Professor polvo, um documentário imperdível

6
9808
views

Professor polvo, um documentário imperdível

Muita gente já  assistiu em filmes a interação entre mamíferos marinhos e seres humanos. Chega a ser bastante comum observar baleias ou golfinhos se aproximando de barcos, ou surfistas. Quem nunca navegou e viu golfinhos brincando nas marolas da proa do barco, por exemplo? Mas, e sobre a interação entre um mergulhador e um molusco? Eu, pelo menos, nunca tinha visto. Até que assisti Professor polvo, um documentário imperdível.

Imagem do filme professor polvo
Craig e seu ‘amigo’ molusco. Imagem, NetFlix.

Professor polvo, um documentário imperdível

Com exceção dos mamíferos marinhos que têm a característica de se aproximar de barcos ou mergulhadores, este tipo de encontro não é dos mais comuns.

Sabemos que às vezes acontece com tubarões-baleia, e também com as raias mantas. O Mar Sem Fim publicou um post sobre a interação entre uma raia manta e um mergulhador brasileiro no mar da Costa Rica, que viralizou na internet. Aconteceu com o  paulistano Thomaz Monteiro, quando ele mergulhava numa ilha ao largo daquele país.

As mantas também têm o costume de se aproximarem, curiosas, de mergulhadores. Com Thomaz o encontro foi especial. A raia manta estava enroscada numa rede e se aproximou como que pedindo ajuda para se livrar daquele entulho. Thomaz não só livrou o animal, como foi filmado ajudando a manta. O filme acabou viralizando nas redes sociais.

Agora, na Netflix, você pode assistir a um documentário excepcional, que mostra a ‘amizade’ entre um mergulhador e um polvo.

PUBLICIDADE

Primeira produção sul-africana da NetFlix

O cenário é de uma beleza fora do comum. Uma floresta de algas na África do Sul, em False Bay, uma enseada gelada próxima ao Cabo da Boa Esperança. Ali, numa pequena praia cresceu o mergulhador e cineasta Craig Foster. O documentário é narrado por Foster que conta sobre sua relação desde pequeno com aquele lugar.

Cena do filme professor polvo
Mais uma cena de Craig e seu amigo. Imagem, NetFlix.

Durante quase um ano Foster mergulha todos os dias em meio à vegetação submersa que é um dos ecossistemas marinhos mais importantes. Procurando as criaturas marinhas que habitam a floresta de algas, entre uma toca e outra, Craig Foster se encanta com um polvo comum e passa a segui-lo em centenas de mergulhos.

Assim como numa floresta em terra firme, embaixo d’água há uma luta constante entre predadores e suas presas, e as estratégias de cada espécie. No início, a curiosidade de Craig se volta às inúmeras táticas usadas pelos polvos capazes, entre outras, de se mimetizar mudando de cor e textura da pele para passar despercebido por seus predadores naturais.

Ou, quando descobertos e em fuga, os polvos lançam uma carga de tinta para despistarem seus oponentes. Com imagens espetaculares, o espectador parece que mergulha junto com Craig.

A cada novo mergulho, uma nova e surpreendente estratégia nos é mostrada. É difícil, tanto para Craig como para quem assiste, perceber onde exatamente está o animal, tal o arsenal de táticas que emprega, seja para caçar as suas presas, seja para não ser caçado. Então, aos poucos, acontece a conexão improvável entre o ser humano e o molusco.

O documentário não foi feito para ambientalistas ou especialistas, ao contrário. Ele foi pensado para atingir o leigo, e o faz de maneira magistral, com cenas belíssimas e grande dose de lirismo.

As críticas sobre Professor polvo

Em geral foram superlativas. Não há quem não se comova. A BizNews, em uma crítica, escreve que ‘ao longo do filme Foster rastreia os movimentos do polvo e, assim, transporta os espectadores para o mundo natural e o ponto de vista do polvo de uma forma raramente feita antes’.

O USA Today, em reportagem, diz que o documentário ‘traz um nível de consciência que poucos experimentaram antes dele para a vida do cefalópode’. E acrescenta que algumas celebridades juraram nunca mais comer polvo depois de assisti-lo.

O The Cut rotulou o documentário como ‘a história de amor de que precisamos agora’.

Ficha técnica de My Octopus Teacher

Em português o documentário recebeu o título de Professor polvo. Trata-se de uma produção original da NetFlix, lançada em setembro de 2020, dirigido por Pippa Ehrlich e James Reed, com duração de 85 minutos.

PUBLICIDADE

O documentário é narrado pelo protagonista, o cineasta Craig Foster, que descreve os efeitos deste encontro com uma criatura marinha da qual não esperava muito mais que conhecer seus hábitos, mas que acaba por lhe ensinar uma lição sobre a fragilidade da vida e a conexão da humanidade com a natureza.

A interação com o animal ajudou Foster a criar vínculos mais fortes com o filho pequeno a quem ensina a mergulhar. É um dos melhores documentários sobre a vida marinha que este escriba já viu. Vale a pena assistir.

Assista ao trailer e saiba mais

Imagem de abertura: NetFlix

Fonte: https://www.ecowatch.com/my-octopus-teacher-movie-2647785692.html?rebelltitem=4#rebelltitem4; https://www.usatoday.com/story/entertainment/movies/2020/09/22/my-octopus-teacher-netflix-documentary-unexpected-tearjerker/5860006002/.

Recifes de coral em alto-mar são descobertos

Comentários

6 COMENTÁRIOS

  1. O mergulhador/diretor/cinegrafista não sente frio!
    O ano inteiro mergulha lá na África do Sul só de sunga.
    Agora sério, não como polvo devido a Jacques Cousteau. Em uma de suas filmagens, há décadas atrás, ele nos mostrou o grau de empatia e inteligência que o cefalópode tem.

  2. Que maravilha ver a interação entre Pessoas Humanas e Pessoas NAO humanas, pois isso mesmo que os “outros animais” são. Tem inteligência, emoções, família, tudo como nos Pessoas Humanas. Sou vegana em respeito ao NÃO humanos, pois na minha concepção TODOS os seres tem o Direito a Vida. Realmente o convívio diário com esses e seres maravilhosos, traz uma outra visão da nossa própria vida e existência. Finalmente o Mundo volta seus olhos para outros seres, e já era sem tempo. Todos devemos por obrigação “Respeitar, Proteget e Amar” outras criaturas fora a nossa própria espécie…essa, quando e possível. Digo
    Isso, pois a cada dia nos afastamos mais do verdadeiro sentido da palavra HUMANIDADE. Assistam o documentário “HUMANOS”. Vale a pena ver.

  3. Vou assistir, com certeza. Há anos eu não como polvo porque assisti a um documentário antigo, produzido pelo Instituto Oceanográfico de Mônaco, em que um mergulhador interage com um polvo no tempo: o cefalópode é levado para o Instituto e cuidado pelo mergulhador cientista, depois é levado de volta ao mar dentro de uma latinha de suco V8. Depois de dois anos o mergulhador volta ao local, a latinha ainda está lá e o polvo sai para saudá-lo, estica seus tentáculos com delicadeza e abraça seu amigo cientista. Dois anos de memória, Uma beleza.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here