Recuperação da Geórgia do Sul, exemplo a ser seguido

1
3844
views

Recuperação da fauna e flora da ilha Geórgia do Sul, um exemplo a ser seguido

Como quase todas as ilhas descobertas até os séculos 18 e 19 a Geórgia do Sul, território ultramarino inglês desde 1775 quando o navegador James Cook lá desembarcou para em seguida reivindicar a ilha para Sua Majestade Britânica, o Rei George III, foi muito maltratada ao longo da história.

Geórgia do Sul e sua fauna
Depois de anos de trabalho duro a fauna voltou à Geórgia do Sul provando que fazendo sua parte o ser humano pode, e muito. Imagem, New York Times.

As grandes navegações à vela

Ao tempo das grandes navegações à vela, as ilhas descobertas tinham menos valor geopolítico, e mais importância como pontos de apoio às futuras embarcações que por lá passariam em suas rotas de descobertas  ou de comércio. Eram usadas sobretudo para a busca por água fresca, alimentos, e lenha.

Sempre que possível os marinheiros deixavam animais como porcos, cabras, galinhas, e outros, na expectativa que as populações crescessem para abastecer futuros navios de passagem. E os animais nativos, fossem quais fossem, eram usados como alimentação.

Como chegavam de navios, alguns ‘passageiros incômodos’ acabavam também desembarcando, como insetos e ratos especialmente. A Geórgia do Sul não escapou a esta sina.

Uma ilha subantártica

Sua localização é um tanto fora das rotas tradicionais, à beira do Oceano Austral, o quinto e último oceano reconhecido, e a mais de 900 milhas a nordeste da ponta da Península Antártica e quase 900 milhas a leste das Ilhas Falklands/Malvinas.

PUBLICIDADE

mapa da Geórgia do Sul
A localização da Geórgia do Sul.

A Geórgia do Sul, do ponto de vista da geografia, é uma coluna de montanhas, com cerca de 160 quilômetros de comprimento por, no máximo, 35 quilômetros no ponto mais largo.

E, por ser uma ilha subantártica, animais como focas, aves, elefantes marinhos e outros eram invariavelmente consumidos pelas famintas tripulações.

Ilhas do Atlântico Sul

Como já explicamos no post Ilhas do Atlântico Sul – histórico e importância geopolítica, a vasta maioria foi descoberta pelos marinheiros lusitanos em seu périplo marítimo, com algumas fugindo à regra como as Falklands/Malvinas, ou a própria Geórgia do Sul, entre outras.

Em todas, os portugueses ou outros exploradores deixavam animais, cortavam a vegetação mais encorpada para fornecerem fogo a bordo, além dos ‘passageiros incômodos’  que aproveitavam para desembarcarem e se proliferarem. Como não tinham predadores naturais, as populações cresciam a ponto de competir, e muitas vezes acabarem com as nativas.

Este foi o princípio do fim de sua fauna e floras originais. Naquele período longevo, os exploradores mal sabiam sobre o que mais esta herança de suas sagas náuticas produziria séculos depois.

A ocupação da Geórgia do Sul: ‘Sua história parece uma lista de crimes contra a natureza’

O New York Times, na matéria Abundance, Exploitation, Recovery: A Portrait of South Georgia (Abundância, exploração, recuperação: um retrato da Geórgia do Sul) assim se refere à história da ilha: ‘parece uma lista de crimes contra a natureza.’

O jornal explica que quando Cook chegou, em 1775, a descreveu como “selvagem e horrível”, mas também encontrou milhões de focas antárticas nas praias, o que levou a uma corrida por suas peles. De volta à Inglaterra James Cook descreveu o que encontrou em suas viagens.

Não demorou para os primeiros caçadores de focas chegarem, em 1786. Naquele tempo a sociedade dependia de combustível animal, como a nossa ainda depende de combustíveis fósseis, para a iluminação e a lubrificação das recentes máquinas a vapor da Revolução Industrial.

Começa a matança de animais

‘No século seguinte, diz o NYT, ‘milhões de animais foram mortos, suas peles transformadas em artigos de luxo, como luvas e cartolas. Como resultado, a foca foi quase exterminada’.

‘Ao mesmo tempo, caçadores mataram elefantes marinhos do sul, incluindo os enormes machos que podem chegar quase a 4.000 kg. Sua gordura foi convertida em combustível e a caça continuou indiscriminadamente. À medida que essas duas espécies desapareceram, cessaram seus latidos e rugidos – as praias ficaram cada vez mais silenciosas’.

A caça à baleia

Depois de quase exterminarem as focas e elefantes marinhos, os exploradores desceram cada vez mais ao Sul, em direção ao continente antártico que só foi descoberto em 1820. E, a cada nova enseada no final da América do Sul, ou de nova ilha subantártica, a matança destes dóceis animais aumentava de forma exponencial.

Até hoje alguns especialistas consideram um milagre a regeneração dos grupos de pinípedes na região subantártica. Eles só deixaram de ser mortos quando estavam praticamente no fim. Então começou a caça à baleia. E foi devido a ela que a Geórgia do Sul, no caminho entre a Europa e o Continente Branco, acabou sendo ocupada.

O New York Times situa o inicio da caça à baleia em 1904, com Carl Anton Larsen, um capitão e empresário norueguês que estabeleceu o assentamento de Grytviken em 1904.

mapa da Geórgia do Sul

Larsen e sua tripulação mataram a primeira baleia na véspera de Natal e, no final dessa temporada, haviam capturado 183 baleias, principalmente jubartes, sem nunca ter que sair sair da baía, tal a abundância de vida de que fala o título da matéria.

Beleia-azul, ‘criticamente ameaçada’

Nos 60 anos seguintes, diz o Times, um punhado de estações em terra processou 175.250 baleias, um número que não inclui os navios-fábrica pelágicos – grandes navios oceânicos que podiam processar carcaças inteiras integralmente a bordo – que operavam impunemente em todo o Oceano Antártico. Esta colheita maciça deixou as baleias azuis, o maior animal já conhecido, criticamente ameaçadas.

Quando a caça às baleias na Geórgia do Sul terminou definitivamente em 1965, também deixou para trás um oceano em grande parte silencioso.

A introdução de renas na Geórgia do Sul

Os principais impactos humanos continuaram em terra. Larsen trouxe renas para a Geórgia do Sul para que os baleeiros tivessem algo para caçar.

Enquanto as geleiras, que atuam como divisórias naturais, confinaram os animais a duas penínsulas da Geórgia do Sul, suas populações ainda cresceram de forma constante, especialmente depois que as estações fecharam. Em muitos lugares, as renas pisotearam a frágil gramínea que crescia na ilha.

PUBLICIDADE

Ratos e camundongos

Ratos e camundongos também acompanhavam os caçadores de focas e baleeiros. Os ratos, em particular, encontraram muitos ovos de pássaros e filhotes para se alimentar, incluindo os de duas espécies endêmicas: o pintail da Geórgia do Sul, um pequeno pato; e a petinha da Geórgia do Sul, a única ave canora da ilha. Esses pássaros foram literalmente engolidos – e suas canções também desapareceram.

Recuperação da Geórgia do Sul

Livrar a ilha dos mamíferos terrestres invasores – renas, ratos e camundongos – exigiu um esforço monumental e mais de US$ 13 milhões, mas a recompensa pela vida selvagem foi extraordinária, diz o Times.

Pássaro na Geórgia do Sul
A petinha ( pipit) da Geórgia do Sul, a única ave canora da ilha, passou por uma recuperação notável após um projeto monumental de erradicação de ratos. Imagem, New York Times.

Durante o verão de 2013, equipes que incluíam pastores de renas indígenas Sámi e atiradores noruegueses vieram para erradicar uma população de renas de 6.700 animais. Os atiradores voltaram em 2014; eles eram tão eficientes que para cada 10 animais que matavam, usavam apenas 11 balas. Em 2015, a ilha estava livre de renas.

Maior projeto de erradicação de ratos da história

Enquanto isso, outro esforço estava em andamento: o maior projeto de erradicação de ratos da história. Contando com o apoio do navio, helicópteros e a experiência de 39 membros da equipe (de logísticos a cozinheiros de acampamento), esses especialistas espalharam 333 toneladas de pellets de veneno especialmente formulados em cada centímetro quadrado do habitat dos ratos e esperaram.

No verão austral, eles monitoravam a presença de ratos, usando (entre outras coisas) bastões pintados com manteiga de amendoim. A ilha foi declarada livre de ratos em 2018 – e os camundongos também desapareceram.

As petinhas vieram de áreas livres de ratos tão rapidamente que os cientistas não tiveram tempo de documentar sua recuperação. Como essas aves podem colocar quatro ninhadas de três a cinco ovos por ano, seus números cresceram rapidamente.

Pinipedes e aves na Geórgia do Sul
Um curioso filhote de elefante-marinho do sul descansa na praia. Imagem, New York Times.

O New York Times entrevistou Sally Poncet, que esteve pela primeira vez na Geórgia do Sul em 1977. Poncet é uma ecologista de campo independente que pesquisou, ou contou tudo, de gramíneas e albatrozes a elefantes marinhos, que havia na ilha, desde seu primeiro desembarque até hoje.

O jornal encerra sua matéria com uma declaração de Poncet: “Somos capazes de fazer coisas boas. E a Geórgia do Sul é um desses exemplos.”

Enquanto isto, nas ilhas brasileiras…

O que aconteceu na Geórgia do Sul pode ser o mesmo retrato das ilhas oceânicas brasileiras, mas não apenas. Fernando de Noronha, e  Trindade (introdução da cabras), sofreram dos mesmos problemas durante os primeiros séculos pós descoberta. E até hoje se ressentem destes problemas.

Fernando de Noronha

Em Fernando de Noronha o que mais se encontra são ratos. Aos milhares, eles pululam pelas gramíneas que cobrem a ilha principal. E teiús, espécie de lagarto introduzido para combater os ratos.

mapa de Fernando de Noronha

Acontece que um deles tem hábitos noturnos, enquanto o outro, diurnos. Como resultado, nunca se encontraram. E os teiús passaram a ter como alimentação, entre outros, ovos de tartarugas-marinhas que desovam na ilha, e outros animais endêmicos como o  lagarto-de-noronha ou caranguejo-amarelo.

PUBLICIDADE

Ratos em Fernando de Noronha
Milhares de ratos dominam Fernando de Noronha. Imagem, Carlos Roberto Abrahão.

‘Teiús chegam a ser uma ameaça ao turismo em Noronha’

Segundo o Jornal da USP, em Fernando de Noronha, os teiús chegam a ser uma ameaça ao turismo, principalmente por conta da contaminação pela Salmonella enterica. E, como o Brasil é o Brasil, mesmo sendo considerada uma espécie invasora, os teiús são considerados oficialmente, no arquipélago, como espécie nativa e protegida.

Teiú em Fernando de Noronha

O réptil é considerado o maior lagarto da América do Sul e, no continente, pode pesar até 5 quilos (os de Noronha não passam dos 2 kg). E, apesar de terem sido introduzidos na década de 1950, até hoje o Ibama e o ICMBio não fizeram nada de efetivamente concreto para combater a praga. Atualmente, diz o jornal da USP, a população de teiús é estimada entre 7 e 12 mil lagartos adultos na ilha principal.

Atobás em Fernando de Noronha
Atobás não fazem mais seus ninhos no solo da ilha principal de Noronha. E, note que mesmo assim, o pessoal do ICMBio considera os teiús ‘uma espécie nativa e protegida’. É de chorar! Imagem, Carlos Roberto Abrahão.

As espécies invasivas e seus múltiplos problemas

Outras ilhas brasileiras, próximas à costa, também sofreram com a introdução do que hoje se chama de fauna invasiva, ou espécies invasoras, que atualmente não chegam mais a bordo de navios, mas como ‘passageiros’ até mesmo em caixas de plástico que boiam ao sabor das correntes até darem em terra firme.

Ilha Anchieta, litoral norte de São Paulo, e a introdução de 15 espécies

Outras espécies foram introduzidas desastradamente pela mão humana e recentemente, como é o caso da Ilha Anchieta, praticamente colada à Ubatuba. Em 1983, a Fundação Parque Zoológico, de São Paulo, introduziu mais de cem animais exóticos, de 15 espécies diferentes.

Hoje, Anchieta é ‘silenciosa’ como foi Geórgia do Sul. Não há mais praticamente nenhum pássaro pequeno, já que os saguis introduzidos se alimentam de ovos de pássaros.

Enquanto isso, a ‘zelosa’ Fundação Florestal que deveria cuidar de nossas áreas protegidas como é o caso do Parque Estadual da Ilha Anchieta nada faz. Nunca vi a FF sequer comentar o problema, quanto mais combatê-lo.

A diferença entre as ilhas brasileiras e as inglesas, reside no fato de que estas últimas levam a sério os alertas de cientistas. E combatem as pragas. O exemplo maior, e agora aplaudido pelo maior jornal do mundo, aconteceu na Geórgia do Sul.

Enquanto isso, no Brasil brincamos de ‘fazer conservação’.

Imagem de abertura: New York Times.

Fontes: https://www.nytimes.com/2022/04/18/travel/south-georgia-island-recovery.html; https://jornal.usp.br/ciencias/ciencias-biologicas/teius-ja-sao-considerados-hospedes-indesejados-em-fernando-de-noronha/.

Ponto Nemo, no Pacífico, é cemitério de naves espaciais

Comentários

1 COMENTÁRIO

  1. Matéria realista! Parabéns. Os conservacionistas de arrastão carecem do banhos de Verdade! Macaco é macaco. Lagarto é lagarto. Atobá é Atobá.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here