Atum: está na hora de você parar de comer

2
215
views

Atum e consumo responsável: está na hora de você parar de comer

O peixe mais procurado e valorizado peixe para fazer sushi, está a um passo da extinção. Com a globalização, a comida japonesa difundiu-se ainda mais no mundo ocidental. A conseqüência foi a sobrepesa do  Atum Azul, e de várias outras espécies deste peixe. A indústria da pesca é extremamente forte. Apesar dos apelos dos cientistas, não há força no mundo capaz de breca-la. Hoje, é consenso entre cientistas, mais de 80% dos cardumes do desta espécie já se foram. No Pacífico é ainda pior: 95% dos estoques  já eram…

atum, imagem de sushi de atum
Sushi ? Nunca mais.

Ou o consumidor faz sua parte, ou acabam os Atum azuis, e várias outras espécies do peixe

Até mesmo o Japão, o maior consumidor mundial deste peixe, está preocupado. Pela primeira vez, em 2014 o país aceitou diminuir em 50% a pesca da espécie , numa desesperada tentativa de salva-lo da extinção.

Atum e mercúrio

Além do mais, a respeitada revista The Economist, em matéria publicada em 2010, informa que pesquisadores do Instituto Americano de História Natural (ANHM, Sackler Institute for Comparative Genomics e Rutgers University), descobriram que o  atum fresco tem mais mercúrio do que atum enlatado. Segundo a publicação,

O estudo analisou o teor de mercúrio em 100 amostras de sushi de atum (atum patudo, atum albacora e espécies de atum rabilho) de 54 restaurantes e 15 supermercados em Nova York, Nova Jersey e Colorado durante 2007-9. Joanna Burger, professora da Universidade de Rutgers, explicou que embora os níveis sejam mais elevados nos peixes predadores de nível superior, alguns peixes que são mais baixos na cadeia alimentar têm níveis elevados. Os níveis de mercúrio em alguns atuns são suficientemente elevados para fornecer um risco para a saúde.

A reportagem alerta especialmente as mulheres:

As mulheres que estão pensando em engravidar não devem comer sushi de atum

Sobrepesca e escravidão a bordo de navios pesqueiros.

Quase tudo a respeito do Atum é dramático. Inclusive a pesca industrial, acusada de usar trabalho escravo a bordo de seus pesqueiros. A denuncia não é nova, mas aparece em reportagem do prestigiado Huffington Post.

Personalidades que deixaram de comer o peixe, não pela taxa de mercúrio, mas pelo risco de extinção

Por iniciativa do Príncipe Albert, de Monaco, não há mais atuns azuis nas prateleiras de supermercados do Principado de Monaco, muito menos em menus de restaurantes. Sua Alteza, que é ecologista,  sabe que a única forma de brecar a extinção é a drástica opção dos consumidores. Não há outra forma. Na última vez que esteve no Brasil, dois anos atrás, havia na programação um jantar de gala. No dia marcado funcionários do protocolo foram ao local verificar a segurança, os lugares marcados, e o menu. Ao saberem que haveria atum, foram categóricos.

Ou muda-se o menu, ou sua Alteza Real não comparecerá. O Príncipe Albert não se senta numa mesa onde serve-se atum

Foi um corre- corre danado, mas mudaram o cardápio.

Outra personalidade mundial que aboliu não só os atuns, mas qualquer espécie de alimento vindo do mar, é a cientista, e maior referência mundial nas questão do mar, Sylvia Earle. Ela sabe que a vida marinha está por um fio. Numa decisão quixotesca, quiçá patética, aboliu de sua dieta qualquer organismo marinho. Ela explica os motivos num livro que já recomendamos: o estupendo The World is Blue.

Nos Estados Unidos um filme foi lançado sobre a pesca do atum, para denunciar o crime que representa, e conscientizar as pessoas. Assista ao trailer.

Copie estes exemplos antes que seja tarde demais.

COMPARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

    • Especialmente para algumas espécies, entre eles os vários tipos de Atum. Se alguém quer colaborar, a primeira caixa a fazer é se informar sobre quais as espécies ameaçadas, a parar de consumi-las. Além dos vários tipos de Atum, incluo os cações e qq espécie de tubarão. abs

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here