Canal do Valo Grande prossegue detonando o Lagamar

5
7803
views

O Canal do Valo Grande dividiu Iguape ao meio, e causa sérios problemas à biodiversidade do Lagamar

No século 19 Iguape era um dos mais importantes centros da região Sudeste. O porto ficava defronte à cidade. Por ele era escoada a produção agrícola da região, especialmente o arroz. O rio Ribeira de Iguape serpenteava por trás da cidade até atingir sua barra alguns quilômetros ao norte de Iguape. Para economizar tempo, decidiu-se abrir o canal do Valo Grande ligando o rio diretamente ao “Mar Pequeno”, onde ficava o porto.

Canal do Valo Grande, algoz do Lagamar, imagem de manguezal morto em iguape
O manguezal de Iguape está morrendo. Capim fecha as barras dos rios.

O Canal do Valo Grande foi aberto para facilitar o embarque e desembarque no porto de Iguape

Foi um desastre. O Canal do Valo Grande, que deveria ter 40 metros de largura, sofreu os problemas da erosão causada pela força da água do  Ribeira de Iguape. E a cidade de Iguape quase foi engolida.

Canal do Valo Grande, algoz do Lagamar, mapa-Canal-do-Valo-Grande
O Canal do Valo Grande foi aberto em 1852

Canal do Valo Grande inviabilizou o porto de Iguape, e ameaça a biodiversidade do Lagamar

Pior: junto com a enorme vazão vieram toneladas de sedimentos e muita água doce. Os sedimentos assorearam o Mar Pequeno e a barra de Icapara, por onde entravam os barcos e pequenos navios, inviabilizando o porto.

E a água doce, que continua a fluir livremente até hoje, está matando o manguezal da região e provocando o fechamento de bocas de rios com capim. Enquanto providências não são tomadas pelo poder público, o manguezal de Iguape agoniza. Como as cidades estão interligadas pelo estuário, há sério risco de que os problemas encontrados hoje em Iguape avancem, atingindo uma área cada vez maior.

Fechamento do Canal do valo Grande está na Justiça

Em 2017, após um inquérito que se arrastava desde 2001, o Ministério Público do Estado de São Paulo, em ação civil pública, venceu a primeira batalha contra o governo paulista para fechar o canal.

A Justiça condenou o Estado de São Paulo. E exigiu que “o réu”, realizasse “o fechamento definitivo e em tempo integral da barragem do Valo Grande”. Ordenou ainda que retirasse “a vegetação macrófita e exótica acumulada no Complexo Estuarino-lagunar de Iguape-Cananeia, principalmente nos manguezais e no Mar Pequeno, em 30 dias”.

Não se sabe por qual motivo, até hoje o governo do Estado de São Paulo apela nas demais instâncias.

O que é o Lagamar?

O Lagamar é um gigantesco estuário cercado pelo maior trecho contínuo de mata-atlântica do Brasil. Ligando os dois extremos, Paraná e São Paulo, há uma série de canais que começam em Iguape, sul de São Paulo, e seguem até Paranaguá, no norte do Paraná recebendo a água do mar por várias “aberturas”, ou barras.

Canal do Valo Grande, algoz do Lagamar, imagem do papagaio-de-cara-roxa-
O papagaio-de-cara-roxa é endêmico. Até quando ele vai aguentar?

O interior dos canais e baías são cercados dos dois lados por vastos manguezais, um dos mais importantes ecossistemas marinhos: várias espécies de peixes, crustáceos e moluscos, além de uma infinidade de aves marinhas que usam suas copas como habitat, dependem dele para seu ciclo de vida.

A vida ameaçada pelo Canal do Valo Grande

Os canais também são procurados por mamíferos marinhos como os botos-cinza; e tartarugas, especialmente a tartaruga-verde. Já o interior da mata atlântica abriga espécies ameaçadas de extinção como a onça-parda e os bugios, ou animais endêmicos e também ameaçados, como mico-leão-da-cara-preta, ou o papagaio-de-cara-roxa.

Canal do Valo Grande, algoz do Lagamar, imagem de corte-da-mata
Mesmo sendo uma APA, continua o corte ilegal de madeira. APAS não servem para nada!

849 espécies de aves, 370 anfíbios, 270 mamíferos, e 350 espécies de peixes

Entre os ecossistemas associados, neste trecho de 200 quilômetros de extensão (Iguape até Paranaguá), destacam-se a mata de restinga, dunas, praias, costões rochosos, lagunas e terrenos alagadiços. Estudos mostram que este formidável conjunto abriga 849 espécies de aves, 370 de anfíbios, 200 tipos de répteis, 270 de mamíferos, e 350 espécies de peixes. Assista ao programa que fizemos.

Saiba mais sobre o Canal do Valo Grande

Corais: assista um vídeo espetacular

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

5 COMENTÁRIOS

  1. A barragem está em construção há vários anos e se arrasta lentamente. O maciço, em concreto armado, está concluído e foram iniciadas as instalações mecânicas e pre- moldados os stop logs. Tem previsão de uma eclusa para acesso de barcos a montante da barragem.
    Acho que, o mais indicado e mais barato, seria fazer um aterro fechando a ligação do Ribeira com o Valo, restaurando, assim, as condições naturais da região.

  2. Estou à disposição para, de qualquer forma, ajudar a enfrentar tamanho problema. Conheço a região e gosto muito e não gostaria de ver o fim dessa maravilha, de braços cruzados.
    Vamos à luta.

  3. Fico a pensar se algum dia num futuro distante a espécie brasileira irá se desenvolver o suficiente para eleger políticos que responderão positivamente para a natureza. Por enquanto natureza 1 e políticos 7.

    • Escrevi o comentário em setembro de 2018 e renovo novamente minhas aspirações para que os brasileiros cresçam em desenvolvimento humano e intelectual, caso contrário as gerações futuras poderão nos xingar por irresponsabilidades e incompetências. no Mar Pequeno cheguei a capturar caranguejos e pitus; como estarão as faunas????

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here