Contêineres perdidos no mar aumentam na pandemia

0
96952
views

Contêineres perdidos no mar aumentam durante a pandemia

Matéria de Ann Koh, da Bloomberg, dá conta que os acidentes estão aumentando. O setor de transporte marítimo está registrando o maior aumento de contêineres perdidos em sete anos. Mais de 3.000 caixas caíram no mar em 2020, e mais de 1.000 também caíram nos primeiros quatro meses de 2021. A frequência é tão alta que os acidentes estão interrompendo as cadeias de abastecimento de centenas de varejistas e fabricantes dos EUA, como Amazon e Tesla.

imagem do navio porta contêineres One Apus
O One Apus passou por sufoco no Pacífico. Imagem, W K Webster and Co.

Aumentam os acidentes com contêineres perdidos no mar

E qual o motivo do aumento destes acidentes? Ann Koh diz que o tempo está se tornando mais imprevisível, enquanto os navios estão ficando maiores, permitindo que os contêineres sejam empilhados mais alto do que nunca.

Mas, para agravar muito a situação, está o aumento do comércio eletrônico depois que a demanda do consumidor explodiu durante a pandemia, aumentando a urgência da entrega dos produtos pelas  companhias marítimas.

Imagem de contêineres boiando no mar
Muitos ficam boiando no mar, prontos para provocar novo acidente. Imagem, https://www.standard.net.au/.

Clive Reed, fundador da Reed Marine Maritime Casualty Management Consultancy, disse à jornalista: “O aumento da movimentação de contêineres significa que esses navios porta-contêineres muito grandes estão muito mais próximos da capacidade total do que no passado.”

“Há uma pressão comercial para que os navios cheguem a tempo e, consequentemente, façam mais viagens.”

PUBLICIDADE

1.800 contêineres perdidos num só acidente

O navio One Apus, de 364 metros de comprimento foi pego por uma tempestade em novembro quando fazia a rota Yantian, China para Long Beach, Califórnia. A tempestade o pegou a 1.600 milhas a noroeste do Havaí e derrubou 1.800 contêineres no mar.

O incidente foi o pior desde 2013, quando o MOL Comfort se partiu em dois e afundou com toda a sua carga de 4.293 contêineres no Oceano Índico. E os acidentes têm aumentado.

Imagem do navio Maersk Essen que perdeu 750 contêineres no mar
750 contêineres perdidos no mar. Imagem, https://container-news.com.

Em janeiro, o Maersk Essen perdeu cerca de 750 caixas enquanto navegava de Xiamen, China, para Los Angeles. Um mês depois, 260 contêineres caíram do Maersk Eindhoven quando ele perdeu energia em mares agitados.

A pressão pela velocidade nas entregas

Segundo Ann Koh, a necessidade de velocidade está criando condições precárias que podem causar desastres rapidamente.

De acordo com especialistas, os perigos variam de estivadores travando incorretamente as caixas umas em cima das outras a capitães que não  desviam de uma tempestade para economizar combustível e tempo, já que enfrentam a pressão dos fretadores. Um movimento errado pode colocar cargas e tripulação em risco.

Imagem do navio que perdeu contêineres no mar
Foto da guarda costeira holandesa mostra danos a contêineres a bordo do MSC Zoe no Mar do Norte, ao largo das costas alemã e holandesa. Foram mais 270 caixas para o mar.

As chances de acidentes estão aumentando à medida que os marinheiros exaustos enfrentam a deterioração das condições durante a pandemia.

A Allianz Global Corporate & Specialty estima que o erro humano contribui para pelo menos três quartos dos acidentes e fatalidades no setor de transporte marítimo.

A maioria dos acidentes aconteceu no Pacífico

Quase todos os incidentes recentes ocorreram no Oceano Pacífico, uma região onde o tráfego mais intenso e o pior clima colidem. A rota marítima conectando as economias da Ásia aos consumidores na América do Norte foi a mais lucrativa para as companhias de navegação no ano passado.

Imagem dos contêineres do navio One Apus
O One Apus. Imagem, Buddhika.

A jornada sempre foi difícil, mas se tornou mais perigosa devido à mudança nos padrões climáticos. O aumento do tráfego da China para os EUA no inverno passado coincidiu com os ventos mais fortes no Pacífico Norte desde 1948, aumentando a probabilidade de mares mais agitados e ondas maiores, disse Todd Crawford, meteorologista chefe da The Weather Company.

226 milhões de contêineres por ano

Com 226 milhões de contêineres enviados a cada ano, a perda de 1.000 ou mais pode parecer – bem – uma gota no oceano. “É uma porcentagem muito pequena perdida”, disse Jacob Damgaard, diretor associado de prevenção de perdas da Britannia P&I em uma conferência em Cingapura em 23 de abril. “Mas é quase 60% do valor monetário de todos os incidentes de contêiner.”

Com uma média de US$ 50.000 por caixa, estima-se que o One Apus perdeu US$ 90 milhões apenas em carga, a maior perda da história recente. Até agora, neste ano, as perdas totalizaram cerca de US$ 54,5 milhões, mostram os dados da Bloomberg.

O acidente no Canal de Suez

A questão também está ganhando atenção, já que o encalhe no mês passado do navio Ever Given, de 400 metros, no Canal de Suez, lançou um holofote sobre a vulnerabilidade da indústria de navegação O meganavio bloqueou o tráfego através da hidrovia vital por quase uma semana, e o impacto no comércio global ainda está sendo sentido.

Imagem do navio Ever Given bloqueando o canal de Suez
O gigantesco Ever Given bloqueando o canal de Suez. Imagem, www.yacht-transport.com.au.

Até agora, nenhum dos acidentes recentes com contêineres foi diretamente atribuído a falhas de segurança. A Organização Marítima Internacional disse que ainda está aguardando os resultados das investigações sobre os últimos incidentes, e preveniu para que não se tirassem conclusões antes dos resultados.

PUBLICIDADE

Apesar do alerta muitos especialistas dizem que a situação se tornou mais perigosa por causa da pressão sobre as cadeias de abastecimento desde a pandemia. Quando os navios se aproximam de mau tempo, os capitães têm a opção de evitar o perigo. Mas a atitude é “não contorne a tempestade, atravesse”, disse Jonathan Ranger, chefe da marinha Ásia-Pacífico da American International Group Inc.

Tripulações sobrecarregadas

Tripulações sobrecarregadas também aumentam os riscos. A redução da mão de obra a bordo com um maior número de contêineres no convés torna cada vez mais difícil para as tripulações verificar cada barra e parafuso de forma eficaz, disse Neil Wiggins, diretor administrativo da Independent Vessel Operations Services Ltd.

Também está em jogo a saúde e a segurança dos marítimos. O tombamento de várias camadas de contêineres de 12 metros durante uma tempestade violenta é uma das experiências mais aterrorizantes para um capitão e sua tripulação.

A IMO, que é a agência das Nações Unidas responsável pela regulamentação do transporte marítimo, afirma que os países cujas bandeiras os navios navegam são responsáveis ​​pela emissão de certificados de segurança para os navios, enquanto os portos onde os navios fazem escala são responsáveis ​​por garantir o cumprimento das regras de carregamento de contêineres.

Assista ao curto vídeo que mostra os estragos no One Apus

Imagem de abertura: W K Webster and Co

Fontes: https://gcaptain.com/shipping-containers-lost-at-sea/?subscriber=true&goal=0_f50174ef03-58efdfe521-170347750&mc_cid=58efdfe521&mc_eid=0d2c840093; https://www.maritime-executive.com/article/one-apus-arrives-in-japan-showing-extent-of-massive-container-collapse#:~:text=The%20ship’s%20owners%2C%20Chidori%20Ship,Monday%2C%20November%2030%2C%202020.

Floresta Amazônica pode emitir mais gases de efeito estufa do que absorver

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here