A última geleira da Venezuela está se esvaindo

0
8282
views

A última geleira da Venezuela está se esvaindo…

A cidade de Mérida, na Venezuela, era conhecida como a “cidade das neves eternas”. Das suas ruas era possível enxergar a Sierra Nevada de Mérida,  no horizonte, coberta de neve. Mas, com o passar do tempo, a paisagem mudou. Duas das geleiras que podiam ser vistas da cidade estavam diminuindo. Seções inteiras desabaram, expondo a rocha. Em 1990, uma montanha, Pico La Concha, havia perdido todas as suas geleiras. Em 2017, o Pico Bolivar, o pico mais alto da Venezuela, seguiu o exemplo. Hoje, apenas uma geleira permanece na Venezuela: no segundo pico mais alto, Pico Humboldt. ‘A geleira Humboldt, nos Andes, está derretendo rapidamente e terá desaparecido antes que os cientistas tenham a chance de estudá-la completamente’, diz a National GeographicA última geleira da Venezuela está se esvaindo.

A última geleira da Venezuela
Imagem,JOSÉ MANUEL ROMERO.

A última geleira da Venezuela

A geleira do Pico Humboldt sobreviveu em parte porque é protegida pela sombra de seu próprio pico, mas por pouco. Em 1910, a geleira cobria quase 1,3 milhas quadradas.

A última medição, em 2019, sugere que  encolheu para menos de 0,02 milhas quadradas, ou aproximadamente o tamanho do estádio de futebol de Mérida, menos de 2 por cento do que era antes.

Imagens de geleiras
Antes, e depois…Imagem, atlas obscura.

Se a geleira desaparecer, a Venezuela pode se tornar o primeiro país do mundo a ter geleiras e depois perdê-las todas.

Isso é inevitável, dizem os especialistas, já que nenhuma intervenção climática iria retardar ou impedir o colapso a tempo. As geleiras tropicais da Venezuela – como outras, em lugares como Colômbia, Peru, Quênia ou Uganda – são particularmente sensíveis às mudanças climáticas, visto que já estão frequentemente expostas a altas temperaturas.

PUBLICIDADE

No final desta década, a última geleira terá acabado. Maximiliano Bezada, geólogo da Universidade de Minnesota declarou ao atlas obscura.com: “O recuo é definitivo, não dá para pará-lo, isso não é possível.”

Oportunidade rara

Mas, em vez de se desesperar, uma equipe de cientistas com sede na Venezuela está de olho em uma rara oportunidade. Essas geleiras existem há centenas de milhares de anos, e agora os picos que antes cobriam provavelmente permanecerão descobertos por mais milhares de anos.

Essa transição, dizem os cientistas, fornece uma janela única sobre como a vida emerge em terrenos essencialmente sem vida, um processo conhecido como “sucessão primária”.

última geleira da Venezuela
O restinho que sobra de gelo. Imagem,LUIS DANIEL LLAMBÍ.

E acrescenta: “Raramente você pode ver coisas em escala geológica acontecendo na frente de seus olhos.”

Luis Daniel Llambí, ecologista da Universidade dos Andes e do Consórcio para o Desenvolvimento Sustentável da Ecorregião Andina, diz: “Podemos usar a geleira como uma‘ máquina do tempo. Conforme você se afasta da geleira, está viajando para o passado.”

Os primeiros colonizadores das terras

A equipe descobriu que locais mais distantes da geleira já sustentavam ecossistemas ricos e diversos. Perto da borda, no entanto, o ambiente era muito mais desolado: poucos sinais de vida além de líquenes, musgos e algumas plantas. Esses foram os primeiros colonizadores das terras recém-disponíveis.

Montanha
Em vez de língua de gelo, língua de pedras. Imagem, LUIS DANIEL LLAMBÍ.

Mas existem percepções surpreendentes nesta paisagem aparentemente árida. Parece ser um lugar de cooperação improvável. Líquens e musgos se ancoraram em rochas e ambos capturam umidade para as plantas e agem como um escudo contra o vento enquanto elas crescem.

O encolhimento da última geleira

A National Geographic afirma que ‘A primeira vez que Carsten Braun visitou os Andes venezuelanos foi em 2009. Braun,  professor de geografia da Westfield State University em Massachusetts, voltou para visitar a geleira Humboldt mais algumas vezes desde então.

Ele voltou em 2012, e percebeu visivelmente o encolhimento. Outrora uma das cinco maiores geleiras tropicais do país, o Humboldt está situado na Sierra Nevada de Mérida, na parte ocidental do país. Graças às mudanças climáticas, a Venezuela se viu na vanguarda em uma corrida sombria, com outros como a Tanzânia e a China , para ver qual país perderá suas geleiras primeiro. O que estamos vendo agora, disse Braun, “é talvez o último suspiro da geleira Humboldt”.

Mas, devido a uma combinação de turbulência política e desafios de financiamento, foi amplamente esquecido. Espera-se que derreta nas próximas uma ou duas décadas, sem que os cientistas tenham estudado completamente a última geleira da Venezuela.

Imagem de abertura: JOSÉ MANUEL ROMERO

Fontes: https://www.nationalgeographic.com/environment/article/venezuela-humboldt-glacier-melting-disappearing-climate-change; https://www.atlasobscura.com/articles/venezuela-last-glacier-succession?utm_source=Atlas+Obscura+Daily+Newsletter&utm_campaign=dd26e53f62-EMAIL_CAMPAIGN_2021_11_26&utm_medium=email&utm_term=0_f36db9c480-dd26e53f62-74502182&mc_cid=dd26e53f62&mc_eid=1839078617.

Arquipélago de SOCOTRA, ‘Galápagos do Oceano Índico’

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here