Corais ameaçados, perigo iminente para a vida marinha

0
697
views

Corais ameaçados

Corais ameaçados: Atualizado em 3/03/16

Na segunda semana de fevereiro  The Economist, provavelmente a mais prestigiosa revista do mundo, publicou uma matéria alarmante sobre as ameaças aos corais, o mais importante ecossistema marinho.

De onde vem o colorido dos corais?

O texto explica que o colorido dos corais, que fascina mergulhadores. Mas este delicado equilíbrio está ameaçado pelo ser humano em prazo curto e longo.

Corais ameaçados, foto de coral colorido
Corais ameaçados. Foto: revistapgn.globo.com

Turismo e poluição: corais ameaçados do Havaí

Segundo a Economist, os corais da ilha de Oahu, Havaí, estão ameaçados no curto prazo pela sobrepesa, turismo, e poluição. No longo prazo a ameaça são os gases do efeito estufa.

Corais ameaçados, foto de turistas mergulhando entre corais
Corais ameaçados. Foto: viagem.uol.com.br

Branqueamento dos corais

Outro problema é o aumento da temperatura dos oceanos que  prejudica as algas. Quando isso acontece há uma diminuição das espécies (de algas) presentes no tecido dos corais. O exuberante colorido das estruturas, sinal de biodiversidade, empobrece, ocorrendo o branqueamento dos corais, tornando-os vulneráveis a doenças.

corais ameaçados, foto do branqueamento de corais
Foto:ecodebate.com.br

El Ninho e corais não se dão bem

Segundo a Economist, só duas vezes ocorreu semelhante branqueamento. A primeira coincidiu com o El Ninho  (1997-98), o maior fenômeno climático mundial, responsável pelo aquecimento da superfície do Pacífico. A segunda vez aconteceu em 2010. Uma terceira está acontecendo neste momento. No desastre de 1997- 98, cerca de 16% dos corais morreram. O atual branqueamento, mais uma vez coincidindo com o El Ninho, pode ter afetado 38% dos corais de todo o mundo.

Corais cobrem menos de 0.1% do assoalho marítimo mas são o suporte para um quarto das espécies marinhas

Os corais são encontrados desde o Oriente Médio até a Austrália, passando pelas Américas. Eles cobrem menos 0.1% do assoalho marinho. Mas sua importância é muito maior. Eles protegem 150 mil quilômetros de litorais (contra a maresia), em mais de 100 países, agindo como uma antepara especialmente com mau tempo.

Corais também são o suporte para um quarto das espécies marinhas, e agem como berçário para inúmeras outras. No sudeste asiático os corais mais ricos ficam no que os pesquisadores chamam de “triângulo de corais”, área com 86.500 Km2, que contém dois terços da espécies de corais, e 3 mil espécies de peixes recifais.

Corais ameaçados, mapa mostra o triângulo dos corais
Mapa mostra o ‘triângulo de corais’

Fertilizantes: inimigos dos corais

Mas o pior estrago é feito por fertilizantes usados na agricultura. Ao chegarem ao mar, inexorável destino final, estes implementos tornam-se alimento para algas nocivas que se proliferam de modo desproporcional, muitas vezes bloqueando a luz solar que os corais precisam para crescerem e se fortalecerem. A pesca, próxima aos recifes de coral, também contribui ao diminuir a população de peixes herbívoros,  fazendo com que haja crescimento descontrolado da vegetação marinha.

Os corais como chamariz de turistas: problema ou solução?

O turismo na Grande Barreira de Corais, Austrália, movimenta US$ 4.6 bilhões de dólares apenas para a província de Queensland, um dos seis estados australianos, onde se localiza a Grande Barreira. Mesmo com estes recursos a ONU inclui mais este Patrimônio Mundial da Humanidade na lista dos que estão “em perigo”.

corais ameaçados, foto de um coral amarelo
Corais ameaçados. Foto:ultradownloads.com.br

Um Km2 de corais valem 50 mil dólares

Em todo o mundo os corais são atrativos ao turismo. Estimativas sugerem que o valor dos corais de Martinica, e Santa Lucia, atingem a cifra de 50.000 mil dólares por Km2, ao ano, graças ao turismo. Mas o turismo desordenado é também uma séria ameaça. A construção de enormes hotéis perto da praia podem ser uma atração para tantos visitantes, mas o processo de construção pode matar a galinha dos ovos de ouro. Os sedimentos das obras acabam no mar, mais uma vez bloqueando a luz solar, essencial para a vida destes organismos.

As parcerias público privadas podem ser parte da solução

Parecerias público privadas também ajudam. Um projeto piloto em Barbados, financiado em parte pelos hoteleiros locais e organizações de turismo, vai passar cobrar entrada de turistas em áreas protegidas geridas pelo Blue Finance, um fundo de investimentos alternativo, apoiado pelo programa ambiental da ONU, UNEP. O custo da criação da área protegida, MPA em inglês, é de um milhão de dólares, e sua manutenção anual custará metade deste valor. De acordo com Nicolas Pascal, um ambientalista/economista, “os investidores não se incomodam se as taxas de retorno forem um pouco abaixo da média do mercado, desde que estejam beneficiando Barbados”.

corais ameaçados, foto de um coral
Foto: ninha.bio.br

Conclusão: otimista apesar de tudo?

A conclusão da matéria  é que a biodiversidade global dos corais pode ser a chave da salvação. O mesmo coral cresce de forma diversa em diferentes condições. As características que contribuem para que certos corais sobrevivam em condições pouco usuais, pode ajudar outros a enfrentar as duras mudanças climáticas.

Espetacular trailer de ‘Journey to South Pacific’ mostra o triângulo de corais

O canal de Suez, uma obra monumental feita em 10 anos

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here