A última frota à vela em operação no mundo

0
987
views

A última frota à vela em operação no mundo

Os barcos à vela dominaram os mares, desde tempos imemoriais, até a Revolução Industrial aposenta-los. Mas, se é sabido quando eles foram ultrapassadas pela tecnologia do vapor, ninguém sabe exatamente quando começaram. Já, sobre o último modelo de navio à vela, é fato notoriamente conhecido. O que não se sabia é: qual foi a última frota à vela em operação no mundo?

Os clippers, último modelo de navio à vela

Os últimos modelos de navios à vela, antes do vapor,  foram os clippers. Os primeiros apareceram depois da Guerra de Independência dos Estados Unidos (1775–1783), no início do século XIX. Os clippers de Baltimore eram escunas  desenvolvidas na Baía de Chesapeake. Seu auge foi em 1843 como resultado da crescente demanda por entrega mais rápida de chá da China. Foram usados com sucesso na descoberta de ouro na Califórnia e Austrália em 1848 e 1851.

imagem de um navio clipper, último modelo de barco à vela
O Cutty Sark, um dos mais famosos clippers da era da rota do chá. Hoje é um museu em Londres.

Canal de Suez, o golpe final nos clippers

O declínio no uso dos clippers começou com a introdução gradual do navio a vapor. Embora os clippers  pudessem ser muito mais rápidos do que os primeiros a usarem vapor como propulsão, eles dependiam dos caprichos do vento enquanto os vapores podiam manter um cronograma. O golpe final foi o Canal de Suez, inaugurado em 1869, que criou um grande atalho para navios a vapor entre a Europa e a Ásia, ao mesmo tempo em que dificultava a navegação à vela. 
A partir deste ponto começa a era do motor. Aos poucos as velas foram sumindo do mar. Mas são raras as matérias sobre a última frota a usá-las.

Os bacalhoeiros portugueses

No início do século XIX os portugueses ainda usavam o modelo para pescar bacalhau nos mares boreais. A frota contava com mais de 300 lugres.  Nos anos 50, restavam  32. Alguns, como o famoso Argus, fizeram suas campanhas anuais até 1970.

imagem do lugre Avis, bacalhoeiro português que ainda usava a vela como propulsão
O lugre Avis. (Foto: navios e navegadores)

Conheça os Lugres

Em geral o comprimento era de cerca de 60 metros, largura em torno dos 9 metros, 4 mastros, e capacidade de carregar entre 900 e 950 toneladas de bacalhau salgado. A maioria tinha cascos de aço, poucos ainda eram de madeira. A frota dos anos 50 já incluía  barcos  híbridos,  tinham um motor auxiliar além da velas. Cada um podia levar cerca de 60 pescadores.

imagem de bacalhoeiro português, lugre, parte da última frota à vela
O lugre Creoula, um dos ícones da pesca de bacalhau

Temporadas de pesca do bacalhau

As temporadas duravam seis meses. Os barcos saíam em comboio de Portugal e ilhas adjacentes, como os Açores, em abril; navegavam mais de 1.500 milhas até chegarem a São João da Terra Nova, capital da província do Labrador, onde começavam a pescar. Dependendo dos resultados ficavam por ali um bom tempo, ou subiam ainda mais, pescando no estreito de Davis, litoral da Groenlândia, já no círculo polar ártico. “Com sorte estariam prontos para voltar para casa em Agosto.” A saga foi registrada pelo escritor australiano Alan Villiers que, nos anos 50, se engajou a bordo do Argus e registrou em livro a difícil e perigosa pescaria.

Mapa mostrando o oceano Atlântico Norte
Em vermelho S.João da Terra Nova. Mais acima, entre Gorenlândia e Passagem do Noroeste, o estreito de Davis. (Ilustração: wikipedia)

A perigosa pesca do bacalhau

Era uma atividade extremamente dura, em mares tempestuosos onde a neblina era uma constante. Os lugres não contavam com radares. Além de bússola, tinham apenas um rádio de comunicação. Os comandantes procuravam os bancos de bacalhau e ali fundeavam. No meio do nada. Em seguida, os dóris, pequenos barcos de madeira com fundo chato, e largos para guardar o pescado, eram lançados ao mar. Um pescador em cada dóri. Eram movidos a remo e tinham uma pequena vela auxiliar. Eles se afastavam do navio até perderem-no de vista, então soltavam suas linhas, às vezes com 600 anzóis.

imagem de pescador de bacalhau nos mares do norte
Um pescador por dóri. Ao fundo, o lugre.

Pescavam por cerca de 12 horas ininterruptas. Não levavam colete salva- vidas, nem comida extra. “Os pescadores mais ricos tinham uma garrafa térmica com café.”

imagem de pescador de bacalhau em um dóri
Os dóris se afastando dos navios. (Foto, Eduardo Lopes)

O trabalho durava 15 horas por dia. Os pequenos dóris eram lançados n’água às 4 horas da manhã. Pescavam até encher os barcos de tal modo que mal flutuavam. Na volta tinham o trabalho de processar o pescado, salga-lo e guarda-lo nos porrões. Isso quando não eram pegos por tempestades repentinas como acontece com frequência nas altas latitudes.

Quando vinham as tempestades os dóris voltavam apressados para os lugres. Primeiro, tinham que desembarcar o peixe. Depois, os pequenos barquinhos eram içados para o convés com um guincho a força de músculos. Villiers descreve uma destas ocasiões: “o lugre oscilava tanto, os mastros abanando como pêndulos contra o céu, que cheguei a temer que alguns dos dóris fossem esmagados pelo caso do navio”.

imagem de pescador de bacalhau em um bote
Um dori descarregando em dia de mar calmo. (Foto: Alain Villiers)

Muitos dóris se perdiam, outros eram achados sem o pescador. Villiers diz que “em campanhas anteriores chegaram a encontrar dóris com os ocupantes mortos ainda a bordo”.

A pesca de bacalhau com arrastões

Alain Villiers conta que em 1920 chegaram aos bancos os arrastões franceses. Na década de 50 “havia mais de cem arrastões em atividade nos bancos, 44 franceses, 40 espanhóis e 26 portugueses”. O autor diz que os pescadores portugueses dos dóris ficaram inconsoláveis. “Com aquela quantidade de arrastões passando o pente fino, em breve deixaria de haver bacalhau, porque o fundo do mar estava sendo depauperado e os hábitos alimentares do peixe destruídos.”

Portugueses: os últimos a enviar uma frota de navios à vela

Numa passagem de seu livro, que bem poderia ser a final, Villiers escreve: “Estava escrito que tinham que ser os portugueses os últimos a enviar uma frota de navios à vela através do Atlântico Norte. Portugueses e noruegueses foram pioneiros das viagens longas neste oceano selvagem e perigoso”.

Fontes:

A campanha do Argus – uma viagem na pesca de bacalhau, Alan Villiers, ed.Cavalo de Ferro.

Faina Maior – A Pesca do Bacalhau nos Mares da Terra Nova, Francisco Marques e Ana Maria Lopes, Quetzal Editires, Lisboa.

https://portogente.com.br/colunistas/silvio-dos-santos/85572-clipper-o-auge-da-navegacao-a-vela

https://en.wikipedia.org/wiki/Clipper

Conheça o SS Great Eastern, 1854, o maior navio da história até então

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here