Tubarão-charuto, ou cookiecutter, o pequeno infernal

0
2642
views

Tubarão-charuto, ou cookiecutter, o pequeno que aterroriza outros tubarões e até baleias

A vida marinha é ainda um mistério. Estimativas sugerem entre 700.000 e um milhão de espécies de vida marinha – mas mais de 91% permanecem sem classificação. O site da NOAA – agência norte-americana encarregada de tudo em relação aos mares, diz que ‘os cientistas estimam que 91 por cento das espécies oceânicas ainda não foram classificadas e que mais de oitenta por cento do nosso oceano não está mapeado, não foi observado e não foi explorado. Hoje trazemos aos leitores um espécime tubarão que foi encontrado no litoral do Brasil, no século 19, que é tido como o pequeno infernal: o Tubarão-charuto, ou Cookiecutter.

Ilustração de tubarão-charuto, ou cookiecutter,

Tubarão-charuto, ou Cookiecutter, o pequeno infernal

Imagine o susto que levaram os pesquisadores ao verem pela primeira vez esta espécie. Dois naturalistas franceses, Jean René Constant Quoy e Joseph Paul Gaimard  estavam a bordo da corveta Uranie, em viagem de circum-navegação entre 1817 e 1820 quando, ao largo do Brasil, puxaram uma rede do fundo do mar à procura de espécies desconhecidas.

Em 1824 a descrição da nova espécie foi publicada no relatório da viagem, Viagem à volta do mundo … nas corvetas de S.M. Uranie e Physicienne. Por ter sido encontrada em nosso litoral a espécie recebeu o nome científico Isistius brasiliensis.

Popularmente o animal é conhecido como tubarão-charuto ou, na língua inglesa, cookiecutter (cortador de biscoitos). O pequeno é voraz, e tem fama de infernal. Ele arranca pedaços de suas vítimas, entre elas outros e muito maiores tubarões, ou até mesmo baleias, em forma de biscoito, daí o nome cookiecutter. Em português acabou conhecido como tubarão-charuto devido à cor de sua pele.

PUBLICIDADE

Imagem de biscoito
Foto publicada pela Universidade de Delaware com a legenda: O professor Aaron Carlisle conduziu estudo publicado na Scientific Reports que revelou a dieta e o habitat dos tubarões Cookiecutter, um pequeno tubarão pouco estudado. Os tubarões Cookiecutter são únicos porque se alimentam de tudo, desde os maiores e mais resistentes predadores, até peixes pequenos.

Agora um novo estudo descobriu que eles realmente aterrorizam animais de todos os tamanhos.

‘Tubarões de olhos verdes parecidos com alienígenas’

Assim o site LiveScience descreve o bicho: ‘Os tubarões de olhos verdes parecidos com alienígenas parecem fantoches sinistros feitos de massa folhada e podem crescer até 50 centímetros de comprimento’.

‘Essas estranhas criaturas usam seus dentes pontiagudos para se alimentar de grandes tubarões brancos dez vezes maiores e são até mesmo conhecidas por mordiscar pedaços de carne humana’.

Os cientistas frequentemente observavam as marcas dos biscoitos em animais maiores e, portanto, presumiam que era isso que os tubarões comiam principalmente’.

Imagem de elefante marinha atacado por tubarão-charuto
O enorme elefante marinho. Animal parece assustado…Imagem, PMMC.

‘Mas acontece que esses tubarões também mastigam animais na base da cadeia alimentar, o que lhes dá um papel único no ecossistema do oceano, descobriu uma nova análise de espécimes de tubarão’.

Aaron Carlisle, professor assistente na Escola de Ciência e Política Marinha da University of Delaware, principal autor do estudo declarou sobre o animal: “Eles se alimentam de tudo, desde os maiores e mais resistentes predadores – como tubarões brancos, orcas, tudo que você pode imaginar – até as menores criaturas. Não há muitos animais que façam algo assim.”

Características

Tubarões Cookiecutter (Isistius brasiliensis) vivem em águas tropicais e subtropicais e podem habitar profundidades de mais de 1.500 metros, de acordo com o estudo.

O Mar Sem Fim recorreu ao site Shark Research Institute para saber mais sobre o animal.

Descrição

Um pequeno tubarão em forma de charuto com um focinho bulboso muito curto. O tubarão tem lábios suctoriais, suas barbatanas dorsais são colocadas para trás e tem uma grande barbatana caudal em forma de remo quase simétrica com um longo lobo ventral.

Imagem dos dentes do tubarão
Afiados como navalha. Imagem, GEORGE BURGESS.

Os machos variam em tamanho, entre 37 e 39 cm. As fêmeas são um pouco maiores, 50 cm. O tubarão tem dentes inferiores grandes e triangulares em 25-31 fileiras.

Habitat

Ele é um tubarão oceânico tropical de amplo espectro, epipelágico a batipelágico. Pode variar da superfície a mais de 3.500 m de profundidade, mas geralmente varia de 85 até 3500 m.

PUBLICIDADE

Esses tubarões são freqüentemente encontrados perto de ilhas, que possivelmente são seus locais de filhotes ou onde concentrações de presas estão localizadas.

Distribuição

Oceanos Atlântico, Índico Meridional e Pacífico.

Reprodução

Presumivelmente ovovivípara, com cerca de 6-7 filhotes por ninhada.

Comportamento

Os tubarões Cookiecutter são péssimos nadadores e geralmente só são capturados à noite. Eles provavelmente migram verticalmente de águas profundas 2000-3000 m para águas intermediárias ou superficiais à noite.

Imagem de atum mordido por tubarão
O atum também não escapou…Imagem, https://www.reddit.com/.

Eles são um ectoparasita em grandes peixes e cetáceos, possivelmente atraídos para o tubarão por seus órgãos de luz bioluminescente.

Seus lábios grossos e faringe modificada são usados ​​para se atar à presa, então os dentes inferiores afiados mordem a pele e os movimentos de torção cortam um pedaço de carne.

Depois de cortado, o tubarão se solta, segurando o pedaço de tecido pelos dentes superiores em forma de gancho e deixando para trás uma ferida de cratera.

Status

A espécie tem sorte, é pequena demais para atrair a atenção do grande predador: nós.

PUBLICIDADE

Imagem de tubarão-charuto
O pequeno infernal. Imagem, NOAA.

As descobertas do novo estudo

Os pesquisadores descobriram que os tubarões-cookiecutter se alimentavam principalmente de espécies menores em profundidades mais baixas, incluindo crustáceos, lulas e peixes pequenos, como membros dos gêneros Ariomma e Cololabis.

Imagem de peixe mordido por tubarão-charuto
De peixes pequenos a enormes animais, ninguém é páreo para o pequeno infernal. Imagem, Google.

Algumas dessas presas podem ser pequenas o suficiente para os tubarões as engolirem inteiras. Em contraste, os grandes animais da parte superior do oceano representam menos de 10% da dieta dos tubarões, descobriu o estudo.

O LiveScience diz que essas descobertas lançam luz sobre o comportamento da criatura oceânica enigmática. Mas a amostra de tubarões era pequena e de uma área geográfica limitada, e não deixa claro se essa tendência de alimentação é a mesma em toda a área de distribuição global de acordo com o estudo.

O tubarão-charuto ataca o ser humano?

O tubarão-charuto, como todos os outros, não ataca o ser humano, mas às vezes o confunde com suas presas, então…

Sim, houve um caso, em 2009, quando um nadador de longa distância tentava atravessar o Canal de Alenuihaha, entre o Havaí e Maui. Ao pôr do sol o nadador sentiu uma mordida em seu peito, e outra na panturrilha quando saia da água.

De acordo com especialistas, os tubarões-charuto costumam atacar outros animais marinhos, como peixes e baleias, e se alimentam principalmente à noite. Foi o que aconteceu ao infeliz que nadava. Perdeu dois bifes, e a julgar pelos dentes do animal deve ter sido bastante dolorido.

Segundo George Burgess, do Museu de História Natural da Flórida, “não só é doloroso, mas também apresenta uma circunstância difícil para a recuperação, no sentido de que é necessária uma cirurgia plástica para fechar a ferida e ocorre, ainda, uma perda permanente de tecido.”

Imagem e abertura: @ Marc Dando

Fontes: https://www.livescience.com/14882-human-cookiecutter-shark-bite.html; https://www.livescience.com/cookiecutter-shark-weird-feeding.html?utm_source=SmartBrief&utm_medium=email&utm_campaign=368B3745-DDE0-4A69-A2E8-62503D85375D&utm_content=7D8BAB38-1354-42B1-A6EC-50D66B2B7CFD&utm_term=ed3c52ac-2ab9-4297-b170-3e287353803f; https://www.sharks.org/cookiecutter-shark-isistius-brasiliensis.

Balneário Camboriú, elegia ao concreto no litoral brasileiro

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here