Primeira travessia do Atlântico de caiaque

0
1331
views

Em 1928  o Capitão Franz Romer partiu de Lisboa para a expedição considerada a primeira travessia do Atlântico de caiaque

Como conta o livro “Os Navegadores Solitários”, de Jean Merrien, ao partir para a primeira travessia do Atlântico de caiaque o capitão de origem alemã Franz Romer perseguia um objetivo científico e altruísta. Ele queria provar que era possível sobreviver. Lutar com o oceano e alcançar a terra em um barco minúsculo.

imagem da primeira travessia do atlântico em barco a remo feita por Franz Romer

O  Deutsches Sport, media 6 metros de comprimento

Seu caiaque Klepper , batizado Deutsches Sport, media 6 metros de comprimento, por 0,95m de largura. Tinha um calado de 0,25m, e para a primeira travessia do atlântico adaptou-o com uma vela quadrangular. Também instalou um comando de leme movido pelos pés. Dotou o barco de flutuadores cheios de ar, além de reservatórios de gás carbônico. Embora o prospecto de venda da embarcação informasse a carga máxima de 600 quilos,  partiu com pelo menos 680 quilos. Incluídos aí água doce, alimentação, velas de reserva e até um fogão.

Partiu de Portugal (Cabo de São Vicente) em 31 de março de 1928. Em 11 dias já havia atingido as Canárias, de onde se considerou a “verdadeira partida”

mapa mostra trajeto da primeira travessia do atlântico em barco a remo feita por Franz Romer

Já nessa primeira travessia pôde  pressentir o que lhe reservava a aventura: enfrentou o primeiro furacão e passou três dias e noites sem dormir.

Largou novamente em 03 de junho de 1928

Largou novamente em 03 de junho de 1928, em direção a Nova Iorque. Foram mais três meses de uma aventura árdua em sua minúscula embarcação. Ele velejava sentado, sem poder se mexer, sem  dobrar as pernas. E sequer podia satisfazer com normalidade as necessidades mais primárias do ser humano.

Para fazer sua comida, colocava o fogão entre as pernas. Até que um dia o objeto incendiou-se e, para não se deixar queima-lo vivo, lançou-o  na água.

Após 88 dias chegou à Ilha de Saint-Thomas

Após 88 dias de um sofrimento atroz, com o corpo roído pelo sal e úlceras dolorosas, o Capitão Romer chegou à Ilha de Saint-Thomas. Levado a um hotel, dormiu 48 horas ininterruptas. Depois foi hospitalizado por várias semanas.

Recuperado retoma sua viagem em direção a  Nova Iorque no princípio de Outubro, sem saber que uma tempestade atravessaria novamente o seu caminho.

Foi visto pela última vez no Cabo Hateras

 imagem da primeira travessia do atlântico em barco a remo feita por Franz Romer

Nenhum vestígio jamais foi encontrado. Apesar de não haver registro escrito de sua experiência, Franz Romer é considerado o primeiro navegador a fazer a travessia do Atlântico em um caiaque. Hoje até regatas de barcos a remo são feitas no hemisfério norte.

Recentemente o polonês Olek “Doba, de 67 anos, fez também essa travessia, pela segunda vez, sendo considerado o homem mais velho a cruzar o Atlântico com seu caiaque.

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here