Cientistas querem 1/3 dos oceanos protegidos até 2030

3
1719
views

Cientistas querem 1/3 dos oceanos protegidos até 2030

Cientistas da Universidade de York propuseram um mapeamento de 1/3 dos oceanos protegidos até 2030. É preciso salvaguardar a vida selvagem. E mitigar os impactos da mudança climática. A pesquisa explora o que significaria proteger completamente 30%, e 50% dos oceanos. Essas metas foram  discutidas nas negociações na ONU para um Tratado Global dos Oceanos para protegê-los fora das fronteiras nacionais, o chamado alto-mar, cobrindo 230 milhões de quilômetros quadrados. A matéria é do phys.org.

imagem dos oceanos
Oceanos protegidos.

O estudo sobre oceanos protegidos

Em um dos maiores estudos do gênero, pesquisadores ‘recortaram’ os oceanos globais em 25.000 quadrados de 100×100 km. Eles mapearam a distribuição de 458 diferentes características de conservação. Elas incluem vida selvagem, habitats e principais características oceanográficas. Foram gerados centenas de cenários para que a rede de santuários oceânicos, livre de atividades humanas, pudesse aparecer. A equipe incluiu pesquisadores da Universidade de York, de Oxford e do Greenpeace, mostrou que as metas podem ser alcançadas empregando uma rede de reservas marinhas em alto mar.

Santuários mundo afora

No Brasil, ambientalistas defendem pelo menos dois santuários, um para baleias, na Atlântico Sul, outro para tubarões, em Fernando de Noronha.
Para o professor Callum Roberts, biólogo de conservação marinha, “Perdas extraordinárias de aves marinhas, tartarugas, tubarões e mamíferos revelam um sistema de governança furado que os governos das Nações Unidas precisam urgentemente rearranjar”.

Os alertas sobre os Oceanos

Os cientistas alertam que os oceanos estão em risco devido à pesca, à ameaça emergente da mineração do leito do mar profundo, às mudanças climáticas que aquecem os mares e outras poluições, como o lixo plástico.
Para Louisa Casson, ativista do Greenpeace, “Nos próximos 18 meses, os governos em todo o mundo têm uma oportunidade única de estabelecer uma estrutura global para proteger os oceanos. Trabalhando juntos, eles podem facilitar a proteção de 30% dos oceanos  até 2030, por meio de uma rede de santuários.”

Reação ao estudo

O mundo corre contra o tempo para criar as áreas marinhas onde estão os últimos berçários. A sugestão foi bem recebida no Reino Unido. O ministro do Meio Ambiente, Michael Gove, declarou, “O Reino Unido já está em curso para proteger mais da metade de suas águas. Eu me uno ao Greenpeace para pedir que outros países trabalhem juntos em prol de um tratado que proteja pelo menos 30% dos oceanos do mundo.”

Vamos nesta, Brasil?

Fonte: https://phys.org/news/2019-04-scientists-world-oceans.html.

Retrocesso no Ministério do Meio Ambiente

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

3 COMENTÁRIOS

  1. Acaso as águas seriam ou ficariam estanques nos seus quadrados??? Soluções de boçais quando seriam muito mais fáceis e úteis trabalharem nas causas e não nos efeitos, mas para tanto necessitariam de machos nos ideais e objetivos claros.

    • necessitariam de machos ? o que será que quer dizer isto ? A bem da verdade é que ja passou da hora de criar políticas públicas de proteção destas áreas, uma vez que a exploração desenfreada e gananciosa não tem limites. Se tiver algo melhor, por favor, sugira, porém de forma respeitosa e sem machismo.

      • Tentarei explicar: no Brasil boa parte do povo e do governo querem atacar as consequências de quaisquer fatos/eventos trágicos, mas no passado havia um ditado “evitar acidentes é dever de todos”. Então nestes “evitar” ou prever possíveis acidentes requerem cérebros e “machezas” pois nem sempre o povo concorda e talvez demandem truculências e veja que a VALE conseguiu mostrar ao mundo que jamais olhamos para os riscos que envolvam os menos favorecidos.
        Será que escrevi um português aceitável ou misturei um pouco do “javanês”????

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here