A tragédia do alto mar: saiba o que acontece nesta área de ninguém

6
658
views

A tragédia do alto mar

A Economist é uma das mais importantes revistas do mundo. Nesta matéria publicada em fevereiro deste ano, a Economist alerta para o fato de que, para além das 200 milhas territoriais de cada país costeiro, onde fica o que chamamos de “alto mar”,  uma tragédia está acontecendo:

Alto mar: um Patrimônio da Humanidade é saqueado

 alto mar,  área que cobre mais de 50% da superfície do planeta é um bem comum, um patrimônio da humanidade. De acordo com o texto o peixe é uma fonte de proteína mais importante que a carne, e o número de patentes usando o DNA de criaturas marinhas está aumentando rapidamente.

alto mar, imagem do alto mar

Vida marinha e drogas anti- câncer

O artigo informa que

um estudo sugere que na vida marinha é cem vezes mais provável haver drogas anti-câncer que na vida terrestre

Alto mar: dois terços dos recursos pesqueiros sobre- explorados

Mas, prossegue,

dois terços da biomassa pesqueira desta região já estão sobre- exploradas. Pior que isto é a diminuição de algas marinhas. Através da fotossíntese elas produzem metade do oxigênio que respiramos. Menos oxigênio pode acelerar  o aquecimento global porque significa mais dióxido de carbono (gás causador do efeito estufa) na atmosfera.

Nova governança para o ‘alto mar’: fim do subsídio para a pesca

A Economist diz que dentro das 200 milhas de cada país costeiro existem regras que regem a pesca, o que não acontece em alto-mar. A revista sugere uma nova “governança” mundial para o “alto mar”. E arrisca algumas possibilidades: o fim do subsídio à pesca. Saiba como são os subsídios à pesca no mundo. E no Brasil.

Anualmente governos de países pesqueiros (entre eles o Brasil) vendem combustível mais barato para as frotas pesqueiras. Outra possibilidade seria um censo mundial sobre as frotas de pesca de alto mar, de modo a reprimir a pesca ilegal nesta área dos oceanos.

A importância de novas reservas marinhas

Outra necessidade, diz Economist, é a criação de mais reservas marinhas mundo afora. Aproveito para mais uma vez informar que, no Brasil, menos de 1,5% da zona costeira e mar territorial, estão protegidos pela criação de Unidades e Conservação.

Organização Mundial dos Oceanos

Finalmente, a revista incluí em suas sugestões a criação da “Organização Mundial dos Oceanos”, no âmbito da ONU, para regular e fiscalizar estas questões.

Fonte: http://www.economist.com/news/leaders/21596942-new-management-needed-planets-most-important-common-resource-tragedy-high.

Oceanos e os rejeitos de minas, mais uma fonte de poluição

COMPARTILHAR

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

6 COMENTÁRIOS

  1. BRASILEIROS, nem podemos afirmar que as nossas 200 MILHAS têm segurança: a Marinha de Guerra, sendo desmantelada como as outras FFAA. O Exército Brasileiro querendo cantar de galo em todos os setores, quando as prerrogativas Legais e Legítimas são da Marinha, inclusive seu CM deveria estar na linha de sucessão no cargo de Presidente da República, pois é a Marinha de Guerra do Brasil que tem todos os PROPRIOS NACIONAIS sob a sua jurisdicionalidade; isso posto , fica definido que nem era para o Marechal Deodoro da Fonseca assumir o Governo Provisório no golpe civil de 1889, que proclamou a República nas coxas.

  2. O Brasil não controla nem as 200 milhas. Aliás, não controla nem a pesca costeira….Rsrs. É comum encontrarmos navios pesqueiros de outros países em nossas águas. E quando vemos (falo como pescadora) reclamar ou denunciar para quem? Não temos barcos vigiando nossas 200 milhas. E como disse acima, nem vigiando a pesca costeira.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here