Oxigênio nos oceanos, níveis cada vez menores

4
1501
views

Oxigênio nos oceanos, cada vez em níveis menores

O oxigênio nos oceanos está sendo perdido a uma taxa sem precedentes. “Zonas mortas” se proliferam. E centenas de outras áreas mostram o oxigênio perigosamente esgotado. Isso é o resultado da emergência climática e da agricultura intensiva, alertaram especialistas. Tubarões, atum, espadim e outras espécies de peixes grandes correm um risco particular,  com muitos ecossistemas vitais em risco de colapso. As zonas mortas – onde o oxigênio está efetivamente ausente – quadruplicaram em extensão no último meio século. E também há pelo menos 700 áreas em que o oxigênio está em níveis perigosos. Texto a partir de matéria de The Guardian.

infográfico mostra queda de oxigênio nos oceanos
Infográfico não deixa dúvidas da queda de oxigênio nos oceanos. Ilustração,https://www.scientificamerican.com/.

‘Na última década, os níveis de oxigênio nos oceanos deram um mergulho’

O jornal inglês não foi o único a abordar o problema. Ao contrário. O https://www.scientificamerican.com/ diz que “Na última década, os níveis de oxigênio oceânico deram um mergulho. Uma tendência alarmante que está ligada às mudanças climáticas, diz Andreas Oschlies, oceanógrafo do Centro Helmholtz de Pesquisa Oceânica de Kiel, na Alemanha. A equipe de Oschlies rastreia os níveis de oxigênio oceânico no mundo inteiro. “Ficamos surpresos com a intensidade das mudanças que vimos. E com a rapidez com que o oxigênio decresce no oceano e com o tamanho dos efeitos nos ecossistemas marinhos”.

Risco à vida marinha discutido na COP 25

The Guardian diz que “Tubarões, atum, espadim e outras espécies de peixes grandes correm um risco particular,  com muitos ecossistemas vitais em risco de colapso. A União Internacional para a Conservação da Natureza apresentou os resultados na conferência climática da ONU em Madri, onde os governos estão no meio de negociações tensas com o objetivo de enfrentar a crise climática. Grethel Aguilar, diretor-geral interino da IUCN, disse que a saúde dos oceanos deve ser uma consideração importante para as negociações. “Como o oceano em aquecimento perde oxigênio, o delicado equilíbrio da vida marinha é desarrumado”, disse. “Os efeitos potencialmente terríveis sobre a pesca e as comunidades costeiras vulneráveis ​​significam que as decisões tomadas na conferência são ainda mais cruciais.”

imagem de cardume de atuns
Cardume de atuns. Imagem, https://www.theguardian.com/.

Queda do oxigênio nos oceanos e o risco às espécies maiores

The Guardian: “Todos os peixes precisam de oxigênio dissolvido. Mas as espécies maiores são particularmente vulneráveis ​​aos níveis de oxigênio esgotados porque precisam de muito mais para sobreviver. As evidências mostram que níveis esgotados estão forçando-os a se mover em direção à superfície. E para áreas rasas do mar, onde são mais vulneráveis ​​à pesca. Espécies que podem mais facilmente tolerar baixos níveis de oxigênio, como água-viva, algumas lulas e micróbios marinhos, podem florescer às custas dos peixes, perturbando o equilíbrio dos ecossistemas. Os ciclos oceânicos naturais de fósforo e nitrogênio também estão em risco.”

Mares cerca de 26% mais ácidos do que nos tempos pré-industriais

Ainda o The Guardian: “Os oceanos já estão sendo super-pescados. Atacados por uma maré crescente de lixo plástico, além de outros poluentes (Saiba mais sobre mares e oceanos mais poluídos). Os mares são cerca de 26% mais ácidos do que nos tempos pré-industriais. Isso ocorre devido à absorção do excesso de dióxido de carbono na atmosfera, de acordo com o Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas. Níveis baixos de oxigênio também estão associados ao aquecimento global, porque a água mais quente retém menos oxigênio e o aquecimento causa estratificação. Há menos da mistura vital de camadas ricas e pobres em oxigênio. Espera-se que os oceanos percam cerca de 3-4% de seu oxigênio até o final deste século. O impacto será muito maior nos níveis mais próximos da superfície, onde muitas espécies estão concentradas e nas latitudes médias e altas.”

Níveis de oxigênio nos oceanos em algumas regiões tropicais caíram 40% nos últimos 50 anos

O https://www.scientificamerican.com/ faz coro: “Não é surpresa para os cientistas que o aquecimento do oceano esteja perdendo oxigênio. Mas a escala desta perda exige atenção urgente. Os níveis de oxigênio em algumas regiões tropicais caíram 40% nos últimos 50 anos, revelam alguns estudos recentes. Os níveis caíram mais sutilmente em outros lugares, com uma perda média de 2% globalmente. Animais marinhos, grandes e pequenos,  respondem a pequenas mudanças no oxigênio buscando refúgio em zonas mais altas de oxigênio. Ou ajustando o comportamento. Esses ajustes podem expor os animais a novos predadores. Ou forçá-los a regiões com escassez de alimentos. As mudanças climáticas já colocam sérios problemas para a vida marinha, como a acidificação dos oceanos (entenda como acontece). Mas a desoxigenação é a questão mais urgente que os animais marinhos enfrentam atualmente.”

Queda de oxigênio nos oceanos e os efeitos sobre o zooplâncton

O www.scientificamerican.com diz que “Os efeitos de quedas muito sutis de oxigênio em zonas onde o zooplâncton – animais na base da cadeia alimentar – se reúnem na coluna de água foram documentados em um relatório da Science Advances de 2018. “Eles são muito sensíveis”, diz a líder do estudo Karen Wishner, oceanógrafa da Universidade de Rhode Island. Algumas espécies nadam para águas mais profundas e frias com mais oxigênio. “Mas, em algum momento, não funciona para eles se aprofundarem”, diz ela. Pode ser mais difícil encontrar comida ou se reproduzir em águas com temperaturas mais baixas. Muitos predadores – incluindo peixes, lulas e baleias – comem zooplâncton ou peixes que comem zooplâncton. De modo que a maneira como o zooplâncton lida com esta dificuldade terá ramificações na cadeia alimentar, observa ela (Saiba mais sobre a importância dos produtores primários).”

Declaração de Kiel sobre Desoxigenação dos Oceanos

“Para resolver o problema geral de desoxigenação, houve uma conferência internacional sobre o assunto em Kiel, em 2018. Os participantes redigiram uma declaração de improviso chamada Declaração de Kiel sobre Desoxigenação dos Oceanos, para conscientizar os governos, as Nações Unidas e o público. Além de solicitar ações imediatas. Eles querem que governos e grupos internacionais façam progressos mais sérios para retardar a mudança climática e reduzir a poluição do escoamento costeiro que exacerba o declínio de oxigênio. Mais de 300 cientistas de mais de 30 países que assinaram a declaração.”

“COP azul”

The Guardian: “A conferência climática da ONU deste ano, conhecida como COP25, foi originalmente chamada de “COP azul”, com destaque para os oceanos pela primeira vez na história das negociações. O foco foi escolhido por causa da localização original no Chile, um país com mais de 4.000 km de costa e uma forte dependência da economia marinha.” O Mar Sem Fim esclarece que a COP 25 foi originalmente programada para acontecer no Brasil. Mas nosso governo é negacionista. Bolsonaro e sua equipe, notadamente o ministro do MMA e o chanceler, acreditam que a ‘mudança climática é um complô marxista’. Por este primitivo motivo, abriram mão de sediar a conferência. O Chile, então, se ofereceu. A COP 25 acabou transferida para Madri em razão dos problemas sociais chilenos.

Imagem de abertura: https://www.theguardian.com/

Fontes: https://www.theguardian.com/environment/2019/dec/07/oceans-losing-oxygen-at-unprecedented-rate-experts-warn?CMP=fb_gu&utm_medium=Social&utm_source=Facebook&fbclid=IwAR1yy12dUcDuisNc_kAA4_OQuTnd8zdCfN2jGOD8Wyptz0nLdcKSO5wempc#Echobox=1575726936; https://www.scientificamerican.com/article/the-ocean-is-running-out-of-breath-scientists-warn/;

Baleia negra, nova espécie de cetáceo é descoberta

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

4 COMENTÁRIOS

  1. Pessoal do Mar sem fim
    No domingo dia 8, presenciei uma pesca de arrastão na preamar (proibido) em frente ao Posto de Bombeiros(PM) em Boracéia, Bertioga! Não eram pescadores profissionais, eram muitos, equipados com 2 barcos, veiculos, rede gigantesca e engradados para transporte. Foi um evento pavoroso, estarrecedor, havia um cardume enorme de Cação Viola, espécie em extinção cuja pesca é notóriamente proibida e uma quantidade modesta de outros pequenos peixes sem muito valor comercial. Algumas arraias foram descartadas com violência, alias o desrespeito em relação aos animais era brutal com chutes: batiam os peixes na areia seguros pelo rabo para matá- los. Tentei ligar para a policia ambiental, mas foi impossivel, recomendam o site. Não seria obrigação dos Bombeiros da praia proteger o meio ambiente marinha, acionando a Polícia Ambiental? A que reclamar, visto que não é a primeira vez que esse absurdo ocorre??

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here