Energia eólica no litoral e a paisagem: você precisa saber

11
14414
views

Energia eólica no litoral e a paisagem: você precisa saber

Além da especulação imobiliária que destrói a paisagem, agora temos cada vez mais torres eólicas no litoral. Nada contra elas, apenas contra a pouca distância da linha da costa. Energia eólica no litoral e a paisagem: você precisa saber.

 imagem do rio Mundaú, Ceará
Mundaú, Ceará, uma beleza de comunidade. Era assim em 2005…
 torres eólicas em dunas no Ceará
Ficou assim em 2015. O que o contrassenso é capaz de produzir…Porque colocar as turbinas tão próximas da costa? Se estivessem cem metros pra trás gerariam a mesma energia sem esculhambar uma das mais lindas paisagens brasileiras.

A matriz energética do Brasil está mudando

O site Portal Brasil diz que

O Brasil possui a matriz energética mais renovável do mundo industrializado com 45,3% de sua produção proveniente de fontes como recursos hídricos, biomassa e etanol, além das energias eólica e solar. As usinas hidrelétricas são responsáveis pela geração de mais de 75% da eletricidade do País.

Previstos 83 bilhões de reais em investimentos até 2030

O Portal Brasil explica que, para a energia hidrelétrica, estão previstos 83 bilhões de reais em investimentos até 2030. Além disso, outros 23 bilhões serão aplicados na expansão da produção e oferta de biocombustíveis.

Porém, é óbvio que esta dinheirama toda não será destinada no prazo estabelecido. Há sempre o ‘contingenciamento de verbas’. Seja como for,   o Brasil vai  já está investindo em novas fontes de energia, inclusive a eólica, o que é positivo mas, igualmente, justifica o raciocínio que segue.

torres eólicas no litoral do Rio Grande do Norte
Litoral, energia eólica.Macau, Rio Grande do Norte. Não dava pra ser mais atrás??? (foto: pt.wickloc.com)

O início da energia eólica no Brasil aconteceu em Fernando de Noronha!!

Para começar, saiba que a primeira turbina eólica brasileira foi instalada em 1992 na ilha de Fernando de Noronha. Justo num dos paraísos marinhos brasileiros. Mas, depois de um raio seguido por incêndio, as turbinas de Noronha não funcionam mais. Contudo, os postes intrusos continuam lá agredindo uma paisagem que levou eras para se formar.

PUBLICIDADE

Por que não energia solar num ‘paraíso’ como Fernando de Noronha? Gera a mesma energia através de placas nos telhados das casas, com a diferença de que ninguém vê. Além disso, preserva uma paisagem que, de tão linda, transformou  o arquipélago  em parque nacional.

Entretanto, em razão dos problemas do aquecimento o governo criou o Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia ElétricaProinfa, com objetivo de incentivar outras fontes renováveis entre elas a eólica, a biomassa, etc, o que, mais uma vez, é positivo.

Porque é importante investir em novas fontes de energia, principalmente, as renováveis

É fundamental que todos os países façam a transição como, de fato, a maioria está fazendo. As fontes renováveis, e o fim do desmatamento mundial, são as únicas formas dos países  conseguirem estabilizar o aquecimento global emitindo menos gás carbônico, entre outros gases de efeitos estufa.

Na COP 21, os 195 países membros da ONU chegaram à conclusão que “as emissões de poluentes que se concentram na atmosfera e favorecem as mudanças climáticas precisarão baixar para zero em 2050, depois de diminuírem significativamente até 2030”.

A princípio, ou a meta é atingida, para que se consiga que a temperatura média não suba mais que 2º C, ou teremos uma situação caótica.

Energia eólica hoje no Brasil: 11% da matriz

Hoje, a energia eólica corresponde a 11% (dados de 2022) da matriz energética gerada no país. É um número a ser comemorado.

Dados da energia eólica no Brasil até 2022
Fonte: abeeolica.org.br.

A eólica poupa o que sobrou de nossos rios, gera empregos, e reduz a quantidade de gases do efeito estufa, ainda que a geração de energia no Brasil não seja a causa maior de nossas emissões. Afinal, ela representa  32% do total.

De acordo com fontes do governo nossas emissões por segmento estão assim representadas:

PUBLICIDADE

 gráfico mostra emissões de carbono por segmento da economia
Litoral, energia eólica

Atualmente, a Associação Brasileira de Energia Eólica, ABEEólica, informa (dados de 2022) que ‘o País conta com 795 parques eólicos, em 12 Estados, que atingem uma capacidade instalada de 21,5GW’.

Nossa inenarrável capacidade de destruição

Grande parte destas usinas ou parque eólicos fica no litoral do Nordeste por uma razão simples, os ventos alísios constantes. Boa parte também ocupa o litoral do Rio Grande do Sul pelo mesmo motivo, abundância e constância de ventos.

Acontece que a grande vocação do nosso litoral é o turismo, ninguém divida. Mas, para se desenvolver, é fundamental a beleza cênica; beleza esta, agredida pelas torres eólicas. Daí a preocupação com sua instalação.

Se você leu até aqui, chegou onde o Mar Sem Fim queria: alertar para o perigo das turbinas eólicas  acabarem com o que resta da beleza cênica do litoral.

litoral, energia eólica, ilustração mostrando energia eólica no litoral
Litoral, energia eólica. Parque eólico Alegria, em Mangue Seco, outro tesouro da paisagem litorânea brasileira. Devia ser Parque Tristeza do Jeca. Note a proximidade da praia nas turbinas em operação (ilustração: parque eólico alegria)

Na última série de documentários para a TV Cultura, mais uma vez naveguei por todo o litoral brasileiro. Desde o Rio Grande do Sul, até o Amapá. O que mais chamou minha atenção foi a força, e rapidez, com que a especulação imobiliária detona a paisagem. A diferença é visível de ano para ano.

Litoral Nordestino
Mangue Seco, vista geral.Esta idílica paisagem foi detonada pelas turbinas. Até quando vamos deixar destruírem nosso litoral? Mangue Seco foi protegida pela ausência de estradas. Foi…até que vieram as eólicas.

Já basta a especulação para destruir a beleza do litoral

O problema é estudado pelas mais importantes Universidades do Brasil, a começar pela USP. A especulação decorre da “ausência da intervenção do estado”, ou “conflito entre usos do solo”.

O trabalho da USP foi feliz em descrever  a questão no nível individual: “resulta em que usos de categoria superior desbancam usos de categoria imediatamente inferior”.

Ou seja, impera a lei do mais forte.

PUBLICIDADE

Todas as Universidades Federais têm trabalhos sobre o tema.

Litoral do Sudeste destruído pela especulação
Já temos cretinices à beça detonando a paisagem do litoral. Vide este condomínio  em Ubatuba. Não precisamos agora das eólicas para o golpe final.

A única força capaz de deter o fenômeno  da especulação é a presença do Estado, ou melhor, a fiscalização eficiente e constante. Mas, como venho mostrando desde o Chuí até o Oiapoque, falta fiscalização no litoral. Não há vontade política. O litoral não comove o público, em consequência, vence o mais forte.

Ou se organizam os parques eólicos, ou o que resta do litoral será detonado 

do rio jaguaribe, Ceará, e suas torres eólicas
Litoral, energia eólica.Em primeiro plano o antigo, um lindo bote bastardo, ainda em uso no Ceará e Rio Grande do Norte; ao fundo, o novo, as horrendas torres. Vale do rio Jaguaribe, Ceará. Precisava estragar?

Apesar da energia eólica representar apenas 11% da nossa matriz o estrago já feito  na paisagem é enorme. Como a tendência é que ela cresça rapidamente, é preciso discutir o assunto, o que não acontece na grande mídia.

É preciso tirar o tema do gueto acadêmico. Trazê-lo para a mídia. Esta, a razão desta matéria. Uma pequena contribuição. Provocar moradores dos grandes centros a discutirem o assunto.

Reclamação das pessoas que moram no entorno é unânime

Nesta última viagem pela costa brasileira, não estive em todos os parques eólicos. Mas naqueles em que estive, e não foram poucos, a reclamação das pessoas que moram no entorno é unânime.

Além da feiura, os parques eólicos geram um barulho constante produzido pelas enormes hélices. Chateia, incomoda, atrapalha a vida de quem mora próximo.

O site Mar Sem Fim defende a energia eólica. Mas sugere que os parques sejam instalados sem, necessariamente, destruir  a espetacular paisagem do litoral.

As futuras gerações têm direito a desfrutá-la. Para tanto basta que as usinas sejam instaladas de cem a duzentos metros para além de nossas praias e comunidades litorâneas.

Praia do canto Verde, Ceará , com torres eólicas
Em primeiro plano a Prainha do Canto Verde, ao fundo, Parajuru, detonada pelas eólicas. Os exemplos são muitos. Mesmo não sendo em “sua”praia, os moradores da Prainha do Canto Verde ficaram furiosos com proximidade das eólicas. Pudera…

Resolução 462/2014 do CONAMA

No Brasil quem regula esta questão é o Conselho Nacional de Meio Ambiente, o CONAMA. Em sua resolução 462/2014, na Seção I, Do Enquadramento do Empreedimento, no parágrafo terceiro, diz o seguinte:

§ 3º Não será considerado de baixo impacto, exigindo a apresentação de Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental (EIA/RIMA), além de audiências públicas, nos termos da legislação vigente, os empreendimentos eólicos que estejam localizados:
I – em formações dunares, planícies fluviais e de deflação, mangues e demais áreas úmidas;
II – no bioma Mata Atlântica e implicar corte e supressão de vegetação primária e secundária no estágio avançado de regeneração, conforme dispõe a Lei n° 1 1.428, de 22 de dezembro de 2006;
Seguem várias outras exceções e, para finalizar, acrescenta:
§ 4º Caberá ao órgão licenciador estabelecer os critérios de porte aplicáveis para fins de enquadramento dos empreendimentos nos termos do caput deste artigo.
Litoral do Rio Grande do S ul e torrres eólicas
litoral, energia eólica. Veja a distância da praia…Osório, Rio Grande do Sil

 CONAMA aceita as eólicas em áreas de dunas e mangues!!!

Fico indignado pelo fato do CONAMA aceitar as eólicas em áreas de dunas, mangues, etc, mesmo que haja obrigação de estudo de impacto ambiental.
Inacreditável estas turbinas que fotografei  estarem onde estão. Voltarei ao tema com mais frequência. É preciso alertar a sociedade.
A paisagem é um bem comum. Ninguém tem o direito de destruí-la Não foi assim que recebemos o planeta. Não é assim que devemos deixá-lo para as futuras gerações. Basta escolher com mais cuidado os locais das usinas eólicas.
Em países mais ricos, como os Estados Unidos, os parques eólicos ou estão em regiões sem grande beleza natural, ou offshore, quer dizer, ao largo da costa. Custa um pouco mais caro, mas não detonam a paisagem. Nenhum americano que mora no litoral aceita estas torres próximas de suas casas, ou destruindo a paisagem de seu entorno.

Comentários

11 COMENTÁRIOS

  1. Olá, João, parabéns pelo seu site! Acompanho você desde seus memoráveis documentários na TV Cultura. Ainda são poucas as vozes neste ‘brasil’ que bradam contra a especulação imobiliária, contra a usurpação pelos poderosos de áreas comuns em nosso litoral e interior, contra a degradação de tudo que a natureza nos premiou em prol do “progresso’. Siga em frente, que a gente te apóia por aqui. Espinhoso como o tema ambiental, temos o tema político, onde um outro Lara Mesquita, o Fernão, que com seu site Vespeiro.com nos mostra as agruras da política e ao mesmo tempo nos alenta, mostrando como enfrentarmos esses tempos nebulosos que o Brasil vive.
    Vocês dois, cada um em seus assuntos – que em determinado momento acabam se misturando – fazem parte do meu norte para tentar mudar esse país onde os pedros, garcias e tantos outros acham besteira!
    Abraços

  2. Se há excessos eles devem ser impedidos, pois há regulamentações claras.
    Sendo o sistema elétrico interligado a energia gerada beneficia a todos. Melhor ainda quando é renovável (eólica, hidráulica ou solar). Não há do que reclamar neste aspecto.

  3. João, concordo com vc plenamente, estão levando para o litoral os desarranjos das zonas urbanas. Na próxima matéria mostre o praia da Pedra do Sal, litoral do Piauí, cuja expansão das eólicas não destoa das demais, porem, a meu ver, a beleza lá destruída é a mais bela do Brasil.

  4. Estive recentemente em Barra Nova, município de Cascavel, Ceará. Região belíssima onde o vai e vem das marés altera diariamente a paisagem, também cercada de dunas móveis. Os cataventos de um parque eólico já chegaram por ali também.

    • Oi, Pedro, não fica claro o que vc considera ‘besteira’. Se vc se refere a esta matéria, ou a colocação das torres na beira do mar. Em todo o caso fica aí registrada a sua opinião.Abs

  5. João, tudo o que você falou nessa matéria é a mais pura verdade. Tenho acompanhado de perto o problema, pois hoje sou morador da praia de Enxu Queimado/RN, e me espanta a destruição das dunas e matas da caatinga, sem o menor temor, pois está tudo oficializado com os devidos carimbos e assinaturas daqueles que deviam fiscalizar.

  6. Tenho ido muito para São Miguel do Gostoso (RN) e as torres já estão na beira da cidade.
    Comentei sobre esse absurdo com moradores e ninguém está feliz com isso por lá .
    Essa energia não vai para cidades próximas , e estragaram toda a paisagem paradisíaca daquele litoral.
    Há boatos de que o governador do estado é um dos maiores proprietários desses terrenos próximos ao mar, e que ninguém está nem aí com a paisagem. Eles só querem o dinheiro do arrendamento. É assim nosso país vai sendo destruído por essa corja de gente que não vale o que come. Revoltante!!
    Em Galinhos é a mesma coisa. Um lugar maravilhoso com braços de mar entrando pela costa, e lá estão aqueles ventiladores gigantes acabando com toda paisagem e pureza do local,bem ao lado do mangue e das dunas, pra foder de uma vez com tudo. Não podemos deixar isso acontecer. TRISTEZA TOTAL.

    • Que bom que vc veio ao site, Lino Simão! Poxa, como estou feliz. E ainda por cima vc traz esta notícia triste, mas fresca, pra gente. Você teria fotos, Lino? Se tiver, mande. Faço um post com elas. E muito obrigado, bem- vindo ao Mar Sem Fim, e volte sempre, meu caro. Abração

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here