Jihad Bolsonarista avança: Amazônia é maior vítima

8
2199
views

Jihad Bolsonarista avança: Amazônia é maior vítima, mas não a única

‘Pretendo acabar com a reeleição’; ‘com as indicações políticas’; ‘ter no máximo 15 ministérios’; ‘desonerar a folha de pagamento das empresas’; ‘acabar com a velha política’; ‘simplificar abertura de empresas’; ‘unificar tributos’; e tantas outras, foram algumas das falácias do candidato. A única promessa cumprida  pelo decano do ócio no Congresso foi ‘acabar com as multas do Ibama’. Post de opinião, Jihad Bolsonarista avança: Amazônia é maior vítima.

Ilustração de uma caveira
Ilustração, https://www.searanews.com.br/.

Jihad Bolsonarista avança: Amazônia é maior vítima

Ele é tão ignorante que pode ser considerado um jihadista pelo culto idólatra às parvoíces e mentiras de seu mentor. E executor do plano macabro que enterra a esperança de 57 milhões de enojados eleitores com as mazelas da política nacional, leia-se roubalheira do PT. O único, entre os ministros do teatro do absurdo a avançar nas pautas de campanha enquanto todos os outros chafurdam na fossa em que se transforma o Planalto Central.

A economia afunda, a educação foi entregue a três dos maiores palermas de Pindorama, a saúde mandou embora dois técnicos pra colocar no lugar um general que se perfila e bate continência a qualquer escarrada da boca do chefe, a chancelaria pinçou um cidadão que jura que o globalismo é um complô comunista. Enquanto o País afunda na desesperança, o ‘ministro’ do Meio Ambiente avacalha sua credibilidade.

Não à toa, há quem acredite que a Terra é plana.

A Amazônia

A Amazônia é a maior vítima dos quadrúpedes de Brasília, mas não o único bioma vilipendiado. O Pantanal quase foi destruído, o bioma marinho, estuprado,  a legislação ambiental, desmantelada; e as autarquias que cuidavam das unidades de conservação,  entregues a policiais e militares da mais baixa ‘patente’ intelectual.

imagem de jumentos em curral
Imagem, Divulgação/Polícia Civil.

Enquanto isso, a família que se trata por números paga  contas com dinheiro em espécie, dissemina ódio, mentiras e devaneios, nas redes sociais. E ainda temos que chamá-lo presidente? Ninguém merece.

O ‘ministro’ conseguiu o impossível: desrespeito e desdém entre pares do bizarro ministério, para não falar na opinião pública internacional. Ele não aparece mais. Age nas sombras. Mas continua a estuprar unidades de conservação e o que resta de legislação ambiental.

Não deu outra. ‘A boiada passou’, os resultados são os números apresentados, obra máxima de Bolsonaro: A área desmatada na Amazônia atingiu o nível mais alto desde 2008.

Jihad Bolsonarista: 11.088 km2 desmatados na Amazônia entre agosto de 2019 e julho de 2020

Segundo dados preliminares do Inpe divulgados em 30 de novembro, foram 11.088 km2 desmatados na Amazônia entre agosto de 2019 e julho de 2020. Estes números, do sistema Prodes, devem ser consolidados no inicio do próximo ano.

Mas mostram também que a destruição florestal entre agosto de 2019 e julho de 2020 pode ser quase 10% maior que no período anterior, agosto de 2018 até julho de 2019. Neste período foram desmatados 10.129 km2.

Vice diz que ‘não há o que comemorar’

Aquele que hoje comanda o descontrole na Amazônia, disse, segundo a BBC News ‘que não há o que comemorar’. Como não? Foi promessa de campanha! Querem enganar sugerindo que não sabiam; como não reconhecer a obra vomitada? O estímulo desde 2018 é público e notório, e  executado com precisão pelo ‘ministro’ jihadista; as consequências, mais que esperadas pelos que ainda pensam.

Não há desculpa possível. Há mais de um ano as multas ambientais, o mais contundente instrumento do aparato legal, estão paradas. O Fundo Amazônia, com quase R$ 3 bi, foi detonado pelo ‘ministro’. Em 2019 o Programa Terra Legal que  emitia de 3 a 4 mil títulos de propriedades por ano conseguiu registrar apenas seis títulos de propriedades rurais, segundo Tasso Azevedo.

Depois as lideranças do agronegócio reclamam da judicialização. Como não provocá-la ante crimes de lesa-pátria?

Agenda Verde toma conta do mundo, exceção ao País

Simultaneamente, por ordem de seu chefe executada pelo desacreditado em toda parte salvo no Palácio do Planalto, o ‘novo’ Ibama facilitou a exportação de madeira ilegal. Para piorar nossa situação, a gafe acontece enquanto a Agenda Verde toma conta do mundo em mais uma prova de que Bolsonaro, na contramão, vive num mundinho particular.

Queria o quê, general, além da crua realidade?

Mas, apesar de ser óbvio que aconteceria o que de fato aconteceu, pelo menos publicamente o vice reconhece o estrago.  Falta o ‘outro’ acordar de seus devaneios e também aceitar os dados que nega com veemência.

Chapado pela cloroquina, ele nega tudo. Inclusive a inteligência alheia, a que lhe pertencia escapuliu  durante uma das muitas sonecas  na Câmara. E joga a culpa ‘em países que compram a madeira’ que ele ajudou a tornar ilegal.

E nega a eleição de Joe Biden, nega a pandemia que já matou mais de 170 mil brasileiros, nega a ciência. Pior, prega o que não quer ver, quer dizer, nega a situação calamitosa da economia apesar de 14 milhões de desempregados!

Nega até mesmo a própria eleição, sugerindo fraude.

‘Houve fraude na eleição de 2018’

Foi o que disse o decano do ócio. Com razão. Houve fraude. Foi eleito mastigando fraudulentas promessas. Ele se recusa a governar, não por não querer,  por incapacidade. Sua lucidez é proporcional à de um paralelepípedo.

imagem de meme Bolsa preguiça
By Genildo.

Preguiçoso (e presunçoso) prefere passar o tempo protegendo aqueles que chama por números. Um por praticar rachadinha, outro por chefiar o gabinete do ódio, um terceiro por não ter vergonha em demonstrar a desarmonia mental, torpedeando nosso maior parceiro comercial e ampliando a cizânia num País intoxicado por ela

Mas os tempos das trevas haverão de passar. As últimas eleições ignoraram os candidatos apoiados pelo adorador do brucutu cujas eleições norte-americanas mandou para a lata de lixo da história.

O recado das urnas foi claro: basta de extremismo e burrice! Que aconteça com ele o mesmo que ao topetudo cor-de-laranja. Nada mais, nada menos que a lata de lixo da história em 2022.

E que junto, seus fanáticos seguidores que não argumentam limitando-se a apedrejar quem mostra que estamos num beco sem saída, se enterrem na sordidez mórbida que promovem nas redes sociais ao idolatrarem um boçal; um boçal, tosco, e obstinado, que apequenou o Brasil.

Importante: O Estado de S. Paulo  mostra que, “canais que faturam mais são de ‘laranjas’ do Planalto; Carlos Bolsonaro nega’

Dois dias depois da publicação deste post o jornal O Estado de S. Paulo, publicou a matéria  PF investiga se canais que faturam mais são de ‘laranjas’ do Planalto; Carlos Bolsonaro nega’, de autoria de Patrik Camporez, Breno Pires e Rafael Moraes Moura. O que descobriram é do arco da velha e confirma o que dissemos a respeito do gabinete do ódio por trás da reação raivosa das hostes bolsonaristas.

Há um inquérito que apura o caso em tramitação no Supremo Tribunal Federal (STF), que reúne mais de mil páginas sigilosas. O jornal teve acesso à elas.

A reportagem mostra que ‘o apoio do governo a canais no YouTube investigados vai além do acesso privilegiado ao presidente Jair Bolsonaro e das orientações trocadas com funcionários da Presidência da República por aplicativo de mensagem. O inquérito revela  que o “gabinete do ódio” garante musculatura à rede de sites bolsonaristas.’

E o máximo deste período inédito na história do Brasil aconteceu durante os ataques à democracia, patrocinados e induzidos pelo gabinete do ódio, ‘principalmente em março, abril, maio e junho, quando se  multiplicaram as manifestações de apoiadores bolsonaristas pedindo o fechamento do Congresso, intervenção militar, com ataques ao Supremo Tribunal Federal (STF)’.

Tudo programado dentro do Palácio do Planalto. Tim tim por tim tim. Alguns dos sites privilegiados pelo gabinete do ódio, informa a matéria, ‘ faturaram entre R$ 50 mil e R$ 100 mil por mês no período’.

É ao adjetivo inqualificável, certeiro  ao qualificar ação do gabinete do ódio patrocinado pelo presidente, que se pauta  o ‘ministro’ jihadista.

Por aí se vê seu extraordinário fanatismo e incomensurável burrice.

E o perigo que corremos.

Imagem de abertura: https://www.searanews.com.br/

Fonte: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-55140607?fbclid=IwAR0toKexPytAUPYtH3_n-pic4dy1z-znjVUHV7de6W-ZjmuoIfL05VOeYYI.

Albatrozes têm bicos cortados por pescadores, entre eles, os da frota de Itaipava, Espírito Santo

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

8 COMENTÁRIOS

  1. Realmente a sensação de impunidade é total. No Brasil inteiro. Aí aqueles que querem preservar ficam nas mãos de vizinhos ignorantes que tocam fogo em tudo, já que a porteira foi aberta pelo governo ao desautorizar fiscais em rede nacional. Um governo que está claramente do lado do desmatador.

  2. Parabéns! Mais um ótimo artigo! Concordo plenamente com seu texto, consegue expressar como eu e boa parte dos brasileiros se sentem em relação a esse desgoverno!

  3. É muito triste que artigos como este sejam escritos, não pela veracidade das informações, mas pelos absurdos que nos causam tanta indignação. Ainda nos restam mais dois anos com a caquistocracia que nos “governa”, vamos torcer para que nosso “governo” seja menos danoso para nosso país. Já dizia o grande Gen Ex Leônidas Pires Gonçalves , que fez com que o então Capitão Bolsonaro deixa-se a força pela porta de trás, o Capitão Bolsonaro não tem o pundonor militar para ser um oficial do Exército. Isto resume tudo.

  4. Parabéns, João Lara Mesquita, mais um ótimo artigo como sempre, que lástima que para cada pessoa que pensa deve haver pelo menos uma centena de integrantes do rebanho. Eu colocaria seus textos na primeira página, oxalá houvesse mais brasileiros – e SERES HUMANOS DE VERDADE – como você!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here