Naufrágios romanos, bizantinos e otomanos no Mar Negro

1
22494
views

Naufrágios romanos, bizantinos e otomanos encontrados em perfeito estado no Mar Negro

O encontro foi casual e aconteceu em 2018. Os cientistas investigavam as mudanças no nível do mar nas sociedades humanas primitivas ao longo da costa búlgara. Mas descobriram naufrágios dos impérios romano, bizantino e otomano durante as pesquisas. Segundo o site https://www.mirror.co.uk/ “a equipe arqueológica usou Veículos Operados Remotamente (ROVs) para encontrar 60 naufrágios que remontam a 2.500 anos e, de maneira idêntica, galés dos impérios romano, bizantino e otomano.”

imagem e naufrágios antigos no Mar Negro
Imagem, https://www.mirror.co.uk/.

Para Ed Parker, CEO do Black Sea Maritime Archaeological Project,  “Alguns dos navios só foram vistos em murais e mosaicos até o momento. Há um navio comercial medieval onde as torres na proa e na popa ainda estão lá.”

Um destes naufrágios, acredita-se ser o mais antigo do mundo.

O surgimento do Mar Negro

A National Geographic, também abordou a descoberta: “À medida que a Terra esquentava, 12 mil anos atrás, o gelo glacial derreteu e o nível do mar subiu. A água do Mediterrâneo transbordou para a Ásia Menor, criando o Mar Negro.”

Características do Mar Negro

Para saber, recorremos à velha e boa britânica.com: “A extensão máxima leste-oeste do mar é de cerca de 1.130 km. A distância mais curta entre a ponta da Crimeia e o Cabo Kerempe, ao sul, é de 260 km.”

Mapa da localização do Mar Negro

PUBLICIDADE

“O Mar Negro faz fronteira com a Ucrânia ao norte, a Rússia ao nordeste, a Geórgia ao leste, a Turquia ao sul e a Bulgária e a Romênia a oeste. Ele ocupa cerca de 422.000 km2.”

Salinidade

“A salinidade das águas superficiais no mar aberto é em média entre 17 e 18 partes por mil. Isso significa aproximadamente metade da salinidade dos oceanos. Um aumento acentuado, de até 21 partes por mil, ocorre em profundidades de aproximadamente 50 a 150 metros, abaixo das quais o aumento é muito mais gradual…”

Oxigênio só nos níveis superiores

“Uma característica mais importante do Mar Negro é que o oxigênio é dissolvido (e uma vida marinha rica é possível) apenas nos níveis superiores da água. Abaixo de uma profundidade de 70 a 100 metros não há oxigênio. Naqueles alcances, o mar é contaminado por sulfeto de hidrogênio, o que resulta em uma “zona morta” sombria e saturada, frequentada apenas por bactérias adaptadas.”

Oxigênio e conservação dos naufrágios

E é esta última característica, a ausência de oxigênio nas camadas mais profundas, que faz com que os naufrágios encontrados estejam em surpreendente estado de conservação. São os organismos marinhos que danificam, ‘comem’ os naufrágios, especialmente os de madeira. Como estes organismos quase não existem no Mar Negro, os naufrágios estão em ótimo estado considerando o tempo em que foram a pique.

Naufrágios romanos, bizantinos e otomanos no Mar Negro

A National Geographic explica: “Mais de 40 naufrágios datados de um milênio. O mais antigo é dos anos 800, durante o Império Bizantino, e o restante data em grande parte de quando o mar estava sob o domínio do Império Otomano, do século XIV ao século XIX.”

imagem de naufrágio no Mar Negro
Imagem, EEF.

NG: “O Mar Negro tem um dos melhores exemplos dentre uma variedade medieval de navios venezianos, e que provavelmente afundaram em algum momento do século XIII. As luzes de um ROV identificaram o tombadilho distintivo da embarcação, identificando esse naufrágio como um “navio redondo”. Se, como a equipe acredita, este barco serviu ao império veneziano, o malfadado  teria afundado durante a era dourada de Veneza – o período em que Marco Polo registrou suas aventuras.”

Naufrágios e o interesse da ciência

NG: “De grande interesse para os cientistas são os artefatos. Na maioria dos oceanos, cordas e mastros são rapidamente consumidos por águas oxigenadas, contudo no Mar Negro o oxigênio está totalmente ausente abaixo de grandes profundidades. Esses delicados restos foram preservados.”

imagem de naufrágio antigo no Mar Negro.
Imagem, Rodrigo Pacheco-Ruiz.

www.mirror.co.uk faz coro: “É como se você estivesse vendo um navio em um filme, com cordas ainda no convés e esculturas em madeira. Quando vi aquele navio, a emoção realmente começou a aumentar. O que descobrimos é realmente incomparável. ”

imagem de detalhe de naufrágio antigo
Pequenos detalhes estão intactos. Imagem, Rodrigo Pacheco-Ruiz.

“A maioria dos navios tem cerca de 1.300 anos. Mas o mais antigo é do século IV a.C.  As descobertas deram aos arqueólogos uma visão geral de 2.500 anos da construção naval. Líder do projeto Prof Adams, da Universidade de Southampton, disse: “Este conjunto deve compreender um dos melhores museus subaquáticos de navios e navegação marítima do mundo”.

PUBLICIDADE

A tecnologia ajudando mais uma vez…

Quem explica é a National Geographic: “Graças às suas águas profundas e sem oxigênio, o Mar Negro preservou um grande número de destroços e, agora, graças à tecnologia usada pelo Projeto de Arqueologia Marítima (MAP), as pessoas na superfície podem vê-los de perto.”

imagem do navio de pesquisas Stril Explorer
O navio de pesquisas Stril Explorer.

“Baixados do navio de pesquisa do MAP (um antigo navio da indústria de petróleo chamado Stril Explorer), os ROVs da equipe podem se aproximar dos destroços e imaginá-los usando fotogrametria.”

“Essa técnica complexa consiste em fazer medições meticulosas dos destroços de vários ângulos, além de milhares de fotos de alta resolução. Os dados são alimentados em um computador, que combina as medidas e as imagens para criar uma imagem nítida, geralmente captando detalhes como cordas e esculturas.”

Imagem de abertura: https://www.mirror.co.uk/

Fontes: https://www.mirror.co.uk/news/world-news/scientists-investigating-climate-change-stumble-11197975; https://www.nationalgeographic.com/history/magazine/2017/03-04/black-sea-ancient-shipwrecks-bulgaria/; https://www.britannica.com/place/Black-Sea/Climate; https://aventurasnahistoria.uol.com.br/noticias/almanaque/o-impressionante-cemiterio-de-navios-encontrado-no-mar-negro.phtml.

Novas espécies de tubarão descobertas, uma boa notícia!

Comentários

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here