Naufrágio histórico em Abrolhos, adivinhe com quem?

8
3452
views

Naufrágio histórico em Abrolhos, adivinhe com qual personagem  do Brasil (…’via-se a morte deante dos olhos’…) ?

Origem do nome Abrolhos, e os muitos naufrágios

A primeira vez que estive em Abrolhos (1986)  alguém disse que o nome viria dos perigos que os recifes oferecem à navegação. Diz a tradição, que os nautas lusos alertavam “Abra os Olhos!”, aos que navegavam aquelas bandas. No tempo das caravelas (embarcações a quem tanto devemos), não foram poucos os naufrágios. Pouco depois descobri que o vocábulo é definido pelos dicionários como, “substantivo masculino, formações rochosas situadas à superfície da água.” Um dos mais famosos naufrágios aconteceu com o “Apóstolo do Brasil”, o Padre Anchieta. No livro “ José de Anchieta – Cartas Informações Fragmentos Históricos e Sermões (Ed. Universidade de São Paulo) o sacerdote conta a saga. Ele viajava em companhia de outros padres, de Salvador para São Vicente, em duas naus. Hoje vamos conhecer este naufrágio histórico em Abrolhos.

quadro de Benedito calixto mostrando Nóbrega e Anchieta
Os inseparáveis Nóbrega e Anchieta, evangelizando os nativos, na visão do pintor Benedito Calixto.

Carta ao padre Geral, de São Vicente, ao último de Maio de 1560

desenho de São Vicente em 1560
Naufrágio histórico em Abrolhos. São Vicente não passava duma aldeia nos tempos de Anchieta.

Foi deste esplêndido documento que resumimos a história que vem a seguir. Logo na primeira linha surgem evidentes sinas da brutal curiosidade que a descoberta da nova terra provocava na Europa renascentista.

imagem de pintura de Rugendas mostrando o sertão do Brasil
Ainda no inicio do século 19, nossa exuberante fauna, e os habitantes originais, fascinavam os naturalistas. Desenho de Rugendas (1802 – 1858).

Anchieta inicia o texto quase pedindo desculpas (ao padre Geral) por ser econômico nos detalhes do dia a dia. “Pelas tuas cartas, que há pouco nos chegaram às mãos, vimos, Reverendo Padre, que desejas que escrevemos acercas do que suceder conosco que seja digno de admiração, ou desconhecido nesta parte do mundo.” E humilde, aceita o desafio: “Conformando-me com tão salutar mandato, cumprirei diligentemente, quando me for possível, a prescrita obrigação.” Sorte nossa…

desenho de Rugendas focaliza a mata brasileira
Rugendas pode registrar a beleza da flora e fauna, ainda no século 19.

Cenas do dia a dia nas cartas do Apóstolo do Brasil

“…então, há não só enchentes de rios, como grandes inundações dos campos; nessas ocasiões, uma imensa multidão de peixes, que saem da água para pôr ovos, deixam-se apanhar sem muito trabalho entre as ervas, e compensam por algum tempo o dano causado pela fome que a trouxera a subversão dos rios. A isto chamam os Índios de piracema.

Desenho da mata brasileira por Rugendas
A notar, o tamanho da árvore desenhada no século 19 por Rugendas. Ainda havia delas aos borbotões. Não há mais…

Hoje, fica cada dia mais raro termos um rio de grande porte que ainda conserve o indispensável (para vida marinha) fenômeno da piracema. A vasta maioria dos nossos corpos d’água foi estuprado pelas barragens para geração de energia; ou assoreados e poluídos. O melhor exemplo deste flagelo é o São Francisco, um dos maiores do Brasil, o ‘rio da integração nacional’ agoniza, muito em razão de suas cinco barragens para geração de energia (15% por cento da energia gerada no País).

desenho de josé de anchietano escrevendo poemas na praia
Naufrágio histórico em Abrolhos. Escrevendo o Poema a la Virgem nas areias de Iperoig, região de Ubatuba, SP.

Descrições das coisas do litoral do Brasil quinhentista

Se você quer ter ideia do quão espetacular, do ponto de vista da biodiversidade e paisagem, era o nosso litoral, as cartas de Anchieta são um prato cheio. Vejamos como ele descreve um peixe descomunal.

Há um certo peixe a que chamamos boi marinho, os índios o denominam iguaraguá, frequentemente na Capitania do Espírito Santo e em outras localidades para o Norte, onde o frio não é tão rigoroso. É este peixe de tamanho imenso; alimenta-se de ervas. Excede ao boi na corpulência; é coberto de uma pele dura, assemelhando-se à cor do elefante.

imagem de peixe boi se alimentando
Nosso Apóstolo descrevia um peixe- boi, há muito extinto do litoral do Espírito Santo.

Tem junto aos peitos uns como dois braços, com que nada, e embaixo deles tetas com que aleita os próprios filhos. Tem a boca inteiramente semelhante à do boi. É excelente para comer-se, não saberias porém discernir se deve ser considerado como carne ou peixe. Da sua gordura levada ao fogo faz-se um molho que pode bem comparar-se à manteiga, e não sei se a excederá.

imagem de dois peixes boi no rio
O enorme corpanzil chamou a atenção de Anchieta.

A chegada em Abrolhos

“Tendo eu e quatro irmãos saído da cidade do Salvador depois de fazermos 240 milhas por um mar tranquilo á feição do vento chegámos a uns bancos de areia que, estendendo-se para o mar na distância de 90 milhas. Eles se parecem  com uma muralha em linha réta tornam difícil a navegação

Sondando a profundidade

A í deitando a sonda a cada passo gastamos todo o dia. Fundeada a embarcação, pelo meio de estreitos canais entrincheirados por montes de areia, por onde se costumava navegar. No dia seguinte, porém, reunidos felizmente todos à tarde, os marinheiros julgando-se já livres de perigo. Tranquilizaram-se e não pensaram mais nele quando de repente o leme salta fora dos eixos e encalha o navio; sobrevem ao mesmo tempo uma repentina tempestade de vento e aguaceiros, que nos atira para apertados estreitos. O navio era arrastado sulcando areias e, por causa dos frequentes solavancos, temíamos que se fizesse todo em pedaços.”

imagem de caravela do século 16
Naufrágio histórico em Abrolhos. Se estivesse bem embarcado, Anchieta estaria numa caravela como esta. Mas provavelmente ele navegava em embarcação ainda mais tosca. Caravelas como esta, na mão dos ‘nautas’ dobravam o Boa Esperança em direção às Índias.

Naufrágio histórico em Abrolhos: “Está tudo acabado, gritaram todos…”

“…ninguém podia conservar-se a pé firme, mas andando de gatinhas e para dizer corriam uns pelo tombadilho. Outros cortavam os mastros, aqueloutros preparavam as cordas e amarras. Começamos todos a tremer e a sentir veemente terror: via-se a morte deante dos olhos. Toda a esperança de salvação estava posta em uma corda e, quebrada esta, a nave ia inevitavelmente despedaçar-se nos baixios que a cercavam pela popa e pelos lados. Corre-se á confissão: já não vinha cada um por sua vez, mas dois a dois e o mais depressa que cada qual podia. Em uma palavra, fôra fastidioso contar tudo que se passou: rompe-se a amarra:”Está tudo acabado”! Gritaram todos…”

Todavia…

Todavia, no meio de tudo, isso não deixávamos de confiar em toda a fé em Deus, se bem que cada um contasse com certeza de morrer ali…Entretanto, não nos servido de velas nem de auxílio algum humano. Éramos levados sãos e salvos pelo meio dos escolhos, para onde a corrente nos arrebatava, e esperando a todo momento que se despedaçasse a embarcação.

‘Expostos à chuva, flagelados por tremenda tempestade, vendo a morte a cada instante…’

Expostos à chuva, flagelados por tremenda tempestade, vendo a morte a cada instante, passamos toda aquela noite sem dormir. Ao romper do dia,  recobrando algum alento, consertamos da melhor maneira as velas e, procurando a terra, desejávamos ao menos encalhar o navio na praia. Mas, levados por uma corrente mais favorável do que esperamos, chegamos a um porto bastante seguro, habitado por índios, onde nos acolheram benignamente, e nos trataram com humanidade.

A carta foi escrita em 1560

Assim escapou nosso Apóstolo do Brasil.

desenho de desmate no Brasil por Von Martius
Em primeiro plano as raízes duma árvores imensa. Do lado direito, o desmatamento que começava no Rio de Janeiro. Até quando, Brasil? Desenho do naturalista Von Martius, que registrou o País entre 1817 – 1820.

Ainda uma visão do que foi nosso litoral na visão do naturalista Carl Friedrich Ph. von Martius (1794 – 1868).

desenho das matas de Ubatuba em 1851 por Carl Friedrich Ph. von Martius.
A mata de Ubatuba em 1851, por Carl Friedrich Ph. von Martius. Bromélias espetaculares pendiam dos galhos,  resultado de quase quatro anos de viagem em que Martius e Spix percorreram o interior do Brasil por cerca de 10.000 km. Alguém viu ‘estas matas’ recentemente?

Nas notas, ao final do capítulo, explica o editor: “Com a tempestade, que na noite de 20 para 21 de novembro surpreendeu a missão nos Abrolhos, a embarcação de Anchieta ficou bastante danificada e a de Leonardo Nunes (outro sacerdote) inteiramente perdida.”

Imagem de abertura de Naufrágio histórico em Abrolhos: Benedito Calixto

Fonte: José de Anchieta – Cartas Informações Fragmentos Históricos e Sermões (Ed. Universidade de São Paulo)

Interação entre golfinhos e o ser humano – novas descobertas

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

8 COMENTÁRIOS

  1. Leio e acompanho trabalho do jornalista , lembrando que , não precisa ser assinante para ter acesso , materiais boas hoje são as que relatam corrupção etc. Senhores voltem a ter educação e respeito pela nossa história . Bando de ignorantes .

  2. Tambem me incorporo àqueles que acharam excelente a matéria. Veja só a força da imagem…se à época não havia fotografia, a capacidade de Von Martius consegue nos transmitir quão frondosa era nossa natureza.

  3. Recicle Logística Reversa de Eletrônicos, empresa especializada no tratamento de resíduos eletroeletrônicos (Reciclagem).
    Coletamos de forma gratuita todo tipo de equipamento eletrônico, em qualquer estado de conservação.
    Empresa devidamente registrada com licença ambiental, emissão de certificado de descarte e pessoal altamente qualificado para fazer a descaracterização dos seu equipamentos. Atendemos empresas, condomínios e residências.

    Agende pelo WhatsApp 99709-2027

  4. Péssima matéria, fala, fala, citações e o conteúdo fraquinho, onde foi o naufrágio? Nos Abrolhos? Haviam Índios habitando os Abrolhos? Lástima de matéria vazia, Apenas clichês.

  5. Que matéria com título mais mal feito. Não dá pra entender o que a chamada quer dizer.
    Outro ponto, o São Francisco está morrendo não por causa das barragens, mas pela falta de chuvas.

    Vc está me dando um grande incentivo para cancelar minha assinatura do Estadão. Eta cronista ruim.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here