O Brasil na COP 26 visto pela mídia estrangeira

1
2630
views

O Brasil na COP 26 visto pela mídia estrangeira

The Economist, em 6 de novembro: Brazil wants more from COP 26 than it is willing to give (O Brasil quer mais da COP 26 do que está disposto a dar); The Guardian, em 1º de novembro, Do not trust Brazil’s ‘greenwashing’ promises, say Amazon activists (Não confie nas promessas  ‘verdes’ do Brasil, dizem ativistas da Amazonia); CNN, 1º de novembro, Brazil brings big green plans to COP 26. But its track record is dismal (O Brasil traz grandes planos verdes para a COP 26. Mas seu histórico é desanimador). São veículos de tendências distintas. A Economist é um ícone do liberalismo, o Guardian está mais à esquerda, e CNN, pode ser tida como ‘neutra’ politicamente. Apesar disso, as visões são bem parecidas como se verá. O Brasil na COP 26 visto pela mídia estrangeira.

Ilustração da bandeira brasileira
Ilustração do Economist.

O Brasil na COP 26 visto pela mídia estrangeira: The Independent

Abertura do texto do Independent: ‘O Brasil costumava ser um dos principais protagonistas nas negociações climáticas globais, seus representantes propunham todos os tipos de formas inovadoras de aumentar a vegetação. Hoje, não mais. Esta semana, Jair Bolsonaro, o presidente sitiado, decidiu comer nhoque com parentes distantes no norte da Itália, em vez de participar da COP 26, a conferência climática da ONU em Glasgow. “Todo mundo atiraria pedras nele”, explicou Hamilton Mourão, o vice-presidente’.

Histórico recente: terrível

‘O histórico do país em mudanças climáticas é realmente terrível. Desde que Bolsonaro assumiu o cargo em 2019, a taxa de desmatamento aumentou 45%.’

Um ácido retrato da realidade

E, mais adiante, um ácido retrato da realidade: ‘Mas enquanto Bolsonaro parecia gostar de sua reputação de pária – desistindo de hospedar a COP 25  em 2019 e começando uma briga com Emmanuel Macron, o presidente francês – ele agora parece ansioso para tentar melhorar sua reputação. “Não sou tão ruim quanto as pessoas dizem”, disse ele a Angela Merkel, a chanceler da Alemanha, quando ela o abordou em um jantar do G20 em Roma em 30 de outubro, no qual ele estava sentado sozinho. A delegação cop26 do Brasil espera transmitir a mesma mensagem.’

‘Mais flexível’

‘Em 1º de novembro Joaquim Leite, o ministro do Meio Ambiente, disse que o Brasil aumentaria sua meta de redução das emissões para 50% até 2030 em relação ao nível de 2005 e anteciparia o ano em que pretende atingir as emissões líquidas zero de 2060 a 2050, como muitos países fizeram. De acordo com Leonardo Cleaver, o principal negociador, o Brasil será “mais flexível” no Artigo 6, uma cláusula contenciosa do acordo de Paris de 2015 que estabelece regras para o comércio global de carbono’.

PUBLICIDADE

‘Leite prometeu que o Brasil acabará com o desmatamento ilegal até 2028. É uma meta digna que parece, no momento, totalmente inatingível’.

‘Ausência de liderança federal’

‘Na ausência de liderança federal, alguns estados estão criando suas próprias políticas climáticas, incluindo empréstimos subsidiados para agricultores de baixo carbono e concessões de terras públicas para uso sustentável’.

‘O Congresso brasileiro está debatendo um projeto de lei que criaria um mercado regulado de carbono, que é apoiado por grande parte do setor privado’.

Conclusão do Independent

‘Mas enquanto Bolsonaro permanecer no poder, parece improvável que muita coisa mude. Nem ele nem membros de seu círculo íntimo parecem levar o clima a sério. O progresso pode ter que esperar até depois da eleição em 2022, que Bolsonaro provavelmente perderá’.

Aqui você encontra o texto do Economist

O Brasil na COP 26: The Guardian

Abertura: ‘Os defensores da floresta amazônica estão pedindo aos delegados da Cop 26 que não confiem nas promessas de “verdes” do governo de Jair Bolsonaro, que causou estragos no meio ambiente nos últimos três anos’.

Ie desmatamento na Amazônia publicada na mídia estrangeira
Foto escolhida para ilustrar a matéria: desmatamento galopante na Amazônia.

‘O Brasil terá uma das maiores delegações nas negociações climáticas da ONU em Glasgow e financiará um luxuoso pavilhão promocional dentro do centro de conferências. Segundo a ministra da Agricultura, Tereza Cristina Corrêa da Costa Dias, e o ministro do Meio Ambiente, Joaquim Alvaro Pereira Leite, a mensagem é que o Brasil é “um campeão de longa data da agenda ambiental e uma potência agroalimentar’.

Depois de ouvir especialistas patrícios como Suely Araújo, e Carlos Rittl, diz o Guardian: ‘Imagens de satélite mostram que o desmatamento está em seu nível mais alto desde 2012. Mais de 10.000 quilômetros quadrados foram perdidos nos 12 meses até julho – uma área quase sete vezes maior que a grande Londres e um aumento de 57% em relação ao ano anterior. Os cientistas dizem que a floresta tropical está se aproximando de um ponto crítico irreversível, após o qual se degradaria em uma savana seca’.

Plano brasileiro ‘altamente insuficiente’

‘Cada nação deve vir a Glasgow com um plano climático mais ambicioso para que o mundo possa se aproximar da meta do acordo de Paris de manter o aquecimento global o mais próximo possível de 1,5°C. A grande maioria dos governos prometeu ações mais fortes, mas quando o Brasil atualizou seu plano climático nacional, em dezembro passado, enfraqueceu suas metas e permitiu 400 megatons de emissões extras. O Climate Action Tracker classificou isso como “altamente insuficiente’.

PUBLICIDADE

O passado ainda presente

Como os demais, o Guardian reconhece a passado brasileiro: ‘O Brasil sempre provou ser um jogador-chave nas negociações sobre o clima e sua equipe de negociação é altamente respeitada. Desde que Bolsonaro assumiu o poder, no entanto, o país se tornou conhecido por suas políticas nacionalistas e antiglobalistas. Um de seus primeiros atos foi abandonar os planos para sediar a COP 25. No encontro de Madri, a ONG Climate Action Network presenteou o Brasil com o prêmio “fóssil colossal” de país menos progressista’.

A força dos EUA, e a demissão de Ricardo Salles e Ernesto Araújo

‘Em Glasgow, o Brasil mostrará um rosto menos rebelde. Isso se deve em grande parte à mudança em Washington. Enquanto Donald Trump estava na Casa Branca, Bolsonaro foi encorajado a denegrir a cooperação internacional no cenário mundial. Desde que Joe Biden chegou ao poder, ele foi forçado a demitir seus dois representantes mais tóxicos globalmente: o ex-chanceler Ernesto Araújo e o ex-ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles’.

Sobre a bancada Bolsonarista no Congresso

‘Na cúpula do clima de Biden no início deste ano, Bolsonaro prometeu cumprir a meta estabelecida por uma de suas antecessoras presidenciais, Dilma Rousseff, de parar o desmatamento ilegal até 2030. Mas isso ameaça perder o sentido porque seus apoiadores no Congresso estão tentando mudar a lei para permitir mais desmatamentos legais e invasões de terras indígenas, que geralmente são os territórios mais bem protegidos’.

Sobe os temores do agronegócio

‘Muitos no setor de agronegócio temem perder mercados se o presidente continuar a manchar a imagem do país no exterior. Alguns agricultores percebem que a chuva para suas safras depende de uma floresta amazônica estável’.

Sobre os US$ 100 bilhões em financiamento

‘O Brasil e outras nações em desenvolvimento também farão com que os países ricos finalmente cumpram sua promessa de US$ 100 bilhões por ano em financiamento climático entre 2020 e 2025. Se aprovado, a questão chave é como garantir que o dinheiro seja gasto em projetos que reduzam as emissões e impactos climáticos’.

Leia aqui o artigo completo do Guardian

A visão da CNN

‘O Brasil está se dirigindo para a cúpula do clima da ONU em Glasgow com ambiciosas promessas ambientais, incluindo a redução das emissões em 50% e o fim do desmatamento ilegal até 2030, além de se tornar neutro em carbono até 2050’.

PUBLICIDADE

Pode-se acreditar em Bolsonaro?

‘Mas pode-se acreditar na administração do atual presidente Jair Bolsonaro? Ganhou pouca credibilidade junto aos defensores ambientais locais, após desmantelar a legislação federal e as agências ambientais destinadas a combater o desmatamento e promover o aumento da mineração e extração de petróleo em territórios indígenas e terras protegidas publicamente’.

Programa de “Crescimento Verde” do MMA

‘O Ministério do Meio Ambiente do Brasil divulgou na semana passada um programa de “Crescimento Verde” para atingir suas metas climáticas’.
‘Em nota, informou que o programa atrairá investimentos do mercado mundial e gerará empregos sustentáveis. Bolsonaro assinou dois decretos estabelecendo o programa e uma comissão de supervisão, mas até agora o governo não articulou nenhuma meta específica ou mecanismo de responsabilização para medir o sucesso do programa’.

Congresso pode estimular desmatamento

‘Enquanto isso, dois projetos de lei estão em debate no Congresso que podem estimular ainda mais o desmatamento: Eles concedem anistia para ocupação ilegal de terras, facilitando a regularização de terras públicas desmatadas ilegalmente, e a mineração e outras atividades em territórios indígenas’.

Desenvolvimento insustentável do Brasil

‘Os efeitos do desenvolvimento insustentável do Brasil até agora podem ser vistos claramente no estado amazônico de Rondônia. Sobrevoando o estado em setembro com a Amazon in Flames Alliance, uma parceria de organizações ambientais, a CNN pôde ver as fazendas e fazendas de gado se tornarem mais esparsas ao se aproximar do Parque Nacional Mapinguari. Mas dentro de alguns quilômetros, grandes cicatrizes de floresta queimada e árvores ainda em chamas tornaram-se visíveis – áreas que logo se transformarão em pasto’.

O artigo completo da CCN pode ser lido neste link

Na mídia francesa

A mesma pesquisa que fizemos na língua inglesa, fizemos na francesa. E não achamos grande diferença entre uma e outra. Para não ficar cansativo, elencamos alguns títulos apenas, mas todos com links caso o leitor se interesse.

Le Figaro, em26 de outubro, Cop 26: Le Brésil réclame une indemnisation pour sa lutte contre la déforestation (Brasil exige indenização por combate ao desmatamento) ; www.lejdd.fr, 6 de novembro, France, Canada, Costa Rica, Russie, Brésil… Les bons et mauvais élèves de la COP 26 (França, Canadá, Costa Rica, Rússia, Brasil … Os bons e maus alunos da COP 26); www.lindependant.fr, 2 de novembro, COP 26 – Une centaine de pays dont le Brésil et l’Indonésie promettent de stopper la déforestation d’ici 2030 (COP 26 – Cem países, incluindo Brasil e Indonésia, prometem parar o desmatamento até 2030).

Imagem de abertura: Economist/LoCole

Barco de pesquisa e limpeza é o maior do mundo, conheça

Comentários

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here