Tecnologia ajuda oceanos de novo, saiba como

0
910
views

Tecnologia ajuda oceanos de novo, agora os privilegiados são peixes e criaturas marinhas da ‘zona do crepúsculo’

“Peixes estranhos e bonitos dos recifes da ‘zona do crepúsculo’, a parte mais profunda e menos conhecida do oceano, estão pegando carona até a superfície graças às recém-inventadas SubCAS (ou Submersible Chamber for Ascending Specimens). Esta câmara pressurizada, projetada pelos cientistas da Academia de Ciências da Califórnia e do Monterey Bay Aquarium, se estende por 60 centímetros e é usada por mergulhadores  para coletar e proteger com segurança moradores de recifes carismáticos para estudo e exposição.” A tecnologia ajuda oceanos de novo, matéria do site phys.org.

imagem de Tecnologia ajuda oceanos com o Submersible Chamber for Ascending Specimens
O Submersible Chamber for Ascending Specimens. Tecnologia ajuda oceanos de novo. (foto: phys.org)

Submersible Chamber for Ascending Specimens, entenda:

O dispositivo foi descrito em Frontiers in Marine Science. “A capacidade de mergulhar fisicamente nas profundidades da zona crepuscular usando rebreathers de circuito fechado significa que podemos explorar ambientes sem depender de submarinos ou veículos operados remotamente. “Precisamos de maneira ágil para coletar peixes importantes e trazê-los de volta vivos”. diz o autor Bart Shepherd, diretor do Steinhart Aquarium da Academia e co-líder da Hope for Reefs.”

Quem projetou a nova tecnologia

“O co-autor Matt Wandell, biólogo do Monterey Bay Aquarium projetou e construiu a câmara durante trabalho anterior. Sabe-se que os mergulhos na zona do crepúsculo apresentam desafios para mergulhadores e animais. “Ao projetar o SubCAS, sabíamos que a facilidade de operação era fundamental para não distrair os mergulhadores e manter o ritmo com paradas críticas de descompressão. Ou monitorar seus equipamentos de suporte à vida”, diz Wandell.”

Tecnologia ajuda oceanos: SubCAS, como funciona

“O SubCAS consiste em um frasco coletor interno projetado sob medida para se encaixar perfeitamente dentro de um alojamento de câmara maior. O frasco de coleta tem uma porta com dobradiças. Ele é perfurado por toda parte para permitir que a água flua quando em ascensão. O plástico transparente permite que mergulhadores monitorem peixes em busca de sinais de estresse. E mantenham um olho no medidor  de profundidade e no termômetro da câmara.”

Como era feito antes desta tecnologia?

“Antes do SubCAS, a coleta de peixes envolvia o processo invasivo. Fazia-se um buraco nas bexigas natatórias cheias de gás para evitar expansão excessiva. A câmara nos permite eliminar essa etapa. E expor espécies preciosas  para o cuidado monitorado de perto, pesquisa e exibição pública “.

Na ‘zona do crepúsculo’

Shepherd faz parte de uma equipe de pesquisa de mergulho profundo que explora a zona crepuscular. Um misterioso habitat de corais que se estende através de uma faixa de oceano de 200 a 500 pés abaixo da superfície. A essa profundidade, a luz do sol é escassa entre os baixios cheios de luz e o profundo mar escuro. Como parte da iniciativa Hope for Reefs, a equipe explora essa fronteira desconhecida com a ajuda de equipamentos de alta tecnologia, como rebreathers de circuito fechado, que exigem treinamento extensivo e permitem que os cientistas estendam seu tempo de pesquisa embaixo d’água. A maioria dos peixes na zona do crepúsculo nunca foi vista pelos seres humanos – muitos também são novos para a ciência. A longa jornada para trazer novas espécies à superfície é um processo delicado e cuidadosamente orquestrado para mergulhadores”.

Perigo na subida

“Uma subida rápida pode romper a bexiga natatória de um peixe”, diz o co-autor Dr. Luiz Rocha, curador de peixes e co-líder da Hope for Reefs. “Usando uma válvula de controle de pressão ajustável, garantimos que a pressão dentro da câmara é semelhante à profundidade onde os peixes foram coletados. Ao longo de dois a três dias, nós os trazemos para a pressão da superfície de maneira altamente controlada.”

Trabalho em equipe

“A uma profundidade de 30 metros, mergulhadores entregam o SubCAS a uma equipe de mergulho de apoio composta por biólogos especializados. Estes transportam os peixes até as instalações da costa para descompressão controlada. Mais tarde, eles empacotarão e enviarão cuidadosamente as espécies não descritas para a Academia em São Francisco para monitoramento veterinário e eventual exibição pública.”

Será ela a nossa salvação?

Não é a primeira vez que a tecnologia ajuda a monitorar os oceanos. Se ainda não perdemos a guerra pela destruição do que resta do meio ambiente, a tecnologia terá papel fundamental para mantê-lo de pé. Ela é nosso consolo sobre a herança que legaremos às futuras gerações. Sem ela, a guerra parece definitivamente perdida. É bom lembrar que, apesar do apelo que as florestas despertam, ao contrário dos oceanos, ainda esta semana a Folha de S. Paulo publicou matéria sobre o Fórum da Floresta Tropical, em Oslo. O resultado não poderia ser mais desanimador. Diz o jornal: “O encontro foi marcado pelo lançamento de relatório sombrio, o Observatório Global da Floresta (GFW, na sigla em inglês), segundo o qual 2017 foi o segundo pior ano em perda da cobertura vegetal.”

Fonte: https://phys.org/news/2018-06-safely-unknown-deep-dwelling-fishes-ocean.html.

COMPARTILHAR

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here