Caranguejos ferradura, já tomou injeção? Agradeça a ele

3
2336
views

Caranguejos ferradura, fósseis vivos e sangue azul: você já tomou uma injeção? Agradeça a ele

“Caranguejos ferradura parecem com algo do espaço: têm 10 olhos e, sob suas conchas em forma de ferradura, 10 pernas, 14 garras e uma longa cauda semelhante a espada. E em um sentido real, têm superpoderes. Pelo menos externamente esses fósseis vivos não mudaram  em quase 450 milhões de anos. Sobreviveram às cinco grandes extinções em massa– a pior das quais matou cerca de 95% de todas as espécies marinhas – incluindo as mais recentes, que eliminaram os dinossauros.”

imagem de caranguejos ferradura
Caranguejo ferradura. ( Foto: http://tbrnewsmedia.com/)

Ascensão dos seres humanos, início da ameaça ao caranguejo ferradura

“A ascensão dos humanos tornou as coisas mais difíceis. Em todo o mundo, a população de caranguejos diminuiu constantemente nas últimas  décadas. Em algumas áreas, a mudança climática induzida é a culpada. Em outros, a culpa pode estar na colheita generalizada do sangue azul único dos caranguejos para uso médico. Temos muito a agradecer ao ferradura. Praticamente todos que receberam uma injeção se beneficiaram do caranguejo ferradura. Mas, podemos cessar o vício em seu sangue, para que essa criatura  possa sobreviver ?”

Alguém já disse que nossos ancestrais foram o início de problemas relacionados ao meio ambiente…

Caranguejos ferradura em números

“Número aproximado de caranguejos ferradura coletados a cada ano para coleta de sangue: 400.000. Número estimado de caranguejos ferradura que morrem no processo 50.000. Ovos que um caranguejo ferradura pode colocar de uma só vez, 90.000. Número desses embriões que sobrevivem até a idade adulta, dez. Espécies encontradas em todo o mundo (nos oceanos da Ásia e das Américas), quatro”.

Por que os caranguejos ferradura têm sangue azul?

“Porque em vez de hemoglobina (que quando oxidada, fica com uma cor rubi), o sangue dos ferradura contém hemocinina, que tem cobre, e fica azul na presença de oxigênio.”

ilustração de caranguejos ferradura que têm sangue azul
Ilustração: www.theatlantic.com

“O sangue contém uma substância química, lisado de amebócito limulus (LAL), que engrossa quando entra em contato com toxinas produzidas por bactérias que causam risco à vida em humanos. As empresas farmacêuticas usam-no para determinar a esterilidade de vacinas, medicamentos, dispositivos e instrumentos médicos, próteses e produtos básicos, como agulhas e soro fisiológico.”

Bactérias do sangue

“As únicas propriedades de detecção de bactérias do sangue foram descobertas em 1959 por Fred Bangpatologista da Johns Hopkins interessado no sistema imunológico dos caranguejos. Descobriu que o sangue deles coagulava quando injetado com bactérias, como Sarah Zhang escreveu, efetivamente isolando o corpo de um patógeno invasor.”

‘Processo envolvido’

“Isso era verdade mesmo se a bactéria fosse fervida- o sangue ainda era sensível a toxinas residuais. Na época, a verificação de substâncias estéreis para toxinas era um processo envolvido – os coelhos eram injetados e monitorados durante horas para detectar sinais de infecção. Uma vez que a maneira de extrair LAL do sangue foi concebida (e o processo aprovado pela FDA, que levou muitos anos), o procedimento se tornou  mais eficiente: “Agora você simplesmente adiciona LAL ao material testado e vira o frasco para ver se é sólido – muito mais rápido e mais conveniente ”, escreve Zhang.

Alerta: caranguejos ferradura morrem prematuramente

“Embora a indústria alegue colher com consciência. Estima-se que quase um terço dos caranguejos  morram no mar prematuramente. A tendência aparece no número decrescente de desembarques nos EUA. Em teoria, se o sangramento é feito corretamente, o caranguejo deve se recuperar quando liberado no mar. O problema é que, de acordo com uma investigação da Scientific American, cientistas têm uma compreensão muito pequena sobre quantos caranguejos sobrevivem.”

A indústria

“Estima que 4% morrem, mas os cientistas dizem que pode chegar a 40%. A indústria de sangria de caranguejo não é regulada, em parte porque se pensava que o sangramento não causava a morte de muitos caranguejos. Como a indústria não é  obrigada a divulgar estimativas, não está claro o grau de gravidade do problema.”

imagem da indústria do caranguejo azul
A indústria…(Foto:

Remoção de 30% do sangue dos caranguejos

“A indústria diz que só colhe 30% do sangue em qualquer caranguejo, mas há dúvidas, não há supervisão. Mesmo que as estimativas estejam corretas, estudos mostram que a remoção de 30% do sangue pode deixá-los desorientados e debilitados, reduzindo a capacidade de desova das fêmeas e levando à morte prematura.”

Caranguejos ferradura na lista vermelha?

“Juntamente com outros fatores que afetam a população, cientistas pedem à União Internacional para Conservação da Natureza que mude os caranguejos ferradura na Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas.  De “quase ameaçada” para “vulnerável”. Isso poderia  justificar a imposição de regulamentações para a indústria médica.”

O fator C

“Existe um substituto sintético para o sangue dos ferradura. Disponível desde 2003. Criado por Jeak Ling Ding e Bow Ho, pesquisadores em Cingapura, o teste se baseia na manipulação da molécula específica de detecção de toxinas no LAL, chamada fator C.”

“A alternativa teve aceitação acelerada na indústria farmacêutica: durante anos, ela foi produzida apenas por um único fornecedor e enfrentou obstáculos regulatórios nos EUA. Mas, diante da possibilidade de restrição à colheita, a farmacêutica Eli Lilly incorporou seu uso no laboratório e faz lobby por isso.”

Serviços dos Oceanos para a saúde da humanidade

Nesta matéria não vamos citar o oxigênio que respiramos produzido pela fotossíntese das algas marinhas, muito menos a proteína que os oceanos ainda nos dão. O tema de hoje são os serviços dos oceanos à medicina humana. Os caranguejos ferradura são apenas a ponta de um imenso iceberg. Há muitos outros…

O AZT, remédio para AIDS; outro para Leucemia; um terceiro combate o Herpes; todos vieram do mar

A maioria dos fármacos em uso clínico ou são de origem natural ou foram desenvolvidos por síntese química planejada a partir de produtos naturais. Alguns  remédios vitoriosos contra a psoríasis; um inibidor irreversível de fosfolipase; o combate ao Herpes e a AIDS; todos foram sintetizados a partir de organismos marinhos.

Escamas de peixes

Mais uma descoberta recente, o colágeno presente na escama de peixes cura ferimentos leves na pele humana. Nada de band-aid ou remédios tradicionais. A escama de peixe pode ser o futuro da cura de feridas na pele humana. Mas tem muito mais que isso…

Declaração da Organização Mundial da Saúde revela que os já conhecidos antibióticos não têm mais efeitos

A polêmica declaração  da Organização Mundial da Saúde revela que os já conhecidos antibióticos não têm mais efeitos sobre infecções e micróbios. E aí, como ficamos? Bem, diante de tal cenário, cientistas russos propõem que a salvação esteja nos oceanos. Andrei Adrianov, diretor do Instituto de Biologia do Mar em Vladivostok, considera que 80% dos antibióticos que já não funcionam possam ser substituídos por medicamentos elaborados a partir de substâncias marinhas.

Veneno de caracol marinho pode se tornar analgésico potente

Pesquisadores criaram cinco substâncias experimentais a partir de proteína produzida pelo caracol marinho. Composto pode aliviar a dor melhor que morfina e sem causar dependência.

Tubarão- elefante: seu genoma e doenças ósseas como a osteoporose

Pesquisadores da Espanha sequenciaram o genoma do tubarão-elefante (Cetorhinus maximus) e encontraram genes que impedem a calcificação das cartilagens. Isso pode abrir novas vias de estudo voltados a doenças ósseas como a osteoporose, de acordo com a revista Nature.

E, aí, homo Sapiens, vamos cuidar melhor dos Oceanos? Eles ainda podem salvar suas vidas e a de seus familiares.

Ilustração de abertura: www.theatlantic.com.

Fonte: Qartz, Horeshoe crabs.

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

3 COMENTÁRIOS

  1. Caro João Mesquita, boa tarde! Parabéns por seu artigo, ficamos felizes em ver uma publicação sobre o caranguejo-ferradura, tão importante para o controle de qualidade de produtos farmacêuticos injetáveis e dispositivos médicos. Gostaríamos de convida-lo a conhecer a página http://www.horseshoecrab.org, para conhecer um pouco mais sobre a estratégia de conservação desses animais, cujas ações e controles visam estabilizar as populações de caranguejo-ferradura, juntamente com a indústria farmacêutica, com coleta sustentável dos animais para sangria e devolução ao mar. Caso tenha mais curiosidade sobre o uso do LAL ou da nova tecnologia de Fator C recombinante – livre do uso desses animais, fabricados pela Lonza, teremos prazer em ajudá-lo.
    Abraços
    Claudia Pardi – Gerente de Negócios Lonza Bioscience ([email protected])

  2. Caro Sr. Mesquita, seus artigos são claros, concisos e atuais. Provavelmente de interesse da grande maioria dos leitores. Existe uma coletânea deles, ou a possibilidade de uma estar sendo publicado?
    Grato pelos artigos e a atenção, Armando

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here