Populações de atum, cavala e bonito estão desaparecendo

0
776
views

Três espécies extremamente comerciais estão ameaçadas. As populações de atum, cavala e bonito estão desaparecendo

Peixes extremamente comerciais,as populações de atum, cavala e bonito estão desaparecendo 74%, de acordo com o relatório do WWF ‘Living Blue Planet “.

O documento mostra que as espécies “chaves” para a alimentação humana estão em um declínio. É “preocupante” a nível mundial, com algumas delas em risco de colapso total.

Populações de atum, cavala e bonito estão desaparecendo, imagem de atum no mercado de tokio

Aves e mamíferos marinhos também estão ameaçados

O relatório também afirma que mamíferos marinhos, aves, répteis e populações de peixes foram reduzidas. Em média elas perderam suas populações pela metade em todo o mundo nas últimas quatro décadas. O estudo destaca a “crise mais grave” nas unidades populacionais de peixes comerciais.

O CEO da WWF International, Marco Lambertini afirmou.

Estamos pescando de tal maneira desenfreada que poderemos ficar sem acesso a uma fonte de vida essencial para o homem, além de ser um motor para a economia de muitos países. A sobrepesca, a destruição de habitats marinhos e as alterações climáticas tem consequências desastrosas para toda a população humana. E sem esquecer que as comunidades mais pobres, que dependem do mar, seriam afetadas de forma mais rápida e mais severamente. O colapso dos ecossistemas dos oceanos poderia desencadear uma recessão econômica grave.

Populações de atum, cavala e bonito estão desaparecendo, ecossistemas ameaçados

O relatório mostra uma redução de 49% das unidades populacionais de peixes, entre 1970 e 2012. Isso depois de analisar 5.829 populações de 1.234 espécies. O mesmo relatório mostra declínios nos recifes de corais, mangues e leitos de algas marinhas. E afirma que esse declínio pode levar ao desaparecimento dessa espécies em todo o mundo até 2050.

Mediterrâneo: situação crítica

De acordo com o diretor da WWF Mediterrâneo Programa Marino, Giuseppe Di Carlo, o Mediterrâneo é a região mais super explorada do mundo. A cada ano cerca de 1,5 milhões de toneladas de peixe são capturados.

Aquecimento global e acidificarão dos oceanos

O estudo também sublinha que as alterações climáticas estão causando mudanças no oceano mais rápidas do que a qualquer momento em milhões de anos. De acordo com o WWF, as temperaturas em elevação e acidificação causada pelo dióxido de carbono agravam os impactos negativos do excesso de pesca e outras ameaças, como a degradação do habitat e a poluição.

“Nós publicamos este relatório urgente para fornecer a imagem mais atual do estado do oceano”, diz Lambertini. “São necessárias mudanças profundas para garantir uma vida marinha abundante para as gerações futuras”, acrescentou.

Tubarões valem mais vivos que mortos.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here