Calor nos oceanos bate recorde pela sexta vez

0
178
views

Calor nos oceanos bate recorde pela sexta vez consecutiva

Continuamos em rota suicida, e sem tomar as providências que seriam  adequadas para a situação de perigo iminente em que vive a sociedade do século 21. A prova foram as muitas dúvidas deixadas pela COP 26, ao final de 2021. O resultado não deixou por esperar. Pouco meses depois da última reunião sobre o clima, a revista científica Advances in Atmospheric Sciences publica um novo estudo de 23 autores, e 14 instituições, afirmando que pela sexta vez consecutiva as temperaturas dos oceanos batem novo recorde. Os autores ainda frisam que isto acontece ao final do primeiro ano da Década dos Oceanos, da ONU. Calor nos oceanos bate recorde pela sexta vez.

Imagem dos Oceanos
Imagem, carbonbrief.org.

O excesso de calor nos mares do planeta

O relatório agora publicado resume dois conjuntos de dados internacionais: um deles, o Instituto de Física Atmosférica (IAP) da Academia Chinesa de Ciências (CAS); o outro, do Centro Nacional de Informação Ambiental da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA). Ambos analisam observações do calor do oceano e seu impacto.

Para Kevin Trenberth, estudioso do Centro Nacional de Pesquisa Atmosférica no Colorado, “o conteúdo de calor oceânico está aumentando implacavelmente, globalmente, e este é um indicador primário da mudança climática induzida pelo homem. Neste relatório recente, atualizamos as observações do oceano até 2021, além de revisitar e reprocessar dados anteriores.”

Segundo o site eurekalert.org ‘ no ano passado, os pesquisadores descobriram que os 2.000 metros superiores em todos os oceanos absorveram 14 Zettajoules a mais do que em 2020, o equivalente a 145 vezes a geração mundial de eletricidade em 2020. Para contextualizar, toda a energia que os humanos usam no mundo em um único ano é cerca de metade de um Zettajoule[Zettajoule é 1 mais 21 zeros joules ou 240.000.000.000.000.000.000 calorias].

Igual a 30 bombas de Hiroshima!

O site iflscience.com explica o que isto quer dizer: ‘é como 1 por cento da energia liberada pelo impacto do asteroide que levou à extinção dos dinossauros. Ou igual a  30 bombas nucleares de Hiroshima  sendo lançadas a cada segundo durante um ano.

PUBLICIDADE

Aumento da acidificação

O principal autor do artigo  Lijing Cheng, declarou ao eurekalert.org: “Além de absorver calor, atualmente, o oceano absorve de 20 a 30% das emissões humanas de dióxido de carbono. Isso leva à acidificação dos oceanos; para piorar, o aquecimento reduz a eficiência da absorção de carbono oceânico e deixa mais dióxido de carbono no ar.”

Ou seja, não é apenas a Amazônia que está próxima ao ponto de não retorno, conforme asseveram os cientistas; os oceanos, e os muitos serviços que prestam à humanidade, também parecem próximos de um esgotamento.

El Niño, La Niña

Os pesquisadores também avaliaram o papel de algumas variações naturais, como as fases de aquecimento e resfriamento conhecidas como El Niño e La Niña, que afetam muito as mudanças regionais de temperatura.

Segundo Cheng, as análises regionais mostram que o robusto e significativo calor nos oceanos, desde o final da década de 1950, ocorre em todos os lugares. No entanto, as ondas de calor marinhas regionais são uma consequência, com enormes impactos na vida marinha.

Não só na vida marinha, mas no sistema de chuvas em várias partes do globo, como na América do Sul, por exemplo.

Neste ano, a La Niña já mostrou sua força destruindo a infraestrutura do sul da Bahia, matando, e deixando milhares de pessoas desabrigadas, gerando prejuízos bilionários nas despreparadas (para o aquecimento global e eventos extremos) cidades brasileiras. E agora produzindo o mesmo efeito deletério em Minas Gerais.

Melhor conscientização e compreensão dos oceanos

Michael Mann, professor de Ciências Atmosféricas da Universidade Estadual da Pensilvânia, foi ouvido pelo eurekalert.org:

“Os oceanos estão absorvendo a maior parte do aquecimento das emissões humanas de carbono. Até chegarmos a zero emissões líquidas, esse aquecimento persistirá e continuaremos quebrando recordes  de calor oceânico, como neste ano. Uma melhor conscientização e compreensão dos oceanos são a base para as ações de combate às mudanças climáticas.”

2021 foi o mais quente da história

A NASA e a NOAA também divulgaram dados em 13 de janeiro demonstrando que o ano de 2021 foi o sexto mais quente da história.

PUBLICIDADE

Segundo a Folha de S. Paulo (14/1/2021), na mesma semana ‘a medição publicada pelo Copérnico, o serviço de mudança climática da União Europeia, apontou 2021 como o quinto ano mais quente desde o início dos registros’. E o jornal explicou: ‘As agências usam diferentes modelos e linhas de base, o que resulta em números distintos’.

Números distintos mas que se equivalem, acrescentamos. Como a matéria da Folha reconhece em seguida, ‘apesar das diferenças, os três órgãos confirmam a tendência de aquecimento global observado nesta década’.

De realmente novo nestas informações, é a triste e perigosa confirmação de que o Ártico esquenta numa velocidade ainda maior.

O drama do Ártico, ou o ‘nosso drama’

Em 2019 este site repercutiu um estudo publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences, cujo título era Greenland’s Melting Ice Nears a ‘Tipping Point,’ Scientists Sayem tradução livre, O derretimento do gelo na Groenlândia se aproxima de um ‘ponto crítico’.

2019: o Ártico esquenta ao dobro da taxa média da Terra

O texto de abertura dizia… “O Ártico está esquentando ao dobro da taxa média do resto do planeta, e a nova pesquisa acrescenta evidências de que a perda de gelo na Groenlândia está se acelerando conforme o aquecimento aumenta. Cientistas especulavam se havia chegado o ‘ponto de inflexão’.

2021: ‘o Ártico estes perdendo sua alma’

De 2019 para 2021, a resposta parecia ser, sim, atingimos o ponto de inflexão. Matéria do Atlas Obscura de agosto de 2021, escrita por Gemma Tarlach, já dizia no título: Ghostly Satellite Image Captures the Arctic ‘Losing Its Soul’, ou, Imagem fantasmagórica de satélite captura o Ártico ‘perdendo sua alma.’

20221:o Ártico está aquecendo quatro vezes mais rápido que o resto do planeta

Pois bem, menos de três anos depois a matéria da Folha informa que ‘a análise de temperatura da Nasa mostra que o Ártico está aquecendo quatro vezes mais rápido que o resto do planeta’.

PUBLICIDADE

Pior que o aquecimento, é o negacionismo

Mas isso, na opinião do Mar Sem Fim, não é a pior notícia. A pior notícia é que grande parte do público ainda  não leva a sério estas informações fruto da terrível época em que vivemos em que, como disse o visionário Umberto Eco, “as redes sociais deram voz a uma legião de imbecis.”

Imbecis que, levados pelo negacionismo tão em moda no mundo globalizado e especialmente neste País, acreditam em qualquer publicação de boçais como nosso chefe de governo que negam, da mortal epidemia  da Covid-19, até o aquecimento do planeta, contribuindo para a paralização e a pouca atenção aos alertas da ciência.

Recomendamos, a propósito, a leitura  de Marcelo Leite, jornalista de ciência e ambiente, que publicou na Folha o artigo ‘Tsunami de dados sobre o clima mal consegue varrer propaganda‘, em que comenta que ‘Oito anos com recordes planetários de calor foram até aqui incapazes de desfazer dúvidas plantadas por negacionistas’.

Triste, desanimador, e sobretudo muito perigoso.

Imagem de abertura: carbonbrief.org

Fontes: https://www.eurekalert.org/news-releases/939503; https://phys.org/news/2022-01-accumulated-upper-ocean.html; https://www.iflscience.com/environment/worlds-oceans-smash-heat-record-for-sixth-year-straight/; https://www1.folha.uol.com.br/ambiente/2022/01/2021-foi-o-6o-ano-mais-quente-ja-registrado-afirmam-agencias-dos-eua.shtml.

Maior berçário de peixes do mundo é descoberto

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here