Pesca ilegal chinesa prossegue no mar argentino

7
3454
views

Pesca ilegal chinesa prossegue no mar argentino

Um relatório publicado pela InSight Crime em conjunto com o Centro de Estudos Latino-Americanos e Latinos da Universidade Americana (CLALS) revela que centenas de embarcações chinesas continuam pescando ilegalmente no mar argentino. As embarcações ignoram múltiplas reivindicações internacionais e o trabalho de prevenção da Armada. Essa ação representa um saque, que pode até esgotar a presença da lula dentada na área. E, antes de mais nada, não nos esqueçamos que se pescam ilegalmente na ZEE argentina, com toda certeza também o fazem na ZEE brasileira. Pesca ilegal chinesa prossegue no mar argentino.

pesca ilegal chinesa e perseguição da armada argentina.
Armada argentina persegue pesqueiro chinês. Imagem, www.infobae.com.

A uma milha do fim da ZEE argentina

A China é a maior predadora dos  mares do planeta. Isto é sabido há tempos. O problema é como controlar esta intromissão ilegal e indesejada.

pesca ilegal chinesa.
Ilustração, Infobae.

Agora, para evitarem problemas legais, frotas chinesas têm a cara de pau de pescarem a exatas 201 milhas da costa argentina. Ou seja, uma milha a mais do que determina a ZEE argentina.

Contudo, segundo o ciudadano.news‘como apontado em várias investigações jornalísticas, centenas dessas embarcações usam diferentes manobras para cruzar esse limite e continuar pescando além da área permitida, sem que as autoridades chinesas tenham implementado nenhuma sanção efetiva até o momento.’

Ameaças à ZEE brasileira

Se eles estão à beira da ZEE argentina, é muito possível que, do mesmo modo, façam isto na ZEE brasileira.

O país não tem vergonha de se expor. Em 2013 a China iniciou conversas com o governo do Uruguai visando um terminal de pesca em seu território. Não deu certo. Então, mais recentemente, em janeiro de 2021, a China teve o desplante de oferecer  ao governo do Rio Grande a construção de um polo pesqueiro para seus navios.

PUBLICIDADE

Ainda recentemente saudamos o novo ministro da Marinha,  Almirante de Esquadra Marcos Sampaio Olsen, por ter chamado a atenção para a importância da ZEE, e clamado por auxílio do Congresso no pleito de aumento da ZEE brasileira, atualmente a décima segunda maior do mundo.

Trata-se de uma área de vital importância por suas riquezas, para as futuras gerações do País. Mas, se não tivermos condições de patrulhar a imensa área de 3,5 milhões de km2, como impedir o saque?

China não penaliza as embarcações que ultrapassam o limite das 200

Como acentua o www.infobae.com, ‘O país asiático não penaliza as embarcações que ultrapassam o limite das 200 milhas e entram em águas nacionais argentinas. As características do fundo do mar naquela área permitem técnicas simples de captura de lulas, colocando em risco a sua população.’

‘Como a Infobae detalhou em várias ocasiões, centenas dessas embarcações usam diferentes manobras para cruzar esse limite e continuar pescando além da área permitida, sem que as autoridades chinesas tenham implementado nenhuma sanção efetiva até o momento.’

O infobae ouviu Daniel Coluccio, chefe do Observatório Marítimo Naval Argentino, para quem “além da milha 200 não há controle”. Assim,  esses barcos aproveitam para pescar ali “o que podem dia e noite”. Desse modo, “em algum momento o recurso diminuirá.”

Nessa mesma linha, diz o infobae, o relatório também cita um estudo da ONG Oceana, que indica que metade das capturas mundiais de lulas dentadas vem de águas argentinas, portanto a pesca ilegal pode estar afetando sua população.

Os recursos vivos da ZEE argentina

A Zona Econômica Exclusiva argentina tem uma profundidade relativamente rasa, diz o Infobae, com cerca de 200 m. Nela, há abundância de lulas,  bacalhau do sul, também conhecido por marlonga negra, lagostas, e outras espécies valiosas.

A China sabe disso e não se incomoda em varrer o solo marinho argentino com redes de arrasto, a pior e mais mortífera forma de pesca, em busca destes recursos.

Além do mais, explicou o portal,  ‘esses navios desligam regularmente seus sistemas de identificação automática (AIS). São sistemas que transmitem identidade e posição, para entrar na ZEE sem serem detectados ou deixar rastros, o que é ilegal.’

PUBLICIDADE

Por estes motivos, a Armada argentina já metralhou e afundou pesqueiros chineses. Porém, nem assim a pilhagem cessou. Mais um motivo para darmos força ao novo ministro da Marinha, tanto para o pleito de aumentar nossa ZEE como, da mesma forma, condições para que a MB possa de fato patrulhar a Amazônia Azul.

Pesca ilegal gera perdas de US$ 2,6 bilhões para a Argentina

Outra matéria do infobae, de outubro de 2022, mostra que as perdas argentinas chegam a US$ 2,6 bilhões de dólares ao ano!

‘Estima-se que a pesca ilegal nas águas territoriais argentinas gere perdas entre US$ 1.000 milhões e US$ 2.600 milhões por ano.“Considerando que as exportações anuais de vinho foram de US$ 817 milhões em 2021, a pesca ilegal é mais que o dobro do tamanho da indústria vinícola argentina. A lula, principal alvo e espécie estratégica na cadeia alimentar e biodiversidade, está causando um colapso em larga escala nos sistemas de vida marinha do Atlântico Sul.’

Por aí se vê o quanto representa apenas a pesca ilegal, sem falar nos recursos não vivos. É mais que hora da Marinha do Brasil ter condições necessárias para defender esta riqueza.

Ilha Grande (RJ) tem registro de onça parda

Comentários

7 COMENTÁRIOS

  1. E esta ações destes pesqueiros , deve ter o AVAL do GOVERNO CHINES , que fazem vista grossa e mostrando a verdadeira Cara dos Chineses e que Danem o Resto do Mundo.
    Os Chineses sempre foram Totalmente Anti – Ecológicos tanto em terra como em agua ,onde os planos ambientais deles ,são pra “INGLÊS VER ” , puramente teóricos e onde nunca convidaram delegações estrangeiras ambientais pra checarem as pseudo ações ecológicas …..
    E os Países Sul Americanos deveriam “UNIR ” suas Marinhas de Guerra e dando exemplo ,aprisionando estes pesqueiros e suas tripulações destes pesqueiros piratas chineses.
    E colocando os em leilão de venda os pesqueiros chineses

  2. Não e somente a Armada que cuida das águas territoriais Arg. lá tb existe uma Guarda Costeira, totalmente autónoma da Armada, chama-se Prefectura Naval Argentina.
    Precisamos urgente de uma Guarda Costeira, nossas águas com raras exceções estão para dizer o minímo soltas. Financiada com taxa pagas por todas as embarcações, poder de polícia e autoridade marítima.
    Velejo a mais de 30 anos, conto em uma ùnica mão quantas vezes a Capitânia me parou. Uma vergonha.

  3. O brasil de cultura mediocre, desleixos e de roubalheiras e que não visa o futuro nunca e não terá recursos para proteger os limites maritimos, só demagogias.

    • Você deveria ao menos ter coragem de assinar seu nome. Críticas que valem são as de quem tem coragem de fazê-las. Quem se esconde atrás de pseudônimos que saiba desde já: não serão mais publicados nos comentários. Este é o derradeiro e serve com aviso.

  4. A marinha do Brasil comete o erro de gastar bilhões num projeto de submarino nuclear que já levou décadas em seu desenvolvimento, mas não investe numa frota de pequenos navios de combate/vigilância a fiscalizar o extenso mar territorial ou até mesmo no desenvolvimento nacional e na aquisição de drones de vigilância. Atualmente, só existe uma frota de poucos navios de guerra, o que é insuficiente para efetuar a vigilância do mar territorial, sendo que isso é urgente, deveria ter, ao menos, 03 frotas de navios de combate/vigilância de menor porte/custo a serem posicionados em pontos estratégicos (bases no Norte/Nordeste, Sudeste e Sul).

    • Vc esta enganado ou mal informado, o Brasil a marinha do Brasil já encomendou a construção mais de uma dezena de barcos patrulhas, ocorre que o governo libera verbas a conta gotas e isso atrasa o projeto… Não se mata uma barata com uma bazuca, assim como não se abate um barco de guerra com uma chinela.. Os navios patrulhas e os submarinos não servem ao mesmo propósito… mas toda marinha que se prese tem que ter os dois…

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here