Cetáceo mais ameaçado, vaquita, recebe alerta de extinção

0
1282
views

Cetáceo mais ameaçado, vaquita, recebe alerta de extinção

A Comissão Baleeira Internacional (IWC na sigla em inglês) emitiu o primeiro “alerta de extinção”, em 70 anos de história, para chamar a atenção para a vaquita, o menor, e mais criticamente ameaçado, cetáceo do mundo. “Apesar de quase trinta anos de avisos repetidos, a vaquita paira à beira da extinção devido ao emaranhamento em redes de emalhar. A vaquita é uma pequena toninha (também em risco) encontrada apenas no norte do Golfo da Califórnia, no México. Estudos recentes mostram que existem agora apenas cerca de 10 animais sobreviventes”, diz o comunicado. Apesar disso, ainda há esperanças. Segundo a Comissão, “eles ainda não estão condenados à extinção. O Comitê Científico da IWC faz esta afirmação porque acredita que 100% da proibição de redes de emalhar em seu  habitat é necessário para dar à vaquita uma chance de recuperação.

Vaquita, cetáceo mais ameaçado do mundo
Imagem, IWC.

Uma chance em mil para a sobrevivência

Apesar do lampejo de esperança lançado pelo Comitê Científico, este site acredita que o animal tem uma chance em mil de se salvar. Afinal,  foram quase trinta anos de avisos  sem, contudo, lograr êxito.

A vaquita é mais uma vítima da pesca incidental. Alguns estudos mostram que a morte da vida marinha não intencional chega até 40% da captura global estimada em 90 milhões de toneladas. As vítimas não se restringem aos mamíferos marinhos. Aves marinhas, tartarugas e várias espécies de peixes sofrem o mesmo problema.

Em nome de quê a vaquita pode sumir dos mares? Isto que é o pior. Se fosse por uma causa menos injusta, vá lá. Mas, não. Trata-se de pura ganância que põe em risco não apenas a vaquita, mas a totoaba, outra espécie ameaçada e, de maneira idêntica, endêmica do México, cuja bexiga natatória é cobiçada por suas supostas propriedades medicinais. O comércio de totoaba no mercado negro vale milhões de dólares.

Mais uma vez, a China está envolvida. No país superpopuloso, as bexigas natatórias desta espécie, e de outras semelhantes em todo o mundo, são valorizadas na medicina tradicional e como uma iguaria cultural asiática.

Ou seja, junta-se o apetite chinês por “iguarias” exóticas, como sopa de barbatana de tubarão também apreciada no ocidente, com o apetite financeiro de pescadores mundo afora.

PUBLICIDADE

Em nossa última matéria sobre a vaquita, de 2018, mostrávamos que das 129 espécies de mamíferos marinhos, a vaquita é a menor, e considerada a mais ameaçada. Em 2017, havia 60 indivíduos; em 2016, 30. E o número caiu mais ainda.

Restam apenas 10 indivíduos

Segundo o mexiconewsdaily.com, ‘A vaquita criticamente ameaçada é endêmica do Golfo da Califórnia, onde frequentemente se afoga em redes de emalhar que são usadas ilegalmente para capturar totoaba, outra espécie ameaçada cuja bexiga natatória é cobiçada por suas supostas propriedades medicinais.’

vaquita, cetáceo mais ameaçado .
Imagem, Paula Olson/NOAA.

Veja o festival de ilegalidades: ambas as espécies estão ameaçadas e ‘são protegidas’, e o tipo de rede, as de emalhar, são igualmente ilegais. Portanto, como sempre na pesca mundial, é um festival de ilegalidades.

‘O México tem sentido uma pressão internacional crescente para melhorar suas medidas de proteção da vaquita e reprimir a pesca ilegal. Em março, a Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas de Fauna e Flora Selvagens (CITES) sancionou o país por não proteger o boto. A administração Biden também traçou um plano de ação para garantir uma melhor proteção da vaquita.’

A defesa do México

O governo mexicano alegou que apreendeu, em abril deste ano, mais de 4.700 redes de emalhar. Além disso, o país instalou blocos de concreto para impedir que barcos ilegais entrem no habitat principal da vaquita, e que novas tecnologias estão sendo introduzidas para promover métodos de pesca sustentáveis.

rede de emalhar
Redes de emalhar de superfície e de fundo. Ilustração, adaptado de MontealegreQuijano et al.

Por fim, representantes mexicanos argumentaram que a CITES deveria criar um fundo para prevenir a pesca ilegal de totoaba e exigir que os países de mercado e trânsito, como Estados Unidos e China, contribuíssem.

O mexiconewsdaily.com informou ainda que, em junho o governo mexicano e a Sea Shepherd revelaram os resultados de uma expedição de pesquisa de vaquitas, mostrando que os esforços para proteger o boto estavam valendo a pena, com uma redução de 90% na rede de emalhar no Alto Golfo da Califórnia.

Um bebê vaquita dá esperanças

De acordo com o Guardian, que também repercutiu o alerta, Lindsay Porter, vice-presidente do comitê científico do IWC, declarou: “Queríamos, com o alerta de extinção, enviar a mensagem para um público mais amplo e para que todos entendessem o quão sério isso é”.

‘Entretanto, Porter disse que a espécie ainda não estava condenada. Ela observou que pelo menos um bebê vaquita foi visto no ano passado, um sinal de que os indivíduos são saudáveis.’

PUBLICIDADE

“Eles não pararam de se reproduzir. Se conseguirmos tirar essa pressão, a população pode se recuperar. Não podemos parar agora.”

Saiba que por ano a captura incidental mata cerca de 300 mil golfinhos e baleias.

Para saber mais, assista ao vídeo

Extinction alert issued over endangered vaquita porpoise - BBC News

Maior barreira de corais dos EUA ameaçada

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here