a poluição dos oceanos.

  2. Um homem incrível, uma mente questionadora, um legado inspirador. O último grande explorador do nosso planeta ( até que alguém um dia revire as profundezas dos mares ou escave sob todas as areias do Saara ).

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here