Subsídios à pesca no mundo: insustentáveis

0
706
views

Os subsídios à pesca atingem US$ 35 bilhões de dólares por ano, prova cabal que a atividade não é sustentável

Subsídios à pesca: o site Vox.com publicou matéria em 21 de março de 2016, escancarando o que há muito já se sabe: os indecentes subsídios mundiais à pesca. O levantamento foi feito pelo site sciencediret.com.

Subsídios à pesca no mundo: insustentáveis, imagem de peixes na rede
Foto: peixes brasil com

Três tipos de subsídios à pesca: o primeiro, ‘Subsidies that boost sustainability’, custa US$ 11 bi de dólares

A matéria divide os subsídios mundiais em três categorias. A primeira, batizada ‘Subsidies that boost sustainability’, em tradução livre, subsídios que procuram a sustentabilidade. Neste grupo estão incluídas a gestão da pesca, as regulamentações, e as investigações científicas sobre as populações de peixes. De acordo com a matéria, “estes bons subsídios” atingem US$ 11 bilhões de dólares.

O segundo tipo de subsídio à pesca foi batizado como, ‘ Subsidies that promote fishing’, e atingem US$ 20 bi

‘ Subsidies that promote fishing’, ou subsídios que promovem a pesca, são considerados potencialmente prejudiciais porque podem contribuir para a subreexplotação dos cardumes ainda existentes. E consistem, por exemplo, na ajuda governamental para a construção de grandes barcos de pesca, ou equipamentos; e a adoção de tarifas menores para combustível. Só no quesito combustível, são US$ 10 bi. Ao todo, o mundo gasta US$ 20 bilhões de dólares com os subsídios que promovem a pesca.

Subsídios à pesca no mundo: insustentáveis
Ilustração: surfabout blogspot com

O co- autor do estudo, Wilf Swartz, explica: esta ajuda governamental reforça a capacidade da indústria, mas permite que pescadores continuem com sua atividade mesmo quando a pesca- sem esta ajuda- não é produtiva. De acordo com o autor, essa ‘mãozinha’ governamental permite que a indústria continue a investir enquanto os estoques diminuem pela sobrexplotação.

O terceiro tipo, ‘Subsidies with unclear effects’, ou de ‘efeitos incertos’, custam mais US$ 4 bilhões de dólares ao ano

Finalmente, há este terceiro grupo que pode ter efeitos positivos ou negativos, os especialistas ainda não têm uma conclusão definitiva sobre esta modalidade de subsídio. Nesta categoria estão práticas como comprar de volta licenças de pesca, o que reduz o número de barcos pesqueiros, mas não garante a redução da pressão sobre os estoques.

Subsídios à pesca no mundo: insustentáveis
Ilustração: meioambeinte culturamix com

Os USA gastam mais com a modalidade que busca a sustentabilidade

A matéria diz que há “uma grande variação sobre os subsídios adotados por cada país”. E explica:

Os Estados Unidos gastam pouco subsidiando a pesca em si. Em vez disso, os USA preferem investir na gestão da indústria da pesca, regulamentando certos aspectos da atividade.

Indecentes e insustentáveis subsídios à pesca

O exemplo dos Estados Unidos

A matéria informa que, na década de 1980 e 90, muitas das populações de peixes da América estavam desmoronando a níveis perigosamente baixos. Alguns dos estoques de profundidade mais conhecidos da Nova Inglaterra – incluindo solha, e o bacalhau – entraram em colapso, com prejuízos de milhões de dólares.

 pesca norte- americana entrou em declínio. Foi um desastre.

Subsídios à pesca no mundo: insustentáveis,
Foto: cuturamix

Declínio da pesca acorda o Congresso americano

Depois deste colapso, o Congresso entrou em cena. Em 1996, os legisladores reviram a Lei Magnuson-Stevens, que rege a gestão da pesca em águas federais, e exigiu que todas as unidades populacionais sobreexploradas em águas dos EUA deveriam ser recompostas  dentro de 10 anos. Em 2006, o Congresso reforçou ainda mais este requisito. Diferentes regiões criaram programas autônomos para limitar a pesca excessiva.

Resultados da ação do Congresso: de 98 espécies em estado de sobrepesa, para 37

Os resultados não têm sido perfeitos, mas  encorajadores. Em 1999, a NOAA listou 98 unidades populacionais de peixes norte-americanos em estado de  “sobrepesca”. Hoje, são 37 (e caindo). O esforço concentrado para promover a sustentabilidade funcionou.

Pesca industrial mundial gera desperdício de US$ 15 bilhões de dólares. FAO diz que “é hora de mudar”

Em outubro de 2015 no Congresso da FAO que celebrou os 20 anos do Código de Conduta para a Pesca Responsável, em Vigo, Espanha, Valerie Hickey, especialista em biodiversidade do Banco Mundial, declarou:

Está na hora de mudar subsídios à pesca para investimento

Segundo a especialista,

as  práticas nefastas da pesca mundial geram desperdício de US$ 15 bilhões de dólares todos os anos.

Valerie Hickey explicou:

Precisamos começar a discutir a transição de um modelo de subsídios e auxílios para um modelo de investimento

(Foto de abertura: Culturamix)

Saiba como são os subsídios à pesca no Brasil do PT, ou “A pesca no Brasil é uma esculhambação total”.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here