A morte do rio Nilo, o segundo maior rio do mundo

52
14303
views

A morte do rio Nilo, o segundo maior rio do mundo

Não fosse a matéria da BBC, A morte do rio Nilo, nem seria publicada no Mar Sem Fim, porque pesquisamos na net e não encontramos outra referência a não ser essa, da icônica fonte inglesa que não costuma errar.  Sem o Nilo, não haveria o Egito que conhecemos pelos livros de história. Muito menos a desertificação quase completa do norte da África, do sexto ao quarto milênio a.C.  Quando as pessoas que fugiam dos desertos  juntaram-se àqueles que viviam ao longo do Nilo, formaram uma grande população, o que era um pré-requisito para o florescimento desta nova cultura dependente de massas de trabalhadores. 

imagem do rio nilo na matéria da BBC a morte do rio nilo
Foto de abertura da matéria da BBC.com

O rio Nilo

O Nilo tem um comprimento de 6.650 km, o segundo rio mais longo do mundo (em 2016 ficou provado que o mais extenso é o Amazonas, com 6.992 km) mas, muitas fontes, inclusive a própria BBC, ainda consideram o Nilo como o maior rio do mundo em extensão. Sua área de captação é enorme, mais de 3 milhões de quilômetros quadrados, com uma precipitação média anual de aproximadamente 600 mm.

A perigosa vazão do Nilo

Mas, sua descarga média é de menos de 3.000 m³/s e está entre as menores entre os grandes rios do mundo. A do Amazonas, para fonte de comparação, é de 209.000 m³/s. A do semi- morto Tietê, é de 2.500 m³/s, pouco menos que a do segundo maior rio do mundo! Por aí se vê a precária situação do Nilo.

imagem de mapa mostrando o rio Nilo para a matéria A morte do rio Nilo
A morte do rio Nilo (Ilustração: BBC.com)

A morte do rio Nilo

Depois de tudo que representou para uma das maiores civilizações da antiguidade o Nilo agora passa por sérios problemas. Tão sérios que o título da matéria que originou este post, da infalível BBC, é ‘A morte do rio Nilo‘. A BBC explica: “O rio Nilo  está doente, e ficando cada vez pior“. Por quê? Porque populações em expansão poluíram e drenaram o Nilo, enquanto a mudança climática ameaça cortar seu fluxo, aumentando a evaporação. Alguns pesquisadores temem que a concorrência em relação às suas águas possa desencadear um conflito regional.

imagem da poluição do rio Nilo
Populações em expansão sujaram e drenaram, enquanto a mudança climática ameaça cortar seu fluxo. E alguns temem que a concorrência em relação às suas águas em declínio possa desencadear um conflito regional (Imagem BBC).

Onde começam os problemas do rio Nilo

A podridão começa na nascente. As chuvas da Etiópia sempre  constituíram o seu grande volume – mais de 80% – de suas águas. A água cai de julho a setembro. Mas estas chuvas não estão caindo como antigamente…E isso é potencialmente catastrófico para toda a bacia do Nilo.

A estiagem

Embora um pouco mais longo, o Nilo Branco, que se origina no Lago Vitoria e se funde com o ramo etíope (Nilo Azul) em Cartum, traz hoje apenas uma fração deste volume. O Meher, a longa temporada de verão, está chegando tarde, e o período das chuvas, mais curto. Lakemariam Yohannes Worku, palestrante e pesquisador do clima na Universidade Arba Minch, declarou:

…a estação das chuvas é tão inconsistente… Às vezes mais forte, às vezes mais leve, mas sempre é diferente a cada ano…

Sedimentos levados pelas tempestades

 Lakemariam Yohannes Worku, da Universidade Arba Minch explicou que

…Quando chove, as tempestades são muitas vezes mais ferozes, levando mais de um bilhão de toneladas de sedimentos etíopes ao Nilo a cada ano, o que obstrui as barragens e priva os agricultores dos nutrientes necessários para o solo…

Mudanças climáticas ajudam a sepultar o Nilo e aprofundam pobreza das populações

O crescimento populacional alimentou esse fenômeno à medida que as famílias em expansão cortaram árvores para liberar mais espaço para a agricultura e fornecer materiais de construção. Isso tornou as inundações monstruosas mais comuns.

Barragem e disputas regionais

Quanto mais longe das nascentes  do Nilo, maiores se tornam os problemas, assim vai se configurando, aos poucos, a morte do rio Nilo.

Trinta milhas depois de deixar o lago Tana, o rio mergulha sobre o majestoso Nilo Azul, e depois entra em uma longa rede de profundos desfiladeiros. É a parte mais bonita, mais isolada e, talvez, a mais problemática de toda a bacia. Isso ocorre porque o oeste selvagem, pouco povoado da Etiópia, está atolado em disputas locais e internacionais.

mapa do rio Nilo
O lago Tana

Deslocamento de milhares de pessoas

A partir da construção polêmica da maior barragem da África, a barragem de Merowe, no útero acidentado do Nilo, próximo da fronteira sudanesa, houve um deslocamento de dezenas de milhares de aldeões de Addis Abeba, para arrendar suas terras  para agronegócios estrangeiros (pelo menos 2,5 milhões de hectares para os Emirados Árabes Unidos).

Imagem de mapa do rio Nilo com a barragem Merowe
A maior barragem.

Com um pouco mais de uma milha de comprimento e com uma capacidade de geração de cerca de 7GW, a mega barragem do Nilo é vista por muitos etíopes como uma ilustração tangível do ressurgimento de seu país após a humilhação da fome nas décadas de 1980 e 90. Os painéis rodoviários sobrepostos com os rostos dos políticos mostram o potencial de levar eletricidade para milhões.

Mas, à jusante, formado principalmente por desertos, o Nilo recebe pouca chuva e, consequentemente, a possibilidade da barragem cortar o fluxo do Nilo é percebida como uma crise existencial.

O impacto humano no Nilo

Para os viajantes do Nilo, Cartum sempre marcou um ponto simbólico. A cidade, empoleirada no ponto onde os Nilos Azul e Branco se encontram, e onde o rio finalmente assume sua ampla, sonolenta e familiar forma, é bombardeado com esgoto quase no mesmo momento em que entra na cidade.

imagem de corpo boiando no Nilo
Corpos boiando não são incomuns (Imagem: Reuters)

E é em Cartum que o rio recebe mais uma avassaladora prova:  o crescimento enorme da população.

imagem da poluição do rio Nilo
A poluição (imagem: www.al-monitor.com)

Os números da população do Egito já quadruplicaram desde 1960; a Etiópia está adicionando cerca de 2,5 milhões de pessoas novas por ano. A população total da bacia está no caminho certo para dobrar para 500 milhões até 2050.

imagem de mapa do rio Nilo em Cartum
O encontro dos rios

O déficit de água do Nilo

À medida que os governos lutam para atender as necessidades de seus novos cidadãos, o déficit de água do Nilo aumenta cada vez mais.

Em sua maior parte, os problemas de Cartum refletem os de outras cidades florescentes do Nilo. A rede de tratamento das águas residuais  quase não cresceu, mesmo que as fronteiras da capital sudanesa tenham se expandido massivamente nas últimas décadas. Com instalações inadequadas de eliminação de lixo, as fábricas e as empresas tomaram as coisas em suas próprias mãos, despejando tudo, até o escoamento tóxico de fábricas de munição que ficam próximas.

Sudão prende ambientalistas

Mas no Sudão, uma feroz tentativa contra a sociedade civil tem agravado a crise. Em 2014, o Estado encarcerou os líderes de um grupo de defesa do consumidor depois que eles fizeram barulho demais. Com medo de sofrer um destino semelhante, os ambientalistas do país tiveram que temperar a busca dos piores poluidores.

Quando a fonte natural (rio Nilo) de energia para de funcionar, o que freqüentemente acontece – especialmente porque as turbinas das barragens de Roseires e Sennar ficam entupidas com os sedimentos do Nilo da Etiópia – eles se voltam para geradores a diesel para alimentar suas bombas de água. Para cada problema, eles sempre encontraram uma solução. Até agora…

Mas no norte do Sudão, a situação atingiu um ponto de ruptura em grande parte, porque muitos jovens agricultores, cujo trabalho é necessário para manter o deserto à distância, foram atraídos pela promessa de riquezas fáceis nas minas de ouro próximas.
imagem da poluição industrial no rio Nilo
Poluição industrial e a morte do rio Nilo (Imagem www.arabstoday.net)
A desertificação cresceu barbaramente. O deserto aumentou 120 quilômetros no sul de Cartum nos últimos 30 anos, diz o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente.

O delta do Nilo e a poluição

O trecho final do Nilo é tão venenoso que, mesmo no mar aberto, ao redor da foz do rio, poucas espécies conseguem sobreviver, dizem os pescadores.

Essa é mais uma ‘contribuição’ tenebrosa de nossa geração às futuras

O Mar Sem Fim não se cansa de dizer que ‘nossa pegada’ no planeta é pesada demais. Não espere governos para agir. Faça sua parte desde já. Economize água e luz, evite usar seu próprio automóvel, use, ou dê carona; ou tente os transportes públicos. Jogue lixo na lixeira, e recicle o que puder, especialmente, o plástico. Você já estará contribuindo bastante. As futuras gerações agradecerão.

Fonte principal: http://www.bbc.co.uk/news/resources/idt-sh/death_of_the_nile.

Fontes secundárias: http://www.reshafim.org.il/ad/egypt/timelines/topics/shipconstruction.htm; https://www.livescience.com/56695-ancient-egypt-boat-tableau-discovered.html; https://www.emaze.com/@AOWFLROW/ancient-egyptian-legacy-boats; www.al-monitor.com; Reuters; www.arabstoday.net.

Conheça o Oceano subterrâneo descoberto na Amazônia

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

52 COMENTÁRIOS

  1. Quando se faz ciência, deve existir o ” pair review”. Se a informação é tão relevante e evidente, cadê o pair review deste tema?… ah!.. não existe!… foi uma publicação num único jornal só (Que nem de longe é científico). Então, podemos afirmar que é boato?…

  2. São novos aspectos da destruição. Lembro-me de um episódio do Jacques Cousteau, vi quando criança, falando da destruição do Nilo. Neste caso era a barragem de Assuan. A regulagem eliminou as cheias e a fertilização das margens. Para plantar precisavam usar maciçamente fertilizantes, na quase totalidade importados. Boa parte da energia elétrica gerada era consumida por bombas para levar água para irrigação e consumo. A irrigação jogava água no solo, a água evaporava e os sais dissolvidos ficavam, esterilizando progressivamente a terra. Com a diminuição da saída da água no delta o mar foi invadindo cada vez mais esta região que foi um celeiro por séculos e séculos. Só piorou, né?

  3. “porque pesquisamos na net e não encontramos outra referência a não ser essa, da icônica fonte inglesa que não costuma errar”.
    “em 2016 ficou provado que o mais extenso é o Amazonas, com 6.992 km) mas, muitas fontes, inclusive a própria BBC, ainda consideram o Nilo como o maior rio do mundo em extensão”. Pois é, então como ficamos? Erra ou não erra? Qualquer leitor de artigos da BBC sabe que ela é muito seletiva e sempre vai distorcer notícias de acordo com seus interesses. Então, muito cuidado com essa notícia “assustador”. Vamos plantar terror. É um lobo, é um lobo, é um lobo!!!

  4. Vamos raciocinar. O rio Nilo, que existe antes de Jesus, segundo maior rio do mundo vai acabar porque agora esta chovendo menos na Etiópia? Os artigos são produzidos por pesquisadores e publicados em revistas científicas. Uma vez publicada em revistas importantes a pesquisa publicada passa a ser importante. Mas quem é que escolhe quais artigos vão ser publicados em uma determinada revista? Os editores. Então funciona assim: Uma revista sobre meio ambiente vai publicar temas interessantes relacionados a meio ambiente, certo? Mais ou menos. Toda e qualquer revistas científicas tem suas ideologias, suas tendências de publicação. E esse tipo de ideologia de pesquisa é muito forte neste segmento de pesquisa. Já outras como economia, por exemplo, não tanto. Revistas com foco ambiental têm tendência de publicar pesquisas com foco na proteção do meio ambiente. Parece óbvio, mas isso implica em uma descriminação à artigos de pesquisa muito bem realizadas mas que não vão de acordo com o protecionismo ambiental de certas revistas. Isso quer dizer que se uma pesquisa muito bem fundamentada e desenvolvida chegar a conclusão que o aquecimento global não existe e influencia o meio ambiente muito dificilmente será publicada, pois não é do interesse das revistas acadêmicas voltadas para o meio ambiente. Então qual revista vai publicar uma pesquisa dessas? Nenhuma. É assim que pesquisas são direcionadas, porque nenhum pesquisador quer realizar anos de pesquisa sem ter a chance de publicar. É assim que acabamos acreditando em coisas tão absurdas como a morte Rio Nilo! Convido para uma reflexão simples, não acham que muitas coisas deviriam aconteceriam com esse planeta a ponto do segundo maior rio do mundo desaparecer?

    • Vamos raciocinar. Se a população aumenta drasticamente, o rio drenado, o volume de esgoto e dejetos não sujeitos decomposição ráìda como plasticos… um rio morre. Sofismas politicos não reciclam os rios.

  5. Controle populacional é fácil de ser alcançado, basta liberarem o anticoncepcional masculino. Não dá para crer que depois de 60 anos do inicio da comercialização feminina a versão masculina inexiste nem em pesquisas incipientes. Todas promessas foram sepultadas no vazio. Porque será?

  6. Enquanto isso, continuamos preocupados com aquisição de inutilidades, a verdadeira tecnologia biológica é degradada. Difícil se dissociar da multidão sem acabar isolado, embora não consiga ver prazer nos nossos rituais sociais modernos, que acabam com tudo que nos une sob o pretexto de nós unir.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here