Pesca esportiva, conheça seus benefícios

12
5891
views

Pesca esportiva, conheça seus benefícios em países não esquizofrênicos

Recentemente este site publicou uma matéria sobre um campeonato de pesca esportiva promovido pelo Yacht Clube da Bahia, ocasião em que um tubarão mako, ameaçado de extinção, foi pescado. Houve protestos em toda parte. O Mar Sem Fim repercutiu o assunto ao  publicar a matéria da associação  Divers for Sharks – Mergulhadores pelos Tubarões.  Entre outras observações dos internautas destacamos,

Toda pesca esportiva, para qualquer espécie tem que ser abolida!

Ou,

o nome ja diz: matar por esporte. afff

Tentamos explicar  que a atividade não tem nada de mau, o caso do tubarão fisgado e embarcado foi, sim, um erro crasso já que o animal está na lista dos em perigo de extinção. Mas a pesca esportiva é regulamentada no Brasil. Veja  PORTARIA No- 4, DE 19 DE MARÇO DE 2009 do IBAMA:


Art. 2º Para efeito desta Portaria entende-se por: II – Pesca Esportiva – modalidade da pesca amadora em que é obrigatória a prática do pesque e solte, sendo vedado o direito à cota de transporte de pescados, prevista na legislação.

Ainda assim o público não entendeu e reagiu. Mais mensagens foram colocadas no post:

Eu nunca entendi essa tal de pesca esportiva. Os peixes são furados com anzol ficam fora da agua quase até a morte e vem dizer que isto é esporte?

E mais:

Isso não é pesca, não é esporte, é matança brutal que só tem sentido para cabeças doentias!

Este tipo de reação demonstra desconhecimento das pessoas que dizem se importar com questões relativas ao meio ambiente.

 imagem de pesca esportiva
Pesca esportiva. Foto: Jornal da Orla

Atividades ‘outdoor’ nos Estados Unidos: 6 milhões de empregos e US$ 646 bilhões para a econômica

A American Sportfishing Association foi fundada em 1933 para defender os interesses de pescadores esportivos e toda a indústria que está por trás da atividade. Com 80 anos de atividade, a ASA representa o interesse de 46 milhões de pessoas. É reconhecida pelo Congresso Norte- Americano como parte importante do que eles chamam de Recreation Economy, expressão que engloba todas as atividades ao ar livre, contemplando desde a visitação aos Parques Nacionais, até atividades como pesca, caça, escalada, camping, e dezenas de outras. A atividade  gera por ano 7. 6 milhões de empregos, e US$ 887 bilhões de dólares para a economia.

Nos USA os pescadores esportivos compram licenças e seguem regras rígidas

São quase 46 milhões de pescadores licenciados que movimentam mais de US $ 45 bilhões em vendas no varejo, com um impacto de US $ 125 bilhões na economia do país, criando emprego para mais de um milhão de pessoas. Além destes números estratosféricos, a renda das licenças de pesca

contribuem para  proteger, preservar e melhorar o esporte de pesca para hoje e para as gerações vindouras. Taxas de licença ajudam a pagar pela pesca, desenvolvimento e proteção de habitats, programas especiais para  espécies ameaçadas, educação  e conservação.

Então, qual o mal da pesca esportiva?

Sem falar nos números da economia, e na enorme quantidade de empregos criados, há nos USA 46 milhões de fiscais da natureza, afinal, o que querem os pescadores esportivos senão um meio ambiente protegido, vigoroso, para que possam continuar a praticar seu hobby?

Pesca esportiva nos mares norte- americanos: US$ 199 bilhões em vendas e 1,7 milhão de empregos

Algum desavisado pode dizer que os dados acima são pouco confiáveis, em razão de serem divulgados pela Associação de Pescadores que tem interesse  particular no assunto. Vejamos o que diz a NOAA, a agência governamental americana que cuida de tudo em relação ao mar:

A pesca comercial e recreativa em água salgada gera mais de US $ 199 bilhões em vendas e cria 1,7 milhões de postos de trabalho na economia do país em 2011 
Sam Rauch, vice-administrador assistente NOAA para o Serviço de Pesca declarou:
A pesca comercial e recreativa são parte integrante do tecido social e econômico da nação.

Pesca esportiva praticada em Parques Nacionais Marinhos

Mais uma prova de seus benefícios: em muitos parques nacionais marinhos ela é a grande atração. Até a atrasada Cuba percebeu. E permite que haja a pesca, modalidade ‘pesque e solte’, em seu mais afamado parque, Jardines de La Reina, que atrai pescadores de todo o mundo. Estivemos lá, e constatamos os benefícios. O parque gera empregos para a empobrecida Cuba, além de divisas. Ex-pescadores artesanais são os guias de pesca do parque.

No Brasil a pesca esportiva movimentou R$ 1 bilhão em 2013

A ANEPE, Associação Nacional de Ecologia e Pesca Esportiva, informa que:

Na área de turismo náutico, um dos segmentos que tem surpreendido no País é o mercado de pesca esportiva. O ramo movimentou cerca de R$ 1 bilhão em 2013 e tem crescido cerca de 30% nos últimos anos, conforme o levantamento do Sebrae denominado “Estudo de Ideias de negócios para 2014”. Em dez anos, quase dobrou o número de pessoas com o hábito de pescar no Brasil, passando de 4 milhões para 7,8 milhões, segundo a consultoria Ipsos | Marplan.

E mais:

o ramo gera por volta de 200 mil empregos diretos e indiretos, incluindo as lojas de materiais de pesca, rede hoteleira especializada, gastronomia, criadores de iscas vivas, guias de pesca, condutores de embarcações, enfim, toda uma cadeia paralela de oportunidades comerciais.

Um dia é da caça, outro do caçador. Saiba mais.

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

12 COMENTÁRIOS

  1. Para os ricos que pagam altas licenças é bom. Para os peixes e natureza não. Se liga, defender o indefensável e chamar os contrários de esquizofrênicos.

  2. “Pesca esportiva” dentre tantas, esta está entre as maiores imbecilidades do ser humano. Gente que se diverte em sacrificar outros seres vivos, para tirar uma foto e se exibir para os amigos tão imbecis quanto, mas eles sempre têm suas explicações, nem que seja para acalmar o extresse
    de loucuras.

  3. As pessoas que acham que é crueldade fisgar um anzol na boca de um peixinho, são as mesmas que quando vão ao supermercado, peixarias, feiras e restaurantes, ao saborear um bom peixe em seus pratos/casas, não pensam nisso. Culpado disso deve ser o Presidente Jair Bolsonaro, que é um pescador amador. Já a pesca esportiva é um termo que se tenta de toda a maneira – por alguns – ser implantada no Brasil.

  4. A pesca “esportiva” é, segundo o Ibama, uma divisão da pesca amadora. Portanto, existe de fato e não de direito, já que pode ou não ser praticada e não existe uma licença de pesca que a sustente, como é na pesca amadora. Basta ver o documento de arrecadação e qual licença o mesmo é pago para exercer a atividade. Aos que acham crueldade, fisgar um anzol da boca de um peixe, são os mesmos que também achariam – se o soubessem – que neles, peixes, são cravados também arpões, fisgas, redes onde morrem presos, tarrafas, cercos, espinheis, bombas, e outras tantas armadilhas praticadas por ditos pescadores. E muitos desses últimos citados, nem licença de pesca pagam. Pelo contrário, recebem um salário mínimo – em época de desova ou piracema – para “fazerem o favor de não pescar – enquanto as espécies são protegidas por lei, para a continuação das espécies. Os pescadores chamados artesanais/profissionais fazem de sua pescaria, uma profissão. Está sendo provado, por investigação oficial que 2/3 terços de essas inscrições são falsas que geram anualmente 2 bilhões de reais de corrupção. E mais, hoje qualquer um tenta proteger a pesca esportiva com o famoso jeitinho, com leis estaduais e até municipais, o que é um desrespeito ao artigo 23 de nossa Constituição, pois deixam de observar a palavra “concorrentemente, ali inserida. E órgãos como Ibama, ICMBio, a tudo assistem sem se pronunciar. Uma lei estadual/municipal, é feita de maneira esdrúxula, com cientistas de pouca ação e vivência no assunto e, por intermédio de um PL, desprovido em sua tramitação pelo legislativo e sem conhecimento do assunto, torna-se lei. Pior ainda são os que criam “empresas de fachada com nomes tais como Federações, Confederações Estaduais, etc, para promover atos, que existem de fato mas, sem nenhum direito. Não vou me alongar mais. Apenas duas citações: “na casa onde não há pão, muitos falam e poucos tem razão”. E outra aos que condenam a selvageria de um anzol fisgado cruelmente na boca de um peixe e com os demais acessórios citados acima, que acham que comprando o peixe em uma peixaria, não estão cometendo nenhum – por eles citados – crime ou crueldade com os “peixinhos. Quanto a renda que a pesca amadora proporciona, não há meios de dimensiona-la, já que o contrabando de seus materiais é impossível de ser fiscalizado. O mundo todo faz da pesca amadora, um grande fator de turismo e arrecadam milhões com a atividade. No nosso país, só alguns “privilegiados” se beneficiam desses rendimentos, sem pagar qualquer imposto sobre a atividade. Pobre Brasil.

  5. Imagine um anzol cravado na sua boca e o peixe arrancando o anzol e jogando você novamente na água, você vai se debater um tempo com dor, mas pelo menos está vivo. Como os peixes são cruéis.

    • “Pesca esportiva” dentre tantas, esta está entre as maiores imbecilidades do ser humano. Gente que se diverte em sacrificar outros seres vivos, para tirar uma foto e se exibir para os amigos tão imbecis quanto, mas eles sempre têm suas explicações, nem que seja para acalmar o extresse
      de loucuras.

  6. os quias de pesca tem papel importante neste assunto, pois são eles que nos levam até onde estão os cardumes. acredito que o poder público poderia orientá-los e concientizá-los a tal pratica do pesque e solte, respeitando as cotas , notadamente em auto mar, onde é ” minha praia”.

  7. Eu acho que no Brasil infelizmente estes tipos de matérias não encontram ressonâncias junto a população em geral, pois nenhum governo fez até hoje nenhum esforço em educar a população e aqui nem estou falando em educação escolar, mas aquela educação “basal” para o convívio como sociedade; aqui é praxe as pessoas acharem que podem sujar os locais públicos porque pagam imposto e ainda recentemente uma mulher foi flagrada por um radialista no centro de BH tirando as poucas flores de um jardim quando ela respondeu na cara dura: “eu posso pegar algumas flores porque eu pago impostos”. Viva-se num país onde pessoas adultas tem tamanha desfaçatez. Se não conseguem preservar um jardim acho que caças e pescas não encontrarão guarida tão cedo nas mentes de brasileiros, que frequentemente flagram “pescadores” usando dinamites para matarem e recolherem os pobres peixes.
    Emulando a Martin Luther King só me resta afirmar: I HAVE A DREAM! THAT IN UNKNOWN FUTURE BRAZILIANS WIIL BE NEAR TO HUMAN KIND.

  8. Pesca esportiva, daquelas dentre as maiores imbecilidades inventadas pelos humanos, o tipo arranca da água um peixe com ferimentos na boca, tira uma foto imbecil para mostrar para amigos tão imbecis quanto, arranca o anzol rasgando a boca do peixe. Mas eles sempre se justificam com alguma ideia ainda mais estúpida. Imagino se um dia os alienígenas aparecerem por aqui e fazerem caça esportiva conosco, espero que os primeiros sejam os pescadores esportistas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here