Grandes navegadores da história: William Bligh e o motim do Bounty

2
609
views

Grandes navegadores da história: William Bligh, o carrasco do  Bounty

Nascido na Inglaterra, em 1754, aos 16 anos ingressou na vida marítima como aprendiz. Mais tarde navegou com James Cook que,  pessoalmente o escolheu para ajudá-lo nas cartas náuticas.  Bligh é considerado um dos grandes navegadores da história. Anos depois recebeu o comando do famoso H.M.S Bounty, celebrizado no cinema pelo filme ‘O Grande Motim’. A primeira versão é de 1935, e tem Charles Laughton  no papel de Bligh, o comandante tirano; e Clark Gable como o amotinado Fletcher Christian. Em 1962 outra versão foi para as telas, com Marlon Brando e Trevor Howard. Finalmente, nos anos 80  um terceiro filme sobre a viagem do Bounty contou com Mel Gibson (Christian), Anthony Hopkins (Bligh) e trilha sonora do Vangelis.

imagem de william bligh um dos grandes navegadores da história
William Bligh um dos grandes navegadores da história (Ilustração: wikipedia)

A história e o navio

Mercadores e aventureiros ingleses pediram ao rei que cultivasse fruta-pão em suas possessões das Índias Ocidentais (ilhas do Caribe), carente de boa alimentação à época. Um navio foi preparado para a missão, o Bounty, cujo comando foi entregue a Bilgh, em abril de 1787. O navio  deslocava 215 toneladas, tinha 28 metros de comprimento, e largura máxima, ou ‘boca’, de 8 metros. Sua tripulação era de 44 homens. Em dezembro de 1787 eles partiram para o Cabo Horn. A ideia era pegar mudas de fruta-pão no Taiti.

imagem do navio Bounty, comandado por William Bligh um dos grandes navegadores da história
O Bounty reconstruído

Chibatas na marujada

Três meses depois da partida a vida da marujada já era um inferno. O próprio Bligh contou:

…Atendendo a uma queixa julguei necessário castigar um marinheiro com duas dezenas de chibatadas por comportamento insolente e rebelde…

Vinte chibatadas por comportamento insolente? É…naquele tempo era assim que funcionavam as marinhas. Quem saísse da linha, na opinião do Comandante, recebia chibatadas como castigo…

Tentando atravessar o Cabo Horn

Ao chegarem na região do cabo, em março de 1788, pegaram 30 dias seguidos de tempestades. Mais uma vez o Capitão tem a palavra:

…às 6h da manhã a tempestade excedeu tudo que eu conheça antes, e o mar, tangido por mudanças frequentes, tornou-se extremamente alto…

Do Cabo Horn ao Cabo da Boa Esperança

Um mês inteiro nestas condições de mar, frio intenso, e sem avanços, fizeram com que Bligh mudasse a rota. Se não era possível chegar ao Pacífico, via cabo Horn, seria através do cabo da Boa Esperança. Bligh relata:

…às 5hs da tarde de 22 de abril soprando forte o vento de Oeste, ordenei guinada no leme a favor do tempo, com grande alegria de todos a bordo. Nossa lista de doentes subira para oito pessoas nesta ocasião…

Cidade do Cabo

Exatamente um mês depois, avistaram o Cabo da Boa Esperança. Na Cidade do Cabo, já então uma possessão inglesa,  pararam para reparos.  Bligh explica:

…o navio precisava ser calafetado por toda parte, uma vez que se tornara tão mal vedado que fôramos obrigados a usar bombas durante todo o tempo desde a partida do cabo Horn…

Em seguida, a viagem prosseguiu até o Taiti, parando em várias ilhas, e descobrindo outras no trajeto. Ficaram nas paradisíacas ilhas por cinco meses, onde os marinheiros se esbaldaram com as beldades nativas, e respiraram aliviados por poderem descer em terra, escapando dos rigores do comandante e suas chibatadas.

Já estavam embarcados há mais de ano quando estourou o motim.

O motim do Bounty

Era abril de 1789. Quantas chibatadas até chegarem a este ponto? Bligh não fala sobre isso em seu relato. Mas detalhou a rebelião:

…pouco antes do amanhecer, em 28 de abril de 1789, o sr Christian, o chefe da disciplina, o ajudante do artilheiro, e Thomas Burkitt, marinheiro, entraram em meu camarote e me dominaram…Christian estava armado com um alfanje…Fui arrastado da cama e obrigado a subir ao convés…

Bligh e mais 18 marinheiros foram colocados num bote de sete metros de comprimento. Antes de serem largados à deriva receberam permissão para levar lonas, linhas, cabos, velas, 20 galões de água e 76 Kg de pão, e alguns bocados de carne de porco. Um quadrante e uma bússola também foram entregues, cartas náuticas, não. O Bounty desapareceu em seguida.

A façanha de Bligh, um dos grandes navegadores da história

Bligh foi largado à deriva na altura da ilha de Tofua, no meio do Pacífico, então mostrou que, apesar de tirano, era um excelente marinheiro.

Enfrentaram todo tipo de dificuldade. De tempestades tremendas a ataques de nativos em ilhas que paravam para se reabastecer. Uma das borrascas foi relatada e dá  amostra dos tomentos que enfrentaram:

…às 9hs da manhã caiu uma tempestade violenta. O mar ficou muito encapelado, de modo que no fosso das ondas, a vela era inútil e, na crista, havia pano demais, mas não podíamos nos aventurar a ferrá-las inteiramente porque estávamos numa situação muito perigosa e difícil, o mar entrando pela popa do barco…

5.800 Km nos Mares do Sul

Foram quase seis mil quilômetros até chegarem a Coupang, no Timor leste. No trajeto descobriram outras ilhas ainda não cartografadas. Foi um dos maiores feitos náuticos até então.

mapa do roteiro de william Bligh depois do motim do Bounty
A façanha de Bligh um dos grandes navegadores da história. Em verde a rota do bote, em amarelo, a do Bounty.

O Bounty em Pitcairn

Enquanto Bligh navegava para Leste, Christian levou  o Bounty para o oeste à procura de um porto seguro, ao deixar o Taiti, em 29 de setembro de 1789. Junto com os amotinados seguiram várias taitianas. Ele teve a ideia de ir para a Ilha Pitcairn, que  fora relatada em 1767, mas sua localização exata ainda não havia sido estabelecida na época. Christian a redescobriu  em 15 de janeiro de 1790. Ali Bounty foi incendiado e destruído  como uma precaução contra descoberta. Christian estabeleceu-se com Isabella; ele teve um filho chamado Thursday October Christian e várias outras crianças. As questões degeneraram para violência extrema em setembro de 1793, quando cinco amotinados – Christian, Williams, Martin, Mills e Brown – foram mortos pelos taitianos em uma série de assassinatos planejados. Christian foi morto enquanto trabalhava em sua plantação, primeiramente baleado e depois executado com um machado. Em 1794 estavam todos mortos.

O regresso de Bligh para a Inglaterra

Bligh regressou para a Inglaterra em 1790. No início, foi considerado um herói. Mais tarde, durante o julgamento, boa parte dos testemunhos da corte marcial criticavam Bligh – a opinião pública  tinha se voltado contra ele.

H.M.S Pandora

Mas o  Almirantado enviou a fragata HMS Pandora, sob o comando do capitão Edward Edwards, para capturar os amotinados e levá-los de volta para julgamento. Ele chegou ao Taiti em 23 de março de 1791 e em poucos dias todos os catorze homens ainda vivos do Bounty se renderam ou foram capturados.

“Caixa de Pandora”

De onde vem este termo? Dessa grande epopeia. Edwards não fez distinção entre aqueles que permaneceram no Bounty por vontade própria ou não; todos foram encarcerados em uma prisão construída no tombadilho superior do Pandora, apelidada de “Caixa de Pandora”. Na volta para a Inglaterra o navio encalhou na Grande Barreira de Corais. Os homens dentro da “Caixa de Pandora” foram ignorados enquanto a tripulação lutava para impedir que o navio afundasse. Edwards eventualmente deu a ordem de abandonar a embarcação e o armeiro  começou a remover os grilhões dos prisioneiros, porém a fragata afundou antes que terminasse. Apenas seis escaparam. Eles foram julgados e condenados à morte pela forca.

A travessia de Bligh no bote superlotado foi uma das grande façanhas da navegação. Ela só encontra paralelo 126 anos depois, quando Sir Ernest Shackleton atravessou o pior mar do mundo, o estreito de Drake, num bote semelhante ao de Bligh, o James Caird.

Fonte principal: William Bligh, O Motim a Bordo do H.M.S Bounty, Ediouro.

Fonte secundária: https://pt.wikipedia.org/wiki/Motim_do_HMS_Bounty

Conheça a campanha que quer transformar uma ilha de lixo no oceano em um novo país

COMPARTILHAR

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here