Óleo no litoral, o destino dos resíduos retirados das praias

0
1199
views

Óleo no litoral, o destino dos resíduos retirados das praias 

O óleo cru que desde o final de agosto de 2019 passou atingir o litoral brasileiro, sem que ainda se saiba a origem e os responsáveis, já poluiu 980 localidades. Até 20 de dezembro, eram 129 cidades afetadas de 11 estados brasileiros. Números grandiosos e que crescem dia a dia, com a chegada do óleo ao Rio de Janeiro. Esse óleo já matou 112 animais, a maioria tartarugas marinhas e aves. Está causando um prejuízo incalculável a estuários, manguezais, recifes de corais, entre outros ecossistemas berçários da cadeia alimentar marítima. Além dos prejuízos econômicos para quem sobrevive da pesca e do turismo. Mas o que tem sido feito com os resíduos retirados das praias? Quem é o responsável por administrar esse lixo e recuperar o óleo, que pode servir como combustível, se tratado adequadamente?

imagem de óleo no litoral
Imagem, Governo de Sergipe.

Mais de 4.700 toneladas de resíduos de óleo no litoral

Afinal, já são mais de 4.700 toneladas de resíduos retirados de óleo no litoral. A questão é que, sem descarte adequado, os prejuízos ambientais podem ser ainda maiores. Nesse total, têm muito óleo e areia. Mas também equipamentos de proteção pessoal utilizados na limpeza das praias. E ainda lonas e até pedras, entre outros tipos de lixo gerado pelo derramamento. É o que diz o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama). Esses resíduos podem contaminar ainda mais o meio ambiente, sem uma destinação correta. Segundo nota do Ibama, a gestão de resíduos sólidos é de responsabilidade de municípios.

Cidades são responsáveis pelo descarte

Em outras palavras, as cidades são as responsáveis pelo descarte ou reaproveitamento desse óleo no litoral. Mas, observa o Ibama, “sem prejuízo das competências de controle e fiscalização dos órgãos federais e estaduais…, bem como da responsabilidade do gerador pelo gerenciamento de resíduos”. Gerador que ninguém ainda sabe quem é. O Ibama, informa a nota, tem realizado vistoria nos locais de armazenamento provisório. O órgão vinculado ao Ministério do Meio Ambiente (MMA), entretanto, não soube informar quanto do total apenas de óleo foi recuperado para outros usos.

Resíduos de óleo no litoral, sem dados consolidadas

“O Grupo de Acompanhamento e Avaliação (GAA) requer regularmente via ofício das secretarias estaduais informações sobre quantidade, armazenamento e destinação final dos resíduos. Devido às informações incompletas enviadas pelos estados, o Ibama ainda não consolidou todos os dados”, afirma a nota. Os resíduos que estão sob gestão do Ibama e da Marinha serão encaminhados a aterros de classe 1, diz. São aterros preparados próprios para resíduos perigosos, com alto potencial de inflamabilidade, toxicidade e corrosividade. O envio dos resíduos para esses aterros é também uma das orientações do Ibama para gestores públicos municipais e estaduais.

Cimenteiras, destinação adequada para os resíduos

“No momento, o GAA está fazendo um trabalho de interlocução direta com os estados afetados, articulações com o Sindicato Nacional das Indústrias de Cimento (SNIC) e com a Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP) para, oportunamente, realizar a destinação final ambientalmente adequada. Entre outros pontos, o objetivo desses diálogos é tentar reaproveitar o material recolhido. Governos estaduais e prefeituras têm autonomia para optar por outras modalidades de destinação ambientalmente adequadas”, afirma o Ibama. O instituto avalia ainda outras maneiras de reaproveitamento do óleo.

Resíduos oleados, combustível para as cimenteiras

Na indústria cimenteira, esse óleo já está virando combustível. A iniciativa partiu, primeiro, das próprias fabricantes de cimento do País, com unidades produtivas no Nordeste. Daniel Mattos, responsável pelo núcleo técnico de coprocessamento da ABCP, diz que a entidade ofereceu ajuda ao MMA, Ibama, Marinha e aos estados logo no início do derramamento e tem acompanhado as reuniões do GAA. “Diante desse desastre ambiental, a indústria quer contribuir porque pode coprocessar esse óleo”, afirma Mattos.

2.000 toneladas de óleo coprocessadas

A expectativa da ABCP é coprocessar ao menos 2.000 toneladas do óleo retirado das praias. Embora, tenha capacidade para coprocessar muito mais, se necessário. Cerca de 30% do total estimado já foi coprocessado, contabiliza o executivo. “O coprocessamento é uma tecnologia pouco divulgada, mas já existe há mais de 30 anos”, diz Mattos, ao explicar como funciona. Na prática, é utilizar resíduos que seriam descartados em aterros para alimentar os fornos das empresas na produção do cimento. Eles substituem o coque, derivado de petróleo, nessa tarefa.

Vantagens do coprocessamento

O coprocessamento traz uma série de vantagens. A economia de recursos naturais não renováveis, no caso o coque, é uma das principais. Hoje, observa Mattos, os resíduos já substituem 17% do total de combustível primário utilizado nos fornos. Percentual que subirá para 35%, em 2030, e 55%, em 2050. É o que planeja a indústria cimenteira brasileira para atender às metas do Acordo de Paris, de manutenção da temperatura abaixo de 2°C, ante os níveis pré-industriais.

25% do lixo pode ser coprocessado  

Outra vantagem é o bom aproveitamento de lixo, impedindo que chegue a aterros ou desafogando os existentes. “Quase tudo que não é reciclável e orgânico pode ser coprocessado.” Ou seja, ele diz, 25% do total de lixo pode servir a essa finalidade.  Um exemplo é pneu, que descartado a céu aberto vira criatório para mosquitos que transmitem doenças, como a dengue. Em 2017, o setor coprocessou 300 mil toneladas de pneus, metade do que é descartado por ano no Brasil. Naquele mesmo ano, coprocessou 1,15 milhão de toneladas de resíduos diversos.

Coprocessamento, redução de emissão de CO2

“Com esse lixo, as indústrias geram energia e reduzem o passivo dos aterros sanitários.” Importante também é a redução das emissões de gases de efeito estufa, que estão causando a crise climática. Conforme Mattos, em torno de 13% das metas de redução de CO2 do setor estão relacionadas ao coprocessamento. A indústria de cimento tem 64 unidades integradas no Brasil. Dessas, 38 são autorizadas pelos órgãos ambientais a coprocessar resíduos. Das sete fábricas de cimento no Nordeste, cinco já estão recebendo óleo retirado das praias.

Solução da UFBA, transformar o óleo no litoral em carvão

Outra solução para os resíduos oleados retirados das praias vem do Instituto de Química da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Ela é baseada em uma tecnologia inovadora desenvolvida na própria UFBA. Utiliza aditivos, como bioaceleradores e biofinalizadores, não agressivos ao meio ambiente. Eles degradam os resíduos e os transformam em uma espécie de carvão. Zênis Novais, professora de Química Inorgânica da UFBA, explica a receita: a massa oleada é misturada com pó de serragem e solvente, feito de acetona e etanol.

UFBA degrada resíduos em uma hora

Mais fluida, a massa é transferida para uma betoneira, onde são aplicados os aditivos. Em uma hora, os resíduos são degradados e transformados em carvão. “E sem o cheiro forte do óleo. Uma das possíveis aplicações é como carga para massa asfáltica. Pode deixá-la mais resistente. A outra é usar como combustível alternativo, inclusive nos próprios fornos das cimenteiras. É mais fácil de armazenar e transportar. É mais seguro ambientalmente e pode ficar em local aberto porque não é dissolvido pela água.”

UFBA, tecnologia inovadora de compostagem

Originalmente, a tecnologia da UFBA foi desenvolvida para compostagem. Ela consegue degradar em também uma hora resíduos orgânicos, como cascas de coco verde e restos de alimentos, incluindo carnes e gorduras.  E transforma tudo em fertilizante orgânico. “Esses químicos fazem o mesmo papel das enzimas, mas muito mais rápido. Reduzimos de cerca de 135 dias para 15 o processo total de compostagem, atendendo a todas as normas para essa prática. Em três anos, já produzimos 35 toneladas de fertilizantes, que distribuímos gratuitamente para programas de hortas em escolas públicas, projetos da própria UFBA e também para hortas de presídios”, ressalta a professora Zênis Novais.

Imagem de abertura: CARLOS EZEQUIEL VANNONI/AGÊNCIA PIXEL PRESS / Estadão

Fontes: https://www.ibama.gov.br/manchasdeoleo; https://www.ibama.gov.br/phocadownload/emergenciasambientais/2019/manchasdeoleo/2019-11-26_LOCALIDADES_AFETADAS.pdf; https://www.ibama.gov.br/phocadownload/emergenciasambientais/2019/manchasdeoleo/2019-11-26-ibama-manchasdeoleo-boletim-fauna.pdf; https://www.marinha.mil.br/manchasdeoleo.

Peixes pênis desenterrados em praias após tempestade

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here