Confusões sobre o clima e meio ambiente, by Bolsonaro

14
698
views

Semear confusões sobre o clima, e o meio ambiente, parece ser o esporte predileto de Jair Bolsonaro. Pra que serve isso?

É incrível que o País com a maior biodiversidade do planeta seja obrigado a ouvir a quantidade de ‘desinformações’ , para não dizer bobagens,  a cada manifestação do presidente eleito, seu círculo próximo, incluso os filhos. De forma provocativa, debochando, Bolsonaro semeia confusões sobre o clima, sem se dar conta que é o chefe de Estado. Por isso mesmo, o que fala tem repercussão mundial. O exemplo mais notável foi a bravata de transformar o Ministério do Meio Ambiente em repartição secundária do Ministério da Agricultura. Ele tem todo o direito em mexer nos ministérios, reorganizá-los, reordená-los. Mas  humilhá-lo, como se lá só houvesse vagabundos, acreditamos que não. Mesmo sem conhecer os meandros da pasta, foi o que fez Bolsonaro, ao condenar publicamente a equipe que cuida do maior ativo brasileiro, a biodiversidade.

charge de Bolsonaro e ministério da agricultura
Agências prontas para rebaixar o Brasil como consequência das falas de Bolsonaro.Confusões sobre o clima.

O ridículo resultado desta bravata

De graça, o presidente se indispôs com mais de mil pessoas, os servidores do Ministério do Meio Ambiente expostos ao ridículo. O preço será pago pelo novo ministro, Ricardo Salles. E ele já tem problemas demais. Acaba de ser condenado por improbidade administrativa em São Paulo. O capitão não percebe que pavimentar o caminho de sua equipe merecia estratégia melhor? Quem foi eleito para presidir o País deveria ter a grandeza de unir os cidadãos. E não o contrário, como fazia e ainda faz, a patota mafiosa petista da qual Bolsonaro se diz o ‘maior inimigo’. O público ficou atônito, não entende como um ministério protagonista desde a ECO- 92, é agora demonizado. Depois do inútil barulho, não demorou para o capitão dar o dito por não dito. Seus  colegas do agronegócio correram a avisar o chefe que se o disparate fosse consumado, o Brasil seria seriamente punido pela comunidade mundial. O agronegócio, que nos sustenta, estava ameaçado pela precipitação do presidente da República, não pelo ministério que ele menospreza. Bolsonaro foi obrigado a voltar atrás. ‘Sem problema nenhum’, como diz a cada mancada.

Idas e vindas de Bolsonaro nas questões mais discutidas do momento: aquecimento global e meio ambiente

Não satisfeito em agredir o eleitorado comum, lembremos que na eleição de 2014 a candidatura verde teve nada desprezíveis 20 milhões de votos, o capitão partiu para o confronto com pesquisadores e cientistas ao ameaçar retirar o Brasil do Acordo de Paris. Seus filhos, defensores radicais das ideias do pai, deram uma pista do que ouvem em casa nos almoços aos domingos.

tweeter de carlos bollonado sobre o clima

A saída do pacto depende de votação no Congresso. Bolsonaro terá a segunda maior bancada a partir de 2019. Mas a desistência do Brasil de sediar a próxima conferência do clima, em 2019, teve sérias consequências. Pegou muito mal, e foi imediatamente retaliada pela França.

imagem de tweeted de flavio bolsonaro sobre o clima

 

 

 

 

 

Por tudo isso, é urgente avisar a família Bolsonaro que as eleições terminaram. Capitão eleito. Não é preciso continuar a campanha, ofendendo, ou disseminando confusões sobre o clima. Hoje, todo brasileiro de bom senso torce para seu governo. Mesmo porque, nunca estivemos tão próximos do abismo.

ilustração que simboliza "a beira do absimo'
Ilustração:jornalibia.com.br.

A economia se arrasta, a dívida pública, e o desemprego, explodem. E a moral, a ética no trato da coisa pública, bem, elas não existem mais. Foi seu discurso, pregando a moralidade, que elegeu Bolsonaro.

Confusões sobre o clima e agressão à ONU

O momento é de união, presidente. Chega de bravatas como  retirar o Brasil da ONU, porque  “o Conselho de Segurança do órgão não passa de uma reunião de comunistas, de gente que não tem qualquer compromisso com a América do Sul, pelo menos“. Mais uma provocação, desta vez contra nações aliadas. As mesmas de que dependemos para ter acesso à tecnologia, comércio, intercâmbio, financiamentos, etc. Triste, é um presidente tão tosco. O Brasil não tem a economia dos Estados Unidos, não pode se indispor contra o mundo civilizado. Bolsonaro já foi acusado de homofóbico, misógino e fascista. Não é pra menos. Usa linguagem grosseira, e o modo de falar é imperial. Com isso persiste a divisão. Se mantiver este espírito na hora de negociar as reformas com o Congresso, que Deus tenha piedade de nós.

Do Barão de Rio Branco para Ernesto Araújo

Enquanto procurava no baú dos esquecidos um nome para assumir o MMA, descobriu o do sucessor do Barão de Rio Branco, patrono da diplomacia, e uma das figuras mais importantes da história brasileira. Rio Branco, de tão bom foi Ministro das Relações Exteriores de quatro governos sucessivos, caso único na história. Uma rara unanimidade. Sua maior obra foi consolidar as fronteiras incorporando ao Brasil 900 mil quilômetros quadrados. Bem, para a cadeira dele, Bolsonaro indicou o diplomata Ernesto Araújo para quem o aquecimento global ‘é uma trama marxista‘. E mais, Araújo explicou:

Esse dogma vem servindo para justificar o aumento do poder regulador dos Estados sobre a economia e o poder das instituições internacionais sobre os Estados nacionais e suas populações, bem como para sufocar o crescimento econômico nos países capitalistas democráticos e favorecer o crescimento da China

ilustração de donald trump remando um bote
“The concept of global warming was created by and for the Chinese in order to make U.S manufacturing non- competitive.”Confusões sobre o clima.

Nosso chanceler, que também dissemina confusões sobre o clima, tinha tanta gente boa pra admirar, mas preferiu Trump…Sinal dos tempos quando o chefe da maior nação do mundo é o controverso, politicamente incorreto, eticamente questionável, Donald Trump, infelizmente, é o modelo de Bolsonaro e de seu chanceler. Ainda que seja, não é necessário ser mal-educado e casca grossa o tempo todo só pra justificar.

Do repertório de Ernesto Araújo

Antes de encerrar, vamos lembrar que o chanceler acredita que “a esquerda sequestrou a causa ambiental e a perverteu até chegar ao paroxismo, nos últimos 20 anos, com a ideologia da mudança climática, o climatismo”. Ele também não se envergonha de dizer que a globalização é comandada pelo “marxismo cultural”.  Mais uma escolha errada do capitão. Em vez de procurar uma unanimidade, ele se esforça até achar alguém que divide, vai de encontro às maiores discussões do momento: o futuro da humanidade, das novas gerações, como vamos lidar com o lixo que estamos legando a ponto de ferir o coração dos oceanos, como vamos alimentar 10 bilhões de pessoas?

gráfico mostrando população mundial

Do repertório de Bolsonaro

Talvez este repúdio à provocação, ao deboche, a demonstrações teóricas de força para fechar o STF, venha do fato de termos esquecido o caso que celebrizou o presidente. Bolsonaro afirmou na Câmara e em entrevista ao jornal “Zero Hora” que a deputada Maria do Rosário (PT-RS) não merecia ser estuprada porque ele a considera “muito feia” e porque ela “não faz” seu “tipo”. Já era hora de amenizar este tom vulgar , presidente, ele não traz nenhuma vantagem, ao contrário.

Os motivos para tanta bronca

Em seus discursos ou em suas páginas nas redes sociais, apareceram alguns dos motivos pelos quais Bolsonaro demoniza o Ministério do Meio Ambiente e seus dois braços, o Ibama, e O ICMBio. Antes vamos saber o que faz cada um.

ilustração que remete ao meio ambiente

O Ibama e o ICMBio

Os dois são autarquias federais ligadas ao Ministério do meio Ambiente. O ICMBio cuida da gestão das unidades de conservação, educação ambiental e a maioria dos centros especializados. As principais atribuições do Ibama são  exercer o poder de polícia ambiental; executar ações das políticas nacionais de meio ambiente, relativas ao licenciamento ambiental, ao controle da qualidade ambiental, à autorização de uso dos recursos naturais e à fiscalização, monitoramento e controle ambiental, etc.

Agora, as críticas: Bolsonaro criticou os dois órgãos diversas vezes durante a campanha eleitoral, ao mesmo tempo em que afirmou que a proteção do meio ambiente não poderia ser um obstáculo ao desenvolvimento, e insistiu em que a indústria do agro estava “asfixiada” por regulamentações. “Asfixiada” e batendo recordes de produção ano a ano, como assim?

Outra declaração comum ao longo da campanha: “Olha só, o grande problema que temos aqui é que as políticas indigenistas e ambientais não trabalham em prol do Brasil. Trabalham em prol de interesses extra território brasileiro.” Faltou explicar para quem trabalham, e quais os interesses ‘extra território’.

Multas

O presidente eleito criticou duramente os órgãos públicos de controle de abusos contra o meio ambiente, acusando-os de imporem “multas a torto e a direito.”

— Não vou mais admitir o Ibama sair multando a torto e a direito por aí, bem como o ICMbio. Essa festa vai acabar — afirmou Bolsonaro.

O próprio Bolsonaro recebeu do Ibama uma multa de R$ 10 mil, que ainda não pagou, por prática de pesca irregular. — Vou pagar essa multa? Vou. Mas sou uma prova viva do descaso, da parcialidade e do péssimo trabalho prestado por alguns fiscais do Ibama e ICMBio. Isso vai acabar — afirmou. Ou seja, o capitão ficou bravo por ser pego de calças curtas onde não poderia estar, e virou suas baterias para os órgãos que cumprem a lei. Afinal, as infrações são amparadas por extensa legislação. Não se pode punir um funcionário por cumprir sua obrigação.

Bolsonaro quer reabrir a ferida da revisão do Código Florestal?

Se as multas fossem o problema, bastaria rever a legislação. Por que este infindável tiroteio, apesar de ainda não ter sequer assumido a presidência? Mas, além das multas, há outras broncas, especialmente a do agronegócio xiita. Sim, xiita para diferenciar o bom profissional do agronegócio que, depois da revisão do Código Florestal, tratou de se enquadrar. Será isso que quer Bolsonaro, reabrir mais uma vez o Código Florestal? Finalmente, o terceiro problema apontado por Bolsonaro é…

O Licenciamento Ambiental

Algum tempo atrás abordamos a questão. Dissemos que empresários e ruralistas reclamavam da lei atual. Excessiva, minuciosa, cara. Provoca demora na aprovação e execução de projetos. Estas as maiores reclamações. Verdade? Em termos. O grande problema, a demora na aprovação dos projetos, não é causada pela legislação mas pela burocracia estatal, e falência do estado. O que funciona bem neste país?   Não temos nenhum serviço que preste. Saúde, educação, segurança. Por que cargas d’água o Licenciamento Ambiental seria diferente? O que falta, além de  modificações pontuais na legislação, são técnicos de bom nível para fazerem a avaliação. Meritocracia: funcionários públicos de bom nível, e em número suficiente. Só isso resolve a questão da demora.

Os acertos de Bolsonaro, apesar das confusões sobre o clima

São inúmeros, mas não são o tema deste post que já está longo demais. Abordamos os assuntos de nossa especialidade: o meio ambiente e questões relacionadas. Ainda assim, para antecipar as inúmeras agressões que este texto receberá, os adeptos de Bolsonaro são como ele, grosseiros e violentos, queremos registrar que reconhecemos grande parte dos acertos  do presidente, por exemplo, no que diz respeito à economia; ao novo Ministério da Justiça; à determinação de privatizar; à reforma da Previdência que ele parece já sentir o peso, sugerindo fatiá-la, etc. Não há quem seja  contra.

Pelo fim da disputa entre ambientalistas e agronegócio

É hora de dar um basta a esta perda de tempo. As partes precisam maneirar. E o exemplo, vir de cima. Ainda agora oito ex-ministros do Meio Ambiente se uniram para escrever carta para o presidente publicada na sessão Opinião do jornal Folha de São Paulo, sob o título Valor e Importância das Unidades de Conservação e do ICMBio. Assinaram a documento Carlos Minc, Gustavo Krause, Izabella Teixeira, José Carlos Carvalho, José Goldemberg, José Sarney Filho, Marina Silva e Rubens Ricupero, que participaram de diversos governos nos últimos 26 anos.

Presidente, está na hora de ganhar dinheiro com as Unidades de Conservação, não o contrário

Como vimos defendendo faz tempo, é hora de passar as Unidades de Conservação com vocação turística para a iniciativa privada. O ICMBio cria as regras, faz a licitação, e fiscaliza. A iniciativa privada explora o turismo construindo a infraestrutura necessária, contratando pessoal da própria comunidade para as funções possíveis, e investindo em propaganda já que o brasileiro comum mal sabe o que é uma unidade de conservação. Não vamos reinventar a roda. Estudos já mostraram que cada R$ 1,00 investido na visitação das unidades de conservação gera R$ 7,00 em benefícios para a economia via turismo. Até o ICMBio chegou a esta conclusão. Já escrevemos diversas vezes mostrando como conseguir este objetivo tese que vem contaminando outros ambientalistas e até mesmo as equipes federais do MMA. Se bem feito, o turismo é a nmelhor solução. Gera emprego e renda, e pode até mesmo transformar algumas UCs em auto-sustentáveis. O exemplo maior vem dos Estados Unidos onde, em 2017, de acordo com o relatório anual Recreation Economy, a atividade outdoor em parques e que tais rendeu a bagatela de US$ 887 bilhões de dólares, e criou 7.6 milhões de empregos. Os parques nacionais foram visitados por 300 milhões de pessoas.

Presidente, Bolsonaro, modere a linguagem, e chega de confusões sobre o clima. Há muito trabalho sério a ser feito.

Fontes Confusões sobre o clima : https://www.hypeness.com.br/2018/11/ministro-de-relacoes-exteriores-diz-que-aquecimento-global-e-trama-marxista/; https://www.gazetadopovo.com.br/instituto-politeia/bolsonaro-conselho-onu/; https://www.oeco.org.br/blogs/salada-verde/dirigentes-e-ex-ministros-do-meio-ambiente-saem-em-defesa-do-icmbio/?fbclid=IwAR3cl6JuGai4fyAziBB-pNZ4Wgphuc3GC8OqvG6zW3-Jr6UIBWeR8T7UchI; https://www1.folha.uol.com.br/ambiente/2018/11/hostilidade-de-filhos-de-bolsonaro-a-aquecimento-global-preocupa-ambientalistas.shtml;https://extra.globo.com/noticias/brasil/bolsonaro-diz-que-acredita-na-ciencia-ao-falar-de-aquecimento-global-mas-critica-paises-europeus-23274366.html.

Conheça o fenômeno El Niño

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

14 COMENTÁRIOS

  1. Sr. Mesquita, há pessoas com capacidade de argumentação na direita e na esquerda. Totalmente desnecessário fazer pouco ou ofender os eleitores do Bolsonaro, ou mesmo antecipar uma carnificina de comentários raivosos. Não ocorreu. Não se procurar sanar um problema com a mesma mentalidade que o criou: se deseja que ocorra mais união, seja crítico, porém não seja ofensivo.

  2. Não adianta discutir com essas pessoas. Estão cegas devido ao véu da ignorância!!!!!

    Elas admiram o Astrólogo, o qual afirma que a ciência moderna, construída nos últimos 400 anos, é baseada em mentiras e vai desabar em pouco tempo. A mesma ciência que nos levou ao atual patamar tecnológico…….

  3. Jornalista espertão: seu artigo cita até a “Maria do Rosário” para tentar desqualificar o Bolsonaro. É só burrice, ou devemos acreditar que também há uma dose de desespero ? Argumentação pífia, sem sentido, fugindo ao tema, em resumo, não ajuda em nada o assunto ( que eu acho até que, tratado de forma correta, seu ponto de vista merece apoio ).

  4. Sr.Mesquita, as pessoas de boa fé, deveriam expor os dois lados de um tema, para poderem colher opiniões com algum grau de embasamento. Assim como as pessoas de bom senso deveriam ouvir opiniões contrárias à corrente, antes de formar opiniões sobre quaisquer temas. É o chamado “ponto e contraponto”. É com esse processo que os leigos, em qualquer coisa, podem, através do contrassenso em relação a corrente majoritária, formarem seus próprios juízos de valores. É assim que penso que um professor deveria ensinar seus alunos em matérias de ciências humanas, por exemplo. Como os jornalistas deveriam possuir em seu DNA a semente da informação, deveriam expor os lados contrários de qualquer causa, a fim de propiciar o direito ao livre pensamento e a formação de inteligencias, ao menos medianas, em termos de racional sobre o mundo em que vivemos. Ótima tarde!

  5. Quer saber sobre meio ambiente, aquecimento global, ONU, RIO 92, Créditos de Carbono, Imigração, Acordo de Paris, e por ai afora???
    Pare de ficar dando “likes” em redes sociais, e vá pesquisar na internet, por conta própria, sobre esses temas, e não deixe que terceiros formem sua opinião sobre temas que afetam você e sua família.
    O mundo é feito de interesses políticos, econômicos, territoriais e geo-políticos, e as pessoas não deveriam “terceirizar” a informação para veículos de mídia, cujos interesses desconhecemos.
    Se o aquecimento global é uma farsa, ou não, vá e descubra por si mesmo. Devemos parar de entregar nosso saber a qualquer um!!!!

  6. Matéria idiota, o problema desses ambientalistas e ONGs é que estao com dificudades para convencer os governos a continuarem dando dinheiro para a “causa”. Em outras palavras, a fonte vem secando. Idiota é quem ataca o Bolsonaro ou o Trump por exemplo, tudo porque eles estão dizendo não a toda essa conversa mole sobre o clima.

    • Como diz o Chanceler o Marxismo cultural comanda a Globalização. E o aquecimento global é uma farsa. Só faltou dizer que a Terra é plana…..kkkk kkkk
      Também o guru é o astrólogo, segundo o qual em pouco tempo a ciência moderna cairá, pois construída durante séculos sobre mentiras…..kkkk kkkk
      Os estúpidos dominarão o mundo!!!!!

  7. Faça primeiro uma ecologia da mente e para de escrever estultices! Vergonha alheia nos causa esse panegirico de sensaborias românticas e irresponsáveis! Não por acaso Mesquita evoca muçulmanos.

  8. O problemas dos ambientalista é não saber vender o seu peixe, só sabem dizer “NÃO PODE” e deveriam incorporar o “QUEM SABE”, “PODE SER”, “TALVEZ”, “DÁ PARA FAZER DIFERENTE?” e ai estabelecer uma parceira até que convençam as pessoas e empresas da necessidade de preservar o meio ambiente.

  9. O nome desse jornalista e’ MESQUITA e tanto pode ser da familia quanto ser uma coincidencia–Mas este nome merece respeito—Este jornalista escreve um monte de IMBECILIDADES—-Pegando o trecho das multas e’ ultrasabido que so’ 5% conseguem ser cobradas e isto demonstra que o motivo e’ por serem mal elaboradas–A policia florestal desconhece ou nao considera o Codigo Florestal e obriga os agricultores a gastar dinheiro em processos juridicos—Plantar uma lavoura requer a mesma documentaçao de uma hidroeletrica—-Enfim para encurtar esse jornalista e’ uma pessoa ignorante sem as minimas condiçoes de escrever artigos sobre o meio ambiente

  10. O Brasil tem 64% do território nacional em áreas de reserva e preservação.
    Até quando seremos o pulmão do mudo sem receber nada em troca?

    • Show de bola o seu comentário. Já tinha até enviado para as comissões do Senado e Câmara uma observação parecida com a sua. A minha mensagem àquelas casas do Legislativo ainda solicitava que os países desenvolvidos parrassem de adquirir madeiras de lei do Brasil com o fito de fabricar seus móveis. Situação análoga é com as drogas (cocaina, maconha, etc) no Brasil. Os caras lá fora cheiram tudo ou fumam tudo, pagam em dólares e Euros, aí só fica a bagaçeira aqui porque até os grandes traficantes são de fora do Brasil. Tudo de ruim acontece aqui, com os homicídios em alta taxa e que foi motivo de deboche pelo embaixador Francês ontem.

  11. Parabéns pela reportagem. Só nao vê aquecimento global e destruicao dos biomas quem nao sai de trás de computador e da sala com ar condicionado. Viajo pelo Estado do Ceará. As queimadas e destruicao da caatinga é um mar sem fim. Para pôr gado, apenas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here