Regata Race to Alasca, maluquice para poucos

0
2051
views

Regata Race to Alasca, maluquice no fim do mundo

Você já imaginou uma prova náutica no Alasca, com 750 milhas (1200 quilômetros), em que competem  embarcações sem motor que variam de pedalinhos, a pranchas de stand-up paddle, passando por veleiros normais, e até mesmo veleiros com pedal? Não? Pois saiba que  ela existe há anos. O grande prêmio, um cheque de US$ 10.000, fica pregado em um pedaço de lenha no ponto final. O segundo lugar ganha um conjunto facas.É a regata Race to Alasca.

a regata Race to Alasca
Vale tudo, desde que não haja motor ou assistência.

Sem motor e sem suporte, 750 milhas de Port Townsend, Washington, a Ketchikan

Em 2022, depois de dois anos de recesso em razão da pandemia, a prova começará em 13 de junho. Segundo o site oficial, a passagem interna para o Alasca tem sido remada por canoas nativas desde tempos imemoriais, embarcações à vela por séculos, e depois que alguém encontrou ouro no Klondike, a rota ficou lotada de barcos a vapor cheios de garimpeiros se acotovelando em busca da  fortuna.

mapa da regata Race to Alasca

‘É no espírito de tradição, exploração e autoconfiança sem lei da corrida do ouro’ que Race to Alaska nasceu. A R2AK é a primeira de seu tipo e a mais longa corrida humana e eólica da América do Norte, e atualmente o maior prêmio em dinheiro para uma prova desse tipo.

regata Race to Alasca
Alguns dos participantes da regata

Os participantes, segundo o site, navegarão em um barco com chance de se afogar, ser atropelado por um cargueiro ou comido por um urso pardo. Há rajadas de vento, orcas, correntes de maré que chegam a mais de 32 quilômetros por hora e algumas das mais belas paisagens do planeta’.

PUBLICIDADE

regata Race to Alasca

‘Euforia catártica se você, simplesmente, completar o curso. R2AK é uma corrida autossustentável sem entregas de suprimentos e sem rede de segurança. Qualquer barco sem motor pode entrar. Em 2019, 45 equipes foram aceitas, mas apenas, 25 terminaram a prova’.

regata Race to Alasca

Algumas dificuldades da prova

A corrida mudou a vida de centenas de pessoas, segundo um documentário, e envolve atravessar uma das hidrovias mais complexas do mundo com correntes de 15 nós, redemoinhos monstruosos, ventos fortes, água fria, rochas, troncos, ursos, neblina, medo, fadiga e intermináveis desconhecidos.

Race to Alasca
Imagem, sailmagazine.com.

O organizador, Daniel Evans, declarou ao ktoo.org,  “Estamos muito animados para voltar com a tradição que já tem sete anos, porque queremos reacender a energia que tivemos todos esses anos.”

Evans diz que quase 40 equipes já se inscreveram para a corrida de 2022. “Vai ser ótimo porque é uma coleção de algumas equipes e pessoas que fizeram isso nos últimos anos, como Katy Stewart,  e Team Oracle, que correu todos os anos. Também temos uma equipe empolgante chamada Rite of Passage, que literalmente é um grupo de jovens começando aos 15 e chegando aos 19 – são quatro deles.”

Testando seus próprios limites

É uma regata única. Em um mundo onde as provas de veleiro são regidas por regras cada vez mais complexas, Evans diz que a regata de classe única é uma maneira de as pessoas testarem seus próprios limites.

Ketchikan, Alasca
Ketchikan, Alasca, o ponto final da prova. Imagem, r2ak.com.

“Às vezes digo que é uma forma de celebrar os heróis do dia a dia. São  pessoas – vizinhos,  que passam por você na rua – e que nunca imaginaria que podem fazer coisas tão incríveis.”

Caso queira participar, boa sorte, agasalhe-se bem e inscreva-se aqui.

Conheça a regata

R2AK Daily DAY 8 - MAD Dog Wins!

Imagem de abertura: @Drew Malcolm.

Fonte: https://r2ak.com/; https://www.ktoo.org/2022/01/07/race-to-alaska-is-back-on/.

Oceanos, semi-esquecidos pelo Observatório do Clima

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here