Resex Caeté Taperaçu, 4.544 famílias estão inscritas

0
390
views

Resex Caeté Taperaçu

Resex Caeté Taperaçu: área utilizada por populações extrativistas tradicionais, cuja subsistência baseia-se no extrativismo e, complementarmente, na agricultura de subsistência e na criação de animais de pequeno porte. Sua criação visa a proteger os meios de vida e a cultura dessas populações, assegurando o uso sustentável dos recursos naturais da unidade. 

CARACTERISTICAS

BIOMA: Marinho Costeiro

ÁREA: 42.489,17 hectares

LOCALIZAÇÃO: município de Bragança, Pará

DIPLOMA LEGAL DE CRIAÇÃO: Dec s/nº de 20 de maio de 2005

Tipo: uso sustentável

Plano de manejo: A  UC tem Plano de Manejo desde 2012

CADERNO DE ANOTAÇÕES

Bragança, porta de entrada para a Resex Caeté Taperaçu

A base para se conhecer esta resex é Bragança, curiosa cidade no nordeste do Pará, às margens do rio Caeté, com cerca de cem mil habitantes. Ela foi fundada pelos franceses do lado direto do rio Caeté, em 1613. Mais tarde, já na mão de portugueses, foi transferida (1753) para o lado esquerdo, local onde está até hoje. A economia é movida pela pesca, pecuária, agricultura e extração de caranguejos. E a vegetação, composta por manguezais, campos aluviais e Amazônica.

Resex Caeté Taperaçu, imagem do Palácio Episcopal, Bragança
Palácio Episcopal, Bragança

Por ser antiga mantém alguns prédios históricos extremamente interessantes, como o Palácio Episcopal. Em estilo manuelino, deslumbrante. Foi lá que nos hospedamos para conhecer a Resex Caeté Taperaçu.

Resex Caeté Taperaçu

A resex, com 40 mil hectares, ocupa 20% do território de Bragança. Conheço o local desde que fiz a primeira série para a Cultura, em 2005 – 2007. Um dos 90 documentários deste projeto mostra o trajeto do veleiro Mar Sem Fim do Furo Mocooca até Bragança.

Navegando pelo rio Caeté

Sheyla da Silva Leão, chefe da UC que assumiu em Agosto de 2014, ainda não conhece totalmente a área. Ela designou dois funcionários para nos acompanhar, os simpáticos Caetano, e Maraca. Com eles navegamos pelo rio Caeté, em cujas margens ainda existe um belíssimo manguezal. E também rodamos pelas comunidades. São 52, sendo que apenas três ficam dentro da resex. As outras localizam-se no entorno da UC. Ao todos 4.544 famílias estão inscritas. Se considerarmos três pessoas por família, o que é muito pouco, são mais de 12 mil pessoas vivendo da extração. Muita gente para o muito pouco que o ICMBio investe em cada UC. O resultado?

Resex Caeté Taperaçu, imagem de guará em voo
Ainda se vê muitos guarás na região Norte

Dúvidas na Resex Caeté Taperaçu

Pela equipe mínima, falta de barco, enfim, os problemas de sempre das UCs marinhas federais, não se sabe  a quantidade de peixes ou caranguejos que a resex abriga. Sem estes dados fica impossível determinar qual a quantidade a ser retirada mensalmente sem que isso implique em ameaças ao “uso sustentável dos recursos da unidade”, como apregoa o ICMBio.

A velha improvisação de sempre

É aquela velha improvisação de sempre quando se trata do Governo Federal. Pior ainda quando o tema é meio ambiente. Dilma, a destrambelhada, não está sendo apenas a pior presidente que o país já teve desde a redemocratização. Para os ambientalistas ela foi pior que péssima.  Hoje todos sabem do estelionato eleitoral que ela aplicou na população quebrando o país para se reeleger. Agora, com a crise econômica, financeira e moral que estamos atravessando, fica difícil pensar em novas UCs. Ou mesmo mais verbas para as já existentes. O Brasil está a um passo de se afogar. Vai demorar muito, muito mesmo, para que mais verbas sejam destinadas, ou mesmo que não haja o tradicional “contingenciamento” àquelas destinadas ao Ministério do Meio Ambiente.

Bonifácio, comunidade de pescadores da Resex Caeté Taperaçu

Resex Caeté Taperaçu, imagem de porto de pescadores
Curicacas No Furo Manguari

Foi uma das primeiras que visitamos. Ali, no Furo do Manguari, ainda pude ver um sem- número de Curicacas, modelo de barco tradicional que consiste numa pequena canoa movida a vela. Felizmente, nos estados do Pará e Maranhão o desaparecimento de comunidades que usam barcos à vela ainda não aconteceu.

Resex Caeté Taperaçu, imagem de pescadores consertando rede
Pescadores tecendo rede em Bonifácio

No Furo do Manguari: venda das bexigas natatórias da pescada- amarela

No Furo do Manguari entrevistei o pescador José Odenilson. Ele confirmou a história da venda das bexigas natatórias da pescada- amarela, de que falei na postagem sobre a resex Mãe Grande de Curuçá. O mesmo fenômeno está acontecendo na comunidade de Bonifácio e, provavelmente, nas outras da resex também.

O quilo das bexigas natatórias varia entre 800 a mil reais

O quilo desta pequena porção que permite aos peixes irem ao fundo (quando a bexiga está vazia), ou virem à tona (quando ela se enche de ar) varia entre 800 a mil reais! E isto, insisto, no primeiro elo da cadeia produtiva: os pescadores artesanais. Depois deste, as bexigas ou “grude”, como os pescadores a chamam, passa por pelo menos mais dois ou três atravessadores.

Bexigas natatórias são exportadas: implacável caçada às pescadas- amarelas

O preço sobe subindo vertiginosamente a cada um. Até chegarem ao ponto de serem exportadas para a Ásia ou Europa. Nem posso imaginar quanto valha a bexiga para a exportação. Mas tenho quase certeza que vai acontecer à pescada- amarela o mesmo que vem acontecendo aos tubarões mundo afora: uma implacável caçada.

Resex Caeté Taperaçu, imagem de pescadores em porto
Odenilson preparando o espinhél

 Falta de fiscalização “do Ibama”

Odenilson, como não poderia deixar de ser, reclamou da falta de fiscalização “do Ibama” , como erroneamente eles chamam o ICMBio, e insistiu que,

se quiserem flagrar pescadores agindo de forma ilegal, é só virem até aqui, instalar uma base em Bonifácio, e não lá longe onde estão…

Várias formas de pesca irregular

Odenilson contou que, entre as várias formas de pesca irregular existe o arrasto no mar. Próximo da costa, que “impede os peixes de entrarem nos pequenos rios” onde eles (os artesanais) pescam. Ou o uso de varas, que empurram o peixe para dentro de redes, mas os afastam definitivamente dos locais onde costumavam ficar, é outra delas.

Ubiraci reclamou do arrasto próximo da costa

Também conversei com o pescador, líder em Bonifácio, Ubiraci, que reclamou do arrasto próximo da costa, e das reuniões do Conselho da resex, “onde só vale o que diz o chefe (da UC)…

Resex Caeté Taperaçu, imagem de Seu Ubiraci, líder pescador em Bonifácio
Seu Ubiraci, líder pescador em Bonifácio

Os tipos de pesca na Resex Caeté Taperaçu

Resex Caeté Taperaçu
Pesqueiro a motor com vela auxiliar no rio Caeté

São diversos. Vão da linha de mão ao espinhel, passando por vários tipos de redes e armadilhas.

Resex Caeté Taperaçu, imagem de armadilhas para bagre
Manzuás, armadilhas para pegar bagres

O mero, em extinção, é pescado livremente

Os pescadores não respeitam regras mínimas. Como não pescar espécies ameaçadas de extinção que estão na lista do Ibama. Um  dos casos é o do Mero (que está na lista de ameaçados de extinção), muito visado por ali. Para não serem flagrados, assim que os peixes são recolhidos ao convés, são filetados e vendidos no mercado de Bragança. Vendendo o pescado já em forma de filés, eles impedem a identificação pelos fiscais. O pessoal da resex que nos acompanhou acredita que, por dia, 30 quilos de Mero filetado é vendido em Bragança. O mesmo acontece com Pargo, que é pescado abaixo do tamanho mínimo e, da mesma forma, vendido filetado.

Praia de Ajurateua, na Resex Caeté Taperaçu

De Bonifácio seguimos para Ajurateua, hoje uma parte desta praia é ocupada por casinhas pobres de pescadores artesanais.

Resex Caeté Taperaçu, imagem de barcos de pesca
Pesqueiros artesanais em Bonifácio

Ajurateua é uma destas praias enormes, com água de cor marrom em razão dos rios que a cercam, nem tão bonita apesar que, do lado oposto onde moram os pescadores, ela serve como balneário para os moradores de Belém. É muito freqüentada nas férias e feriados. De interessante apenas o fato de que o mar comeu grande parte da praia onde havia dezenas de casas, em razão do corte do mangue. Ele serve como preleção contra o avanço do mar. Mexer com o mangue significa abrir a porteira para a natural erosão costeira.

Navegando no rio Caeté na Resex Caeté Taperaçu

Resex Caeté Taperaçu, imagem de pescador em canoa
Pescando com linha no rio Caeté

No segundo dia de nossa exploração mais uma vez saímos com o pessoal da resex que, usando uma voadeira aprendida de pescadores ilegais, nos levou rio Caeté acima, para conhecer as várias modalidades de pesca praticadas. O litoral do Pará, diz o estudo DESEMBARQUES DA PESCA DE PEQUENA ESCALA NO MUNICÍPIO DE BRAGANÇA – PA, BRASIL: ESFORÇO E PRODUÇÃO (vide Google),

é rico em ambientes estuarinos, em cujas margens dominam as florestas de mangue. Elas cobrem mais de 270.000 hectares, correspondendo a 19 % do total brasileiro. Nestes ambientes, a exportação de material orgânico em decomposição para as águas do mar mantém um constante fluxo de nutrientes, que são transportados pela dinâmica das maré . Por este motivo, estas regiões são consideradas muito produtivas, permitindo a estruturação de uma complexa teia alimentar e influenciando positivamente a atividade pesqueira . Os sistemas de produção artesanal destacam-se como de maior importância relativa na região norte, diferente do litoral sul do país, onde dominam as categorias de pesca consideradas industriais.

Sobre a diminuição do pescado, que tenho sentido desde que cheguei nas UCs do Pará, diz o mesmo estudo:

Com o incremento de projetos de extensão pesqueira e a facilidade de créditos, na década de 70, os moradores do litoral foram induzidos a se dedicar de forma integral na pesca. O aumento do número de pescadores e de barcos levou ao crescimento desordenado do esforço pesqueiro. Sem existir o devido controle para evitar futuros colapsos das pescarias (grifo meu), o que pode já ser previsto pelo decréscimo da produção de alguns dos estoques mais explorados (Isaac et al., 2006).

Mesmo assim não demorou mais que uma milha  para vermos os primeiros tipos. Jovens pescadores fechavam a boca de um tributário do Caeté com uma rede.

Resex Caeté Taperaçu, imagem de pescadores armando rede
Rio Caeté

Enquanto isso, mais acima, outros pescavam com redes no meio do rio. Mais um pouco e cruzamos com pescadores usando linhas de mão, finalmente, assistimos a despesa num Curral, como eles se referem aos cercos que temos em Cananéia, no litoral sul de São Paulo.

Resex Caeté Taperaçu, imagem de cerco no rio
Curral
Resex Caeté Taperaçu, imagem de pescador em canoa
Rio Caeté

Foi a segunda despesa de cerco que já assisti.

Resex Caeté Taperaçu, imagem de pescadores em canoa
Chegada do dono do curral

Dono do “Curral” não teve muita sorte

Desta vez o dono do “Curral” não teve muita sorte. Além de vários baiacus, havia três biguás (tipo de pato selvagem), que estavam dentro dele devorando o que podiam, e duas Pururucas (espécie de peixe da região) que foram dadas de presente ao pessoal que estava conosco. Mesmo assim foi interessante gravar as imagens. Este tipo de pesca é super engenhoso e interessante. Ninguém sabe quando, e como chegou ao Brasil, o fato é que já foi muito usado em todo o Lagamar Iguape- Cananéia- Paranaguá. Hoje seu uso é proibido no Paraná, mas ainda existem cercos em Cananéia e Iguape, assim como no Pará.

Resex Caeté Taperaçu, imagem de pescadores durante despesa do cerco
Caraca e o peixe pururuca, dado de presente
Resex Caeté Taperaçu, imagem de pescador no cerco
Custódio e o baiacu

O pescador nos contou que certa vez tirou 700 quilos de peixes de uma só vez. Na última boa pescaria havia 400 quilos de peixes no curral, vendidos por 1.600,00 reais. Nada mau pra quem vende um caranguejo por menos de 2,00 reais.

Estrutura da Resex Caeté Tateraçu, mais uma sem barco…

Resex Caeté Taperaçu, imagem de pescadores
Curicaca com vela armada

Abaixo da crítica, como sempre, apenas um analista ambiental, e um técnico ambiental, além da própria Sheyla. Como nas outras UCs federais marinhas, a resex Caeté Taperaçu não tem barco próprio. “Às vezes alugamos, mas é muito caro, quase sempre não temos verba, e isso dificulta muito a fiscalização.” Apesar da UC ter Plano de Manejo, Sheyla não consegue coloca-lo em prática “por falta de verba”. Quando você reclama para sua chefia, no ICMBio, o que acontece? ” Todas as UCs têm o mesmo problema, o pessoal de cima solta o pouco que tem de verba para as questões mais críticas, a gente nem sempre é atendido”.

 Divisão do Ibama por Marina Silva

Perguntei o que ela achou da divisão do Ibama, por Marina Silva, criando o ICMBio às pressas, sem planejamento, equipe, ou verbas.”Enfraqueceu os dois”, respondeu.

De acordo com Sheyla Leão, chefe da UC, a equipe ideal deveria ter no mínimo mais cinco analistas, além de duas lanchas capazes de sair mar afora.

Os maiores problemas da Resex Caeté Taperaçu

Resex Caeté Taperaçu, imagem de pescador no cerco
Custódio  salva o biguá que estava dentro do curral

Em primeiro lugar, a falta de pessoal e barcos. Em segundo a inexistência de verbas para por em prática o plano de manejo. Em terceiro, resolver a questão da Associação dos Usuários da Resex que “está com dois presidentes desde 2013″, diz Sheyla.”E isso é proibido. Houve um racha na época e elegeram dois presidentes, a questão hoje está na Justiça, com isso as coisas ficam meio paradas”.

Planos futuros da Resex Caeté Taperaçu

Por em prática o Plano de Manejo que prevê vários programas para a melhoria do uso sustentável. Além disso, o Plano de Manejo pretende fazer  estudos para melhorar a qualidade da venda do pescado e do caranguejo e, finalmente, iniciar um trabalho para que aconteça na resex o turismo de base comunitária.

SERVIÇOS

Não há restrições para a visitação das resex. Basta escolher um dos muitos hotéis ou Pousadas de Bragança, alugar um barco, e boa viagem! Mais informações sobre a UC: COORDENAÇÃO REGIONAL / VINCULAÇÃO: CR4 – Belém

ENDEREÇO / CIDADE / UF / CEP: Avenida Conselheiro Furtado, 1303 – Batista Campos – Belém/PA – CEP: 66035-350

TELEFONE: (91) 3241.2621 / 3224-5899

Conheça  a Reserva Marinha Jardines de la Reina, Cuba

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here