Eliseu Padilha quer a cabeça de Sarney Filho

0
272
views

Eliseu Padilha, multado pelo CAR, quer cabeça de Sarney Filho

Eliseu Padilha: Atualizado em 27 de Janeiro de 2017

Matéria do Estadão de 27/01:

Procurador diz que governo de MT age em favor de Padilha

Corpo do texto:

O procurador-geral de Justiça em exercício de Mato Grosso, Luiz Alberto Esteves Scaloppe, acusou o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha (PMDB), e o governador Pedro Taques (PSDB) de atuarem para tentar reverter uma ação do Ministério Público do Estado por crime ambiental. Padilha e seus sócios tiveram cerca de R$ 180 milhões bloqueados  no processo

Padilha é grileiro segundo o procurador:

Quem invade indevidamente é grileiro, é assim que a gente chama, disse Scaloppe sobre Padilha em uma entrevista à imprensa em Cuiabá anteontem.

O Ministro grileiro, Eliseu Padilha, ainda tem aliados no Governo de Mato Grosso:

Scaloppe acusa o governo mato-grossense de ter colocado a Procuradoria-Geral do Estado a serviço da defesa de interesses particulares do ministro.

Opinião do Mar Sem Fim

É essa pessoa nefasta que quer trocar Sarney Filho por Aldo Rebelo. Arghhhh!

Segue texto original…

23/11/2016: manchete do Estadão: ruralistas pedem saída de Sarney Filho do Meio Ambiente. Na matéria, diz o Estado:

Deputados da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) pedirão ao presidente Michel Temer (PMDB) a saída do ministro do Meio Ambiente, José Sarney Filho, do cargo

E prossegue o jornal:

Descontentes com o trabalho do titular, cuja condução da pasta é classificada como “ideológica”, os ruralistas têm uma audiência prevista para a próxima quarta-feira, 30, no Palácio do Planalto. Além de exporem a Temer as críticas ao ministro, devem até sugerir um candidato para substituí-lo. O nome do ex-ministro e ex-líder do governo de Luis Inácio Lula da Silva, Aldo Rebelo (PCdoB-SP), está cotado para ser colocado na mesa.

eliseu padilha, imagem de uma charge de eliseu padilha
Eliseu Padilha: Charge: Revista Época

Opinião do Mar Sem Fim

Aldo Rabelo, o homem que não acredita que o aquecimento global é obra nossa é a sugestão dos rarualistas para o cargo de Ministro do Meio Ambiente. Qualquer semelhança com Donald Trump não é mera coincidência. A guerra estúpida entre o agronegócio e ambientalistas persiste. Perde  o Brasil. Aldo Rebelo é um retrógrado. Teve papel destacado no início desta guerra. Durante a reforma do Código Florestal foi o relator da proposta de mudanças, e  primeiro a radicalizar iniciando  ‘a guerra estúpida’ que divide em vez de somar. Na época, junho de 2010, este site publicou a matéria Aldo Rebelo e George Bush. Entre outras bobagens, destacou Rebelo:

Não há consenso, porém, sobre até que ponto as mudanças climáticas recentes decorrem da ação humana ou de processos cujos ciclos podem ser medidos em centenas, milhares ou milhões anos.

Este é o homem que os ruralistas querem no Ministério do Meio Ambiente. Pobre de nós…Tive a pachorra de ler o relatório inteiro, um calhamaço duro de engolir. Mas desde as primeiras linhas ele deixa claro sua opinião atrasada e fora de órbita:

o presente relatório pretende demonstrar que as escolhas morais e ideológicas no debate contemporâneo sobre a natureza e o meio ambiente revelam, na verdade, os interesses concretos das nações ricas e desenvolvidas e de suas classes dominantes (grifo meu) na apropriação dos bens naturais já escassos em seus domínios, mas ainda abundantes entre as nações subdesenvolvidas ou em processo de desenvolvimento (idem)

O Estadão e o caso Padilha

5/12/16: manchete do Estadão: Juiz manda bloquear R$ 38 mi de Padilha e sócios por crime ambiental. 

O bloqueio só possível devido a liberação dos dados do CAR, Cadastro Ambiental Rural (CAR) que foi instituído pelo Novo Código Florestal (Lei 12.651/2012), por obra do Ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho. Mais um acerto do Ministro.

A Folha e o caso Padilha

A Folha de S. Paulo de 21 de dezembro de 2016 foi além. Manchete: Justiça bloqueia R$ 108 milhões de Padilha e sócios por desmatamento.

A Revista Industrial e o caso Padilha

O site revistasindirural.com.br informa que,

Ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha não foi o único multado. A Justiça de Mato Grosso determinou em caráter liminar o bloqueio de aproximadamente R$ 950 milhões em bens de proprietário de 51 fazendas do estado.

Para entender como identificar a situação ambiental dos imóveis rurais brasileiros

O site Agrobrasil.com.br publicou artigo 3 de novembro de 2016 onde dizia que

Até novembro passado o Serviço Florestal Brasileiro (SFB) disponibiliza apenas as estatísticas dos cadastramentos, sendo divulgadas periodicamente por cada região. Mas a disponibilização apenas das estatísticas não tem grande importância, haja vista que a real situação dos imóveis, as informações dos proprietários ou demais informações importantes não estão disponíveis

E explicou:

O Cadastro Ambiental Rural (CAR) foi instituído pelo Novo Código Florestal (Lei 12.651/2012) e tem como objetivo identificar a situação ambiental dos imóveis rurais brasileiros, mapeando áreas de Reserva Legal, de Preservação Permanente, Áreas Consolidadas, de Uso Restrito e etc. Essa importante ferramenta pode ser considerada como um progresso na gestão ambiental do Brasil, pois através do CAR é possível identificar imóveis com passivos e ativos ambientais, o proprietário que está cumprindo com a legislação vigente, assim como àquele que não cumpre com suas obrigações.

A guerra estúpida se acirra de novo

A partir daí a guerra infeliz, inútil e desnecessária ganhou adeptos do “lado de lá”. Em 11/12/2016 o site olhardireto.com.br  publicou matéria cujo título era,

CNA vai à Justiça contra ministro do Meio Ambiente por divulgar dados do CAR na internet

No corpo do texto a explicação:

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) irá entrar na justiça contra o ministro do Meio Ambiente, José Sarney Filho, pela divulgação na internet de informações do Cadastro Ambiental Rural (CAR) dos produtores rurais. Tais informações são consideradas sigilosas e estratégicas para o Brasil. A disponibilização do CAR para a sociedade foi anunciada por Sarney Filho no último dia 29 de novembro.

O presidente da CNA, João Martins, patético declarou:

Foi uma ação ilegal por infringir as regras do Código Florestal Brasileiro. A divulgação desses dados coloca em risco, inclusive, a segurança nacional

Segurança Nacional em risco, como assim?

eliseu padilha, imagem de charge de sarney filho
Eliseu Padilha quer a cabeça de Sarney Filho Charge: Revista Época

Associação do Notários e Registradores do Estado de Minas, serjus.com.br, diz que os dados do CAR não são sigilosos

Para a Serjus,

O Ministério Público Federal (MPF) afirma que o nome e o CPF de produtores rurais não são informações sigilosas e que, portanto, não haveria problemas em sua publicação no sistema do Cadastro Ambiental Rural (CAR). A entidade, inclusive, recomendou ao Ministério do Meio Ambiente (MMA) que os dados sejam divulgados. A  legislação brasileira é clara ao determinar que CPF, nome do produtor e nome da fazenda não são informações sigilosas.

A guerra estúpida ganha adeptos

Finalmente, em 8/12/2016 o site noticiasagricolas.com.br estampou matéria cuja manchete foi: Ministro do Meio Ambiente Sarney Filho recua e tira o CAR da internet. No texto escreveu o site:

Depois de expor publicamente os dados do Cadastro Ambiental Rural na internet, o Ministério do Meio Ambiente acaba de tirar o site do ar. Mais informações em instantes. Necessário ressaltar que o fato de o Ministério ter retirado o site do ar não significa absolutamente nada. As ONGs e demais desocupados de plantão já devem ter os dados armazenados.

A notar, a frase:”As ONGs e demais desocupados de plantão já devem ter os dados armazenados”.

Não foi para isso que o CAR foi criado? Ou é pra ficar escondido, trancado nos escaninhos de Brasília e assim proteger os Eliseus Padilhas de plantão?

Lei Nº 12.651, de 25 de Maio de 2012, a Lei que criou o CAR

Capítulo VI: Do Cadastro Ambiental Rural.

Art. 29.  É criado o Cadastro Ambiental Rural – CAR, no âmbito do Sistema Nacional de Informação sobre Meio Ambiente – SINIMA, registro público eletrônico de âmbito nacional, obrigatório para todos os imóveis rurais, com a finalidade de integrar as informações ambientais das propriedades e posses rurais, compondo base de dados para controle, monitoramento, planejamento ambiental e econômico e combate ao desmatamento.

O Mar Sem Fim reforça

A Lei é clara: …”registro público eletrônico de âmbito nacional”…

Em 2017 precisamos estar unidos em torno de Sarney Filho. Os ambientalistas precisam deixar clara sua posição de apoio irrestrito ao Ministro do Meio Ambiente, ou teremos o radical Aldo Rebelo sentado em sua cadeira…

(Charge de abertura: Revista Época)

A biodiversidade brasileira mais que nunca está ameaçada. Saiba sobre a tentativa de acabar com o Licenciamento Ambiental.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here