Parque Nacional do Iguaçu em perigo, jihad ataca

8
8882
views

Parque Nacional do Iguaçu em perigo: o ‘ministro’, em sua jihad contra o meio ambiente, é a nova ameaça

O Parque Nacional do Iguaçu é uma unidade de conservação do Paraná desde 1939. E é um sucesso. Foi o primeiro a operar em regime de concessão a partir de 1998. A geração de renda e empregos foi tamanha que mudou a economia do município de mesmo nome. Segundo o site do ICMBio, em página que o ‘ministro’ ainda não tirou do ar como vem fazendo desde que assumiu sua jihad contra a conservação, ‘em fevereiro de 2020, 155.771 pessoas passaram pela atração, 15% a mais do que as 134.474 que passaram pela unidade de conservação no mesmo mês em 2019’. Por ano são cerca de 2 milhões de visitantes. Parque Nacional do Iguaçu em perigo, jihad ataca.

imagem do parque nacional do Iguaçu
Imagem, www.comboiguassu.com.br/.

Parque Nacional do Iguaçu reconhecido como Patrimônio Mundial, em perigo, jihad ataca

O Parque Nacional do Iguaçu,  considerado Patrimônio Natural da Humanidade pela Unesco e uma das Novas Sete Maravilhas da Natureza, sofre ameaças faz tempo. Mas ativistas, ambientalistas e outros, sempre conseguiram evitar o estrago. Agora, com o ‘ministro’ em plena jihad contra a conservação, temos dúvidas.

Como confirma o site do ICMBio, ‘as atividades relacionadas ao turismo correspondem a mais de 50% da arrecadação de Foz do Iguaçu (PR) e quase 30% da economia da cidade está relacionada à visitação do parque, responsável por mil empregos diretos e cerca de 15 mil indiretos’.

É este sucesso que querem acabar.

Entre seus tesouros figuram cerca de  400 espécies de aves, 158 espécies de mamíferos, 175 espécies de peixes, mais de duas mil espécies de plantas e mais de 750 espécies de borboletas. Entre as riquezas vegetais, vale destacar os palmitais (palmeira Jussara) que ainda resistem em seu interior, além das perobas que podem chegar aos 20 ou 30 metros de altura. Algo hoje extremamente raro em Pindorama.

PUBLICIDADE

Mas, No meio do caminho tinha uma pedra / tinha uma pedra no meio do caminho / tinha uma pedra / no meio do caminho tinha uma pedra (Carlos Drummond de Andrade).

A pedra no meio do caminho é a Estrada do Colono

Há muitos anos esta estrada, que corta o parque onde vivem espécies ameaçadas como a onça-pintada entre muitas outras, é a grande ameaça. Ela foi aberta em 1950, batizada como BR-495, e seu fechamento foi determinado pela Justiça em 1986. Sua reabertura é defendida por prefeitos e alguns moradores do sudoeste do Paraná, segundo a Folha de S. Paulo.

infográfico mostra a estrada do Colono
A polêmica estrada do Colono. Ilustração, Folha de S. Paulo.

Para os defensores de sua reabertura, a estrada facilitaria o tráfego de veículos de passeio e o escoamento da produção da agricultura local. Segundo a Folha, ‘o trajeto de 100 km por dentro do parque ligava os municípios de Serranópolis a Capanema. Hoje a distância pelas rodovias que contornam a área protegida é de 179 km’.

A abertura de estradas na Amazônia, nos anos 70 da década passada, são a demonstração mais eloquente do que pode acontecer. Elas fizeram a festa  dos desmatadores que puderam entrar na floresta com suas máquinas pesadas e serras elétricas. O resultado já é conhecido. Quase 25% da Amazônia foi desmatada, e cerca de outros 20% estão já bastante degradados.

É esta ameaça que assusta ambientalistas. A área do parque é o que restou da pujante mata atlântica do interior do Paraná. De acordo com a Folha de S. Paulo, ‘juntos, os parques nacionais do Iguaçu, no Brasil, e do Iguazu, na Argentina, somam 600 mil hectares e formam a maior área protegida contínua do centro-sul do continente’.

Esta riqueza que está em jogo mais uma vez apesar de manifestações contrárias do Ministério Público Federal, seguida pelo Ministério Público do Paraná que alertou por sua inconstitucionalidade, e que também publicou uma Nota Técnica, condenando os Projetos de Lei sobre a reabertura.

Nem por isso a gangue do ‘ministro’ desiste. É muita petulância, ignorância, e má fé.

Os rendimentos de um parque nacional ainda íntegro

Além das informações acima, um estudo foi feito em 2017 pela Universidade federal do Rio de Janeiro, UFRJ. Segundo a Folha, ‘o cálculo apontou que a visitação ao parque gera uma economia anual de R$ 46 milhões’.

A Folha diz que ‘a possível abertura da estrada preocupa a Unesco – Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, que reconhece as cataratas do Iguaçu como um dos patrimônios naturais da humanidade. Entre 1999 e 2001, a reabertura ilegal da estrada do Colono levou à classificação das Cataratas como ‘patrimônio em perigo’.

Só isso já deveria ser suficiente para justificar os 79 km a mais que sua reabertura economizaria. O que são 79 km diante da exuberância e biodiversidade da  ‘maior área protegida contínua do centro-sul do continente’?

Mata Atlântica é prioridade em tempos de aquecimento global

FSP: ‘Em 2014, um relatório da Unesco voltou a expressar preocupação com a possível reabertura da estrada e lembrou que “a conservação da biodiversidade na mata atlântica é uma prioridade global e razão principal para a inclusão da região na lista de patrimônios da humanidade, para além das impressionantes cataratas.”

imagem de mata atlântica
A ‘reprodução do inferno’, tétrica aliança entre o ‘ministro’ jihadista, governador Ratinho Jr. (PSD) e o deputado Nelsi Coguetto Maria (PSD-PR), vulgo ‘Vermelho’.

Troca de chefia do Parque Nacional

Esta é a nova ameaça do ‘ministro’. Ele já fez inúmeras trocas semelhantes, sempre tirando um especialista para em seu lugar colocar algum policial ou militar. O site O Eco, em matéria de Duda Menegassi de novembro de 2020, diz que uma nova troca de chefias viria ‘direto do gabinete do ‘ministro’ em aliança com o deputado federal Nelsi Coguetto Maria (PSD-PR), mais conhecido como ‘Vermelho’.

E acrescenta, ‘a queda do atual chefe, Ivan Baptiston, servidor que está à frente do parque há mais de cinco anos é especulada desde 2019 e alvo de pressão do parlamentar’.

PUBLICIDADE

Diz o site O ECO, ‘o nome mais cotado nos bastidores é o de Ana Solange Biesek, servidora da prefeitura de Foz do Iguaçu e supostamente apadrinhada pelo deputado’.

E prossegue: ‘A possível nomeação tem outra nuance, já que Biesek é ex-mulher do atual diretor da Cataratas S.A., principal concessionária do parque’.

Justiça já se pronunciou sobre a estrada: não!

Como dissemos, faz muitos anos que políticos da região insistem em reabrir a estrada. A questão foi judicializada e chegou ao STF que negou recurso para tanto a questão é definitiva, não cabe mais recurso.

Por este motivo o deputado “Vermelho” entrou com o Projeto de Lei para criação da esdrúxula figura de ‘estrada parque’. Há dois projetos em trânsito, um na Câmara, outro no Senado.

Os riscos para a última floresta de mata atlântica do interior

Ambientalistas e ativistas estão preocupados com vários aspectos negativos da possível reabertura. Um deles é a caça, outro o fogo, um terceiro, o desmatamento.

Atualmente é difícil chegar ao interior do parque que, até agora, é bem protegido e tem gestão elogiada. Já a Polícia Federal do Paraná também é contrária em razão do contrabando tão comum em regiões de fronteira. A estrada, se reaberta, seria usada na rota dos contrabandistas.

Mas “Vermelho”, como é conhecido, que também é empreiteiro e dono de uma usina de asfalto, continua a insistir. Ele promete ‘rasgar’ o interior do parque sempre que tem palanque. Ainda assim há políticos contrários. Um deles é o senador Fabiano Contarato (REDE), atual presidente da Comissão de Meio Ambiente, e também o deputado Goura (PDT) que concorreu e perdeu a prefeitura de Curitiba. É um bom começo.

Mas “Vermelho” se aliou ao governador do Estado, o sr. Ratinho.

Governador do Paraná se alia ao ‘Vermelho’, a ‘reprodução do inferno’

Ratinho Jr. (PSD) aliou-se ao ‘Vermelho’, a ‘reprodução do inferno’, nas palavras do ambientalista e ‘senhor mata atlântica‘, Mário Mantovani, diretor de Políticas Públicas da mais notável ONG do País, a SOS Mata Atlântica, com quem conversamos.

PUBLICIDADE

Mário contou que quando o ‘ministro’ esteve recentemente em Iguaçu, provavelmente pela primeira vez como demonstra seu notório desinteresse e abissal ignorância sobre o tema, a reprodução do inferno ou o ‘Vermelho’, aliou-se ao governador Ratinho Jr.

Ambos têm interesses escusos. Querem grana. Querem mudar a gestão atual do Parque para algum apadrinhado sob alegação de que parte da área pertence ao Paraná por uma Lei Estadual perdida no tempo;  e transferir  recursos hoje arrecadados, que vão direto para ICMBio, para o caixa do Governo Estado.

Foi o que sugeriu Mantovani. “Parte do recursos da visitação passariam para o Estado assim, para além da permanente chantagem da reabertura da  Estrada, esculacham de vez a gestão do nosso mais importante Parque Nacional.”

O exemplo vem de cima

E por que não esculachar de vez com o Parque Nacional do Iguaçu, se a Amazônia, o Pantanal, o bioma marinho, e a legislação ambiental já foram estuprados pelo jihadista de Bolsonaro no Meio Ambiente?

A questão da estrada do Colono ‘sempre haverá’, diz Mário Mantovani, ‘e com o ‘ministro’ e o desgoverno atual sempre é possível passar parte da gestão para o Estado’.

O Mar Sem Fim continuará de olho vivo nesta nova e desnecessária polêmica. E a cada passo dado em direção ao abismo em que querem nos enfiar, um grito de alerta partirá deste site.

Imagem de abertura: www.comboiguassu.com.br/

Fontes: https://www.oeco.org.br/reportagens/pressao-politica-pode-resultar-em-troca-de-chefia-no-parque-nacional-do-iguacu/?utm_campaign=shareaholic&utm_medium=facebook&utm_source=socialnetwork&fbclid=IwAR2ZxQ7kIzUCS0cD64q7b9wICmxR0u_uHc6hdXHvrVUcKuSQXWRNtyyxOAg; https://www1.folha.uol.com.br/ambiente/2019/04/parlamentares-querem-estrada-parque-em-area-com-bichos-ameacados-no-iguacu.shtml.

Albatrozes têm bicos cortados por pescadores do Espírito Santo

Comentários

8 COMENTÁRIOS

  1. Rato, ratinho, ratao todos vieram do mesmo buraco , o da ignorancia e da corrupçao, Silvio Santos o criador de ratos virtuais deu visibilidade ao que deveria ser contido, como todo judeu se acha precursor da verdade e se atribuem enviados de Deus com ordem para cuidar das riquezas do mundo……….ate quando?

  2. O Ratinho JR comanda o desmatamento no Paraná. Estão em andamento vários projetos destruidores. 1. Estrada no litoral, para favorecer porto privado, que vai destruir mangues protegidos pela constituição. 2. Seu secretário de meio ambiente já se manifestou interesse em acabar com a restinga colocando grama e calçada no lugar, pois acha que restinga é mato apenas. 3. Milhares de araucárias, espécie em extinção e símbolo do estado, estão vindo abaixo para passagem de torres de transmissão de energia elétrica. 4. E agora a retomada da Estrada do Colono, outro crime ambiental. Socorro! Enquanto Bolsonaro destrói em nível federal, Ratinho Jr destrói em nível estadual. Socorro, Ministério Público!

  3. Que absurda essa situação! A estrada está fechada desde a década de 1980, a mata já se recompôs. Não existe mais estrada. O Parque é uma das poucas áreas preservadas do oeste do Paraná, é o segundo Parque brasileiro em número de visitação e procurado por turistas do mundo inteiro. Esse péssimo governo quer abrir uma estrada atravessando o Parque, o que vai aumentar a perturbação ao ecossistema, atropelamentos de animais, vai facilitar o contrabando e a entrada ilegal na mata. Vai sobrar alguma coisa em pé até 2022?

  4. Bom dia a todos!
    União , divulgação e ações conjuntas sociedade, justiça e países vizinhos igualmente “donos” do parque nacional do Iguaçu, tem que ser iniciadas e construidas rapidamente para criar a certeza da nao agressão ao parque.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here