Brasil e a exploração mineral no Atlântico Sul

0
1086
views

Brasil e a exploração mineral no Atlântico Sul

Exploração mineral no Atlântico Sul: no início de novembro foi assinado o primeiro contrato para explorar cobalto, platina, manganês, tálio e telúrico, no Atlântico Sul. De um lado, o Serviço Geológico do Brasil. Do outro, a Autoridade Internacional dos Fundos Marinhos (ISBA).

Brasil num seleto grupo formado por Rússia, Noruega, França, China, Alemanha e Coréia

Este é o primeiro contrato firmado por um país do Hemisfério Sul, colocando o Brasil num seleto grupo formado por Rússia, Noruega, França, China, Alemanha e Coréia.

Com este contrato o Brasil pode explorar economicamente recursos minerais por 15 anos, em uma área de três mil quilômetros quadrados, na região conhecida como Elevação do Rio Grande. Área submarina em águas internacionais no Oeste do Atlântico Sul, a uma distância de cerca de 1.100 KM da costa do Rio Grande.

exploração mineral no Atlântico Sul, mapa do oceano perto de Rio Grande
exploração mineral no Atlântico Sul. Elevação Rio Grande (ilustração:geologiamarinha.blogspot.com)

Projeto de geologia marinha é considerado estratégico pelo

De acordo com nota emitida pela Marinha do Brasil o projeto de geologia marinha é considerado estratégico pelo governo. E está inserido no Programa de Prospecção e Exploração de Recursos Minerais da Área Internacional do Atlântico Sul e Equatorial, PROAREA, criado em 2009 pela CIRM.

Continente Submerso?

A descoberta de rochas continentais na Elevação Rio Grande “abre a possibilidade da região abrigar um continente submerso”. “Segundo os geólogos, a Elevação do Rio Grande poderia ser uma massa de terra que  afundou durante a separação da Pangeia, o supercontinente que existiu no final da era Paleozoica (há 200 ou 300 milhões de anos atrás) e cuja divisão formou os continentes hoje conhecidos”.

Brasil e a exploração mineral no Atlântico Sul, mapa de Pangeia
exploração mineral no Atlântico Sul. Pangéia ( ilustração:diariodigital.sapo.pt)

Oceanos: de proteínas a minério

Há tempos que cientistas sabem do potencial do fundo marinho para a prospecção de diversos minerais. O que faltava era tecnologia a preços compatíveis com a exploração econômica de tais reservas. O futuro chegou. Já existe esta tecnologia. A partir de agora cada vez mais países receberão permissão semelhante. Isso pode tornar o subsolo marinho uma imensa mina com consequências perigosíssimas.

Quais os riscos envolvidos?

Os ambientalistas estão preocupados. Para eles os riscos da exploração ainda não foram suficientemente pesquisados. Sylvia Earle, em seu livro The World is Blue, diz que “cada palmo do subsolo marinho pode ter  biodiversidade maior que uma floresta tropical”.

Campanhas contra a mineração

Já há campanhas mundiais contra a exploração mineral submarina. Uma delas, a DSM (Deep Sea Mining), conta com apoio de Sylvia,  tida pela Time Magazine como a Primeira Heroína do Planeta. Sylvia Earle também foi a primeira mulher nomeada  cientista chefe da NOAA, a agência norte- americana que cuida de tudo com relação ao mar. Da pesca à poluição, passando pela previsão meteorológica, pesquisa, etc. É bom ficar de olhos abertos, e não se entusiasmar demais. Um  acidente pode se tornar uma catástrofe ambiental, vide a barragem da Samarco, em Mariana. Ou a  explosão na plataforma da British Petroleum, no Golfo do México, que até hoje traz consequências nefastas ao meio ambiente marinho e costeiro.

Fontes: cprm.gov.br; isa.org.jm; geologiamarinha.blogspot.com.br; mar.mil/secirm/portugues/proarea; diariodigital.sapo.pt/news; www.deepseaminingoutofourdepth.org/about/; http://www.noaa.gov/; greenpeace.

Cadeia Dorsal Mesoatlântica, conheça esse espetáculo

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here