Pesca de atum no mundo

0
318
views

Pesca de atum no mundo: O fim da linha

Pesca de atum no mundo; trailer de um documentário- the end of the line- que mexeu com as estruturas da indústria da pesca mundial ao denunciar o extermínio do atum azul. A prestigiosa revista inglesa The Economist, assim se referiu ao trabalho: “The Inconvenient Truth about the oceans“, fazendo um trocadilho com o nome do documentário de All Gore, ex- vice presidente dos USA.

Pesca de atum no mundo, imagem de barco atuneiro
pesca de atum no mundo. Uma beleza destas não devia ser pescada. (foto: folha.uol.com)

Documentário lançado em 2009

O documentário tem a assinatura de Rupert Murray, e foi lançado em 2009. Como fazemos parte da periferia do mundo, ele não foi exibido no Brasil apesar do sucesso que fez mundo afora.

A indecente pesca do Atum Azul

Neste trecho que está no you tube o foco central é a pesca do atum azul, peixe que está a beira da extinção e mesmo assim continua a ser pescado apesar do alerta de cientistas, pesquisadores, e ambientalistas.

Pesca de atum no mundo, imagem do mercado de peixes de Tokio
No mercado de Tóquio (foto: exame.abril.com)

Breve resumo do trailer

Para começar, a pesca do  atum azul é tão antiga que já alimentou legiões romanas em tempos idos. Outra característica é que o peixe é um dos mais rápidos do mundo, além de ter uma forma espetacular que permite que viva em regiões extremamente profundas. Através de marcações  já foi registrada a sua presença abaixo de 900 metros.

Atum azul, o escolhido para o suchi

Mas o atum azul não teve muita sorte. Foi escolhido pelos japoneses como a melhor carne para fazer sushi. Atualmente o país consome 80% de todo o atum azul pescado no planeta.

Pesca de atum no mundo
É hora de mudarmos de hábitos, temos um decifit a reparar.

Ministros europeus se reúnem anualmente para decidir cota de pesca

O documentário mostra cenas de uma reunião dos ministros da Europa, em Luxemburgo, o EU Fisheries meeting, quando foram decidir pelas cotas anuais. A pesca do atum azul é supostamente controlada através de cotas anuais para cada país, decididas neste encontro.

Cotas acima do recomendável contribuem para o extermínio

O filme mostra que os cientistas sugeriram uma cota de 15 mil toneladas/ano para evitar o colapso definitivo da espécie. Para que as populações de atum voltassem a crescer, seria preciso abaixar este número para 10 mil toneladas/ano. Mesmo assim os ministros europeus decidiram por cotas de 29.5 mil toneladas/ano.

Pesca de atum no mundo
O mapa do atum nos oceanos. (ilustração: larousse gastronomique)

Quem ganha e quem perde com o extermínio do atum azul

O que estaria por trás deste número? O medo do desemprego, e o interesse de grandes empresas. O filme mostra que a ilha de Malta é o centro da pesca no Mediterrâneo. O produtor informa que em vez de ficar nas 29.5 mil toneladas, a indústria usa aviões para encontrar os cardumes, o que é “proibido” em determinadas épocas do ano, especialmente quando o peixe esta na fase de acasalamento, e captura ao redor de 61 mil toneladas/ano.

Mitsubishi quer dominar o mercado

Pesca de atum no mundo, imagem de cardume de atuns
pesca de atum no mundo. foto: wwf.org

A maior empresa envolvida com o atum é a nossa conhecida Mitsubishi. No Brasil, relacionamos a empresa com automóveis,  mas produzir carros é apenas um dos muitos braços da gigante japonesa. No caso do atum ela não atua na pesca, mas na compra do pescado mundo afora. O filme diz que a Mitsubishi, que anualmente compra 60% de toda a produção do Atlântico e do Mediterrâneo, quer o dominar o mercado de venda do produto. No tradicional mercado de Tsukiji, um único atum azul já foi vendido por mais de 1,5 milhão de dólares. Já a revista The Economist sugere que a empresa congela os peixes a menos de 60 graus celsus, esperando vende-lo por preços astronômicos quando for considerado extinto para a pesca. Parece filme de ficção, mas não é. The Economist é uma das mais respeitadas revistas do mundo.

O que você pode fazer sobre isso?

A única força capaz de segurar a extinção do atum azul é a ‘força do mercado’, ou seja, uma ação coordenada dos consumidores boicotando o sushi feito de atum azul. É praticamente impossível fiscalizar a pesca em todos os oceanos, portanto, o único modo seria os consumidores mudarem seus hábitos. É difícil, sabemos disso, mas não há outra solução.

Pesca de atum no mundo, imagem do mercado de peixes de tokio
pesca de atum no mundo, Quem dá mais? (foto: wwf.org)

“Sua alteza real não se senta numa mesa onde serve-se atum”

No ano passado o Príncipe Albert esteve em São Paulo para um evento de caridade. Fazia parte do programa um jantar. Dias antes do repasto, o cerimonial de Mônaco foi checar as condições. Sei da história porque conheço intimamente a profissional que organizou a festa. Foi ela quem me contou. Ao saberem que constava do cardápio  uma entrada de atum o pessoal foi curto e grosso: “sua alteza real não se senta numa mesa onde serve-se atum”. Foi uma correria danada, mas tiveram que mudar o menu.

pesca de atum no mundo
pesca de atum no mundo. Os portugueses lutam para manter vivos ao atuns azuis. (ilustração: pt.dayshare.com)

Fica a história para servir de inspiração. Outra pessoa que aboliu, todo e qualquer alimento vindo do mar, é a cientista Sylvia Earle, minha autora de cabeceira, com seu espetacular livro The World is Blue. Numa reação quixotesca, Sylvia, que sabe dos problemas da sobrepesa, decidiu pela atitude radical. Que estes exemplos inspirem você.

Alto- mar está sendo saqueado, saiba como acontece

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here