A Espanha é feia, e uma mancada da imprensa omissa

15
13153
views

A Espanha é feia, e uma mancada da imprensa omissa

O Brasil tem um sério rival na destruição da paisagem litorânea: a Espanha. Se servir de consolo, e como novo alerta deste site que não se cansa de denunciar as barbaridades por nós cometidas nesta área sensível e belíssima do País, hoje vamos comentar as ‘conquistas’ de nosso grande rival. O assunto é manchete na mídia do exterior. Em 2009, o Guardian publicou a matéria The destruction of Spain’s coastline (A destruição do litoral da Espanha), quase sem texto, apenas com uma série de imagens que fazem tremer até um paralelepípedo. E não é o único. Em 2022 foi a vez do aldianews.com, em ‘Spain is ugly’: How uncontrolled construction has spoiled the landscape in Spain (‘Espanha é feia’: como a construção descontrolada estragou a paisagem na Espanha). 

especulação imobiliária em praia da Espanha
Parece o Balneário Camboriú (SC), mas foi apenas a inspiração dele. Trata-se da praia Benidorm. Guardian.

A foto acima nos remete à elegia ao concreto armado tupiniquim, conhecida como Balneário Camboriú (SC). Outras fotos nos fazem lembrar de Jurerê internacional, onde a especulação anda de mãos dadas com a ostentação.

‘A Espanha é feia’, ou como transformar o litoral num cortiço medonho

O editor do El País, Andrés Rubio, é outro que, como nós, não se conforma. Ele publicou um livro para denunciar como a especulação imobiliária e a feiura urbana por ela produzida prejudicaram a beleza das cidades espanholas em milhas seguidas de litoral.

Hotel e paisagem litorânea da Espanha
Dezenas de ativistas do Greepeace desembarcam em frente ao hotel Azata del Sol, Algarrobico, que foi construído na primeira linha costeira de Carboneras, Almeria. Os ativistas pintaram ‘Hotel Ilegal’ na frente. Arturo Rodriguez/EPA.

Blocos de concreto, megacomplexos turísticos, hotéis… Há quase duas décadas, Andrés Rubio, diretor da seção de viagens do  El País, observa como a febre da construção que começou depois da queda do regime de Franco no final dos anos 1970 causou estragos na paisagem espanhola, especialmente na costa.

Enseada destruída pela especulação na Espanha
Novas casas de férias sendo construídas em Altea na Costa Blanca. Guardian.

Sua conclusão é retumbante, apesar dos milhões de turistas que visitam o país todos os anos: a ‘Espanha é feia’.

PUBLICIDADE

Muito feia, medonha, diríamos.

Um estudo das barbaridades cometidas

Essas palavras são as que ele usou para intitular seu  livro, España fea. El caos urbano, el mayor fracaso de la democracia, (Espanha feia. Caos urbano, o pior fracasso da democracia) lançado pela Penguin Random House/DebateO livro é um estudo das barbaridades cometidas na herança espanhola desde o fim da ditadura de Franco até hoje.

Arraial do Cabo
Arraial do Cabo, RJ, como legendar esta foto se não for com um ‘Frankenstein Urbano’? Acervo MSF.

Perguntas sem respostas

“Por que a Constituição de 1978 não inclui a palavra “paisagem” (A brasileira foi melhor, ela menciona e ‘protege’ a paisagem apesar de não ter adiantado patavina até agora)? Por que não há um Conservatório Costeiro como o francês na Espanha? Por que em 1967 foram catalogadas mais de mil belas cidades na Espanha e agora não restam nem cem? Por que a democracia e seu regime de Comunidades Autônomas têm causado sérios danos à paisagem e, consequentemente, arruinado irreparavelmente o imaginário coletivo?”

Algarrobico, Espanha.
Algarrobico. Greenpeace.

Enquanto isto, o El País, indignado, ressalta no editorial La destrucción de las playas españolas, que ‘Mais de 50% das praias e 70% das dunas da costa espanhola estão degradadas ou profundamente alteradas; 60% das zonas úmidas que existiam em 1950 desapareceram; mais de 60% do ambiente imediato das praias do Mediterrâneo, Atlântico Sul e costas do arquipélago é urbanizado’.

Constituição Brasileira

Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá- lo para as presentes e futuras gerações.
Ilhabela e costão à venda
Apesar do que prega a Constituição, Ilhabela (SP) foi o único lugar do litoral em que vi um costão à venda. Para piorar, trata-se de um Parque Estadual marinho…Acervo MSF.
§ 1º
III – definir, em todas as unidades da Federação, espaços territoriais e seus componentes a serem especialmente protegidos, sendo a alteração e supressão permitidas somente através de lei, vedada qualquer utilização que comprometa a integridade dos atributos que justifiquem sua proteção;
§ 4º A Floresta Amazônica brasileira, a Mata Atlântica, a Serra do Mar, o Pantanal Mato-Grossense e a Zona Costeira são patrimônio nacional, e sua utilização far-se-á, na forma da lei, dentro de condições que assegurem a preservação do meio ambiente, inclusive quanto ao uso dos recursos naturais.
aberração na praia das Toninhas, Ubatuba
Mesmo com a Constituição ‘garantindo’ a preservação, aberrações como estas da praia das Toninhas, Ubatuba, SP, surgem aos montes no litoral brasileiro. E ninguém fala nada! Cumplicidade com o quê?  Acervo MSF.

Diferença entre os países europeus

Quem explica é o aldianews.com: ‘Essa abordagem “laissez-faire” dos políticos espanhóis contrasta com o modelo adotado pela França, onde, em 1976, o ex-presidente Valéry Giscard d’Estaing convocou o país a combater a “feiura da França” em uma carta ao então primeiro-ministro Jacques Chirac’.

Base do trabalho de Rubio

Com base em inúmeras entrevistas, e combinando crônicas jornalísticas, livros de viagens e ensaios políticos, Rubio descreve com rigor e sensibilidade os absurdos praticados desde as costas mediterrâneas, às do norte, passando pela “Espanha esvaziada” e pelo desastre urbano de Madri. Também analisa as causas que levaram a essa catástrofe cultural sem precedentes.

superfície costeira espanhola degradada
Gráfico do Greenpeace.

Segundo o site aldianews.com,  ‘Rubio revela a estratégia traçada por políticos e desenvolvedores ignorantes e corruptos, com o silêncio cúmplice de uma guilda (associação que agrupava, em certos países da Europa durante a Idade Média, indivíduos com interesses comuns) desmobilizada, a da arquitetura, somada à indiferença e ignorância do mundo intelectual e midiático’.

construção perto do mar Mediterrâneo em Calpe, perto de Valência
Construção perto do mar Mediterrâneo em Calpe, perto de Valência. Depois não querem que venha a erosão…Guardian.

Hoje, diz a agência Reuters, para combater as ocupações ilegais, fruto da omissão e especulação, ‘O governo socialista planeja usar compensação e expropriação para limpar empreendimentos ilegais ao longo de 776 km (482 milhas) de costa, ou um oitavo da costa da Espanha’.

‘O plano de 5 bilhões de euros (7 bilhões de dólares) tem como alvo mais de 3.000 propriedades ilegais e visa evitar a destruição futura de algumas das praias mais populares da Europa, que são uma fonte vital de renda turística, disse o ministério’.

Sei…Construir é fácil, derrubar, muuuito difícil.

PUBLICIDADE

A ver…

Aqui como lá, o resultado é o mesmo: acirramento da erosão costeira por mau uso

Enquanto os 5 bilhões de euros  não chegam, pesquisadores  publicam artigos nas revistas científicas como ‘Erosion by human impact on the Valencian coastline‘ (Erosão por impacto humano na costa valenciana), no Journal of Coastal Research.

Cuelar, Espanha
Cuelar.

“Há uma tendência mundial de erosão da linha de costa aumentada pelas mudanças climáticas, aumento do nível do mar e diferentes atividades humanas na área costeira.”

“As costas mediterrânicas são, infelizmente, um bom exemplo de como as atividades humanas e os assuntos econômicos podem interferir no sistema ambiental costeiro.”

“Durante as últimas décadas as ações humanas influenciaram fortemente o equilíbrio da zona costeira. Os principais distúrbios humanos ao longo da costa valenciana são os seguintes: extração de areia e cascalho de rios e praias; construção de barragens que reduzem os aportes sedimentares fluviais; construção de molhes e quebra-mares associados a portos e atividades recreativas costeiras que interfiram no transporte de sedimentos das correntes longitudinais..”

costa da Espanha agoniza
Esta foto ilustrou a matéria ‘Costa da Espanha Agoniza’, do www.ethic.es.

E segue-se uma lista enorme de interferências humanas.

Segundo o site www.ethic.es, que publicou a foto acima, fruto da  especulação imobiliária, ‘O avanço do tijolo no litoral está destruindo tudo. Especialmente  os recursos naturais fornecidos pela costa. É o que afirma o relatório A Toda Costa, elaborado pelo Greenpeace e pelo Observatório da Sustentabilidade, que avalia pela primeira vez o estado da costa espanhola através da perda de bens e serviços ambientais’.

costa espanhola degradada
O suprassumo da estupidez humana. Imagem, Greenpeace. A degradação remete a um imenso cortiço.

Portanto, a Espanha não perde apenas beleza natural ou paisagística, perde igualmente os serviços ecossistêmicos do mar e litoral. Um viva à estupidez humana!

Um apelo por reflexão

Estas são as primeiras questões de Rubio em sua obra. O Mar Sem Fim aproveita para sugerir uma reflexão, antes que todas nossas praias se tornem uma Riviera de S. Lourenço (SP), ou Camboriú (SC), sobre o modo deplorável com que ‘ocupamos’ uma área imensa e belíssima, extremamente sensível do Brasil.

Riveira de São Lourenco, SP
Riveira de São Lourenço, SP. ‘Com ‘o silêncio cúmplice de uma guilda, somada à indiferença e ignorância do mundo intelectual e midiático’. Acervo MSF.

Já é mais que hora de revermos o modelo que pereniza a pobreza dos nativos, destrói a paisagem prejudicando o turismo, vocação natural do nosso litoral, e ainda ameaça a vida marinha.

Um é rico, outro, pobre

A Espanha, como um país rico, ao menos conta com saneamento básico. Já Pindorama, não. Se o país europeu tem a infraestrutura necessária para destruir sua paisagem litorânea, paciência. Mas nosso caso é muito pior.

Além do massacre paisagístico, não temos saneamento básico. E todos os rejeitos de nossas praias superadensadas correm direto para  o mar: esgoto não tratado, e outros.

‘Diariamente são despejadas 5,3 mil piscinas olímpicas de esgotos nas águas brasileiras’, como bem disse o preciso editorial do Estado de S. Paulo (7/5/2022), ‘Liberdade ainda que tardia no saneamento‘.

Torremolinos, Espanha
Torremolinos. Library/Rex Features.

Para piorar, os ecossistemas marinhos mais importantes, como mangues, corais, costões, restingas, dunas, etc, são extirpados muitas vezes pelos próprios prefeitos – grande parte comanda a especulação imobiliária -, para em cima deles construírem condomínios, hotéis, novos bairros, marinas, etc.

Assim, aos poucos, o litoral brasileiro chafurda na decadência da qual jamais sairá, apesar dos alertas deste site.

PUBLICIDADE

‘Corrupção, indiferença e ignorância do mundo intelectual’

“Na Espanha, diz a matéria do aldianews.com, os casos de más práticas no mercado imobiliário se sobrepõem às dezenas de milhares de construções inartísticas de arquitetos feitos reféns, ou imorais”.

No prólogo do livro, o arquiteto Luis Feduchi fala da síndrome de Estocolmo de sua guilda: “Para ser franco, nossa cumplicidade na destruição do território e nossa recusa em denunciá-lo”.

Hotel Agorrobico
Hotel Agorrobico que o New York Times chamou de  Hotel Fantasma de Algarrobico; e disse mais: Por quase duas décadas, o esqueleto de um hotel inacabado marcou um litoral idílico no sul do país. Seu destino permanece nebuloso, mas a lição é clara: é mais fácil danificar o meio ambiente do que consertá-lo.

Hotel inominável

Sobre a monstruosidade revelada acima, disse o New York Times: ‘Sessenta anos atrás, o diretor de cinema britânico David Lean viajou para a remota província de Almería, no sul da Espanha, para filmar seu filme vencedor do Oscar, “ Lawrence of Arabia”.

O local foi escolhido porque “era realmente apenas um deserto vazio de frente para o belo mar.”

Era…

‘Nossa cumplicidade na destruição’

A ‘cumplicidade’ da qual fala Luis Feduchi é a mesma que ocorre no Brasil onde a grande mídia raramente aborda a questão, muito menos os ‘formadores de opinião’.

Inqualificável projeto
Inqualificável projeto na costa espanhola. Como pode um arquiteto erguer uma monstruosidade destas? Imagem, geotiza.blogspot.com.

Medo de quê? Perder anúncios, fazer inimigos?

Ora, já quase não existem mais anúncios. Quanto a fazer inimigos, é da praxe do bom jornalismo. Não há nada a perder, e tudo a ganhar. Mas é preciso trabalho, deixar o torpor de lado, e enxergar à nossa volta.

Coisa rara na grande mídia, e nos formadores de opinião.

A falta de planejamento aqui e lá

Segundo o aldianews.com, ‘Rubio também critica os políticos espanhóis por não terem seguido nenhum tipo de plano em nível nacional sobre como expandir cidades e vilas de uma forma que proteja o passado histórico, respeite a paisagem e considere o bem público’.

aldeia de Cho Vito, em Tenerife
Uma escavadora demoliu uma casa na aldeia de Cho Vito, em Tenerife. Policiais da Guarda Civil iniciaram o despejo planejado de 23 famílias de suas casas seguindo ordens de demolição devido a uma infração à lei de habitação costeira que proíbe construções a menos de 50 metros da costa!

Alguma coincidência com Pindorama?

Denúncias do Mar Sem Fim

Os horrores da Espanha litorânea são insistentemente ‘copiados’ no Brasil. Vamos recordar o post Itajaí, SC, ameaçada pela especulação imobiliária, que nos valeu um processo do obtuso prefeito Volnei Morastoni (MDB).

Balneário Camboriú
Balneário Camboriú, SC, a ‘elegia ao concreto’. Acervo MSF.

Ou do post Prefeito de Ilhabela quer calar o Mar Sem Fim, que nos rendeu outro processo do algoz do município, o prefeito Antonio Colucci (PL).

Ou ainda de Ilha Comprida está ameaçada pela especulação imobiliária, no litoral sul de São Paulo. Um feudo do PSDB onde o prefeito Geraldino Junior (PSDB) fez uma lei sob medida para um empresário que prevê a construção de prédios com até 30 metros de altura e sete andares!

litoral de Ubatuba
Os ricos brasileiros dão o exemplo, como estes que destruíram a mata atlântica, e construíram em topos de morros para ‘ter vista para o mar’. E que se danem as futuras gerações. Obs: tudo isto é ‘proibido’ pela Cosntituição! Ou, a ‘cumplicidade na destruição do território’. Acervo MSF.

Ou, para sairmos das regiões Sul, e Sudeste, demonstrando que o monstrengo toma conta de todo o litoral, recordemos por fim o post Praia do Preá e o turismo, um perverso casamento.

PUBLICIDADE

Coincidências escandalosas

O que aconteceu no litoral da Espanha é o que vem acontecendo em Preá, no Ceará, Itajaí, no Sul; ou Ilhabela, Ilha Comprida, Ubatuba e São Sebastião, sempre com a cumplicidade escandalosa da Fundação Florestal que deveria cuidar das áreas ‘protegidas’ do Estado de São Paulo, mas se recusa a fazê-lo.

Ou do Ibama/ICMBio nas outras regiões do País também ‘protegidas’, mas com total e absoluta falta de fiscalização.

Por quê? Porque, na Espanha, como aqui, reina a mais absoluta ‘cumplicidade na destruição do território e nossa (não deste site!) recusa em denunciá-lo’.

Pela falta destas denúncias serem pautadas pelos entorpecidos editores, da sociedade discuti-las e estudá-las, outra herança maldita é o objeto de desejo dos brasileiros que conseguiram subir na vida e terem dinheiro para uma segunda residência.

Nasceu o equívoco das ‘Casas Pé na Areia‘. Por causa delas, mais de 60% do litoral brasileiro apresenta acentuada erosão. E se você considera que este é um exagero do Mar Sem Fim experimente pesquisar ‘casa pé na areia’ no Google. Verá, então, mais de 13 páginas seguidas com a expressão.

Há dezenas de imobiliárias com este nome oferecendo o equívoco litoral afora.

Para finalizar, a explicação da ‘mancada da imprensa omissa’

Antes de encerrar, nem era  preciso explicar que a mancada não se refere à espanhola que, apesar da concorrência desleal das redes sociais, ainda consegue manter leitores bem informados.

Mas, tão decadente quanto o litoral, à  de Pindorama. Não à toa, agoniza tanto quanto os litorais espanhol e brasileiro. Não poderia ser diferente. Ela se apequenou.

Não enxerga adiante do nariz. Se cala diante do escândalo de lesa-pátria perpetrado pelo Estado, em especial os prefeitos dos municípios costeiros. Mas abre espaço destacado a cada ‘reflexão’ fracassada de um inútil BBB.

Faz coro aos ‘ambientalistas‘ entre aspas, dignos da Fundação Florestal paulista que, igualmente, não enxergam além das narinas; ou dos ‘formadores de opinião’ como os publicitários, que pintam na mídia um País que, se existiu, foi séculos atrás.

Privatização de praias

Como tudo no País pode sempre piorar, a Câmara dos Deputados aprovou uma proposta de emenda à Constituição que prevê o repasse a Estados e municípios dos terrenos de marinha hoje em poder da União. Entre os desatinos do projeto está a legalização da privatização de praias.

Pobre Brasil.

Acordem, despertem do sono letárgico; e cerrem fileiras conta a feiura do litoral brasileiro antes que o pardieiro se espalhe irremediavelmente!

Assista ao vídeo da destruição da costa espanhola, não se escandalize se for capaz; e lembre-se do que fazemos com a nossa.

La destrucción de la costa: Las imágenes del informe de Greenpeace 2013

Imagem de abertura: www.ethic.es.

Fontes: https://www.theguardian.com/world/gallery/2009/jun/01/spain-construction; https://aldianews.com/culture/books-and-authors/spain-ugly; https://www.reuters.com/article/environment-spain-property-dc-idUSL2930358920071029; https://www.researchgate.net/publication/265816405_Erosion_by_human_impact_on_the_Valencian_coastline_E_of_Spain; https://www.nytimes.com/2021/12/29/travel/spain-abandoned-hotel.html; https://ethic.es/2018/07/urbanizacion-costa-espanola/; https://elpais.com/diario/2010/08/20/opinion/1282255212_850215.html.

Cruzador General Belgrano, a pique há 40 anos

Comentários

15 COMENTÁRIOS

    • Exatamente. Tem políticos locais querendo ganhar $ fácil com construtoras? Tem! Tem funcionários públicos fazendo vista grossa pq não gostam de ter mais trabalho? Tem. Um prédio pode ser feio?Pode. Mas isso ainda não é crime.
      Crime é o indivíduo comprar o imóvel legalizado, pagar txs para a prefeitura, as vezes por gerações, e um belo dia alguns parasitas criarem uma lei ambiental, desapropriarem o imóvel e passar um trator por cima. E o indivíduo que se vire para ser ressarcido.
      Crime tbm pode ser invadir uma área nativa, construir barracos e jogar dejetos diretamente nos rios, afluentes, mangues, degradar as encostas dos morros.

      • Ducão, concordo com você em quase tudo. Exceto quando diz que ‘Crime é o indivíduo comprar o imóvel legalizado, pagar txs para a prefeitura, as vezes por gerações, e um belo dia alguns parasitas criarem uma lei ambiental, desapropriarem o imóvel e passar um trator por cima’. Nunca em toda minha vida vi isto acontecer. Ou seja, ‘desapropriarem o imóvel e passar um trator por cima’. Que eu saiba aconteceu um par de vezes, poucas, quando as construções foram erguidas DENTRO de áreas protegidas que proíbem construções, como parques estaduais, ou federais. Abraços

  1. Triste! As denúncias aqui no Brasil precisam continuar!! Temos que proteger nossas praias e principalmente dar mais educação ao povo que a frequenta!!!

  2. Muito complicado, desanimador, e, no caso do Brasil a mesma feiúra se estende não só no litoral mas também para cidades do interior (verticalizaçao irresponsável e feia). Dá vontade de chorar…

  3. Esta especulação é sentida no litoral brasileiro com maior ou menor intensidade , devido a omissão governamental, onde para muitos defendem uma muralha de prédios do Oiapoque ao Chuí. Limitações de construções de prédios ,para muitos prefeitos , dando a desculpa que não querem o tal “progresso” é comum em nosso país. Agora visitar a Espanha e ver a quantidade absurda de prédios feios , horrendos por sinal , na Costa do Sol em pleno Mediterrâneo , mostra que lá a especulação anda livre e solta para alegria dos empresários da construção civil e não importando os meios da paisagem local. Ibiza que se cuide , nas ilhas Baleares.

  4. Coneço a costa espanhola desde 1972, faz 50 anos. Na época tinha poucos prédios, cresceu as poucos, todo ano um pouco mais. É como ouro, uma vez que começou a corrida não tem fim.

  5. Ha 3 decadas eu reclamo desse predios horrorosos do Brasil, Nao ha razao para construirem predios nas praias. O Brasil eh enorme. Pbre nao precisa morar na praia…

  6. Maravilhosa matéria, aqui a mídia ou jornalismo não entra neste assunto pois influentes artistas, empresários, políticos todos tem seu imóvel “pé na areia” e ninguém quer admitir que faz parte desta destruição do ecossistema do litoral.

  7. Mesquita, veja a erosão no município de Mucuri/BA. Nos últimos 20 anos já se foram duas quadra inteiras de casas de veraneio em uma extensão de mais de 1 km, pelo que dizem, pelo avanço do mar. Quando conheci a cidade, há 40 anos, havia larga faixa de mata até à praia, que foi substituída por ruas e casas, as quais jazem hoje no fundo das águas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here